Em entrevista, Maisie Williams critica o cyberbullying e o feminismo de Emma Watson

Em setembro, a atriz britânica e embaixadora da boa vontade da ONU Mulheres, Emma Watson, fez um discurso sobre feminismo na ONU. Emma foi aplaudida e seu discurso foi compartilhado por milhões de pessoas nas redes sociais, porém também gerou muitas reações extremas e a atriz sofreu agressões e ameças por ousar se colocar como uma porta voz das mulheres, nada de novo para qualquer mulher que tente desafiar o patriarcado.

maisie-williams-impatient-emma-watson-feminism

ESQ POR EAMONN M. MCCORMACK/GETTY IMAGES; DIR PASCAL LE SEGRETAIN/GETTY IMAGES/VANITY FAIR

O discurso da atriz foi visto por muitas pessoas como emblemático e empoderador, ela fala sobre como conheceu o feminismo após experiências como a de ser sexualizada pela mídia aos 14 anos de idade, um problema pelo qual algumas atrizes de Game Of Thrones como a Maisie Williams e a Sophie Turner estão enfrentando agora também. Porém, a partir de certo ponto o discurso se torna um pouco problemático e também foi bastante criticado por apresentar falas feministas centradas nos homens. Emma fez um discurso basicamente sobre como as feministas não devem odiar os homens e estes devem ser convidados a participar do feminismo. Além de vários outros problemas no discurso, Emma parece não ter percebido que não são as feministas que odeiam os homens, mas boa parte dos homens odeiam as mulheres. E não é por falta de convite que os homens não querem rever seus privilégios, a verdade é que eles nunca estiveram extremamente interessados em lutar nessa batalha, porque isso requer o abandono de poder e todas as evidências sugerem que eles não estão muito a fim disso. É importante conscientizar os homens sim, mas é preciso entender que o feminismo não é sobre eles.

Veja acima o discurso de Emma na íntegra.

Maisie Williams, a Arya Stark de Game Of Thrones, foi uma das mulheres que apoiou Emma pela sua coragem de falar em nome das mulheres.

Porém, em uma entrevista recente ao The Guardian, Maisie além de comentar sobre os benefícios e os problemas de ser uma das adolescentes mais famosas da atualidade, também apresentou algumas críticas ao feminismo de Emma Watson, o qual ela chama de feminismo de primeiro mundo.

“Muito do que Emma Watson falou, eu só penso, “que não me incomoda”. Sei que as coisas não são perfeitas para as mulheres no Reino Unido e nos Estados Unidos, mas há mulheres no resto do mundo que passam por coisas piores.”

A fala de Maisie sobre o discurso de Emma, apesar de ter sido simples e não muito profunda (lembremos que ela só tem 17 anos), representa um dos pontos pelos quais ela foi criticado, ter usado um local de fala com tanto destaque e não ter centralizado seu discurso feminista nas mulheres e nos problemas das mulheres, sejam elas de primeiro mundo ou não.

Outro problema levantado por Maisie, que também se declara como feminista, foi o cyberbullying. Maisie é bastante popular na internet (ela tem mais de 750.000 seguidores em sua conta no twitter e 668.000 no instagram) e usa sua popularidade em causas sociais, como na campanha contra o câncer de mama. Apesar de popular, ela reclama das coisas que muitas pessoas dizem a ela no mundo virtual: “Há coisas assustadoras que as pessoas dizem online que eu não deveria ter que ler”. Inspirada pelos próprios abusos que sofre online, Maisie  está participando de um drama da BBC que irá tratar do tema de cyberbullying, ela irá interpretar Casey, uma adolescente que é mantida prisioneira em seu quarto por um hacker, que, por uma hora faz ameaças e a manipula, ameaçando vazar fotos comprometedoras, a menos que ela faça exatamente o que ele disse. Ela reclama de como as pessoas precisam levar esse assunto a sério: “Eu acho que dói ainda mais. As crianças estão se matando. É muito sério”. 

Com a alta popularidade de Game Of Thrones, certamente Maisie, assim como muitas outras mulheres sofre ameaças, bullying, abusos e vários tipos de ataques diariamente na internet. Poderia citar uma lista interminável de nomes aqui, mas gostaria de destacar alguns casos emblemáticos como os de Anita Sarkeesian diariamente ameaçada pelo “Gamer Gate, por discursar sobre as mulheres nos mundos dos Games. A própria Emma Watson, que sofreu ameaças depois do discurso na ONU. E não poderia deixar de lembrar dos vários comentários, emails e mensagens que eu e a Ana Carolina recebemos aqui e em nossas redes sociais diariamente, incluindo ameaças e xingamentos, por ocuparmos este espaço. Um outro exemplo bastante triste é o da adolescente canadense de 15 anos, Amanda Todd, que preferiu o suicídio a lidar com o bullying. A verdade é que atualmente qualquer mulher que use redes sociais com sua própria identidade está sujeita a bullying, assédio e intimidação, porém, se esta mulher ousar questionar qualquer aspecto do patriarcado ou levantar sua voz para discutir acerca de algum tema feminista, ela certamente sofrerá intimidação e assédio quadriplicado, podendo até culminar em ameaças de morte e estupro no mundo real. Sei que poderia citar uma lista interminável de amigas feministas que sofrem com esse tipo de comportamento e praticamente todas as mulheres que conheço já sofreram algum tipo de intimidação ou abuso na internet. Isso não é apenas triste como é assustador para qualquer mulher, por isso a importância de que pessoas como a Maisie, que são um exemplo para muitos adolescentes, mostrem como esse tipo de comportamento é nocivo e deve ser combatido.

Mais uma vez, peço aos que não compreendem o feminismo ou a importância de abordar esse tipo de tema aqui no site, que pesquisem, se conscientizem ou apenas ignorem o texto. Aos que querem se aprofundar mais sobre o tema, tenho algumas fontes interessantes para recomendar:

Sejamos Todos Feministas, Mameha, Nádia Lapa, Escreva Lola EscrevaQuestão de Gênero. Mas lembrem-se de não chegar por lá chutando a porta.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Beatriz Correa

    Adorei o texto! ^^

    Ah, quem se interessar pelo feminismo, tem tbm o ThinkOlga ( thinkolga.com ) e o Lugar de Mulher ( lugardemulher.com.br )

  • charles arthur

    Eu acho esse assunto interessante e, na verdade, queria muito tirar umas dúvidas com vocês (mulheres).

    Antes de tudo, sou completamente a favor que a mulher faça o que quiser de seu corpo (roupas, aborto, etc), sempre detestei esse machismo de que o homem pode e a mulher não, até porque quando criança sempre me inspirei e admirei minha irmã mais velha, e me incomodei quando vi os diferentes tratamentos que eu recebi com os que ela recebeu em relação a liberdade.

    Mas recentemente em um grupo glbt do facebook uma feminista postou um texto falando que muitos gays são misóginos, que são machistas mesmo sendo gays. Então fui expressar minha opinião, de que pelo que eu vejo, as próprias mulheres (como vimos o exemplo de Anitta recentemente) costumam ter discursos machistas, muito mais do que eu vejo gays. Infelizmente fui violentamente atacado pela moça que postou o texto e suas amigas, fui julgado como machista, que não podia dar opinião sobre feminismo por ser homem, uma até desejou minha morte (até racista fui chamado sem ter falado nada em relação a raças,oi?).

    Uma coisa que eu concordei com o discurso de Emma Watson foi justamente esse, de não “odiar os homens” e chamar pra eles participarem do feminismo também, apoio nunca foi algo negativo, da mesma forma que dou valor ao apoio que recebo de amigos héteros na luta contra a homofobia.

    Vocês não acham que realmente existem feministas que são exageradamente violentas e que atacam a pessoa pelo simples fato de ser homem? Queria saber se estou sendo errado em pensar assim e gostaria de uma explicação plausível, pois até agora só fui violentamente atacado quando falei sobre feminismo com feministas.

  • Belle S

    A critica sobre o discurso da Emma ser centralizado nos homens e não nas mulheres não tem nada a ver pois, o discurso foi feito na abertura da campanha #heforshe que tem como objetivo estimular os homens a fazerem parte do feminismo, ela queria chamar os homens a causa.

  • Guest

    Eu acho que a intenção da Emma foi boa mas ela queria agradar os homens mesmo, tentar fazer eles entenderem q feministas nao tem ódio de homens, que eles sao bem vindos e tal.. mas no fundo tdo mundo sabe disso né, achei um discurso bem +ou-.

  • Clara

    amei o texto! Vocês são demais, e eu percebo o quanto vocês sofrem um feedback negativo quando tentam abordar esses temas aqui, isso é muito triste, até porque os livros de ASOIAF estão cheios dessas reflexões de o que seria um papel feminino e etc. Fico frustrada quando vejo pessoas que só veem essas obras como “livros cheios de violência, nudez e dragões”.

    Adoro a Maisie, além de uma atriz maravilhosa, ainda é super consciente. E concordo, em partes com ela: essa via burguesa do feminismo não pode atolar as discussões fora dos grandes circuitos, da grande mídia. Ainda assim, há coisas que todas as mulheres têm que superar para conseguir alguma equidade, sejam elas britânicas, americanas, brasileiras, etc. Amo a Emma Watson tb, mas achei o discurso dela meio superficial, mas o objetivo dela era chamar mais pessoas ao feminismo, então entendo o porque de um discurso tão raso. Enfim, obrigada, meninas, por trazerem sempre discussões tão interessantes pra cá 🙂

  • Charles, nós mulheres somos atacadas pelos homens todos os dias por sermos mulheres, se algumas partem para o ataque e não aceitam o discurso de “nem todos os homens” não é pq somos más, é pq não é fácil viver desse jeito todos os dias.

    Sobre mulheres com discursos problemáticos existem sim, mas isso não quer dizer que elas são misóginas, mas sim que elas estão reproduzindo o discurso que aprenderam a vida toda. “Seja mulher, se comporte, isso não é coisa de mulher é coisa de vagabunda, blah blah blah.”.

    Sobre gays misóginos, sim existem e já vi muitos discursos problemáticos, inclusive as feministas lésbicas vivem uma luta diária pra conseguir espaço dentro do movimento LGBT. Mas não frequento espaços LGBT e não posso falar por nenhuma mulher lésbica pois sou hetero e pessoalmente nunca sofri nenhum preconceito por parte de ninguém deste movimento. mas vejo muitos discursos problemáticos, como o de um certo deputado do PSol ultimamente. Porém não quero entrar nesse mérito, pois acho que não tenho conhecimento para julgar.

    Quanto ao fato de atacar pessoas por serem homens, devo te dizer que fico na minha e frequentemente sofro ataques de homens, mas não participo de grupos mistos e não discuto mais feminismo com homens. Quer ajudar? Discuta sobre os problemas do machismo com seus amigos, não tente discutir com as mulheres, mesmo achando que alguma tenha um discurso equivocado.

    Mas essa é minha opinião e sequer sou profunda conhecedora do assunto, falo por minhas experiências próprias.

  • Como eu disse no texto, os homens não precisam de convite pra rever seus privilégios, eles não fazem isso pq não querem.

  • “Querer agradar os homens”, entende o problema na frase?

  • Guest

    entendo, o trágico é que msm assim os caras estão atacando ela rsrs

  • bruna

    Eu acho 100% coerente que voces abordem esse tema aqui por que a obra do grrm é cheia de mulheres que lutam pra acabar com a diferenca de genero do mundo onde vivem Arya,Sansa,Daenerys,Arianne,Asha e até a Cersei.Analisando a obra completa vemos que ela é uma obra muito feminista por mais que algumas pessoas não consigam ver isso.Continuem conscientizando a galera que é preciso se informar sobre o assunto #Ineedfeminism

  • Massi Marques

    Eu amo a Maisie Williams, ainda mais em saber que ela é feminista.

  • FHC

    Calma lá! A Belle S está correta, era um evento com esse objetivo, nada mais óbvio que um discurso calcado nesse ponto. Eu quero entender qual o problema de tentar trazer homens pra causa feminina, além do mais, não querer rever privilégios é um problema comum em qualquer pessoa, seja qual for o tema de discussão.

  • PHSA

    Esse último parágrafo não é tão legal, Lidiany. Pois, vc meio que faz com que as pessoas que “não compreendem”, como foi sua fala, fiquem fora da conversa, como se o conhecimento delas sobre não valesse de nada ou não fosse importante. Bom, todos temos o direito de ter nossas opiniões. E isso da abertura para que alguém seja contrário ao feminismo. Essa pessoa é inferior pq ela é contrária ao feminismo? Essa é uma pergunta que me faço… Talvez esse seja UM DOS motivos da luta pelas minorias andar a passos tão lentos, quem defende essa luta se coloca num pedestal de sabedoria e quem é contrário está na “calçada”, abaixo. Bem, sobre os ponto abordados é meio sem lógica uma coisa. Criticar ela ter “chamado” os homens pra participar do movimento. Se, na lógica feminista, nós homens detemos totalmente o poder, a sociedade patriarcal, pq não “chamar”? Se o objetivo é mudança e não apenas rivalizar, qual a lógica de não chamá-los? Se eles têm total poder só eles poderiam ceder para equilibrar a balança.

    O ponto no texto é esse: “Emma fez um discurso basicamente sobre como as feministas não devem odiar os homens e estes devem ser convidados a participar do feminismo” e esse ponto é criticado.

    Não entendo e gostaria de uma explicação sem pedantismo de muitos que virão aqui achando que são os Sábios da Era. Uma explicação com educação, por favor.

  • PHSA

    Me desculpe ai, mas querer justificar um erro com outro é realmente a solução? As feministas se dizem pessoas racionais, e boa parte delas são, mas o relato do rapaz evidencia que isso não é 100%. Mas ainda assim tem justificativa me atacarem (no caso ele) pq simplesmente questionei sobre o assunto, me excluindo do “crew” do feminismo por ser homem. Isso pq sofrem todos os dias (não estou dizendo que não sofrem). Se sofrem todos os dias, deveria servir de aprendizado para não tratar as pessoas da forma rude e grossa que são tratadas pelos os homens.

  • Aos que não compreendem o feminismo, mas querem entender indiquei alguns links pra pesquisar, aos que não compreendem e são contrários ao feminismo, prefiro que ignorem e passem bem longe de mim e dos comentários.

    Não me coloco em pedestal de sabedoria nenhum, mas não tenho interesse em feminismo para os homens. Os textos que linkei no post já dão conta de cobrir toda a polêmica sobre esse tipo de discurso de feminismo para os homens, não faz sentido copiar e colar na íntegra aqui, estão no texto.
    Para mim isso nem é feminismo. Não acredito mais em homens feministas ou em homens como protagonistas de feminismo, vcs podem ser protagonistas onde quiserem, o feminismo é das e pelas mulheres.

  • Laura Souza

    O discurso da Emma foi condizente com a proposta do evento. A proposta do evento é que está errada: como a Lidiany comentou no começo do texto, as feministas não precisam ser “lembradas” de que elas não devem odiar os homens; é uma parte bem significativa de homens que odeiam mulheres, que não querem mudar seus pensamentos e muito menos rever seus privilégios e nem enxergar a mulher como igual. Homens não devem ser o centro do feminismo, mas sim apoiadores do feminismo. E como começar a ser apoiador do feminismo? Primeiramente reconhecer que ser apoiador não é ter voz no movimento nem ditar pautas e como as coisas devem ser feitas, ser apoiador é escutar e multiplicar o que as mulheres colocam, não brigar e querer tomar delas ainda mais espaços de fala e empoderamento.

  • Paulinho, desculpe aí, mas se tem uma coisa pela qual não tenho o mínimo interesse é em discutir como os homens estão sendo tratados pelas mulheres, feministas ou não.

  • Geisson Iuri Silva

    Simples, elas querem SEMPRE ser as vitimas. Sabe aquele negocio de “mulher ser forte”, tudo balela. Essas feministas “radicais” apenas querem culpar os homens por todos os problemas do universo, não importa o quão ridículo pareça, enquanto que elas SEMPRE querem posar de vitimas (aquecimento global? culpa dos homens. Extinção dos dinossauros? culpa dos homens. O sapato não machucou o dedão? culpa dos homens. Sua mãe sofreu um infarto? culpa dos homens) E não importa quanta razão você tem, você SEMPRE estará errado e elas SEMPRE estarão certas (Se você falar que o céu é azul, você estará sendo machista e misógino, porque acha que azul, a cor que representa o “masculino”, esta acima de todas as mulheres.)

    Você é considerado uma aberração pelo simples fato de ser homem e estar vivo.
    Essas feministas radicais não conseguem usar a razão. Elas apenas acusam, acusam e acusam. Elas se esquecem que vivem em sociedade e, querendo ou não, homens TAMBÉM fazem parte dessa sociedade.

  • PHSA

    Sem discussão (não briga) a coisa não anda. Vc demonstra traços de uma pessoa cansada de fazer isso, acho. Mas mesmo assim, não é deixando de discutir que os problemas vão sumir.

  • PHSA

    Qual é a lógica de quem detém o poder não poder participar do processo de divisão e equidade desse poder? A última forma de conseguir sem que quem esteja no poder participe é pela força, e não acho que esse seja o objetivo do feminismo. O feminismo realmente não é pra homens. O nome do movimento é auto explicativo pro burro aqui. Homens não podem ser protagonistas, os benefícios não serão pra eles. Isso é mais um coisa clara pro tonto aqui. Não falei expressamente de vc quando falo de pedestal. Eu questiono a ausência de discussão. O mundo é feito de homens e mulheres, e só as mulheres por mais que sejam maioria não conseguiram os objetivos do movimento. Isso por vários motivos. Um deles, segundo a lógica do feminismo, é que os homens detém o poder. E quem detém o poder está muitas vezes um passo a frente.

  • Igor Rafael

    Excelente texto, eu só não concordo com a colocação de que a Maisie é sexualizada na série, ela é uma das poucas que não é sexualizada de forma alguma, já a Sophie provavelmente vai ter um apelo sexual maior, já que condiz com rumo que a personagem dela toma na trama.

  • Diretor Coulson, O Filho Legal

    Bom, acho que a discussão tem que acontecer com todo mundo, é aí que há a evolução da ideia e a propagação do conceito. Sem querer justificar as ações de ninguém, há feministas extremas que propagam o ódio, e há homens machistas que propagam o ódio (e pior, muitas vezes eles fazem o ódio acontecer). Acredito que ficar no estereótipo que todo homem é violento, machista, etc. e que “homem não deve falar sobre feminismo” (frase repetida muitas vezes por algumas mulheres) só atrapalha o movimento também.
    Apoio o feminismo, mas pessoas babacas há em todo lugar – independente de gênero e orientação sexual.

    Machismo é algo cultural que vem sendo ensinado pra todas as crianças durante gerações e mais gerações. Muitas pessoas por terem sido ensinadas assim acreditam que o modelo social atual (que é o que tá aí desde sempre com pequenas mudanças) é o certo, é algo enraizado na cabeça das pessoas – acredito que o mesmo conceito usado aqui pode ser usado no caso da religião – por isso é difícil, as vezes, até conversar sobre temas assim com certas pessoas, e é por isso que tem que haver a conscientização. No meu ponto de vista, é claro. Não quero impor uma verdade aqui. Estou propondo uma discussão.

  • Laura Souza

    Charles, muitas mulheres, como a Anitta, repetem realmente discursos machistas. Isso se deve à criação pautada na superioridade masculina que infelizmente uma parcela enorme das mulheres recebe. Eu mesma já ouvi muitas vezes que “homem gosta de mulher que não fala palavrão”, que “mulher tem que se dar ao respeito” e outras falácias. Somos ensinadas desde cedo que devemos sempre agradar aos homens. Vocês homens podem criticar as mulheres que reproduzem esses discursos? Podem, liberdade de expressão tá aí pra isso, mas vocês serão rebatidos por outras mulheres ao fazerem isso, e muitas tratarão vocês sim com agressividade. Pq é uma assunto nosso, sabe? Á grosso modo, muita gente pensa assim: Anitta é uma de nós, não é você que não é um de nós que tem que criticá-la, sabe? Sem contar que uma mulher pode até reproduzir conteúdo machista, mas ela jamais será machista simplesmente pq ela não se beneficia dos privilégios que vcs homens tem.

    A presença dos homens no feminismo deveria ser a seguinte: de apoiadores. Como a minha presença no movimento negro deve ser apenas de apoiadora, visto que não sou negra. Como minha presença no movimento gay deve ser de apoiadora, visto que não sou um homem gay. Como apoiadora meu dever é ouvir as pautas em discussão e disseminá-las no meu meio, não achar que posso dizer ao negro ou ao homem gay o que ele deve reinvindicar. Vocês homens devem participar assim do feminismo, ouvindo, reproduzindo e cedendo seus espaços de fala para que as mulheres possam falar, apenas.

    Sobre gays misóginos: dizer “tenho nojo de buceta” é misoginia. Dizer “sapatão que parece homem é ridículo” é misoginia. Ao reproduzir esse tipo de coisa vc está sendo machista, mesmo sendo gay. Nunca tive problema e como lésbica sempre convivi com gays e sempre fui ouvida por eles, mas nem todas as lésbicas tem boas experiências com homens gays. Sem contar que, apenas por ser homem, vc já é machista, pois se aproveita de benefícios que o mundo machista te dá, apesar de vc ser gay. Por exemplo: em uma empresa privada, eu e vc com a mesma formação, o mesmo currículo e as mesmas experiências profissionais = vc ganharia mais que eu.

  • PHSA

    “Só aceitar”, blz, visualizado.

  • Igor, ela não é sexualizada na série, mas na mídia em geral sim e inclusive quando postamos fotos da Maisie ou da Sophie (que agora é maior de idade, mas qndo a série começou era uma criança) a maioria dos comentários é sobre algo relacionado a aparência e sexualidade das duas. E te garanto que não são comentários “legais” não.

  • Igor Rafael

    Entendo, desculpe eu interpretei mal essa parte, esse é um tema que tenho me interessado bastante ultimamente, além dos links que você “linkou” tem mais alguma indicação para eu adquirir mais informações ? algum livro ou mais alguns links ?

  • João Vítor

    A parte do cyberbullying é meio besta né? O tópico feminismo e Cyberbullying são dois assuntos divergentes. Pesquisas e estudos mostram que mais homens sofrem bullying na internet que as mulheres. Porque todos os exemplos dados foram femininos e o lado masculino foi completamente esquecido?

  • PHSA

    E se, na situação apresentada por vc, ele dispensar a parte do salário que ele ganha a mais? Ele continua machista mesmo fazendo algo em prol dos direitos iguais, que é a luta do feminismo?

  • Castiel The Angel

    Acho essa polêmia toda no discurso da Watson MUITO exagerada. A campanha pela qual ela discursava, e era engajadora, tratava-se de uma campanha que consistia em convidar os homens para a CAUSA IGUALITÁRIA. A causa que ela defende é a de homem e mulher iguais em termos de sociedade é justa, nobre e merece sim ser multiplicada. Mas, o que me incomoda, de verdade, é essa insistência em achar que ”o homem deve ficar no seu lugar” e JAMAIS ser membro participativo de algum movimento feminista. Porquê isso? Se ele está se voluntariando para o movimento, é mais do que óbvio que ele luta pela causa em dar direito à mulher ser igual ao homem na sociedade, e não que ele quer ”adquirir mais direitos para os homens” – argumento bem bobo esse, ao meu ver.
    Indo para um cenário semelhante, é o mesmo que ser contra héteros participarem de alguma Parada Gay, ou serem simpatizantes e ativistas GLBT. Porquê não pode? Quanto mais pessoas na causa, não é algo melhor e mais perto estaremos de tornar o mundo igualitário? Como querem igualdade se, inconscientemente, ainda replicam um discurso de segregação social, em que a mulher tem seu lado, o homem o dele, e ambos não podem participar de um mesmo lado?
    Não entendi, também, muito bem, o porque do ponto ser levantado na matéria, já que a crítica da Maisie em relação ao discurso da Emma foi que esta abordou o machismo e a desigualdade de gênero em países de primeiro mundo, e não que Maisie tenha sequer levantado o tema do discurso ser voltada para ”conscientizar” os homens.
    Por fim, ao meu ver, novamente, permitir que homens adentrem ao movimentam não demostra nenhum tipo de submissão ou de dependência para o sexo masculino, mas sim o fato do movimento precisa se expandir e englobar os dois lados da mesma moeda, afinal, seu principal mantra é a igualdade, não a superioridade de qualquer um dos gêneros.

  • Castiel The Angel

    Desculpa, mas se você não quer discutir sobre temas relacionados a esta área com homens, que, como você já deve ter notado, são bastante frequentadores deste site, porque postou a notícia aqui, e levantou o debate à cerca do tema? Pra mim, enquanto o debate não for para nenhuma ofensa pessoal e imoral, não há problema nenhum nele ser debatido, por homem ou mulher.

  • Guest

    Feminismo deveria se chamar igualitarismo, pq hj em dia, qndo eu ouço falar em feminismo, soh consigo pensar em mulheres querendo privilégios, e virou uma coisa ridícula, mtas mulheres tbm batem nos homens e isso eh considerado normal, e até legal pq ela q “manda”,algumas saem gastando tdo dinheiro do marido e foda-se o q ele acha, mas isso eh normal pq a mulher tem q mandar no marido, mas isso até agora nao vi nenhuma mulher querendo mudar, a dividir as contas da casa…Se é pra ser igual, tem que ser igual e infelizmente não eh isso q o feminismo mostra mais…..ps: parabens a moderadora por manipular comentarios, e excluir argumentos e opiniões, pra deixar os comentarios ao seu favor e bloquear a pessoa pra q nao possa argumentar o comentario. comentei que se fosse igualdade o objetivo atual, nos teriamos que nos alistar no exercito aos 18, e os homens deveriam sim ficar mais tmpo com seus bebes, a moderadora discorda, nao entendi pq kk

  • Igor Rafael

    Em relação aos comentários, eu acredito que a Internet é um poço de pessoas que adoram fazer comentários “não legais.” (até você que faz posts aqui já deve ter sofrido com isso.) e isso se intensifica por serem figuras públicas, mas de fato o que eu observo é que as mulheres famosas acabam tendo mais comentários maldosos em geral, essa é uma batalha que vai ser vencida aos poucos e torço muito para vivermos em uma sociedade que tenha mais igualdade.

  • Tem muita literatura feminista por aí, mas não saberia citar exatamente quais livros são bons por conta do nível de profundidade do tema. Esse que citei no texto é tão pequeno que dá pra ler de uma vez só.
    Além disso tem mais sites que citaram por aq como o Think Olga, Lugar de Mulher, Aline Valek. Acho que tb vai muito de afinidade com as pessoas que administram/escrevem nesses sites, pq geralmente elas usam uma visão bem pessoal de suas vivências.

  • Vanessa, vc não sabe o que é feminismo.

  • Desculpa, mas acho que vc não entendeu nada do que eu escrevi.

  • Laura Souza

    A questão não é discutir e nem falar sobre, a questão é querer ter voz, vez, elaborar pautas e dizer o que as mulheres devem ou não reinvindicar. O homem como apoiador é bem vindo, como multiplicador também, agora como protagonista? É o mesmo que eu, branca, querer ditar o que uma mulher negra deve reinvindicar. Eu não sei o que ela sofre, eu não sei do que ela precisa.

    Eu, como mulher, entendo necessidades da mulher que você, por ser homem, pode até entender e “ouvir dizer” sobre, mas não sabe o que é. Não é você que recebe menos, não é você que é assediado no vagão do metrô, não é você que recebe cantadas escrotas e nojentas o dia todo, não é você que recebe do chefe olhares indiscretos e que recebe pressão pra tomar um drink com ele pois se não for, pode perder a promoção… Não é você que é agarrado na balada e beijado à força.

    Agora… vocês sabem que recebem mais que as mulheres quando ocupam os mesmos cargos; vocês sabem que é errado agarrar uma mulher à força; vocês sabem que não é não; vocês sabem como educar uma criança de forma não machista… Combater essas coisas no dia a dia de vocês não seria mais interessantes, sábio e produtivo do que querer fazer parte do feminismo?

  • O Baratas

    Vou ler.

  • Oi.

  • Laura Souza

    Se um homem abdicasse de todos os privilégios que a sociedade patriarcal lhe concede, como salário maior, poder andar sem camisa na boa por aí, poder assediar à vontade sem ser incomodado… ele estaria fazendo um grande favor à si mesmo e aos outros e estaria sim lutando pela igualdade. Se ele deixaria de ser machista? Depende. Ele poderia abdicar de seus privilégios e ainda assim dar à seus filhos uma criação machista. Não sou especialista em feminismo, falo por mim. Vivendo em total igualdade se desconstrói o machismo e se vive sem ele. Gostaria de ver um homem fazer isso, sabe? Seria um exemplo tremendo.

  • vanessa porto

    Feminismo, do jeito correto, seria nao sofrer abuso por andar de vestido na rua, ter as mesmas oportunidades e mesmos direitos que os homens, se o feminismo existisse, nos mulheres tbm deveriamos nos alistar no exercito ao completar 18 anos, os homens tbm deveriam ter tanto tempo como nós de licença qndo um filho nascesse, nao vi nenhuma feminista falando disso. Os direitos e deveres deveriam ser aplicados de forma igual pros dois generos, quanto ao salario nao ser igual, sempre q vejo uma vaga anunciada, esta a vaga e o seu salário, vao homens e mulheres na entrevista, se uma mulher é contratada eles nao baixam o salario, pelo menos nunca vi isso na minha vida…

  • Dan_nb

    Não concordo com a Maisie, mesmo que não tanto como em outros países as mulheres do Reino Unido e dos Estados Unidos também sofrem com o machismo… então só porque em outros países existem casos piores, elas não podem falar nada? E ela disse que o que a Emma disse não incomoda ela? Então ela não se importa de ver uma menina criança ou adolescente ser sexualizada, o fato das mulheres ainda ganharem menos exercendo a mesma função, no escândalo do vazamento da Sony tivemos exemplo disso essa semana mesmo, do fato das pessoas ainda serem estereotipadas pelo
    gênero, das mulheres ainda serem julgadas por serem sexualmente ativas, da violência doméstica, estupro que acontecem tb nesses países… fora o assédio… Além disso eu acho que a Emma fez um discurso adequado ao evento, ela tava ali pra lançar uma campanha criada pela ONU, ela pode ter feito um discurso básico e com nenhuma novidade, mas que infelizmente ainda é necessário,
    essa semana mesmo a Evangeline Lilly deu uma declaração super desinformada sobre feminismo… a Anita aqui no Brasil tb… então acho que como campanha pra gerar uma conscientização nas pessoas, fazerem as pessoas pelo menos questionarem os preconceitos e se aprofundarem no que o feminismo é, foi perfeito, ela fez um discurso pro público em geral, ela ñ fez o discurso pra quem já é feminista, ela estava buscando novos engajamentos… por isso acho que foi super válido… e ela pode não ter se aprofundado em todas as questões, mas ela mencionou as meninas em alguns países que são forçadas a se casarem, ela mencionou as que não possuem acesso à educação, ela mencionou o gênero como um espectro, e ela reconheceu o próprio privilégio… mas ela tentou fazer isso
    mais pessoal, então mencionou as experiências dela…

  • Diretor Coulson, O Filho Legal

    Com “vocês” você está implicando que eu faço e apoio isso, ou que todo homem é assim, ou faz isso, e isso é algo que já discordei no meu comentário, sobre generalizar.

    Talvez entender totalmente seja impossível, mas compreender não e é basicamente nisso que o relacionamento do ser humano é calcado.

    Veja que, ninguém aqui (homem) disse que queria ser protagonista da causa. O que estava sendo discutido aqui era na questão de o homem não poder dar “pitaco”, opinião, discutir de forma geral ou não sobre pontos do feminismo. Não acho também que deva haver um “protagonista”, isso talvez implica em também ter um “antagonista”, e acredito que esse não é o ponto.

    Mas agora… se só pelo fato de eu ser homem, eu já sou automaticamente machista, por comparação, se eu fazer diariamente o que você descreveu na sua última frase, eu sou igualitário, que consequentemente me torna feminista, mas veja, não houve nenhuma definição de protagonista, porém houve cooperação. Talvez é isso que falte no mundo, menos embate e mais cooperação.

  • Quem entendeu que o discurso da Emma era sobre como mulheres não devem odiar os homens definitivamente não entendeu nem uma palavra do que ela disse.

  • Thales Sousa

    Pois esse tipo de atitude acaba tirando a credibilidade do que você fala, por mais coerente que seja. Se não se interessa em compreender o outro lado, como espera ser compreendida? Essa é umas das principais razões pelas quais existe, ainda, tanta desigualdade em todas as esferas da nossa sociedade, o fato de as pessoas serem tão fechadas, cheias de preconceitos e valorações inquebráveis. Temos que aprender (homens, mulheres, gays, negros, brancos, índios, pobres, ricos) a contemplar um problema em todas as suas facetas, internas e externas, ao invés de se sustentar no que acreditamos ser verdade absoluta e única opinião válida.

  • B.

    Inclusive são os homens que frequentemente se suicidam em decorrência de revenge porn, porém não.

  • Carol

    Me diz que esse comentário é sarcástico. Alguém. Por favor.

  • Dan_nb

    Exato, ela disse que o conceito que feministas odeiam os homens que deve acabar… E pode parecer bobo mas muita gente ainda pensa isso. A Lady Gaga, Shailene Woodley, Madonna entr e outras já disseram que não eram feministas porque gostam dos homens… A Evangeline Lilly, disse q ela ñ é feminista pq associa feminismo à mulheres que se parecem com homens, que ela gosta de ser mulher e não quer se parecer com um homem… quer dizer ainda existe muita desinformação.

  • B.

    Amiga, pare.

  • Arthur Pietro

    Cara, eu apoio muito o q vc disse. A sociedade precisa do feminismo, mas não acho q o movimento irá se desenvolver como deve se tantas mulheres feministas continuarem a querer discutir o q elas chamam de “protagonismo”. Sim, o feminismo não é sobre os homens. E nem sobre as mulheres. É sobre todos nós. É sobre a busca de igualdede e justiça em uma sociedade onde todos somos oprimidos (em formas e graus diferentes) pelo machismo. E q bem faria ao movimento excluir os homens? Q bem faria nos tomar todos como inimigos, se muitos também querem lutar pelos direitos das mulheres (e deles, homens, também)? Eu super concordo com a Emma.

  • dome

    ”o feminismo não é sobre eles.” Mas o movimento trata de igualdade entre os sexos, de alguma forma os homens vão ser inseridos nesse prisma.
    Mas enfim, Maisie é um amorzinho de pessoa, muito legal vê-la comentando sobre esses assuntos.

  • Cyka Aida Rodrigues

    Vanessa eu não quero dividir contas com um homem, eu quero morar sozinha! quero ganhar suficientemente bem para poder me manter sozinha! Morar com alguém é somente uma escolha… Não deveria ser uma obrigação. Realmente vc não sabe o que é feminismo.

  • Amo essas duas. Mas saindo do lado pessoal, eu concordo com a Maisie. É plausivel o q as mulheres aqui no ocidente passam. Mas se olharmos ao redor do mundo tem coisa mil vezes pior. Quem já leu “eu sou Malala” sabe do q estou falando. Fora nos lugares como índia, onde o índices de estupro é altíssimo. Isso sim é preocupante

  • Belle S

    Não acho que a proposta da campanha esteja errada, a
    ideologia feminista é de igualdade para ambos os gêneros, pode haver alguns
    homens que buscam a igualdade, é só uma maneira de fazerem os homens apoiarem o
    feminismo e de as mulheres não tentarem “excluirem” eles como algumas
    podem fazer,um exemplo disso, meu professor de sociologia, foi a uma palestra
    sobre o feminismo onde só haviam mulheres sendo que estas quando olharam para o
    único homem presente quase mataram o coitado só com o olhar! Esse discurso visa
    a participação e a aceitação e não há nada de errado com isso.

  • charles arthur

    eu detesto homem machista, e já bati de frente com vários, sempre trabalhei com informática (grande maioria homens héteros) e ouvi absurdo deles em relação a mulheres, chamando uma ou outra de puta por coisas que eles faziam muito mais ou pior, sempre joguei na cara que quem era puta eram eles etc, é irritante isso que só homem pode “pegar geral”, é ridículo e me enoja.

    O que me assustou foi ter sido atacado sem ter feito absolutamente nada, elas apenas viram minha foto de perfil e decidiram me fazer de chacota. Entendo perfeitamente que tem uma hora que a paciência acaba e o oprimido acaba se armando, pq eu mesmo já fui indelicado quando ouvi héteros querendo opinar sobre se pode ou não ter casamento igualitário, mas é importante o oprimido respirar fundo e mostrar pro outro lado que ele está errado de forma educada, pra derrubar murros e não criar mais muros ainda.

    De qualquer forma muito obrigado vc e lidianycs por terem me explicado melhor sobre essa situação, espero que um dia todos esses preceitos e preconceitos sejam quebrados, pois sou a favor de um mundo igual para todos!

  • Amanda

    Não.
    Todos são mais do que bem-vindos para serem aliados do feminismo, porque os resultados práticos buscados beneficiam muitos, e não só os grupos formados por mulheres.
    Contudo, o feminismo busca a igualdade através do EMPODERAMENTO DA MULHER. Logo, o protagonismo do movimento é das mulheres. Os homens podem simpatizar com a causa, mas nunca vão compreender a opressão de gênero porque não sofrem da mesma forma como as mulheres.

    Ninguém deve negar que o patriarcado vitima homens também. Mas a violência que os homens sofrem é diferente. E por ser diferente, não é PAUTA do feminismo, pois (repetindo) o movimento surge para dar voz a mulher, tendo em vista que em uma sociedade machista os espaços para expressão feminina são limitados.

    O discurso da Emma foi problemático afinal, se o feminismo procurar o empoderamento da mulher por ela mesma, porque deveria um homem intervir? Por que precisaria um homem dar a sua aprovação? O feminismo, como já disse, admite aliados homens, mas a luta é da mulher.
    Entendo o contexto em que o discurso foi feito. A ONU pretendeu retirar o estigma do feminismo ao tentar cativar o interesse dos homens, chamando eles para a luta em direção à igualdade. Além disso, quando tenta se esclarecer que o feminismo é especialmente dedicado às mulheres, as pessoas ficam na defensiva, achando que se trata de radicalismo (como se vê dos comentários aqui).

    Mas o espaço do feminismo é socialmente e historicamente reservado às mulheres, sendo que os homens podem auxiliar como aliados e aliados somente. A Maisie está certíssima.

  • Paula Renata Carvalho

    Acho que o discurso da Emma não poderia ter sido melhor. O direcionamento o discurso para os homens foi justamente o que precisávamos. O que ela falou sobre feminismo ser associado a ódio ao homem pela sociedade é absolutamente verdade. O que ela fez foi mostrar que essa ideia não é verdadeira e que se os homens se juntarem às mulheres na luta, todos temos a ganhar.
    O feminismo não é sobre as mulheres e não é sobre os homens. É sobre igualdade. Discordo quando você diz que o homem não deve ter voz no movimento.. todos devemos ter voz em tudo, e é com a voz deles que conseguiremos trazer a conscientização para outros homens.

  • Ana Luiza Garcia Costa

    Concordo com você, o problema é que o feminismo hoje vem se tornando um movimento sexista, contrário a ideia de igualdade que é a raiz do movimento, por isso esse “ódio disfarçado” pelos homens, comportamento de misândricas, infelizmente, que desvirtuam o feminismo. Eu sempre lutei pela igualdade, e justamente por isso não me afirmo como uma feminista, pelo modo como deturbaram o movimento. Mulheres pelo mundo todo precisam do apoio de TODOS, mulheres que não tem o direito a estudar, ou são mutiladas. Um movimento de igualdade envolve a todos, mas infelizmente o sexismo parece ter vidado moda…

  • Paula Renata Carvalho

    Estender o convite aos homens é exatamente o que faltava no feminismo. Vocês são muito bem vindos sim. Cada homem que se junta é uma vitória.. quando todos tiverem se juntado, não vai mais ser necessário um movimento.

  • drmingus

    Nesse caso ele não está ajudando nem às mulheres e nem a si. Em minha opinião isso seria um nivelamento por baixo.

  • Germana Azevedo

    Sinceramente,entendi o lado de Maisie e concordo com ela,acho que a intenção de Emma foi boa,e tá valendo de qualquer jeito,é algo bom para o feminismo,mas também tem o lado muito limpo,como se esse fosse todo o problema,como se não houvesse os absurdos que acontecem com as meninas na Índia,sem no casamento infantil,e todos esses absurdos.

  • Paula Renata Carvalho

    Na verdade a sociedade é machista. E a consequência disso é que somos todos machistas (em graus diferentes) por consequência, inclusive as mulheres.
    O importante é tentarmos mudar aos poucos.

  • Renato

    Não me levem a mal, sou fã do trabalho de vocês, mas a cada 3 notícias um post de militância ideológica pega mal, né?

    E banir o pessoal que discorda é injusto e meio desonesto também. Entendo que tem gente que avacalha, mas muita gente gosta da série e é privada de comentar nesse portal por causa de uma discussão que foge completamente do propósito do blog (pelo menos originalmente).

    Não critico sua causa, nem tenho nada contra, mas você não acha que poderia criar um espaço seu pra falar sobre o assunto? Garanto que muita gente te acompanharia.

  • Carolina Alvarenga

    hoje ainda li que uma moça foi presa por estar vendo jogo de futebol na arabia saudita

  • Renato

    De fato

  • Paula Baldassarri

    Obrigada pelo ótimo texto aqui no GoTBR <3 As pessoas realmente precisam se conscientizar de que o patriarcado afeta e muito a vida das mulheres com esse machismo secular. Ontem mesmo, eu estava na Vila Madalena com um amigo americano, estávamos do lado de fora do bar fumando. Aí 4 rapazes ouviram ele falando em inglês comigo, foram lá dar as "boas vindas" e TODOS eles me olharam da cabeça aos pés com cara de nojo como se eu fosse uma prostituta tentando persuadir o gringo e obviamente nenhum me cumprimentou. Meu amigo na hora que viu me disse: "Lá no Brooklyn quando um cara faz isso com uma garota que a gente conhece, na hora a gente vai tirar satisfação. Uma pena que eu tô aqui no país dos outros e não posso sair na porrada pra não ir em cana."

  • Castiel The Angel

    O feminismo é um movimento das mulheres, como o nome já diz, sim, mas limitar suas ações e participação somente às mulheres, é radicalização, sim. Eu não preciso ser mulher para entender o quão impregnado o machismo é na sociedade e o quanto isso é prejudicial, ontem e hoje, para elas, quantas mulheres sofrem de abusos por parte dos homens e o quanto o mundo é desigual neste sentido. Eu não preciso ser negro, também, para me engajar em alguma campanha anti-racismo, ou homossexual em uma em prol da comunidade GLBT.

    É como proferir o discurso ”queremos direitos iguais na sociedade, mas vocês nem pensem em querer vir para o nosso lado da causa por serem homens”.

    Não estou dizendo que a mulher feminista é alguma espécie de ”vilã” nessa história, mas há, sim, àquelas que consideram quase uma ofensa o homem querer ver o seu lado do mundo e querer lutar pelo quê ela luta também.

    Como eu disse, não é questão de dependência pelo sexo masculino ou de tirar a mulher como protagonista da causa – ela nunca deixará de ser a protagonista, pois esta é uma luta PARA ela, À RESPEITO DELA, e até onde eu sei, as mulheres continuaram sendo a maioria no movimento -, mas de sermos menos radicais e abrir as portas para os dois lados lutarem juntos. Não foi o radicalismo machista que empunha que a mulher deveria permanecer no seu lugar e jamais entrar em qualquer esfera de organização social e política que os homens fizessem parte? Porque perpetuar esse modo de pensar segregacionista de gênero? Será que não é hora de vermos a igualdade por ambos os lados?

  • Castiel The Angel

    O feminismo é um movimento das mulheres, como o nome já diz, sim, mas limitar suas ações e participação somente às mulheres, é radicalização, sim. Eu não preciso ser mulher para entender o quão impregnado o machismo é na sociedade e o quanto isso é prejudicial, ontem e hoje, para elas, quantas mulheres sofrem de abusos por parte dos homens e o quanto o mundo é desigual neste sentido. Eu não preciso ser negro, também, para me engajar em alguma campanha anti-racismo, ou homossexual em uma em prol da comunidade GLBT.

    É como proferir o discurso ”queremos direitos iguais na sociedade, mas vocês nem pensem em querer vir para o nosso lado da causa por serem homens”.

    Não estou dizendo que a mulher feminista é alguma espécie de ”vilã” nessa história, mas há, sim, àquelas que consideram quase uma ofensa o homem querer ver o seu lado do mundo e querer lutar pelo quê ela luta também.

    Como eu disse, não é questão de dependência pelo sexo masculino ou de tirar a mulher como protagonista da causa – ela nunca deixará de ser a protagonista, pois esta é uma luta PARA ela, À RESPEITO DELA, e até onde eu sei, as mulheres continuaram sendo a maioria no movimento -, mas de sermos menos radicais e abrir as portas para os dois lados lutarem juntos. Não foi o radicalismo machista que empunha que a mulher deveria permanecer no seu lugar e jamais entrar em qualquer esfera de organização social e política que os homens fizessem parte? Porque perpetuar esse modo de pensar segregacionista de gênero? Será que não é hora de vermos a igualdade por ambos os lados?

  • Castiel The Angel

    O feminismo é um movimento das mulheres, como o nome já diz, sim, mas limitar suas ações e participação somente às mulheres, é radicalização, sim. Eu não preciso ser mulher para entender o quão impregnado o machismo é na sociedade e o quanto isso é prejudicial, ontem e hoje, para elas, quantas mulheres sofrem de abusos por parte dos homens e o quanto o mundo é desigual neste sentido. Eu não preciso ser negro, também, para me engajar em alguma campanha anti-racismo, ou homossexual em uma em prol da comunidade GLBT.

    É como proferir o discurso ”queremos direitos iguais na sociedade, mas vocês nem pensem em querer vir para o nosso lado da causa por serem homens”.

    Não estou dizendo que a mulher feminista é alguma espécie de ”vilã” nessa história, mas há, sim, àquelas que consideram quase uma ofensa o homem querer ver o seu lado do mundo e querer lutar pelo quê ela luta também.

    Como eu disse, não é questão de dependência pelo sexo masculino ou de tirar a mulher como protagonista da causa – ela nunca deixará de ser a protagonista, pois esta é uma luta PARA ela, À RESPEITO DELA, e até onde eu sei, as mulheres continuaram sendo a maioria no movimento -, mas de sermos menos radicais e abrir as portas para os dois lados lutarem juntos. Não foi o radicalismo machista que empunha que a mulher deveria permanecer no seu lugar e jamais entrar em qualquer esfera de organização social e política que os homens fizessem parte? Porque perpetuar esse modo de pensar segregacionista de gênero? Será que não é hora de vermos a igualdade por ambos os lados?

  • Castiel The Angel

    Bom, NO LIVRO, Arya será bem sexualizada. Não sei se vão chegar a traduzir isso para a série – mas é provável que sim, quando a hora chegar.

  • yago costa

    Sobre o cyberbullyng, n são só as mulheres q sofrem com isso, qualquer um está sujeito, pq hj em dia tem mto mlk q se acha o machão atras do pc e acha q pode falar qualquer bestrira para os outros na net

  • Dan_nb

    Mas a Emma comentou das meninas menores de idade e dos casamentos forçados, meninas africanas que não podem estudar, etc… foi um discurso de 10 min, ela ñ se aprofundou em nada, até porque foi um discurso de introdução à uma campanha específica e se fosse mto longo tb ngm ia prestar atenção, digo o grande público.

  • Fernando Camargos

    Acho que é utópico querer a igualdade através de uma aliança igualitária, isso eu tiro pelos comentários que leio de feministas, que assim se proclamam. Não estou apontando um caminho certo, mas a minha duvida é a seguinte. A mulher é a protagonista do feminismo? faz sentido, mas se o feminismo busca o empoderamento da mulher para a busca da igualdade é de certa forma irônica, porém, também faz sentido. Se pensamos em igualdade (quando eu penso na verdade) logo pensamos na ausência de um ator principal. A minha duvida nessa questão do empoderamento é a seguinte, empoderamos a mulher mas também devemos empoderar qualquer ser. homem, hétero, homossexual e etc. Ao meu ver, nada mais justo, porém, não é um tanto quanto perigoso o empoderamento e esta separação entre homem e mulher?

    Outra duvida sobre o que a Amanda diz:

    “Contudo, o feminismo busca a igualdade através do EMPODERAMENTO DA MULHER. Logo, o protagonismo do movimento é das mulheres. Os homens podem simpatizar com a causa, mas nunca vão compreender a opressão de gênero porque não sofrem da mesma forma como as mulheres.”

    Tudo que você falou me faz sentido mas quando você diz que o homem nunca irá compreender a opressão de gênero porque não sofrem da mesma forma como as mulheres,eu tiro a conclusão que esse discurso deveria ser extinto pois…como conscientizar se o lado preconceituoso nunca ira compreender? se não há compreensão não há aceitação.

    (e como o homem machista vai entender que ele não precisa aprovar nada se ele não compreende nada?)

    Acho que esse discurso é de guerra, apesar de ser uma, mas tratando-se de igualdade não acredito que esse caminho deve ser usado. Volto a dizer que eu tenho duvidas sobre o pensamentos do femismo e suas várias vertentes, não estou atacando ninguém e muito menos tentando ofender.

    Amanda diz:
    “O discurso da Emma foi problemático afinal, se o feminismo procurar o empoderamento da mulher por ela mesma, porque deveria um homem intervir? Por que precisaria um homem dar a sua aprovação?”

    Sobre esta sua citação, A liberdade é isto, não precisar da aprovação do homem, Eu não entendo o seguinte – igualdade, se é igualdade, é necessário a aprovação das duas partes, ou não?

    Por exemplo, em uma votação qualquer uma das partes precisa aprovar, ou o maior numero de aprovações vence, o homem precisa da aprovação da mulher e a mulher do homem, não digo uma aprovação de ditador mas eu digo uma aprovação no sentido de “eu aprovo isso, é algo verdadeiro”

    Se puder responder Amanda, obrigado :]]]

  • Amanda

    A participação dos homens não deve ser banida do feminismo, ao meu ver. Até porque, como eu falei antes, o patriarcado vitima homens também.
    E como você mesmo pontuou, o protagonismo pertence às mulheres dentro do feminismo, então acho que estamos nos desencontrando apenas no modo como nos expressamos. 🙂

    O que quis dizer acima é que, dentro do feminismo, cabe às mulheres definirem as pautas. Não se trata de segregacionismo, pois a presença dos homens é mais do que desejável! No entanto, o ponto fundamental continua residindo no fato de que as tomadas de decisões dentro do feminismo é de incumbência das próprias mulheres.

    Assim temos que uma pessoa branca pode apoiar o movimento negro, compreendendo que a sua participação do debate é limitada, já que os privilégios a ela direcionados impedem-na de compreender plenamente o racismo, por exemplo, pois nunca poderá vivenciá-lo.
    Uma pessoa que não é LGBTTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) pode ser aliada do movimento. Novamente, a sua participação é desejável, mas é limitada, pois lhe falta vivência para decidir os rumos que o movimento toma.

    Enfim… a conclusão de tudo isso é que os movimentos sociais não devem ser estanques ao debate com aqueles que não lidam diretamente com opressão X ou Y, de forma alguma. Mas o poder de decisão está nas mãos daqueles pelos quais os movimentos foram criados.

  • Amanda

    Oi, Fernando! Tudo bom?

    O empoderamento a que eu faço referência é no sentido de proporcionar às
    mulheres
    os instrumentos que a elas são negados em uma sociedade machista. Esses
    instrumentos são diferentes em relação aos outros segmentos da
    população, pois cada um tem a sua demanda, né? Acho que essa ilustração
    reflete mais ou menos o que quero dizer:
    http://www(ponto)gazetadopovo(ponto)com(ponto)br/blogs/wp-content/uploads/sites/52/import/Igualdade_-_Facebook.jpg

    Não
    dá para tratar o empoderamento do homem como se fosse da mesma espécie
    que o empoderamento da muher, pelo menos dentro do feminismo. Isso
    porque a sociedade foi construída observando os anseios e a satisfação
    do homem, fornecendo a este ferramentas para que se desenvolva como ser
    humano na forma como bem entender. O mesmo privilégio não é dado às
    mulheres, daí surge o feminismo como um espaço especial para que as
    mulheres exponham suas reivindicações, aceitando os homens no debate,
    mas reservando a tomada de decisões para elas.

    Acerca da
    compreensão acerca da opressão de gênero. Bem… Vejamos você. O simples
    fato de você querer debater comigo sobre feminismo já é um indício de
    que é possível nos aproximarmos de vivências alheias e respeitá-las, não
    é
    mesmo? 🙂

    Por exemplo. Não sou gay, transsexual,
    bissexual… Não conheço e nem conseguirei conhecer com plenitude a
    vivência da população LGBTT. Mas desejo um mundo em que ninguém seja
    discriminado por sua orientação sexual ou identidade de gênero. Posso
    apoiar o movimento, mas a tomada de decisões dentro dele não cabe a mim.

    Ter empatia e acreditar que certas disparidades econômicas e sociais ocorrem
    por influência da opressão de gênero já é bastante, de acordo com o que eu
    acredito, para apoiar a causa feminista.

    No que diz respeito à questão da aprovação, acredito que a afirmativa seria
    válida se nós considerássemos que a liberdade feminina ainda depende de alguma concessão por parte do restante da população.

    Teoricamente, temos uma Constituição que atribui direitos iguais a homens e
    mulheres… Se a maior lei existente no país diz que eu tenho um direito X, por
    que
    eu haveria de buscar uma aprovação que já me foi garantida pelo
    legislador constituinte em 1988. A busca pela efetivação de um direito
    fundamental constitucionalmente garantido e não depende mais de
    aprovação alguma.

  • Julha

    Mas gente, não quero ouvir a Emma Watson falando sobre a condição das “mulheres do resto do mundo”! Temos que dar voz para essas mulheres! Ao invés de querer que ela fale sobre isso, por que não paramos para ouvir as mulheres sauditas que lutam por seus direitos, elas existem! Estão aí! Esperar ouvir da Emma Watson sobre o que ela não conheceu nem viveu é triste, temos sim é que lutar pela visibilidade dessas mulheres “do resto do mundo”.

  • Roberto

    Porque quando mulheres mostram sua opinião (Emma Watson e Anitta) elas são fortemente criticadas (principalmente pelas feministas)? Não que eu concorde com a opinião delas, mas parece que alguns querem simplismente colocar uma “mordaça” na opinião alheia. E me parece que alguns realmente não entenderam corretamente o discurso da Emma Watson, uma pena.

  • jorge_lito

    Vou ser sincero.
    Gosto do site, gosto dos textos que a criadora do site ( Lidiany) escreve, sou a FAVOR do feminismo, mas escrever tantos textos sobre o tema é chato de ler e enjoa…

    Mas quem gosta, divirtam-se…

  • Walter Déda

    Sou a favor de direitos iguais, igualdade é uma abstração humana, bastar atentar ao mundo real, o universo em si: nada, absolutamente nada, é igual.

    As pessoas, em sua maioria, vivem uma situação bastante peculiar, ao não perceberem o conflito incessante entre o lógico e real. Não se dão conta de que o tempo, a matemática, e tantos outros recursos por nós criados, o foram para tornar mais, não é pleonasmo, razoável essa convivência.

    Um outro fator, a meu entender interessante, é a relação do tempo real e do tempo lógico. Nosso tempo de vida é de aproximadamente 65 anos, média mundial, o universo, estima-se, que tenha cerca de 13,82 bilhões de anos. Acredita-se que o homo sapiens surgiu na África há 200 mil anos. Onde quero chegar? Qualquer coisa que dependa da Natureza, para nós será uma eternidade.

    Pensem que nas cavernas as mulheres viviam constantemente grávidas para evitar que o cheiro de sangue atraíssem animais. Imaginem um grupo andando pela selva e uma mulher começa a sentir as dores do parto, e aquele monte de fluidos invadindo o ar. Vou, certamente, ser mal entendido, mas o machismo, acredito, faz parte de nossos gens, é uma questão de sobrevivência. A relação entre os tempos de existência complica as coisas. Para a Natureza ainda fazemos parte da cadeia alimentar.

    É claro que isso tem que mudar, e vai mudar, mas não no tempo que as feministas e aqueles, como eu, acreditam em direitos individuais e iguais.

    Sob uma outra perspectiva, para o superego.

    Vejam vocês que para a psicanálise o id e o superego “massacram” o ego (homem/mulher), o marisco entre o mar e o rochedo. Há, também, uma luta interna, que justifica os parágrafos anteriores. Não basta olhar ao redor, tem que se olhar para dentro, sobretudo.

    Toda questão moral está diretamente relacionada à sua publicidade, isto é, ser uma coisa pública. Até o surgimento da série na TV, não me recordo de críticas aos livros, pelo menos com tal ênfase, porque a leitura é algo privativo.

    O canal da HBO é privativo, é preciso pagar para assistí-lo. Se não gostarmos do conteúdo cancelamos a assinatura. Todas as atrizes e/ou intérpretes de papéis femininos, seja lá qual fôr a mídia, por óbvio, têm conhecimento prévio do que irão fazer, se aceitam…

    Por último, em nenhum momento vejo ou ouço feministas atacando as religiões, as mães de todo o machismo.

    Devemos nos atentar ao físico, real, somos parte dele desde o início e dele faremos parte até o fim, se existir um. Somos pó, nada mais do que isso.

    Apesar de virtual, eletrônico, o site é privado, estamos, portanto, sujeitos as suas regras. Espero que a liberdade de expressão seja defendida e respeitada da mesma forma que os direitos “femininos”. Essa divisão masculino/feminino, diculta bastante, por que não humano?

  • leandrosr

    Walter, seu texto é uma introdução muita simpática, mas não está levando a lugar nenhum, especialmente quando você diz “Por último, em nenhum momento vejo ou ouço feministas atacando as religiões, as mães de todo o machismo.” Se afaste um pouco mais do critério metafisico da coisa e pesquise, incluindo essas autoras que a Lidiany citou que você pode se surpreender.

  • Igor Rafael

    Isso acontece só do meio pro final do livro “Dança dos Dragões.” ???

    Eu estou lendo o começo do Dança dos Dragões e no Festim dos Corvos o arco de treinamento da Arya não teve sexualização alguma, mas pelo rumo que esta tomando é capaz que a Arya realmente deva usar sua sexualidade, afinal está rumando para se tornar uma assassina.

  • Talita Silva

    Correto, qualquer um está sujeito. Mas quantos homens recebem ameaças de estupro? De ter fotos íntimas vazadas? Quantas fotos de homens famosos “vazaram” na internet esse ano? Vamos parar de dizer que o bullying é o mesmo porque não é. Mulheres sofrem 100 vezes mais, e não é querer nos vitimizar não, é apenas apontando um fato que DEVE ser mudado.

  • leandrosr

    Não cabe spoilers aqui Igor, mas passagens já divulgadas do livro 5 indicam isso.

  • Milena Santos

    Pergunta: por que Anitta é criticada pelas feministas?
    Resposta: ela, se dizendo feminista, apresenta um discurso opressor, dizendo que “mulher deve se dar o respeito, não deve sair ficando com muitos”. Então os homens podem e as mulheres não? As mulheres devem ser santinhas enquanto os homens podem fazer o que quiserem? Esse é o discurso do patriarcado, carregado de machismo, e por isso (entre tantas outras coisas) ela é criticada. Mulher deve ser respeitada independente de qualquer coisa, ficando com muitos ou não, fazendo o que quiser. Feminismo é questão de igualdade de direitos. Se homem pode, mulher pode. Se mulher não pode, homem não pode.

  • Vou ser sincera, em primeiro lugar o site é meu, fui em quem criou e eu que o mantenho no ar (claro que com a participação de toda a equipe…).
    Em segundo lugar, sou mulher, sou feminista e militante.
    Essa notícia foi publicada em sites como a vanity fair, Entertainment Weekly e The Guardian. A Maisie se declarou feminista e comentou sobre cyberbulying, eu como feminista e escritora do site, tenho o direito e a obrigação de comentar sobre o assunto aqui.
    Nesse mesmo instante em que eu estava escrevendo essa notícia, a Ana e o Bacellar postaram outras sobre a série, clica e lê quem quiser, ninguém está te obrigando. Se vc não acha importante ou desnecessário, faça o favor de ignorar meus textos.
    Continuarei escrevendo sobre os temas que quiser e não vai ser a opinião de nenhum macho que vai me fazer voltar atrás.
    Divirta-se.

  • Não me leve a mal Renato, mas esse espaço aqui É meu. Você é que parece ainda não ter entendido isso. O site é meu, fui em quem criou e eu que o mantenho no ar.Em segundo lugar, sou mulher, sou feminista e militante.

    Essa notícia foi publicada em sites como a vanity fair, Entertainment Weekly e The Guardian. A Maisie se declarou feminista e comentou sobre cyberbulying, e eu como feminista e escritora do site, tenho o direito e a obrigação de comentar sobre o assunto aqui.

    Nesse mesmo instante em que eu estava escrevendo essa notícia, a Ana e o Bacellar postaram outras sobre a série, clica e lê quem quiser, ninguém está te obrigando. Se vc não acha importante ou desnecessário, faça o favor de ignorar meus textos.

    Continuarei escrevendo sobre os temas que quiser e não vai ser a opinião de nenhum macho que vai me fazer voltar atrás.

  • Charles

    Renato, nem precisamos comentar que há varias noticias que você poderia muito bem clicar.
    O post envolve uma atriz de GoT, envolve um tema muito recorrente na própria historia do Martin (a maioria dos personagens fortes são mulheres), e além do fato de que o site é de uma pessoa que tem essa ideologia. Normal ela postar, e eu acho que tem que postar cada vez mais.
    Talvez assim, aos poucos, esse tema venha para vida de todos, e paremos com essa frescura que tem no mundo que é a separação por genero.

  • jorge_lito

    Nossa que acidez.
    “Se vc não acha importante ou desnecessário, faça o favor de ignorar meus textos.”
    “Continuarei escrevendo sobre os temas que quiser e não vai ser a opinião de nenhum macho que vai me fazer voltar atrás.”

    Parece que você pensa que eu sou contra o Feminismo, ou então outros homens que leem no site. Leio todos os textos do site inclusive os que tratam de Feminismo, inclusive esse aqui. Li todos os textos sobre tal assunto e já debati defendendo a sua opinião.

    Eu só acho meio deslocado é que num site especializado nas obras do Martin debata tanto esse assunto. Vanity Fair, Entertainment Weekly e The Guardian são sites mais especializados pra debater o tema. Sim, eu sei que teve a questão Maisie, eu sei, mas são tantas coisas sobre o tema que satura. Quem acha isso é contra o feminismo? Aí você vai dizer: ” Eu disse que você era contra o Feminismo?” Não precisa dessa acidez.

    Somos todos adultos, não acho que precisa ficar se explicando que o site é seu, é você quem o criou, é você quem o matem no ar (com ajuda é claro), que é mulher, que é feminista e militante, que escreve os textos que quiser. Sim eu sei que o site é seu e se você quisesse acabar com ele agora, acabaria. Sei que você escreve o que quiser e não vai ser a opinião de NENHUM MACHO que vai fazer voltar atrás. Fico pensando se todos os homens que façam um pequena crítica você os trata assim.

    Por isso que gostei desse discurso da Emma Watson dizendo que as feministas não devem ODIAR os homens. Pronto, agora por causa disso você vai pensar que eu estou insinuando que você odeia os homens. Ver como são as coisas, parece que ninguém, mas precisamente os homens não podem fazer uma pequena crítica.

    É um tema polêmico, todos temos que ser a favor do Feminismo, mas quando um homem que mesmo sendo a favor faz uma pequena crítica chegam as mulheres jogando acidez.

    Grande discurso Emma Watson.

  • Walter Déda

    Leandrosr, a Indonésia tem uma população de 237 milhões de pessoas, 206 milhões são muçulmanos; o Paquistão tem 170 milhões, 161 milhões são muçulmanos; a Índia. com seu extraordinário caldeirão de religiões, onde em todas elas as mulheres são classificadas de subespécie, a população ultrapassa em muito o bilhão de pessoas. Em 2000, no chamado “Cinturão Bíblico dos EUA”, a igreja Batista, considerada moderada, em sua convenção determinou que uma família sem a presença de um homem, assim não poderia ser chamada. Mas essas coisas “não dão IBOPE”.

    As feministas fazem referência pra lá de rasas a esses problemas, todo o foco está na chamada mídia. Jamais tive conhecimento de alguém dizer que o pintor tal deveria ter utilizado o vermelho em vez do azul, em contrapartida, há fogo cerrado contra obras ficcionais: livros, filmes, etc., em que se arvora o “direito” de alterar a história por não se enquadrar nesta ou naquela militância. É aceitável, válida e desejável a crítica, quando tenta-se mudar o seu conteúdo para enquadrá-la a opções pessoais, aí vira censura.

    “…mas há mulheres no resto do mundo que passam por coisas piores.” Grande Maisie Williams!
    Leiam “Os Mandarins”, de Simone de Beauvoir, tentem saber quem foi Hipátia. São episódios referenciais da luta pela dignidade humana.

  • Roberto

    Como eu disse não concordo com o que a Anitta disse. O que me assusta não é ela ser criticada, é ser atacada mesmo, disseram coisas que, por ironia, agridem não só ela mas todas as mulheres.

  • Camila Veloso Amancio

    Colega, em que planeta vc vive? Quem disse que as feministas não defendem que os homens devam ficar mais tempo com os filhos? E esse papo do alistamento é típico dos machistas, eu acho sim que o alistamento não deveria ser obrigatório nem pro homem! E vc fala da mulher sair gastando o dinheiro do marido, quando se trata de casamento não existe dinheiro do marido e da esposa, o dinheiro é dos dois. Acho que vc não contou com a parte que o cara trabalha mas a mulher muitas vezes fica em casa cuidando da casa e dos filhos, põe na sua calculadora qnto custa uma empregada e uma babá, e na nossa sociedade machista mesmo qndo a mulher trabalha fora, ela ainda faz todo esse trabalho em casa! O que nós feministas queremos, não é apenas dividir as contas é dividir o trabalho em casa tbm de forma igualitária! Mas tudo bem vc é apenas o subproduto da nossa sociedade patriarcal, que reproduz o que o machismo impôs a vc desde que vc nasceu! Se informe mais e leia um pouco, que logo vc estará do nosso lado tbm.

  • Cecilia Saraiva

    Além do que a autora já respondeu, é no mínimo sem noção criticar isso ainda mais num site sobre um show/livros que tem tantas mulheres poderosas e tantas questões feministas colocadas pelo autor. Se liga, cara.

  • Cecilia Saraiva

    Não gosta, não lê, cara. Simples. Ficar de mimimi é que pega mal.

  • Cecilia Saraiva

    O lance é que essa frase dela de “não devemos odiar os homens” é fraca e desnecessária, muito aquém do que é necessário num discurso feminista, porque já é batido. É suavizador. Parece estar pedindo arrego para ganhar a simpatia dos mesmos idiotas que não querem parar para avaliar sua postura.

  • Vc se acha no direito de vir ao meu site, no meu post dizer sobre o que eu devo ou não escrever. Vc se acha no direito de dizer como deve ser o meu feminismo e sobre o que eu devo ou não falar e fazer.
    Uma das coisas que vc está fazendo se chama mansplaining e eu não aceito isso. Não tenho interesse nenhum em saber o que vc acha de mim ou dos textos que eu deveria escrever ou não aqui no site.
    Continuarei escrevendo sobre o que eu quiser, quando quiser e relacionado ao que eu quiser, agradando ao público masculino ou não. Como eu disse, lê quem quer.

  • Castiel The Angel

    livro 6*

  • Lenna Nascimento

    Parem tudo! a autora não escreve de acordo com o gosto desse menino!

  • Lenna Nascimento

    Você é a prova viva de que um homem não pode ser feminista. Só por bater o pé pela sua participação no feminismo. Cara, você não compreende a importância do nosso protagonismo na nossa luta, o empoderamento que isso nos traz. Eu sou mulher e te digo o que sinto, se isso é importante pro feminismo que você conhece: Não tem nada mais empoderador que ser a voz do que nos afeta. Homem é opressor das mulheres. Homem não nos ajuda querendo nosso espaço e nossa voz.

  • drmingus

    Não é meio contraditório dizer que o machismo faz parte dos gens e depois dizer que a religião é mãe de todo o machismo?

  • drmingus

    Faz sentido. Do mesmo modo que o homem não tem legitimidade para falar do feminismo porque não sente o machismo na pele, também se pode questionar a legitimidade da mulher ocidental do primeiro mundo para falar como deve ser combatido o machismo no Oriente Médio, Índia, Paquistão, etc.

  • Vannie Dusk

    [EDITADO] Eu nao quis dizer que uma mulher eh obrigada a morar com um homem, e concordo com vc qndo o dinheiro do casal é dos dois, embora nunca vi homem gastando o dinheiro do salario da esposa.O que eu quis dizer, é que se é pra ser igual tem que ser em tudo, e o papo de alistamento não e machista, como disse direitos e deveres IGUAIS, e concordo que nao deveria ser obrigatório, mas tds sabemos q é raro alguem servir. Quanto ao topico do texto, acho SIM que homens devem se juntar as mulheres na luta por direitos iguais, se vc tem como base os homens sendo privilegiados, então querer ter os mesmos direitos que eles, obriga a se colocar os homens na equação, pois eles sao a comparação entende? nao vejo nada de errado em homens serem a favor do feminismo, esse papo de “eh das mulheres pras mulheres” é tao extremo qnto o machismo, se é pra ser igual deixa eles entrarem no movimento, eu sou mto a favor do feminismo sim, mas a minha visão nao exclui os homens como parte importante na mudança.

  • Vannie Dusk

    Parabéns ana, partilho da sua opinião.

  • O ponto é que ela nunca disse “não devemos odiar os homens”. O que ela disse, num resumo simples dessa pequena parte do discurso, é: “hoje muitos entendem que ~feminismo~ é uma palavra usada para segregar mais, para mulheres que odeiam os homens, e feminismo não é isso, portanto essa visão errada precisa acabar”.

  • Jaren

    Eu acho ótimo que um fansite tenha um espaço pra comentar esses temas pertinentes que surgem a partir da série. E acho que eles balanceiam bem com as notícias relacionadas aos livros, produção da séries, elenco, etc. Não me recordo de nenhum outro fansite no momento que tenha um viés crítico e interessante assim. 🙂

  • Rafael

    Então Talita, eu acho que o cara quis dizer é que como todos estão sujeitos a isso, todos deveria ser mencionados, apenas isso.

    Eu não sei o que é sofrer ameaças de ser estuprado ou vazarem fotos minhas, mas já sofri bullyng quando tinha 10 anos, não vou ficar relatando isso aqui, mas sofri demais, não quero me prolongar nisso e nem quero que veja como uma comparação, apenas que entenda que os casos são diferentes, mas apenas quem sofre pode saber o quanto doi.

    Se para para homem 99 mulheres sofrem bullying, os 100 devem ser protegidos, apenas isso.

  • Igor Rafael

    Se bem que quando faz sentido usar a sexualidade ao seu favor não vejo problema, se o contexto for coerente certamente vai ficar bom (Eu confio no Martin.)
    Tenho visto poucas informações a respeito do sexto livro, quero que o Martin continue me surpreendendo.

  • america

    Castiel, eu concordo com tudo que você disse, TUDO MESMO. Eu sou mulher e acho que homens junto dessa luta não é uma ameaça e sim uma ajuda, porque feminismo faz parte dos direitos sociais, assim como eu posso lutar pela causa dos gays e não ser homossexual, e não quer dizer que eu não saiba o quanto eles sofrem, mas como um ser humano eu vejo isso. Eu adorei os seus dois comentários e concordo muito com eles. Parabéns por ser mente aberta assim e realmente precisamos de mais pessoas como você, não só homens, mas também mulheres que pensem assim!

  • Felipe

    “…atualmente qualquer mulher que use redes sociais com sua própria identidade está sujeita a bullying, assédio e intimidação…”, “E não é por falta de convite que os homens não querem rever seus privilégios…” Claro, porque cyberbullying é praticado exclusivamente contra mulheres não é?? Esqueci que nós homens temos vidas perfeitas e maravilhosas, jamais sofremos abusos ou somos intimidados, também não tivemos uma função historicamente pré-estabelecida que desconsiderava completamente qualquer direito à individualidade, claro que não…