Universidade americana oferece curso sobre Game of Thrones

davos-reading

A University of Virginia agora oferece um curso de férias especializado em Game of Thrones. Lisa Woolfork, a professora da UVA, dá muito mais do que apenas uma aula de inglês ou dinâmica literária. Na verdade, ela está ensinando conceitos sobre os livros de George R. R. Martin em paralelo com os episódios da HBO, provando que a série não “arruína” os livros, mas melhorara a experiência de leitura.

“Um dos objetivos por trás dessa matéria é ensinar aos alunos que usar os métodos de estudar literatura para analisar livro e TV em conjunto é algo muito eficiente. Game of Thrones é popular, é interessante, mas também é muito séria. Temos muitos aspectos da série que são pesados e muito significativos, podendo ser ainda mais iluminados através das habilidades de análise literária. Os aspectos de literatura que podemos discutir sobre isso são bastante profundos. Mas também estamos muito preocupados com os aspectos da cultura pop. Eu acho que é importante aplicar os mesmos princípios que nós fazemos com a literatura para televisão e cinema…

A representação visual não suplanta ou exclui os livros, mas os engrandecem e em um mundo onde as principais fontes de contar histórias são cada vez mais visuais, desenvolver habilidades para analisar a forma como os enredos e histórias são adaptados para o cinema é algo crucial para os contadores de histórias do futuro.

Game_Of_Thrones_Class_09_HRSS

Alunos da UVA na aula sobre Game of Thrones

Em aula recente, os alunos discutiram O Casamento Vermelho”. Depois dessa grande tragédia, os livros e as temporadas não terminaram, como muitas outras séries o teriam feito. Uma das maiores lições de “Game of Thrones“, que a matéria discute, é justamente a forma como a vida continua após a morte.

Eles também examinam a importância da honra, racismo, papéis de gênero, formação de identidade e as perspectivas múltiplas dos personagens. O trabalho de conclusão consiste em um projeto em grupo onde os alunos devem escrever um novo capítulo para a saga.

A professora disse que nenhum aluno faltou a aula até hoje.

Na Argentina, Game of Thrones já era tema na sala de aula. A Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires costuma lecionar a palestra “Direito e Game of Thrones“, que relaciona a disciplina à serie da HBO.

Fonte: UVA Today

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Gente… hahaha que máximo

  • Fyama Santos

    se os professores daqui do Brasil tivessem essa criatividade … :/

  • Tassio Luan

    Já quero esse curso no Brasil <3

  • Rodrigo MariMoon

    Pra mim, #partiu University of Virginia em 2015, então XD.. Kkkkkkkkk’.

  • Thaynan Galhardo

    Que incrível!! Adoraria fazer esse curso. 🙂

  • Belle S

    Planos para quando acabar o ensino médio: Ciências sem fronteiras e university of Virginia.

  • Marina

    Porque essas coisas nunca acontecem no Brasil ?

  • Martins

    This is amazing!!!

  • Flavio Kilers

    Poque no brasil o povo nem é acostumado a ler existe o analfabetismo funcional e muito leram os as cronicas mas nem entenderam nada, pois leram correndo pra falar “eu li sou foda” então se tivesse isso seria aquelas aulas que alunos irão dormir ou ficar conversando.

  • Messinho’

    PALMAS

  • Ed Vulcao

    pra acontecer no Brasil teria que ser revisto o conservadorismo academico em relaçao ao que é ou não literatura, perguntem aos seus professores sobre o papel dos best sellers e a literatura, no Brasil os manuais para jovens escritores é considerado autoajuda…

  • Elias Sousa dos Sant

    No Brasil as pessoas escrevem “brasil” e “poque”.

  • mauricio braglia

    disse quase tudo esqueceu de dizer q as faculdades vivem em greve seja de professor seja de aluno alias greve de aluno é no minimo curioso

  • Elias Sousa dos Sant

    Porque no Brasil se escreve “poque” e “brasil”.

  • Wemerson Leandro de Luna

    Cadê que meu curso de Direito tem isso? Go Argentina!

  • Joao Palmadas

    Por que vocês escolheram a Shireen ensinando o Davos a ler para ilustrar essa matéria?

  • Conheço gente daqui que dariam bons professores nesse curso kkkk

  • Thiago Padilha

    Acho o projeto super válido e acredito que o mesmo deva seguir para outras séries e livros. Já pensou uma aula de história mesclando os acontecimento reais da guerra dos 100 anos com os dos livros de Bernard Cornwell? Show!

  • Nath

    “eu li sou foda”

  • Nath

    Aguardando o complexo de vira-lata nos comentários…

  • Athos Guizzardi

    Não é óbvio?

  • alexpc93 .

    No

  • alexpc93 .

    Acho q aqui os mais velhos entendidos em literatura tem um preconceito enorme com Best sellers ( harry potter, senhor dos anéis, game of thrones e afins) e os incluem como uma modinha de adolescente passageira, sem ao menos ter um bom conhecimento prévio dos livros. Já tive um professor de cursinho q desmereceu esses livros e falou q eles seriam esquecidos com o tempo.Eu pessoalmente discordo, acho q game of thrones tem uma profundamente maior q muitos livros de vestibular ou os pedidos na faculdade e tb um boa base histórica, sem falar q os senhor dos anéis já foi escrito a muito tempo e não é esquecido

  • Diego Natan Canteri

    Porque eles quiseram, eu acho… 🙂

  • Diego Natan Canteri

    Eu creio que a Fantasia é um movimento literário, que embora esteja no auge de sua popularidade ainda não conseguiu penetrar no meio acadêmico. É uma pena que esse problema seja mundial, mas muito pior aqui no Brasil. Os acadêmicos tem um grande problema com obras feitas para o público, se esquecendo que a maior parte das grandes obras e autores foram criadas com o intuito de serem consumidas pelo grande público. Essa regra de “se fez sucesso então não serve pra ser estudado” é piro preconceito. No Brasil temos um problema ainda maior porque essa Literatura em grande parte vem dos Estados Unidos e o restante vêm quase todo da Inglaterra, ou tem influências fortes das obras anglo-americanas, como boa parte dos acadêmicos brasileiros é composta por viúvas da União Soviética elas advogam que essas obras ao chegar no Brasil recebam de imediato o selo “cuidado! imperialismo venenoso”, acompanhado pelos dizeres “manter fora do alcance de crianças e animais. Guardar em local seguro e não exposto à luz solar”.

  • Tolkien costumava narrar poemas épicos como Beowulf, as Eddas e trechos do Kalevala (Dizem que o fazia com a voz que imaginava ser a do Gandalf) e logo utilizou suas obras nas suas aulas de linguistica.

    Não se trata da mesma ideia, mas é muito bom ver a literatura fantastica tomando o seu lugar de direito!