Por que o Banco de Ferro de Bravos fez um empréstimo ao homem que quer tomar o reino?

A chegada inesperada de Stannis Baratheon no extremo norte representou um dos momentos mais memoráveis do final da quarta temporada de Game of Thrones. Os selvagens são detidos, Stannis controla Castelo Negro, e organiza suas peças com um exército disciplinado e bem equipado, para trazer toda a sorte de novos problemas à Porto Real. Ele também pode dar às pessoas inocentes de Westeros alguma esperança de uma defesa decente contra os Caminhantes Brancos uma vez que inverno está finalmente chegando.

Game of Thrones S4 Ep 10

A última vez que vimos Stannis antes desse episódio, ele estava com poucos homens e navios, passando o chapéu no Banco de Ferro de Bravos, o que deu certo sucesso até, pois agora apareceu com um grande exercito.

O site The Conversation fez uma excelente analise da relação entre Westeros e o Banco de Ferro de Bravos que conhecemos lá no episódio 06, explicando por que o banco apostou em Stannis.

A série tem mantido conscientemente os homens do dinheiro à espreita principalmente nas sombras, exatamente como um banco iria gostar. Um jogador poderoso que parece querer influenciar o jogo em Westeros ao invés de participar, o Banco de Ferro evoluiu para uma instituição que combina tudo de melhor (ou pior) das características de um banco de investimento, do FMI e da Máfia.

Game-of-Thrones-Season-4-Episode-6-Iron-Bank

Varys, o mestre dos sussurros, entende a natureza do poder do banco melhor que a maioria. Em uma cena da segunda temporada Varys diz um enigma a Tyrion:

Posso deixá-lo com um pequeno enigma, Lorde Tyrion? – não esperou resposta.

– Numa sala estão sentados três grandes homens, um rei, um sacerdote e um homem rico com o seu ouro. Entre eles está um mercenário, um homem pequeno, de nascimento comum e sem grande inteligência. Cada um dos grandes pede a ele para matar os outros dois.”Faça isso”, diz o rei, “pois eu sou seu governante por direito”. “Faça isso”, diz o sacerdote, “pois estou ordenando em nome dos deuses”. “Faça isso”, diz o rico,”e todo este ouro será seu”. Agora, diga-me: Quem sobrevive e quem morre?

A lição da charada de Varys é que “o poder reside onde os homens acreditam que reside, nem mais, nem menos”, e isso é ainda mais pertinente para a instituição que todos os reis e requerentes de Westeros parecem temer, o Banco de Ferro.

O trabalho de um banco é uma questão de controle de riscos, entre outras coisas. Em geral, o emprestador vai saber mais do que o banco sobre a sua própria capacidade de reembolsar um empréstimo, portanto, uma das precauções que um banco vai tomar para reduzir seu risco é descobrir tanto quanto possível sobre a capacidade do emprestador de pagar. A Microeconomia chama isso de um problema de informação assimétrica (um dos lados tem mais informação que o outro). Em um mercado legalmente regulamentado, há uma série de mecanismos legais e contratuais para cobrir este risco, desde um bem para servir de garantia, até as medidas judiciais que o banco pode tomar para fazer cumprir essas dívidas.

Mas no mundo moderno, e Bravos parece ser baseada em sistema similar de um época em que esses mecanismos institucionais ainda não tinham sido bem desenvolvidos, forçando o banco a chamar alguns “contratados” para cobrar sua dívida: mercenários, equivalentes a Bronn e seus companheiros por exemplo.

O Banco de Ferro, no entanto, tem se desenvolvido muito além desse esquema de agiotagem comum. Em um dos anacronismos criativos que enchem o gênero de fantasia, a instituição é agora uma ativa “ajustadora de regimes”, uma instituição dedicada a transformar o crédito em controle, deixando reis mortos e programas de ajuste estrutural por onde passa.

Uma passagem dos livros, que ainda não foi ao ar na televisão, ilustra bem isso:

Quando príncipes dão o calote de suas dívidas aos bancos menores, banqueiros arruinados vendem suas esposas e filhos para a escravidão e abrem as suas próprias veias. Quando os príncipes não restituem o Banco de Ferro, novos príncipes surgem do nada e são levados ao trono.

O banco emprestou uma soma considerável para os reis de Westeros antes e agora a situação em Porto Real, como Davos aponta, não é favorável para que reavejam  seu dinheiro. Tywin era pelo menos capaz de manter as coisas organizadas, mas a perspectiva de um rei menino com Cersei como regente é uma receita para o conflito continuar. Não está claro até aqui o quanto o banco sabe sobre Danaerys e seus dragões, mas uma vez que ela teria que transportar seus exércitos através de meio mundo até Westeros, uma alternativa mais próxima seria útil.

Que o Banco de Ferro busque uma mudança de regime em Westeros ao apoiar um rival está longe de ser inconcebível. Emprestar a um governo que é menos do que assíduo em manter seus pagamentos seria um terrível erro a menos que você tivesse a capacidade de garantir que alguém mais razoável possa ser colocado no poder.

Vimos esses movimentos no mundo real também, onde discretas movimentações das mãos de financiadores foram percebidas por trás de golpes de Estado e mudanças de regime. A renúncia de Silvio Berlusconi como primeiro ministro italiano e a mudança de governo que se seguiu à crise financeira na Grécia, foram ambas pressionadas por financiadores, neste caso, os representantes do FMI, do governo da Europa e do Bancos Centrais.

Isto naturalmente leva a uma consideração interessante sobre o encontro entre Stannis e o representante do Banco, Tycho Nestoris. Os números sobre a qual o Banco de Ferro prefere basear suas decisões eram desfavoráveis ​​para dizer o mínimo. Stannis tinha poucos homens e menos navios, não o suficiente para ter de volta o trono, e quase nenhuma capacidade produtiva para apoiá-los.

No entanto, Tycho é influenciado não por números, mas por uma história baseada nos personagens da população envolvida. Uma Westeros sem a influência de Tywin é o caos da regência de Cersei Lannister, e um Banco de Ferro que já emprestou 3 milhões de dragões de ouro está exposto a mais riscos do que ele gostaria. Davos, usando seus próprios dedos como exemplo, convence o banco que a palavra de Stannis é confiável, ou pelo menos melhor do que o regime liderado pelos Lannister.

iron-bank

Um paralelo final entre o universo de Game of Thrones e o nosso mundo encontra-se na fundação da própria Bravos. A origem de Bravos se deu em decorrência de um motim numa das frotas valirianas, no qual os escravos tomaram os navios e fugiram para o mais longe possível dos seus mestres. Os refugiados encontraram uma laguna cercada por um manto de névoa e lá se desenvolveram construindo calmamente uma rede de comércio. Comércio, é claro, requer financiamento para mantê-lo ir, daí a importância do banco.

Na Europa, os bancos também começaram como um negócio de estrangeiros: dos agiotas judeus de Veneza para os dissidentes do século 18, nem sempre foram valorizados, mas eram necessários – uma economia sem crédito veria deflações de longa duração e baixo investimento em capacidade produtiva, como forjas, ferramentas agrícolas ou navios.

A modernidade deve a sua própria dívida a estes forasteiros que começaram em risco o financiamento extra-legal e, lentamente, se estabeleceram. Sem elas, o nosso mundo não poderia ter acontecido. Talvez o jogo de poder de apoiar Stannis um dia vai ser visto como o primeiro passo no sentido do mundo de Westeros sair da era pré-industrial rumo ao mundo moderno.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Invernalia

    O banco de ferro de Bravos é a instituição mais poderosa que existe nas crônicas, mas eles ainda estão omissos em relação à Daenerys, e não parecem querer apoiá-la já que estão apoiando Stannis e não mudarão de ideia tão cedo. Isso que me intriga, ignorarem completamente a Daenerys…

  • Kin

    Stannis se diz o real dono do trono, porém nos livros ele sabe da existência de Daenerys? O que ele pensa a respeito?

  • Kin

    Daenerys ainda não foi em busca de ouro no banco, até o então momento, acho que ela não tem necessidade, visto que ela já possui navios suficientes para atravessar o mar e um exército.

  • Gabriel

    Pois eles sabem que agora já é tarde demais para apoia a Daenerys, ela não precisa mais do ouro deles. Sabem que se ela conquistar o trono, vai ignorar a dívida alegando que não foi ela quem fez. Como isso eles vão apoiar o Stannis até o fim agora.

  • Felipe Sales

    Primeiro que os Dragões da Daenerys são só um rumor, e para eles a rainha de prata só deve estar interessada em Mereen
    E depois você tem o fato de que Daenerys é Targeryen,que tem origem valiriana, e Braavos não deve estar muito interessada em Dragões de seus antigos opressores

  • Martins

    Talvez eles estejam concentrados apenas em quem está literalmente na briga em Westeros….Dany ainda está parada em Essos……..reivindicando o trono e, considerando ela uma candidata forte pra ocupá-lo, o banco deve imaginar que Daenerys não pagaria a dívida que o usurpador do trono de seu irmão fez para gastar em festas e putas…

  • Gustavo B. Passos

    Não sei se ele conhece a Daenerys (provavelmente não), mas sua “legitimidade” vem não só das leis antigas da cultura de Westeros (o irmão mais novo, obedece o mais velho além do direito de conquista, respeito de juramentos, além da relação entre os targeryan e Baratheon) e principalmente da nova fé dele do Rhallor, senhor da Luz. Até agora tudo que Melisandre disse para ele era “Verdade” , se ela diz que ele é o Princípe Prometido/Azhor Ahai então ele não é apenas o rei de direito, porém o Rei escolhido pelos Deuses (claro que isso está sujeito a interpretação da Melisandre também).

  • Israel Rodrigues

    a deanerys nao é a herdeira do trono, uma vez que sua familia perdeu o trono em combate real para a familia de stannis, stannis nao perdeo o trono em guerra mais sim para um filho bastardo de robert, se o jofrey fosse realmente de roberth ai sim stannis estaria errado entendeu?

  • Carlos Henrique dos Santos Lim

    Acho que não tao levando fé na Daenerys…

  • Guilherme Caran

    Bom texto. Se seguirmos a analogia dada por Donal Noye temos um banco de ferro para um rei de ferro =D.

  • Dom Paulo Dornas

    o poder do Banco de Ferro de Bravos seria equivalente ao dos Médici de Florença na sua época aúrea na Renascença…

  • Martins

    Ele certamente tem consciência dela mas, a Casa Targaryen é considerada uma casa exilada após a queda de Aerys II e quase extinta….teoricamente, pelo ponto de vista político, qualquer descendente Targaryen não possui mais direito ao Trono de Ferro….embora eu ache o Robert realmente um usurpador, Aerys era louco mesmo, mas acredito que Rhaegar teria sido um bom rei, diferente de Robert que governou porcaria nenhuma e ficou aliviado com a morte de Rhaenys e Aegon (?)…e queria assassinar Dany grávida…

  • Felipe Lobato

    Espero que eles tenham um destino igual ao Banco dos Médici, que faliu por causa dessa putaria de ficar emprestando dinheiro pros inimigos de quem não pagava.

  • Nos livros eu acho sensacional que o Banco tenha decidido apoiar o Stannis depois que ele derrotou os selvagens, mas na serie, com o Davos convencendo eles de que o Lorde de Pedra do Dragão era um homem justo, que pagava suas dividas, foi algo lindo de se ver.

  • Kin

    De qualquer forma foi um “duelo” injusto, visto que a vitória de um foi baseada na traição de outro. Não sei bem, mas ao meu ver independente se houvesse um duelo justo, o trono ainda pertenceria aos Targaryen. Por isso torço muito pela Dany linda e diva voltar a trono e botar ordem no chiqueiro. Além de que colocaria todas cabeças dos Baratheon e Lannister em uma estaca, assim como fizeram aos Targaryen.

  • Cláudio Victor

    Não. Os Médici eram a família no poder de um principado que comporia, séculos mais tarde, a Itália unificada.
    O poder do Banco de Ferro, se comparado a um principado, é uma enormidade. Possuem ouro a dar com pau e meios para cobrar, não de um principado (ou um “reino”, fazendo referência aos Sete Reinos que compõem a maior parte de Westeros), mas do trono de ferro, dos sete reinos e de quem mais estiver devendo, inclusive em Essos.
    Esse poder de seus meios se traduz não só em poder de fogo, guerra mesmo, mas, além, em influência direta nos rumos de um reino ou de uma cidade, grande ou pequena, poderosa ou não.
    Afinal, muito menos risco há em emprestar dinheiro em contratos – que ninguém mais precisa saber que existem – do que tomar partido em guerras, fazer alianças erradas e pautar-se no risco de baixas imensas – que, em última análise, representam prejuízos – que a guerra direta proporciona.

  • Don Ramon

    Excelente. Eu sinceramente considero Bravos o que existe de mais interessante na série inteira.

  • Don Ramon

    perfeito.

  • Thiago F. Coelho

    ” Ele também pode dar às pessoas inocentes de Westeros alguma esperança de uma defesa decente contra os Caminhantes Brancos uma vez que inverno
    está finalmente chegando”

    Né por nada não, mas acho que as pessoas inocentes de Westeros não sabem de nada a respeito de Caminhantes Brancos (referência ao Cumpade Washington foi involuntária). Lembrem que o Sir Thorne foi enviado a Porto Real pra fazer esse alerta, e ninguém deu confiança pra ele.

  • Elas não sabem de nada, mas não deixa de ser uma das maiores ameaças.

  • Martins

    É porae que eu penso tbm…..Robert se autoproclamou rei após a queda do rei Aerys e a morte de seu filho Rhaegar, mas isso porque o próprio Robert disse que ele possuía sangue Targaryen a partir de sua avó paterna, a princesa Rhaelle Targaryen, portanto ele deveria reinar…….em outras palavras, eu tbm vejo o trono como pertencente aos Targaryen……embora, caso a Dany não assuma o trono, pela lógica, a coroa deveria mesmo ser passada a Stannis e sua filha Shireen….

  • Thiago F. Coelho

    É uma grande ameaça, é uma enorme ameaça. Mas acho que as pessoas inocentes não podem ter esperança (nem medo, nem nada) em relação a algo que elas sequer sabem que existe.

  • Anderson Lima

    Realmente, ninguém acredita que os caminhantes brancos existam… xD

  • Anderson Lima

    Concordo…

  • Paulo Ricardo

    Não esqueça o fato de que dany é uma “quebradora de correntes”. Isso é claramente contrário a qualquer interesse financeiro, uma vez que praticamente toda essos lucra com esse comércio.

  • Felipe Lobato

    Precisamos de um rei com canhões pra invadir Braavos e falir o Banco de Ferro, assim como Charles VII fez com os Médici x]

  • Felipe Lobato

    Baseado no seu argumento, Stannis também está errado.

    Os apoiadores do Tommen negaram o trono pro Stannis e ganharam numa guerra. Logo…

  • Felipe Lobato

    Então o Banco de Ferro vai ajudar Euron? .-.

  • bruna

    eu tenho minhas duvidas de como o stannis iria governar porque a melisandre praticamente esta em todas as decisoes dele e vamos ser honestos durante 300 anos a fé dos sete foi pregada por westeros eu duvido muito que o stannis consiga mudar isso a menos que a melisandre morra tem essa briga entre team stannis e team daenerys mas na realidade os dois sao dois lados da mesma moeda pq tanto a dany quanto o stannis querem impor um regime uma cultura nova em uma sociedade ja formada e apegada a suas proprias tradicoes o stannis quer dar os castelos da patrulha para senhoras do sul??? quer povoar a dadiva com selvagens???? e o mais importante quer impor uma religiao e todo mundo sabe que isso ja deu muito problema na historia real

  • Mário Luiz A. silva

    Acredito que o poder do Banco de Ferro cresceu na medida em que Bravos, um porto que tem a sua economia crescente baseada no transporte de mercadoria, ou seja, sem gasto de produção tudo é lucro e os armadores precisando de um banco para depositar seus lucros encheram assim os cofres da instituição financeira de dragões e outras moedas fortes. Como o banco não pode simplesmente ser depositário do dinheiro, tem que ter lucro com estes depósitos. Qual a melhor maneira de um banco ter lucro se não empréstimos a juros. Em um contexto em que existe muitas guerras, um banco em local neutro está no melhor dos mundos para financiar as nações beligerantes. No nosso mundo moderno me parece que a Suíça é um exemplo disso.

  • Pra mim isso é cristalino: “esperança” não foi utilizada no sentido do sentimento pessoal que os westerosi inocentes teriam em relação a sua luta contra os Outros. Como a Lidiany já disse, a ameaça é real, quer eles acreditem ou não. Existir alguém com poder e ciência da ameaça é uma “esperança” no sentido de que eles podem ser salvos de um problema, que eles sequer sabem que existe, mas não menos ameaçador.

  • Exatamente isso, combinado com a resposta de @jhonnoliveira:disqus. A Daenerys até o momento não teve relevância direta para Braavos, afinal a cidade não foi afetada como as outras Livres pela diminuição no tráfico de escravos (afinal lá a escravidão é proibida), a ponto de ter justificar que o Banco tenha interesse nela. Ela ainda não é vista como uma pretendente direta ao Trono de Ferro, a visão que os essosi têm dela é outra, relacionada à Baía.
    O Stannis, por outro lado, é um pretendente a uma Coroa com a qual o Banco fez negócios por muitos anos, negócios já existentes que precisam ser resolvidos, ou seja, há um interesse direto.

  • AP

    o problema foi é que Rhaegar foi confrontar com Robert,e antes disso ele “roubou” Lyanna de Robert o que deixou ele mais furioso ainda.

  • Martins

    Então, a questão é que a Rebelião de Robert só se iniciou porque a Lyanna foi “roubada” por Rhaegar…..em outras palavras, Robert só iniciou a guerra por conta de sua grande dor de cotovelo, não foi uma causa mais nobre como o fato de Aerys ser um psicopata louco demente.. foi por que sua prometida foi, em suas palavras, sequestrada – o que eu duvido mto pra falar bem a vdd, tenho quase certeza que Lyanna fugiu com Rhaegar por amor e ele pode mto bem no fim ter tomado ela como sua segunda esposa e rainha a exemplo de Aegon I, O Conquistador. Robert se proclama rei e nunca cuidou dos Sete Reinos, quem teve que governar foi Jon Arryn e o pequeno conselho.

  • Mas os motivos dos Tully, Stark e Arryn não foram dor de cotovelo. Aerys assassinou uma negada e mereceu ir pra vala.

    Já Rhaegar botou a cara pra enfrentar Robert, ignorando as atrocidades do pai, e depois não teve culhão pra vencê-lo em batalha.

  • Ela não consegue nem colocar ordem naquela pocilga de cidade escravagista lá da caixa-prego, quem dera nos sete reinos. Que o Martin dê uma morte digna ao Stannis, não virar churrasquinho daquelas besta nojenta que ela chama de filho.

  • Gustavo B. Passos

    A coisa é que a magia das duas (Dany e Melissandre) é real, com os WW voltando ficará fácil de convencer todos os lordes de quem é o líder correto.. apesar de acreditar que nem todos vão aderir completamente a religião do Rei (afinal ainda tem o culto aos deuses antigos), é fácil afirmar que com força o bastante dá para forçar algumas coisas.. a própria fé dos 7 foi forçada quando o conquistador submeteu toda Westeros com fogo e sangue.
    Algumas profecias são universais em todas as religiões de WW enquanto o senhor da Luz menciona o Azhor Ahai, a fé dos 7 fala do principe que retornou.. e mesmo os deuses velhos e novos tem o “código do anfitrião”, então as coisas não são totalmente excludentes.

  • Ivan Ferrari Martini

    Ola galera, por favor, onde esta essa passagem do Stannis e o Davos pedindo dinheiro empresta para o Banco de Ferro no livro? Alguem pode me ajudar pois eu nao achei ainda! Ou isso é uma adaptacao da HBO.

    Abracos

  • Vitor Magnago

    Ela pode ter um exercito, mas navios suficientes ela não tem ainda.

  • Martins

    Então, eu me referi exclusivamente a Robert mesmo que iniciou a rebelião. Como eu disse, Aerys realmente precisava ser detido; foi um péssimo rei e literalmente louco como apontam; matou uma galera inclusive o pai e o irmão de Ned….e há uma suspeita apontada nos livros de que Rhaegar pretendia se levantar contra o pai e assumir o trono………o que eu quero dizer é que se qualquer outra pessoa das grandes casas tivesse assumido a coroa, ao inves do Robert, muito provavelmente Westeros teria um governo melhor. Robert Baratheon foi um grande guerreiro, feito pras batalhas, mas nunca pra reinar…..ele mesmo admite nos livros. Eu vejo ele como usurpador porque ele tomou o trono pra si como seu direito pelo seu sangue Targaryen e não foi um bom rei!

  • É uma adaptação, nos livros é o Tycho Nestoris que vai atrás do Stannis.

  • Botaria cabeça dos Starks em estacas também (se os encontrasse).

  • Ignorando as atrocidades do pai não, Rhaegar falou com o Jaime antes de sair pra encontrar Robert no Tridente que eles conversariam quando ele voltasse e que haveria “mudanças” no reino (não se especificou o quê, porém).
    Ele tinha que defender a Coroa mesmo, não dava pra ele se rebelar contra o pai, ia ficar com o filme ainda mais queimado.

  • JasonLannister

    O Banco de ferro investiu no Stannis pq ele tem mais chances de pagar a dívida do que os Lannisters, porém eles não tem conciencia que as coisas estão bem além disso, quando a Dany vier eu acho que eles vão se aliar, Dany e Stannis, a Dany tem que parar com aquele humanismo dela e cair na real, e ver o pai dela era louco, e que não tem culpado, não são os Lannisters, nem os Starks nem ngm, tiraram os Targaryen pq o rei era louco, e o filho dele sequestrou Lyanna, e Stannis é um caminho necessario, não to nem ai pra ele, mas reconheço sua participação na trama.

  • Larissa

    Acho que uma comparação melhor seria o mercantilismo holandês, com o comércio e os creditos do banco de amsterdã. Eles que financiaram a colonização de várias regiões, inclusive do brasil.

  • Kin

    Sim, esqueci de citar os Stark! Apesar de gostar da Arya… ela iria pra estaca também se dependesse de mim. Nada como a vingança contra traidores, pois traidores ao meu ver é o pior crime que se pode cometer.

  • O povoamento da Dádiva pelos selvagens não é assim tão absurdo, se se notar que ela está despovoada há anos e que os Outros são uma ameaça real. Ele reconhecer isso é o grande lance. Quando a ideia vem do Stannis ela é ruim, se vem de Jon Snow é genial. Acho que se o cara não fizesse isso ele seria só mais um sulista obtuso, como os próprios patrulheiros mais antigos que não percebem o perigo dos Outros e que selvagens mortos se tornariam em milhares de wights inimigos.
    Quanto à questão da imposição religiosa, o Stannis propriamente não tem essas pretensões, isso é mais atividade da Melisandre. É só olhar o quão heterogênea no que diz respeito a religiões é a tropa dele que marcha sob o inverno pelo Norte: tem seguidores dos deuses antigos, de R’hllor e dos Sete. E quando Clayton Suggs e Godry Farring pedem pra ele “queimar infiéis” como sacríficio pra R’hllor apaziguar a nevasca, ele só diz: “metade dos meus exércitos é de ‘infiéis’, reze mais forte.”

  • O Banco envia Noho Dimittis pra King’s Landing pra cobrar o Trono de Ferro, e a Cersei no auge de sua inteligência enrola o cara e eventualmente o dispensa rudemente (no quarto livro).
    No quinto livro o Banco envia o Tycho Nestoris à Muralha pra encontrar-se com o Stannis, e quando ele não é encontrado lá, expediciona pelo Norte até encontrá-lo, o que ocorre no fim de ADWD.

  • Jussara Lima de Mendonça

    Ela terá os navios tambem quando Victarion Greyjoy arrasar com os navios Yunkaitas e invadirem Volantis, e o Tyrion tambem sabe aonde conseguir mais navios, exercitos e ouro, pela puta mais importante da Volantis, que todos os escravos (5esc/1livre) estão só esperando ela aparecer para se rebelarem!

  • Não vejo dessa forma. Rhaegar demorou pra agir. Ele deveria tentar impedir o pai de queimar o pai do Ned e enforcar o irmão. Sem contar todos os outros lordes que morreram depois do “rapto” de Lyanna Stark. Se as intenções dele eram realmente boas, tudo caiu por terra depois da sequência de atrocidades e mortes ocorridas durante as batalhas.

    Se ele realmente amava Lyanna, seu ato foi egoísta, porque culminou em todos estes fatos. Mas há pessoas que dizem que ele queria “fabricar” um Azor Ahai (que eu particularmente acho bem estranho, pois essa lenda não é muito comentada em Westeros e não me parece que ele realmente sabia da existência dos Outros).

    Nesse caso, mesmo sendo uma “causa nobre”, acredito o custo foi muito alto. Ou seja, ele apostou todas as fichas em uma lenda que ele mal saberia se daria certo contra um inimigo que ele não tinha conhecimento se realmente existe.

  • Sim, ele foi péssimo. Mas acho que ele só assumiu a coroa porque ninguém mais “queria”, essa história da melhor pretensão foi para o povo aceitar sem mimimi que não era um Targaryen.

    Ele se levantou em rebelião quando soube que Aerys tinha matado os lordes (Brandon, Rickard e etc) não foi? Aliás, Aerys que exigiu que Jon Arryn entregasse ele e Ned que estava no Vale do Arryn. Então quem realmente começou foi Jon Arryn, não foi? Enfim, não lembro direito.

    Sobre essa história dos Targaryen ser os “legítimos” reis é meio relativa. Pois eles faziam parte dos filhas da puta macumbeiros da Antiga Valíria. Eles escravizam pessoas e matavam os inimigos com os dragões. Aegon se tornou rei “legítimo” queimando alguns castelos, destruindo alguns exércitos.

    Os caras não são santo e muito menos tem mais direito ao trono de ferro que Robert; pois se o trono dos Targaryen é legado de Aegon que conquistou as terras na força, o trono dos Baratheon também é legítimo, porque Robert também conquistou na força. Ao meu ver, Stannis tem tanto direito ao trono de ferro quanto Daenerys.

  • drmingus

    Ser “quebradora de correntes” não vai necessariamente contra interesses financeiros. Pelo contrário, o fim da escravidão gera uma desestabilização econômica gigantesca, que proporciona um vasto campo de atuação e negócios para um banco bem administrado, como o é o Banco de Ferro. Acho que eles ainda não procuraram Daenerys porque a situação na Baia dos Escravos está pra lá de instável, e ainda não dá para prever se será um bom negócio tratar com ela. Se ela vencer as batalhas contra Yunkai e conseguir estabilizar a situação em Mereen, viabilizando a economia sem a exploração escravagista, acho cabível que o Banco apareça por lá propondo algum tipo de negócio.

  • drmingus

    De qualquer modo, três dragões e um exército de Imaculados não alimentam Sete Reinos. Westeros está quebrada e quem quer que assuma o trono de ferro, terá de levantá-la economicamente. Então, Daenerys irá precisar de algum ouro, sim.

  • Era impossível o Rhaegar impedir o pai de queimar Rickard e matar Brandon. Isso aconteceu justamente porque o Brandon chegou gritando às portas da Fortaleza Vermelha que era para ele – Rhaegar – sair e morrer, e como ele não estava (provavelmente estava com a Lyanna), o Aerys no auge da paranoia considerou isso traição e deu no que deu.

    Sobre atrocidades e mortes em batalhas, era uma guerra iniciada pelo outro lado, não havia muitas opções, senão dar combate. O que ele poderia fazer enquanto Príncipe Targaryen com supostas intenções boas (se é que eram mesmo), era vencer os rebeldes em batalha e depois promover as mudanças que julgasse necessárias internamente.

    Quanto à lenda de Azor Ahai em Westeros, ela de fato não é notória entre os populares ou sequer entre os nobres. Estudiosos, porém, a conhecem e a têm em conta: é o caso do Aemon, que a conhece com outro nome – Príncipe que foi Prometido (Príncipe Prometido e Azor Ahai são a mesma pessoa com nomenclaturas regionais diferentes, isso é confirmado por este vídeo: http://youtu.be/DIe0Q3PgcOw?t=7m10s), e do Marwyn que também já se mostrou conhecedor. Rhaegar também, quando mais jovem, era estudioso (ao ponto de ser um defeito, para alguns), e já provou também conhecer a lenda, pela visão de Daenerys na Casa dos Imortais. Não sei se ele planejava realmente fabricar um Azor Ahai desde o começo (até porque pela visão dos Imortais ele acreditava que o Azor Ahai era o filho Aegon), mas a baixa popularidade da lenda em Westeros certamente não seria um problema pra essa hipótese ser verdadeira.

  • São essencialmente diferentes o “sentar” no Trono do Aegon e do Robert, penso eu.
    Aegon não tinha relação de vassalagem com os nobres Westerosi. Sequer existia um Trono de Ferro ou os “Sete Reinos”. Ele realmente os conquistou em batalha, forjou o Trono e criou para si o direito a governá-los, com a anuência dos próprios lordes. Forçosamente e por causa dos dragões, é verdade, e alguns vencidos em batalha (Lannister, Gardener) e outros dobraram o joelho sem lutar (Stark), mas num último momento todos cederam e aquiesceram que Aegon fosse o Rei de Westeros (à exceção de Dorne), seu Rei.

    Robert, por outro lado, era um vassalo juramentado do Trono que se rebelou contra o suserano e o tomou. O “motivo justo” é altamente relativo – no caso em questão o Aerys era mesmo um louco sádico, quanto a isso não há dúvidas – mas como a história é escrita pelos vencedores, seguindo essa lógica qualquer um poderia se rebelar alegando atrocidades por parte do monarca seu suserano e tomar o Trono.

    A “gota de sangue Targaryen” nos Baratheon é na verdade história pra boi dormir e não tem validade nenhuma, nisso concordo com você. Eu sou o que se pode chamar de TeaM Stannis até o osso, mas por outro motivo. A partir do momento em que o Robert venceu a guerra e foi aclamado Rei pelos lordes westerosi que lhe juraram fidelidade (como foi com o Aegon), sendo justa seus motivos ou sua pretensão ou não, a linhagem Targaryen acabou e foi exilada, sendo a nova Casa Real os Baratheon.

  • Certo, foi bem imbecil da minha parte sugerir que ele deveria salvar os lordes, sendo que eles queriam sua morte.

    Mas não foi Aerys que iniciou a guerra exigindo a cabeça de Ned e de Robert? Quem começou a guerra foram eles (Targaryen), não o outro lado.

    Sobre o fato dele ser estudioso e conhecer sobre a lenda realmente faz sentido, mas isso não muda o fato dele colocar o reino a mercê do caos de um guerra. O que quero dizer é simples, na minha opinião a rebelião de Robert foi causada por ele, os motivos serem bons ou ruins, não altera este fato.

    Ele ser atropelado no Tridente só enaltece o seu fracasso. Pois eles tinham a vantagem numérica, era considerado um grande guerreiro e mesmo assim sucumbiu e deixou o reino nas mãos de um péssimo governante.

    O que poderia ter amenizado os problemas causados pela guerra que ele instigou (indiretamente, mas instigou); que seria: ele vencer, depor seu pai e trazer paz ao reino; criar o Azor Ahai e vencer os outros, não foi concluída.

    Em poucas palavras, ele nadou, nadou, nadou, (cagou) nadou e morreu na praia. Se não fosse pela honra de Eddard e Howland Reed (presumindo que Jon seja mesmo filho de Lyanna e que esta pediu para Ned preservá-lo) de ter criado Jon, sua boa vontade só teria prejudicado mais ainda o reino ao invés de salvá-lo.

  • Perfeito, concordo praticamente com tudo que você escreveu, exceto pelo fato do Robert ter traído o reino, pois era juramentado e etc.

    Sim ele fez isso, é verdade. Mas os lordes juraram vassalagem, e o rei, como seu suserano, tem como defender seus vassalos e proteger a paz do reino. Ao meu ver, o voto foi quebrado por ambas as partes, sendo quebrado primeiro pelo rei que ficou completamente lunático.

    Você se expressou melhor, mas o motivo de eu “torcer” pelo Stannis é exatamente igual o seu.

  • Ivan Ferrari Martini

    Foi o que eu pensei! So queria confirmar. Valeu ai mano Aegon V !!! kkkkk…… Independente de tudo a adaptacao ficou bacana pois revela a habilidade de negociante do Sr. Davos. Habilidade que ele vai ter que usar daqui pra frente.

  • daniel

    só uma pergunta,bravos tem um grande exército?pq depois que acabar a guerra quem estiver devendo a bravos ,poderia unir seu exército e ir até lá roubar muito ouro do banco e mata todo mundo

  • Gabriel Bandeira

    O Banco de Bravos irá receber seus empréstimos. Como que eles garantem isso, temos dinheiro suficiente pra derrubar qualquer Rei que não pague os empréstimos. Sinceramente, a explicação da série ficou uma merda.

  • miqueias

    banco é banco ué

  • Nathalia Hörlle

    Não sequestrou. Ele fugiu com ela. Ela queria fugir. Eles se amavam.

  • Nathalia Hörlle

    Lembrando que agora a Melisandre tirou os olhos do Stannis e colocou-os em outro rapaz, um tal de Jon Snow.

  • Brum

    Velho, não creio que haja anacronismo, entre o Banco de Bravos e o contexto medieval da história, já que se ambienta em uma época semelhante a da guerra da rosas, Séc. XIV, seria o finalzinho da idade média, e nesse tempo já haviam famílias banqueiras financiando príncipes, por exemplo os Fugger, citei esse por que e fácil achar na Wikipédia. Mas as instituições bancárias já existiam e aprontavam das suas então mão seria assim tão anacrônica assim, e ainda os títulos créditos e muitas técnicas cambias foram criadas nessa mesma época.
    Só mais uma coisa, as pessoas têm associado Bravos à Veneza, pode até ser isso mesmo que Martim quis, mais ainda assim ela me parece muito mais com a Antuérpia, na Bélgica, tanto pela “cultura”, quanto a sua localização, porto, e a importância que ela teve durante a era Tudor, que também influência bastante os livros. O que me traz outra a reflexão, o contexto histórico da série parece mais pré-renascentista, do que propriamente “medieval” e tem semelhança tanto com o da guerra das rosas, quanto com a era Tudor, e eu diria ainda com a Guerra dos 30 anos, em relação da devastação, e talvez desse medley surja a impressão de anacronismo.

  • Calvin

    Já fiz essa pergunta antes, mas como poucos responderam a farei novamente: Como será que aquele que sentar no Trono de Ferro no final sanará as dívidas do Reino? Alguma ideia?

  • Felipe

    Não irei responder sua pergunta de forma efetiva, porém o Banco de Ferro deixa claro que a dívida é do Trono de Ferro, e não de Robert ou qualquer outro que sentar nele.

    Outra coisa que falam é que quando Robert vence a rebelião, ele encontrou os cofres lotados de ouro, porém conseguiu esvaziar com suas festas e gastos desnecessários e também adquirir uma dívida com o Banco de Ferro, com os Lannister e com os Tyrell.

    Eu acho que uma maneira efetiva seria cortar os custos desnecessários, depois de conseguir uma verdadeira e efetiva paz, aumentar os impostos e criar novos impostos.

  • Felipe

    Bravos não tem um grande exército, mas tem muito ouro. Não apenas os bancos, mas lá também tem muitos mercadores ricos. Todos se uniriam em causa para contratar mercenários.

    Fora que eu acho que eles tem uma boa frota, já dando pra ajudar caso recebam um ataque.

  • Calvin

    Só uma crítica, essas medidas (as quais também já pensei) não me parecem que seriam capazes de levantar o montante necessário num tempo relativamente curto, e o Banco de Ferro principalmente não deve estar lá mais muito paciente. Portanto, seja quem for o vencedor do jogo dos tronos, além de ações desse tipo, acho que também tomará outras que lhe permitam levantar uma grande quantia de ouro rapidamente. Uma das possibilidades ao qual pensei foi a seguinte: Os Tyrell são uma das casa mais ricas de Westeros, e tem tendência de sempre estarem do lado que o vento sopra, desse modo quando as coisas estiverem se concluindo farão igual fizeram depois de Robert vencer, irão pedir clemência ao novo rei, que concederá mas não antes de faze-los entrar na faca.

  • Wildney Lucas

    Calvin, você precisa lembrar que existe uma enorme quantia de ouro escondida em pedra do dragão, além de que que vencer tomará o rochedo casterly e tá resolvida a questão.