Benioff, Weiss e Cogman falam sobre a 5ª temporada para a EW

Weiss (esquerda) e Benioff (direita). Foto: Suzi Pratt.

Weiss (esquerda) e Benioff (direita). Foto: Suzi Pratt.

James Hibberd da Entertainment Weekly entrevistou recentemente os produtores de Game of Thrones, David Benioff e Dan Weiss. A entrevista também contou com a participação de Bryan Cogman, co-produtor e roteirista da série. Eles falaram, é claro, sobre o que vem por aí na 5ª temporada da série.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Agora que as filmagens terminaram, o que parece a vocês a coisa mais única sobre a nova temporada?

David Benioff: Mundos estão em colisão. Por muito tempo, estivemos em continentes separados, e finalmente nesta temporada estamos começando a ver cruzamentos. Tyrion e Arya – no fim da 4ª temporada, nós vimos dois personagens principais rumando para Essos. Isso muda tudo para nós. É empolgante ver nossos personagens familiares em locais não-familiares e interagindo entre si, e espera-se que vejamos mais disso com o progresso da história.

Dan Weiss: É quase como Boggle – ou é Yahtzee? – em qe você chacoalha os dados e reembaralha. Um dos prazeres da série é a possibilidade de soprar novas energias e vida, não apenas fazendo coisas maiores e mais elaboradas – que faremos – mas colocando pessoas em que realmente investimos umas contra as outras, pessoas que nunca se encontraram antes na série.

Bryan Cogman: As histórias estão se misturando de formas emocionantes. É como a Fase 2 de Thrones. As peças e o escopo do mundo se expandiram enormemente. Vai ser uma temporada muito rica. Além disso, muitos dos nossos personagens principais de uma forma ou de outra se vêem em posições de poder. Alguns o estão buscando, e outros tropeçam nele. E se há um elo em comum, é o que eles fazem em posições de poder – você tem essa coisa, e então o que acontece em seguida? O que é ótimo sobre o mundo de George é explorar o que realmente signica ser um governante e líder. Vocês vão ver mais das complicações políticas de uma forma fascinante. A outra coisa é ter personagens entrando em contato uns com os outros.

O trailer mostra que Tyrion [Peter Dinklage] vai encontrar Dany este ano. Mas vamos falar sobre outros dos nossos personagens favoritos que têm grandes arcos nesta temporada. Arya [Maisie Williams]?

Benioff: Arya vai para Braavos encontrar seu destino lá, o que é fascinante para nós. Ela tem vagado por aí por anos com a mesma roupa, e este ano ela ganha uma nova roupa, novo corte de cabelo, novas pessoas para fazer amizade – ou para brigar, como pode ser o caso. É uma temporada empolgante para Arya e Maisie adora.

Jon Snow [Kit Harington]?
Benioff: É uma temporada enorme para Jon. Ele realmente está crescendo e assumindo o manto da liderança. Na Batalha por Castelo Negro, ele mostrou ser um líder de homens. Ele assumiu o controle e realmente salvou o dia. Nesta temporada, ele começa em uma posição com mais autoridade que ele nunca antes teve, e todas as responsabilidades e pressões que advêm disso. Ele se vê em meio a dois reis poderosos, Stannis Baratheon [Stephen Dillane] e Mance Rayder [Ciarán Hinds], ambos por quem ele tem admiração de certa forma mas com quem também se frustra porque nenhum deles quer se comprometer.

Cersei [Lena Headey]?
Benioff: De certa forma, ela está realmente sozinha agora. Cersei não é alguém que deva ficar sozinha por muito tempo porque ela tem ideias sombrias, e agora ela tem os meios para implementar essas ideias. É uma temporada forte para a personagem, e a forma com que Lena entrou nisso foi incrível de assistir.

Dany [Emilia Clarke]?
Benioff: Ela foi incrivelmente bem-sucedida como conquistadora, e agora ela está tendo dificuldade para governar. Conquistar é binário – você perde ou ganha. Mas governar é tomar decisões complicadas todos os dias, onde muitas vezes não há respostas certas. É apenas uma questao de quem você vai deixar puto durante o dia. Ela está lutando para manter seu senso de justiça e fazer a coisa certa, e aprendendo que isso é impossível quando se governa uma cidade tão grande como Meereen.

Vamos para Dorne. O que deixa vocês animados sobre incluir esse reino?
Weiss: Ficamos muito felizes poder poder incluí-lo. Não saberíamos se iria se encaixar, para ser honesto – por motivos de orçamento, agenda e história. Havia várias formas que tínhamos para enfiá-lo. Mas é um lugar tão importante. De todos os lugares em Westeros que você quereria viver, os dorneses parecem ter arrumado o melhor modo de lidar com a vida. É o mais alinhado com o que nosso modo de lidar com a vida seria se não estivéssemos fazendo essa série. É o nosso Brazil – sonhamos com Dorne e as coisas que eles fazem lá. E Indira Varma [que foi apresentada como Ellaria Sand na última temporada] – uma vez que você tem alguém do calibre dela, você quer multiplicar essa força de elenco. E também as Serpentese de Areia são um acréscimo divertido, empolgante para aquele mundo. [O Príncipe Oberyn Martell] abriu uma pequena janela para esse mundo na última temporada, e agora você pode entrar nessa janela e ver que tipo de mundo é esse que fez essa pessoa que amamos tanto.

Qual foi o maior desafio este ano?

Weiss: O maior desafio de produção é que há duas cenas que são muito maiores em escala do que qualquer coisa que tentamos fazer. Talvez 17 dias para filmar uma sequência. Isso é algo que nunca tentamos antes. Tem muitos efeitos especiais nessa cena.

Benioff: Todo ano fica mais difícil. Nós continuamos esperando que uma temporada vá ser mais fácil, mas esta é a mais difícil em parte porque filmamos mais exteriores do que jamais fizemos.

Mais atividade com dragões nesta temporada também, pelo que ouvi?

Benioff: À medida em que crescem, eles se tornam mais complexos. Dany disse que ela era a Mãe de Dragões e ela não quis dizer isso como uma coisa metafórica, mas que eles são os únicos filhos que ela vai ter. Eles cresceram em termos de personalidade e em termos de seu próprio tamanho, e isso faz deles mais complicados para lidar em termos de história e em termos de produção. Você fala sobre personagens tendo sua mais importante temporada até agora, essa é definitivamente a maior temporada que os dragões tiveram até agora.

Um ator notou que conseguir o orçamento que vocês precisavam foi um problema menor desta vez.

Weiss: O problema de dinheiro foi em grande parte substituído pelo problema de tempo. Ainda há problema de dinheiro; uma vez que os orçamentos de TV não são orçamentos de filme, você está sempre fazendo escolhas inglórias em termos de efeitos visuais. Nós chegamos ao limite absoluto do número de dias que conseguimos filmar em um ano.

Nesta temporada, vocês estão se distanciando mais dos livros.
Benioff: Eu acho que a cada temporada foi um pouco mais. A primeira temporada foi extremamente fiel. A temporada seguinte teve algumas diferenças. Cada temporada precisou se distanciar um pouco mais. Se fôssemos ficar inteiramente fiéis ao Festim dos Corvos, metade dos personagens – os personagens mais populares – estariam ausentes da tela nesta temporada. Sempre foi sobre adaptar a serie como um todo e seguir o mapa que George desenhou para nós e passar pelos marcos principais, mas não necessariamente por todas as paradas ao longo do caminho. É uma adaptação, vai ter que adaptar para sobreviver. Sempre vai haver pessoas que querem que tudo permaneça exatamente como nos livros. Para nós, nunca foi uma opção.

Cogman: Essa é a temporada mais arriscada, de uma perspectiva de se contar a história, e certamente a mais difícil. Nós tivemos que adaptar dois livros enormes e seguir arcos e temas sobre que – embora certamente inspirados pelos livros – foram um pouco mais coisa nossa.

À medida em que vocês começam a chegar mais perto do fim do material publicado de George, deve haver uma mudança na dinâmica com os atores também – ninguém vai saber quanto tempo ainda tem. 

Benioff: Certamente. Todo mundo está curioso. Alguns atores não querem saber. Alguns querem saber tudo. Mas se um ator sabe que seu personagem vai morrer em um certo momento, nós não o queremos interpretando como se esse fosse seu destino.

George não escreveu um episódio nesta temporada, então alguns fãs se perguntam se vocês ainda estão em bons termos.

Benioff: Nós nem sempre concordamos com tudo na série, mas temos um grande relacionamento com ele. George quer terminar o livro, então quando ele decidiu não escrever um script nessa temporada não foi motivo de controvérsia. Não foi uma guerra de gritos. Ele simplesmente sentiu que precisava priorizar o livro, e isso faz sentido para nós.

Uma questão que eu me pergunto há algum tempo: com o inverno chegando, isso significa que algumas regiões da série vão ficar sem inverno? Eu presumo que o o inverno não impacte tanto Essos. E tipo, qual é a média de neve em Porto Real? 

Cogman: Ainda há discussão sobre o quanto o inverno aparece em todos os lugares. Nós realmente ainda só o estamos vendo evidente nas áreas nortenhas. O que é divertido a respeito disso, porém, não é apenas que ele se torna uma parte temática da história, mas também vai se tornar uma parte prática. O tempo vai impactar a história de formas legais.

A audiência sobe todo ano. Isso aumenta a pressão para continuar melhorando a série?

Weiss: Sim. As pessoas que assistem a série, elas quase assinam um contrato silencioso com você, e você sente a pressão para mantê-las empolgadas. Elas fizeram a você o favor de escolher sua série ao invés de váriás e várias outras séries que elas poderiam estar assistindo nessas 10 horas por ano, e dá a impressão de que você deve algo a elas.

Benioff: O primeiro ano em que trabalhamos na Irlanda do Norte, nós passamos pela alfândega, e os agentes alfandegários diziam “No que vocês estão trabalhando?” “Um programa de TV.” “Que programa é?” “Game of Thrones.” “Isso é algum jogo de auditório?” Agora nós chegamos e eles dizem “Não matem a Arya!”

O trio, principalmente David e Daniel, certamente faz um serviço melhor em simpatia e criação de expectativa nos fãs do que George R. R. Martin em suas entrevistas. No geral, o que percebemos pelas respostas deles é que a nova temporada foi mais difícil de ser escrita (muito em razão da falta de material fonte), terá mais efeitos especiais, contará com cenas maiores e será mais empolgante. A última resposta de Weiss é quase uma indireta para agradar muitos fãs que consideram que George os desrespeita ao não lançar seus livros em intervalos menores, mostrando que eles não são assim. Sobre uma possível divergência entre George e a dupla, penso que o autor percebeu que não adianta tentar controlar a adaptação (o que é bastante acertado), e se resolveu a priorizar aquilo sobre que ele tem poder (o livro), o que os produtores não devem ter recebido exatamente como uma má notícia.

Será que a 5ª temporada vai cumprir as altas expectativas lançadas por Daniel, David e Bryan? A estreia na HBO é no dia 12 abril, mas você pode conferir o que rolou na première em Londres aqui.

[Fonte: Entertainment Weekly]

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Guest

    Legal eles citarem o Brasil (:

  • Muito boa a entrevista. Eu já imaginava q a série com o tempo iria se distanciar dos livros. Mas eu não me importo com isso, desde q a série continue boa. E esses fanboys dos livros tem q dar um crédito pra esses caras, eles tem se esforçado bastante pra fazer uma boa adaptação.

  • Eduardo Fernandes

    Bom, se Dorne for igual ao Brasil então os Dornezes estão f……. o Doran Martell deve roubar o seu povo pra caramba e o Areo Hotah é o tesoureiro que sabe das coisas obscuras e faz um acordo de delação premiada sobre o ouro enviado em 8 contas com nomes diferentes no Banco de Ferro de Bravos e o super faturamento na obra do Jardins de água, nos dois tem serpentes olha só, em Dorne são serpentes de areia e aqui no Brasil nos chamamos de Deputados e Senadores, o veneno é mais potente aqui, isso é certeza. Saí direto da língua, veneno mais forte que caveira de manticora. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Desculpe o comentário político, foi só uma análise com o que o Weiss falou e é claro que ele pensou nas coisas boas do Brasil, mas não resisti.

  • Leo Guedes

    Peço aos velhos e novos deuses que a adaptação fique no mínimo ótima , e se precisar sacrífico minha colega da faculdade para saciar R’hllor

  • ”É o nosso Brazil – sonhamos com Dorne e as coisas que eles fazem lá” mas quando vem descobre que não é nada demais, bem isso

  • “No que vocês estão trabalhando?” “Um programa de TV.” “Que programa é?” “Game of Thrones.” “Isso é algum jogo de auditório?” Agora nós chegamos e eles dizem “Não matem a Arya!” adorei

    mas gente, alguém já perguntou pra eles ou qualquer outro que tenha relação com isso sobre o que planejam fazer se os ventos do inverno não for lançado antes da sexta temporada da série?

  • Messinho’

    “NÃO MATEM A ARYA!!!”

  • “…George quer terminar o livro, então quando ele decidiu não escrever um script nessa temporada não foi motivo de controvérsia. Não foi uma guerra de gritos. Ele simplesmente sentiu que precisava priorizar o livro, e isso faz sentido para nós…”
    TWoW O.O
    VEM, MONSTRO!

  • DihGamer

    “Isso é algo que nunca tentamos antes. Tem muitos efeitos especiais nessa cena.”

    Seria a cena épica da Daenerys ou alguma batalha? Pelo amor de R’hllor! que ansiedade *——–*

  • Não sei se eles quando eles falaram “Brazil” eles se referiam ao país ou a algum dos filmes chamados Brazil, porque na entrevista original da EW a palavra estava em itálico. Aí mantive assim mesmo.

  • Ze Andrade

    Pelo contexto da citação deve ser mesmo uma referência ao país. Engraçado eles fazerem esta associação, talvez pela questão cultural. Eu sempre me prendi muito aos aspectos geográficos/naturais ao ler os livros. Eu nunca associei Brasil a Dorne , na minha cabeça eram sempre as Ilhas de Verão…

  • Joao Palmadas

    ”É o nosso Brazil – sonhamos com Dorne e as coisas que eles fazem lá”. Isso deve ser como o Brasil que os americanos idealizam, um super paraíso tropical. O Brasil real é bem diferente.

    Mas tudo bem, eu acho que o Weiss não teve intenção de ofender.

  • Castiel The Angel

    ”George não escreveu um episódio nesta temporada, então alguns fãs se perguntam se vocês ainda estão em bons termos.

    Benioff: Nós nem sempre concordamos com tudo na série, mas temos um grande relacionamento com ele. George quer terminar o livro, então quando ele decidiu não escrever um script nessa temporada não foi motivo de controvérsia. Não foi uma guerra de gritos. Ele simplesmente sentiu que precisava priorizar o livro, e isso faz sentido para nós.”

    Só eu senti que rola uma tretinha nos bastidores por esta resposta?

  • Castiel The Angel

    Eu gostaria era que alguém fosse lá e perguntasse pra eles o pq de tanto recast. Acho um puta desrespeito com os atores que apostaram na série e toparam entrar nela quando ela nem tinha audiência direito, serem chutados do nada, por nada.

  • Leandro Soares

    Muitos atores estavam ocupados com outros trabalhos, então tiveram de ser substituídos.
    Como foi o caso de Daario que estava em um filme e não pode participar da série.
    É provável que mudem o ator que faz o Rickon, pois nos livros ele é uma criança de 3 anos e até o ator aparecer novamente na série já estará com maioridade kkkkkkkkk

  • Leandro Soares

    Dorne e seu aspecto latino. Também imagino o Brasil como as ilhas de verão.

  • Leandro Soares

    Hahahahahahhahaha coitados.

  • Adriano

    Pelos ultimos tempos somos Valíria:
    Estamos perdidos ….KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • Anna C.

    Acho que estão fazendo referência ao filme de 1985, faz mais sentido que o país neste contexto.

  • Victor

    Doran Martell = Dilma? kkkk

  • Foi o que pensei.

  • João Vitor Oliveira

    Achei muito bonito da parte do Martin abrir mão de escrever um episódio e ir a alguns eventos para continuar o livro… Foi uma prova de amor aos fãs que gostam tanto da série e esperam o tempo que for para que ele escreva. Porque por mais que o próximo livro demore para ser lançado, tenho certeza que todo mundo vai querer ler quando sair. Continuo achando que essa foi a melhor opção pra série, manter os pontos principais da obra e mudar o modo como irá chegar até lá. Temos agora duas obras, livros e série, que podem ou não ser associados. Isso enriquece muito todo o mundo criado pelo Martin.

  • Sei que muitos podem não concordar, mas os dois últimos livros (Festim e Dança) não tem tantos acontecimentos emotivos e surpreendentes quanto o Tormenta, por exemplo. Em linhas gerais, os filés da história já foram usados. Claro que tem coisas interessantes sim nesses livros, mas talvez mais mornas que o Tormenta, o que torna um desafio maior para a série que vive de grandes acontecimentos. Espero que o Ventos de Inverno traga mais “casamentos vermelhos” e batalhas….

  • Castiel The Angel

    Mas no caso do Daario, foi o ator que quis sair da série – pra fazer um filme q ninguém viu por aí, aliás. Estava me referindo à recast quando o ator original ainda não saiu da série.

  • Felipe Praxeds

    cara, eu acredito que até o terceiro livro, george tinha a responsabilidade de nos introduzir aquele universo, desenvolver a história e criar reviravoltas explosivas pros rumos mudarem… no caso, festim e dança seriam pra pavimentar o caminho, trabalhar com essas reviravoltas pra que venha o grande climax com Ventos do Inverno e A Dream of Spring… então acho que podemos ficar tranquilos quanto a casamentos vermelhos hehe aliás acredito no núcleo de Mereen no sexto livro ja vai se iniciar com o pau comendo solto….

  • Vaz

    Acho que ao País mesmo. Somos tidos como um país sem preconceitos, semelhante à Dorne de George.

  • JasonLannister

    O festim e a Dança ampliam tudo, deixam a história em outra dimensão, quando vc pensa que o circulo está fechando vc vê está enganado. Acho q isso por si só já é empolgante, os vários núcleos, os novos conflitos.
    Podem não ser a Tormenta, mas esses livros tem muito potencial se a série desenvolvesse algumas coisas, como a Coração de Pedra (que dava pra render bastante), os Greyjoy, o Jaime e o cerco de Correrio, o Tyrion e o Jorah nas cidades. O único ponto que eu gostei nessa temporada foi a exclusão do arco do Bran (até nos livros não sai do lugar).

  • Igor

    Por mais que tente dar a voz há razão e não criticar a série por se distanciar dos livros sempre fico com aquele ódio tipo “Não acredito que não colocaram isso, quase rasguei o livro nesse parte!!!”…

    Mesmo com esse ódio da série é impossível, para mim, não ficar empolgado para ver a série. Se há ou não discussão entre George e os produtores sobre o rumo da série é mais um fator para temperar a história, acho que esse é o objetivo de tudo ou não há objetivo algum, só sei que quanto mais o tempo passa mas eles estão aperfeiçoando a técnica de pega-nos desprevenidos com algum acontecimento.

    Isso é ótimo!

  • Fyama Santos

    – ” Não matem a Arya! ” KKKKK..

  • Danilo Pereira

    Mas aqui machucamos criançinhas.