Uma reflexão sobre estupro e violência contra as mulheres em Game of Thrones

No último episódio de Game Of Thrones (Breaker of Chains), vimos mais uma cena de estupro sendo criada especialmente para a série de TV. Sim, essa não foi a primeira vez que isso aconteceu na série, assim como não foi a primeira vez para Cersei Lannister. Na adaptação da cena, Jaime Lannister estuprou sua irmã gêmea, sua rainha e amante. O estupro não estava previsto nos livros, da mesma forma que nos livros, Daenerys Targaryen não foi estuprada por Khal Drogo.

jaime cersei estupro septo
O relacionamento de Jaime e Cersei que é o que dá o tom dessa série de livros e TV. Quando pensamos em Game of Thrones, pensamos em incesto e no Bran sendo jogado pela janela e em todos os desdobramentos disso. Sua paixão errada e proibida sempre foi ardente, louca e inexplicável. É uma das coisas mais insanas e bem escritas dos livros. Quando se adiciona o elemento do estupro e da violência física, as camadas complexas dessa relação perdem o seu valor. Principalmente neste cena, que nos livros explicava e definia esses dois personagens tão bem.

Nos livros, o sexo incestuoso diante do cadáver de Joffrey foi consentido. Cersei estava de luto, triste, abandonada e sozinha, havia perdido seu primogênito, fruto do seu amor com Jaime, quando ele retorna após meses na guerra, cativo e fugindo dos Stark. O Jaime Lannister dos livros é o único porto seguro de Cersei, é seu irmão, amante, sua metade, é nele que ela confia. Apesar de não ter sido mostrado na série, várias passagens dos livros confirmam que Cersei foi brutalmente e várias vezes estuprada pelo seu rei e marido, Robert Baratheon (mesmo sendo marido, sexo sem consentimento é estupro, não custa lembrar…). Em uma das passagens do primeiro livro, quando Robert a estapeia, temos o seguinte diálogo com Ned:

“Ned tocou seu rosto suavemente . ” Ele já fez isso antes? ‘

“Uma ou duas vezes . “Ela se esquivou de sua mão. ” Nunca na face antes. Jaime o teria matado, mesmo que isso significasse a sua própria vida”. Cersei olhou para ele desafiadoramente . ” Meu irmão vale cem vezes mais que seu amigo.”

Observem como Cersei, imediatamente compara Robert a Jaime. O primeiro a maltratava, traía, espancava e violentava, enquanto o segundo era seu cavaleiro, salvador e amante.

Em O Festim dos Corvos, temos várias outras passagens que confirmam o fato de que Robert a estuprou durante os anos em que conviveram juntos.

“Robert Baratheon, o Primeiro de Seu Nome, que nunca haja um segundo. Um burro, bêbado bruto. Que chore no inferno. Taena aquecia a cama como Robert jamais o fez, e nunca tentou forçá-la a abrir as pernas.”

“Os lábios da Taena eram muito cheios. Ela se perguntou como seria a sensação de mamar naqueles seios, colocar a mulher Myrish de costas e empurrar as pernas dela e usá-la como um homem poderia usá-la, como Robert a usou quando a bebida estava nele, e ela era incapaz de fazê-lo parar com sua mão ou boca. Aquelas tinham sido as piores noites, encontrando-se impotente debaixo dele e ele a tendo a seu prazer, fedendo a vinho e grunhindo como um javali. Normalmente ele saia e ia dormir assim que acabava, e estava roncando antes que sua semente pudesse secar nas coxas de Cersei. Ela sempre ficava ferida depois, em carne viva entre as pernas, com seus seios doloridos pelo maltrato que eles sofreram. A única vez que a deixara molhada foi na noite de núpcias.”

Nestas passagens pelas lembranças de Cersei, podemos ter uma ideia do quanto ela odiava Robert e do quanto ele foi brutal com ela.

‘Ah mas Cersei é uma puta, miserável, gente ruim!’ E isso indica que ela merece ser estuprada? A resposta obviamente é NÃO.

No livro A Tormenta de Espadas, a cena de sexo no septo é uma cena de encontro, reconciliação, mesmo que depois, ambos sigam por caminhos completamente diferentes, é uma cena de amor e consolação. É um sexo consentido, nem de longe é um estupro, mesmo que seja uma cena com apenas um ponto de vista:

– Senti-me perdida sem você, Jaime. Tive medo de que os Stark me enviassem a sua cabeça. Não teria conseguido suportar tal coisa.
Beijou-o. Um beijo ligeiro, o mais ligeiro roçar dos lábios nos dele, mas sentiu-a tremer quando a envolveu nos braços. – Não estou inteira sem você. Não havia ternura no beijo com que ele lhe respondeu,só fome. A boca dela abriu-se para a sua língua.
– Não – disse, com voz fraca, quando os lábios dele começaram a descer o seu pescoço aqui
não. Os septões…
– Que os Outros carreguem os septões. – Voltou a beijá-la, beijou-a em silêncio, beijou-a até fazê-la gemer. Então empurrou as velas para longe e ergueu-a para cima do altar da Mãe, puxando para cima as saias e a combinação de seda que ela trazia por baixo. Ela bateu no peito dele com punhos fracos, murmurando sobre o risco, o perigo, o pai de ambos, os septões, a ira dos deuses. Ele nem a ouviu. Desatou os calções, subiu para cima do altar e afastou as pernas brancas e nuas da irmã. Uma mão deslizou coxa acima, por dentro da roupa de baixo. Quando a arrancou, viu que ela estava com a lua, mas o sangue não fazia qualquer diferença.
– Rápido – ela agora sussurrava -, depressa,depressa, agora, vem já, me possua já. Jaime,
Jaime, Jaime. – As mãos ajudaram a guiá-lo. – Sim – disse Cersei quando ele empurrou meu irmão, querido irmão, sim, assim, sim, tenho você, agora está em casa, está em casa, em casa. -Beijou-lhe a orelha e afagou-lhe os cabelos curtos e espetados. Jaime perdeu-se em sua carne.
Sentiu o coração de Cersei batendo em uníssono com o seu, e a umidade do sangue e do sêmen quando se uniram.”

Na série, tivemos o seguinte “diálogo”:

Você é uma mulher detestável. Por que os deuses me fizeram amar uma mulher detestável?
Jaime, aqui não, por favor. Por favor. – Pare.
– Não.
Pare. Pare! Pare. Pare. Isto não está certo. Não está certo.
Eu não ligo.
– Não.
– Eu não ligo.
– Jamie, não.
– Eu não ligo.

cersei jaime estupro septo

Algumas pessoas ainda estão cogitando o fato de ter sido ou não um estupro, caso o diálogo não tenha ainda deixado claro, sim foi um estupro.

Nesta entrevista, o diretor do episódio Alex Graves, disse que não houve sexo forçado:

“…se torna consensual no final, por que qualquer coisa para eles resulta em tesão, especialmente uma luta pelo poder”

Aqui ele também continua dizendo que a cena foi planejada, que eles fizeram sexo e que não foi um estupro. Mas com o diálogo da cena visto acima, fica claro que não houve nenhum consentimento da parte de Cersei.  Ou seja, o diretor está tentando dizer que uma mulher pode sentir tesão durante um estupro? Em outra entrevista ele disse que “nunca ficou excitado ao filmar uma cena de sexo forçado“, ele não tem certeza do que filmou, se foi ou não um estupro?

Uma das coisas que me pareceu mais chocante até agora, foi ler que o objetivo dessa cena foi de mostrar a ruptura de Jaime com sua antiga personalidade. Parece que os escritores quiseram utilizar esse momento, apenas para mostrar que a partir daí não existirá mais amor entre Cersei e Jaime, e que este irá se transformar em uma pessoa melhor. Segundo ele:

Jaime ainda está tentando acreditar tanto quanto ele pode que ele está apaixonado por Cersei. Ele não pode admitir que ele está traumatizado por sua família e que ele foi forçado a vida inteira a ser algo que ele não quer ser. O que ele é – mas tem que negar – é que ele é realmente o bom cavaleiro, como Brienne.

Ele está tentando me dizer então, que essa cena teve o objetivo de mostrar que Jaime é um bom cavaleiro? Ele pode ser bonito, engraçado, ser um cavaleiro da guarda real, ter um senso de justiça (deturpado), mas isso não irá apagar o fato de que ele estuprou a própria irmã. Logo, ele nunca será um bom cavaleiro. A justificativa para o estupro pelo que estão tentando explicar, serve como pano de fundo para o desenvolvimento do personagem, tendo Jaime e não Cersei como elemento central. O Jaime dos livros queria impedir Aerys de estuprar Rhaella, impediu Brienne de ser estuprada e sabia que Cersei era violentada por Robert, ele jamais faria isso. Então por que mudar tanto assim o personagem?

O próprio George R. R. Martin tentou lavar as mãos dizendo que não teve nada a ver com a mudança na história, ao responder um questionamento sobre a cena em seu site:

“…Nós nunca discutimos essa cena…”

“…Toda a dinâmica é diferente nos livros, onde Jaime esteve fora por semanas, pelo menos, talvez mais, e tem estado com Cersei em várias ocasiões…”

“…Além disso, eu escrevi a cena como um POV de Jaime, de modo que o leitor está dentro de sua cabeça, ouvindo seus pensamentos….”

Eles nunca discutiram essa cena, ou seja a culpa não é dele. A dinâmica é diferente, sim, isso ficou claro, mas ainda não justifica a mudança. Além disso, o fato do ponto de vista dos livros ter sido escrito na cabeça de Jaime, não quer dizer que tenha sido um estupro nos livros. É óbvio que não foi, Cersei nunca menciona ter sido estuprada por Jaime nos liros, ela corresponde ao ato, o que não ocorreu no episódio.

Ah mas é Game Of Thrones, o mundo em que se passa a história é misógino, foi um incesto no septo diante de um cadáver, por que você está levando isso tão a sério?

Pelo fato de que me sinto obrigada a concordar com a Hillary Kelly do The New Republic: em Game Of Thrones, estamos acostumadas a ver mulheres espancadas, sequestradas, torturadas, menosprezadas, humilhadas, abandonadas, sendo alvo de flechas e bestas, esfaqueadas durante a gravidez, vendidas, escravizadas, violentadas pelos próprios pais, caçadas por cães, forçadas a se casarem e por que não acrescentar algumas cenas de estupro casuais; tudo isso com objetivo de assegurar que as mulheres não passam de meros fantoches nas mãos dos homens?

Na primeira temporada, os criadores da série introduziram Ros, a personagem foi utilizada para: apresentar a luxúria de Tyrion e de Theon, posteriormente para introduzir o poder de Petyr Baelish (Mindinho) através da cena/diálogo que deu origem ao termo sexpositon, isto é, o uso de cenas de sexo para apresentar uma história ao espectador. Ros também foi usada para deixar clara a crueldade de Joffrey, morta e excluída da história apenas com esse propósito. Qual foi o propósito de acrescentar Ros na história, além dela ter sido usada por alguns homens ao longo da história? Ah, mas ela era só uma puta…

Ros_and_Armeca

Ros killed by Joffrey with arrows

No episódio 4.02 – The Lion and The Rose, Ramsay Snow conduz uma caçada perseguindo uma garota que é atingida por uma flecha de Myranda e dilacerada por cães ao comando dele. A cena teve como único propósito demonstrar o poder e a insanidade do bastardo de Bolton?

Ramsay-and-Myranda-402

Como a Sonia Sarayia do The Av Club fez questão de lembrar, no primeiro episódio de Game Of Thrones, o casamento de Daenerys foi consumado através de um estupro, diferentemente dos livros, onde Daenerys dá uma permissão, mesmo que forçada ao khal. Para que? Apenas para demonstrar a brutalidade de khal Drogo e chocar o público?

Rape

Na última temporada, muitos observaram que a personagem de Michelle Fairley, Catelyn Stark foi constantemente diminuída em suas falas e ações em detrimento de Robb Stark. É sob o ponto de vista de Catelyn que acompanhamos a jornada do jovem lobo nos livros, mas na série Catelyn foi constantemente posta de lado, enquanto Richard Madden ganhou cada vez mais destaque.

Poderia continuar discorrendo sobre uma série de mudanças equivalentes, mas por hora acho que essas são suficientes. Voltando ao fato de que, segundo George, a alteração na história é inteiramente culpa de David Benioff e D. B. Weiss, assim como a Hillary, chego à conclusão de que, apesar da sensação de estarem no poder, as mulheres de Game Of Thrones são meros peões nas mãos e nos jogos dos homens. Muitos espectadores já reclamaram do uso abusivo das cenas de sexo e da exploração de nudez e violência contra as mulheres. Os criadores da série estão introduzindo tantas mudanças ao longo de todas as temporadas, que cada vez mais, as mulheres estão deixando de ser protagonistas da história criada por George R. R. Martin, para se tornar meros fantoches nas mãos dos personagens principais, os homens. Concordando com a Madeleine Daives do Jezebel, o estupro de Cersei foi desprezível e não era necessário para o desenvolvimento da história, assim como várias outras mudanças do tipo não foram. Na época da morte de Ros, cheguei a fazer o rascunho de um texto, mas não publiquei, pois sabia que iria em boa parte atrair a atenção de haters, mas desta vez não pude deixar de escrever, pois terminei o último episódio com um gosto amargo na boca e uma sensação de que possivelmente, os criadores de Game of Thrones odeiam as mulheres.

Misoginia é o ódio, desprezo ou repulsa ao gênero feminino e às características a ele associadas.

* Comentários misóginos serão sumariamente excluídos.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Eduardo Elric

    Isso que vale levantar mesmo! Todos pensam que os livros são cheios de estupros e coisas que diminuem as mulheres por que o seriado mostra isso! Mas trata-se da obsessão de David e D.B. Weiss sobre cenas de sexo violento, estupros! O que nos deixa um pouco tristes, mas faz parte, já que o seriado tem que se incrementar, mas tirar a essência de certos personagens as vezes desanima tanto que da vontade de largar de ver o seriado, porque não é a primeira vez que eles distorcem uma cena assim! Como voces mesmos lembraram da cena de estupro de Drogo e Khaleesi, quem leu os livros sabe que não é assim, e a mesma coisa para Jaime e Cersei, não foi estupro!

  • Eduardo Elric

    Isso que vale levantar mesmo! Todos pensam que os livros são cheios de estupros e coisas que diminuem as mulheres por que o seriado mostra isso! Mas trata-se da obsessão de David e D.B. Weiss sobre cenas de sexo violento, estupros! O que nos deixa um pouco tristes, mas faz parte, já que o seriado tem que se incrementar, mas tirar a essência de certos personagens as vezes desanima tanto que da vontade de largar de ver o seriado, porque não é a primeira vez que eles distorcem uma cena assim! Como voces mesmos lembraram da cena de estupro de Drogo e Khaleesi, quem leu os livros sabe que não é assim, e a mesma coisa para Jaime e Cersei, não foi estupro!

  • Laís Severo

    Muito bom o texto, também fiquei bem mal com essa cena. Já havia ocorrido parecido antes, como no caso do Drogo, mas essa sem dúvida foi bem pior.
    E mais: uma das coisas que me atraiu em GOT é que as mulheres são personagens mesmo, não só a “fulana que faz par com aquele cara”. E há diversas personalidades, sem se limitar a uns poucos estereótipos (personagens masculinos também). Aí a série vem e faz umas mudanças assim, nada a ver.

  • Rhaegar

    Vocês estão culpando tanto o Jaime que parece que esquecem de todas as brutalidades que a Cersei faz, porquê vocês não reclamam da cena em que a Cersei manda matar todos os bastardos de Robert?

  • Mayara de Jesus

    Concordo plenamente. Além do mais essa cena deve causar uma rejeição desnecessária a Jaime. Se eu só estivesse vendo a série estaria puta com Jaime e não acreditaria na ‘redenção’ do personagem.

  • Thalles Lucas

    Se levar em conta que o nome do episodio se chamava Breaker of chains e teve tanta referencias a estupro nele antes do ato do Jaime: como sam tentando proteger a goiva, de um estupro na patrulha do norte mesmo constatando que era seus irmãos, o aldeão rezando pela virtude da filha, oberyn falando da elia para twyn e dany falando para os escravos para se rebelar contra os mestres que o estupram, matam seus filhos e é dono da sua liberdade. Fica meio obvio que esse breaker of chains é uma analogia ao estupro como muitos nomes de episodio tem outro sentido. O mundo é cruel para mulheres, a serie não peca por não mostrar isto, no livro não tem o estupro da dany e cersei mas tem o estupro de lollys que a serie omitiu. Assim como, caracterizar que jaime está tendo redenção sendo que …
    *SPOILER*

    no quarto livro ameaça matar um bebe recem nascido.

    *SPOILER*~

    O que descaracteriza a serie é pensar que só por uma pessoa ser boa, ela não é capaz de cometer um ato cruel. Jaime sempre foi impulsivo e sempre tinha um amor obsessivo por cersei, então não descaracterizou o personagem. Só mostrou que ele é ainda o mesmo Jaime que aleijou uma criança, mesmo que infinitas pessoas dizem que ele mudou.

  • Jason Costa

    Ótimo texto, Lidiany.
    É triste também ver quantos fãs de Game of Thrones são misóginos e estão imersos na cultura de estupro ao falar que a cena não foi estupro ou que Cersei “mereceu”. Até fãs mulheres estão nesse bolo.
    É uma violência como a obra do martin, que nos trás personagens mulheres tão fortes em um mundo extremamente machista (o que é uma proeza enorme) ser mutilada deste jeito.

  • Melissa Peixoto de Vargas

    Adorei seu texto. Falou tudo o que eu pensei. No momento da cena de estupro também senti um gosto amargo na boca até porque meu noivo que assistiu comigo não conseguia ver o estupro ( ele que é um homem feminista). Ou seja, está tão incutido na mente das pessoas que o “ceder por medo” ( qualquer tipo de medo) ou por pressão não é considerado abuso e a maioria das pessoas acha normal e justificável.

    Sinceramente essa cena me reviveu momentos que eu não gostaria de lembrar e sei que várias mulheres que já passaram pelo sexo pressionadas também se sentiram da mesma forma.

  • Acabei de ler um comentário escrito por uma mulher dizendo que ela mereceu, enquanto isso ainda estou tentando digerir essa cena aqui.
    Pensando seriamente se ainda vou continuar acompanhando a série.

  • Lauro

    Excelente texto, Lidiany. Acho que a série tem errado no tom muitas vezes no tocante ao sexo. Muitas cenas são desnecessárias e escritas simplesmente para chocar. Por exemplo as cenas do Oberyn. As duas cenas envolvendo sexo e o príncipe de Dorne foram superficiais e exageradas, e não falo pelo tom bissexual, e sim, pois não se via paixão ou desejo nas mesmas, exceto uma forçação e diálogos canastrões. Eis que você compara com as descrições feitas por Martin e estas, por mais grotescas e repulsivas que possam soar, estão sempre condizentes com o momento e o contexto, não foram inseridas apenas para que o velho arrancasse surpresa gratuita dos seus leitores. A cena do estupro da Cersei então, nem se fala. Ainda mais ao saber da posição e visão dos escritores e diretor.

  • Luciana Shiga

    Juro que fiquei “Mas o quê?” quando vi essa cena.

    Aquele não é o Jaime que aprendemos a admirar em “A tormenta das espadas”. Definitivamente. Cersei é uma vaca, maluca e tudo o mais, mas essa cena em especial no livro, é uma cena de amor. Do amor deles. De um amor estranho e deturpado, mas de amor, e não de violência.

    Assim como a cena das núpcias da Dany, que no livro, apesar de tudo, é até bonita.

    Queria entender MESMO o que leva eles a fazerem esse tipo de “alteração”. Numa história que já é originalmente bem escrita, para que usar essas desculpas para reescrever uma cena, transformando-a completamente? Fazendo-a perder completamente o contexto, o sentido?

    Esperando para ver se não vão destruir o Jaime um pouco mais daqui pra frente.

  • E o pior de tudo, é depois de ver ainda ter que estar lendo os comentários Melissa…

  • Victor Dantas

    Só mostra q em epocas medievais, as mulheres eram tratadas como animais, como se fosse um animal de estimação, e o estupro era algo corriqueiro, estava assistindo o ultimo episodio do seriado Vikings, em que uma princesa inglesa fala “o papa ja transformou meu irmão assassinado em santo, mal sabe ele que o mesmo me estuprou aos 12 anos”, ou seja, mostra cada vez mais q naquelas epocas era coisa aceitavel o homem ser superior a mulher.

    PS. To so comentando, antes que interpretem mal e digam que eu to de acordo.

  • Daniela Bernardes de Oliveira

    Concordo, há algo muito errado em como os autores da série estão conduzindo as questões do feminino. Jaime estuprar a Cersei ( e foi sim um estupro ) é tão absurdo, tão incompatível com o personagem que abdicou de uma vida normal por amor a essa irmã/amante, que nunca teve uma mulher que não fosse ela, que a defendia sempre…Jaime não faria isso, qualquer pessoa que tenha lido o livro concordará. Assim como Khal Drogo com Daenerys! A beleza e a poesia da primeira noite deles foi ofuscada por uma agressividade desnecessária. E, sim, há uma diminuição clara na importância do personagem de Catelyn. Rob sequer tem um capítulo nos livros, tudo é visto sob a ótica de sua mãe, e houve uma inversão sem sentido nisso. Acredito que há um machismo intenso nos criadores da série, talvez uma mentalidade que não admite mulheres em situação de poder e com iniciativa, como as mulheres da história tem…mesmo as vilãs! Há uma degradação do feminino através da sua sexualidade, cenas desnecessárias…por exemplo, no livro é claro que Oberyn ama a sua amante, mas na série, ela parece só mais uma das mulheres e homens com os quais ele se deita.

  • Geórgia

    Concordo plenamente com seu texto… Eu li os livros, e ver essa cena foi decepcionante! O Jaime do livro nunca faria isso, de todas as cretinices que ele pode ter, a cretinice de ser um estuprador nunca foi uma delas! Além do mais o que mais sempre admirei na série de livros do GRRM foi justamente, o fato das mulheres, apesar de viverem numa sociedade patriarcal possuem papéis importantes, possuem força, capacidade, são boas e são ruins, ou seja são seres humanos… Assim como eu já cheguei a ler um trecho duma entrevista que questionaram o pq de ter tantas personagens mulheres tão importantes, ele declarou que fazia isso por acreditar no simples fato de que mulheres são seres humanos assim como homens… Infelizmente ao que tudo indica a HBO não pensa igual.

  • China in box

    Só posso concordar. Quando um amigo meu comentou a cena que era horrivel e desnecessária ele não tinha mencionado que era um estupro. Pensei “bom, a cena sempre me pareceu o momento em que Jaime consola Cersei e tal” e quando eu vi finalmente a cena não pude deixar de achar que foi provavelmente a pior decisão da HBO na série até aqui.

  • Narriman Lima

    Só falta agora eles quererem estuprar a Arya que é uma das poucas que ainda tem “poder” na série.

  • Rafael

    Foi realmente péssimo o que fizeram, se a ideia era mostrar o um consentimento eles falharam amargamente, uma frase diferente da Cersei, alguns segundos de cenas com gestos que mostrassem consentimento, mas não fizeram. Acho inacreditável eles conseguirem ter errado nessa cena de tal forma..

    Essas é uma coisas que são difíceis de arrumar depois, sabe? E mesmo arrumando, quem viu essa cena já formou uma opinião forte e dificil de ser quebrada.

    O engraçado que a cena deveria ser de ruptura do laço de amantes entre os dois, pelo menos para o Jaimie fica esse momento como a hora em que as coisas mudam para ele, e que pelo episódio tinha tudo haver, mas e agora como fica depois dessa defecada?

  • Lembre-se a época em que se passa GOT (série), não é nos dias de hoje. Isso era normal. Esta matéria foi realmente ruim. Ros era uma espiã, como ficou claro no episódio que ela morreu. Foi meio importante sim. Foi importante para mostrar mais ainda a idiotice e crueldade de Joffrey. Importante para mostrar o que Little Finger faz com traidores (sendo que ele próprio é um).

    Já a garota que Ramsey persegue, ela foi a outra que participou no episódio que “o brinquedo de Fedor é tirado”. Os diretores fizeram isso para mostrar o quando Ramsey é louco, insano. Ele não tem limites. Ele gosta de torturar. Ele sente prazer nisso. Por mais que seja perturbadora, essa cena é genial.

    O estupro de Khal Drogo. Eu ainda não li os livros, então não sabia que nos livros ela deixou. Porém, como você escreveram, ela não quis deixar, foi obrigada a deixar. Achei genial também. Foi bom para mostrar o quanto Drogo era superior a Daenerys, e o quanto a personagem cresceu ao longo da série.

    Já os “estupros” de Jamie, eu só posso dizer que ela fez por merecer. Depois que Jamie foi resgatado dos Starks (digo, quando ele foi solto), ele queria voltar para sua antiga vida. Queria voltar para o seu antigo amor. Nesta cena do funeral de Joffrey, acho que foi importante mostrar isso. Mostrar que Jamie ainda a quer, mesmo que seja só para sexo. Cersei pode não ter aprovado, mas se gostou, gostou. Lembre-se do que Jamie disse no primeiro episódio. “Eu não faço as coisas por amor”.

    Desculpem qualquer coisa, mas é isso que eu acho.

  • isaempire

    porque destrói todo desenvolvimento dos personagens; porque não é a primeira vez que os escritores fazem isso; porque estupro podia ser tão comum quanto mandar matar os bastardos do marido num mundo como asoiaf, mas o jaime simplesmente não faria isso, especialmente com a única mulher que ele já amou.
    tenho a impressão de que as pessoas tão comentando isso sem terem lido o texto.

  • Wallace Dornelas

    À parte o tema, gostaria de elogiá-la pela excelente escrita. Você redige lindamente e invejo-a por isso.

  • Eu realmente não entendi a cena do estupro, e concordo que ela foi desnecessária.

    Tentando não tratar de “certo ou errado” – porque deveria ser claro para qualquer um que estupro é algo errado e condenável – mas sim falando no contexto da série mesmo. Estamos em Game of Thrones, então as questões morais são subjetivas, é uma sociedade medieval e diferente da nossa, e o mundo de Martin prevê uma série de atrocidades que jamais deveriam ser admitidas numa sociedade justa. Mas o que me incomodou de verdade na cena foi a inversão de caráter do Jaime, e a literal destruição de toda essa mudança que vem sendo trabalhada nele desde que ele passa a contracenar com a Brienne. Pareceu muito errado, em todos os sentidos.

    Como você pontuou, quando lemos isso nos livros nós também sabemos que é errado. Errado, porque eles estão transando ao lado do cadáver do filho deles, que acabou de ser assassinado de forma brutal no seu próprio casamento. Mas não parece incoerente dentro do contexto daqueles dois, considerando o tempo em que ficaram afastados, e a situação das duas personagens, a relação que eles têm. No livro Cersei e Jaime são tratados como duas metades da mesma pessoa.

    O que eu enxergo da cena que foi vinculada é uma tentativa de reforçar a repulsa que Cersei vem sentindo por Jaime desde que ele voltou à Porto Real – algo que não existe nos livros. Talvez isso esteja acontecendo na série para que o relacionamento deles esfrie de vez, como acontece no livro porém por outras razões, envolvendo alguns personagens que sequer existem na produção da HBO. O fato de Cersei negar ao Jaime qualquer demonstração de afeto e/ou sexual desde que ele voltou já deixa bem claro a mudança de caráter da dela.

    Porém, voltando à questão do estupro e das mulheres em GoT, eu não acho que a série “odeie as mulheres”. Acho que isso é um pouco radical. Acredito que existe uma tentativa de reproduzir uma realidade medieval, e que isso faz parte dela. Assim como existem diversos questionamentos de racismo em Game of Thrones, pelo fato da Daenerys libertar os escravos e eles serem mulatos, eu vejo isso como uma tentativa de aproximar o público de uma realidade. Suponto que Essos é similar ao Oriente Médio, com desertos e tudo mais, ficaria um pouco fora do contexto colocar um cara loiro de olhos azuis como habitante daquela região, não é?

    A própria Cersei é um exemplo de “feminista” dentro da história, a todo momento ela diz que se ela segurasse a espada as coisas seriam diferentes, reclama que Jaime aprendeu a montar enquanto ela aprendia a costurar, etc. Vemos isso em Arya, Brienne, Asha (Yara) também. Essa tentativa de romper com o estereótipo de “lady” que deve casar e se submeter ao marido, aos pais, irmãos, etc.

    Mas, novamente, pontuo que é um valor daquela sociedade, algo cultural, e que se fosse de outra forma muito provavelmente despertaria um estranhamento no telespectador.

    Sobre a Ros e as cenas de sexo, existem alguns fatores que tem que ser observados:

    Game of Thrones é – e falo dos livros – uma história repleta de sexo. E isso não pode ser ignorado, principalmente quando faz parte da formação do caráter de tantos personagens (ex: Tyrion, Theon, Petyr). A Ros surgiu como uma forma de unificar tantas personagens prostitutas numa só, e ainda por cima intensificar a relação tão bem desenvolvida na série entre o Varys e o Mindinho. Ela era uma prostituta e serviu o seu papel dentro da sociedade. Ambiciosa, se ferrou no jogo dos tronos, e é assim que funciona em Porto Real. Ela foi só mais um peão do Mindinho, assim como vimos o Dontos ser no último episódio. Não existe distinção de gênero nisso, e o Olivar está aí na série como gigolô pra provar isso.

    É óbvio que existe uma tendência a mostrar as mulheres porque é isso que a maior parte da audiência gosta. E a prova disso é todo o rebuliço ridículo que fazem quando aparece uma cena de sexo gay na série, mesmo que ela esteja totalmente justificada dentro do enredo.

    Sobre Daenerys e Drogo, eu não sei. O cara é um bárbaro que arranca a garganta de quem desafia ele com as próprias mãos. Não sei bem até que ponto faria sentido colocar ele sendo “fofo” com a Daenerys na cama – pelo menos no começo. Fica claro a forma como os dothraki tratam as mulheres, e é super errado, mas ao mesmo tempo fica claro a todo momento que eles são o povo mais ignorante e com os costumes mais escrotos, tanto que a todo momento só sabem roubar e matar. Então até que ponto a série não está criticando esse comportamento, ao invés de dar destaque a ele? Vale a reflexão.

  • Iury Peres

    Enquanto concordo que o estupro da Cersei foi uma cena muito mal executada (pois a intenção do diretor não foi mostrar um estupro), discordo sobre os criadores de got odiarem mulheres. Sim, o seriado extrapola em nudez feminina, em mulheres sendo mortas, estupradas e etc. Mas a maioria das coisas acontecem nos livros também. Ramsay faz caçadas com mulheres nos livros. Tem muitas menções a estupro nos livros que nem sequer foram mencionados no seriado (a história que Arya ouviu sobre o Montanha por exemplo (Corrija-me se eu estiver errado)). Joffrey é, de fato, cruel com mulheres(isso não é explicito nos livros, mas é deixado implícito). Ros nada mais é que a fusão de várias prostitutas dos livros, com alguns detalhes a mais (a morte dela por exemplo, que acredito eu, só aconteceu porque ela foi a atriz que não quis mais fazer cenas com nudez, e como ela faz uma prostituta…) Quanto a cena da Daenerys, uma permissão forçada, significa que se ela tivesse opção, não daria permissão. Então se qualifica como estupro do mesmo jeito. E o seriado ainda possui o “poder feminino” dos livros. Daenerys? Arya? Ollena? Melisandre? Brienne? Ygritte? Se não são mulheres fortes, não sei o que são. Concordo que poderiam maneirar um pouco nas cenas de nudez, ou ao menos nivelar a nudez masculina junto com a feminina. Sou totalmente a favor do feminismo, mas acho que isso não se aplica a Game of Thrones. Posso estar errado, sinta-se livre para discordar.

  • eu acho que você não entendeu o texto. Aconselho você reler.

  • Muito obrigada Wallace! =D

  • Deusa Kaizer

    A série vem mudando tanto a visão dos personagens de George R. R. Martin que me sinto cada dia menos estimulada a assisti-la, uma pena…

  • A única coisa pior do que um homem machista é uma mulher machista. Isso apenas reforça esse lado monstruoso e desprezível nos homens, que se sentem com consentimento de prosseguir em suas brutalidades.

  • juliana.

    Ótimo texto, muito bem levantada essa questão dos papéis femininos na série. Amo os livros e a série de TV, mas esse aspecto tem deixado MUITO a desejar… o que só me leva à conclusão de que os criadores são sim machistas. Isso só corrobora pra essa cultura do estupro que a gente vê todo dia. Não tinha necessidade de fazer desse jeito, na minha opinião.

    Não me incomoda pelo fato de terem mudado o que está no livro, pelo contrário. É uma adaptação da obra do Martin, portanto algumas alterações são esperadas. Mas aos poucos Jaime estava mostrando uma outra nuance de sua personalidade que a gente não conhecia; ele não é apenas o Regicida. É um ser humano como todos, com dúvidas, questionamentos etc. E agora vem essa cena e joga um balde de água fria em cima das pessoas. Quem não leu os livros com certeza vai olhar o personagem de outra forma.

    ps: mas o pior é ler comentários do tipo “Cersei mereceu, é ruim, tinha mais é que sofrer mesmo”. Esse tipo de coisa NUNCA se justifica.

  • Luyse

    Porém também parece que você se esqueceu que as crônicas de gelo e fogo não é uma história que rotula o vilão ou o bonzinho. Ta beleza, mandar perseguir os bastardos não foi legal, assim como várias outras ações dela foram igualmente infelizes. Cersei é uma personagem egoísta e com sede de vingança e faz muita merda no decorrer da história, mas por isso merece ser estuprada pelo próprio irmão? Desculpe, mas concordo com a autora desde texto, usando suas palavras: “‘Ah mas Cersei é uma puta, miserável, gente ruim!’ E isso indica que ela merece ser estuprada? A resposta obviamente é NÃO.”

  • Aline Cappelozzi

    Bela Reflexão,isto é o reflexo do emponderamento do machismo na nossa sociedade, presente em todos os lugares e todas as épocas!

  • Nikolas M. Fortes

    Não curti a cena também ! Apesar de no final eu fiquei meio que na duvida se Cersei no final das contas acaba curtindo o sexo, ainda assim, da maneira que foi apresentado, eu nao curti ! Nos livros ela quer, ela chama ele, ela diz não mas depois diz sim, mas a cena na série não teve nada disso ! Eu não gostei, pq aprendi a gostar demais do Jaime, por tudo que ele aprendeu após perder a mão, a preocupação que ele teve ao mandar Brienne procurar Sansa e o fato de ele sempre lembrar dela e da promessa que ele fez a Catelyn de nunca mais derramar sangue nortenho, e como ele acaba renegando o amor incestuoso dele (ao mandar queimar a carta de Cersei, ele definitivamente põe um ponto final na relação dos dois).

    O objetivo dessa cena foi puro e simples pra destacar o quanto Jaime vai começar a odiar a irmã. Ela o negou quando ele voltou, jogou a culpa do cativeiro toda nele (nos livros isso também não existe, ela esta em constante desespero pensando onde ele esta, mas na série ela o menospreza por ter sido capturado, assim como Joffrey). Nos livros ele percebe o quanto ela é manipuladora a partir das declarações de Tyrion, que contou a ele que ela transava com o primo e os irmãos Ketleback, mas na série ele ve isso muito antes. Ele a estuprou por puro ódio. Ódio por ter sido negado, ódio por ela pedir a cabeça do irmão.

    Ficou meio claro que Martin não gostou dessa desconstrução, e os produtores podem até acabar arrependendo disso depois, dava pra eles mostrarem todo o rancor de Jaime de outras formas …

    E digo mais: toda a sexualização na série ja ta ficando chato pra caralho ! Oberyn nos livros é bi ? Sim ! Mas ele também eh um guerreiro respeitado, temido, inteligente, estudou para ser Meistre e é sedento por vingança. O Oberyn da série eh um puto que quer trepar a toda hora e odeia Lannisters, e a galera acaba pensando que é só isso que ele representa !
    Loras é outro que foi completamente desconstruído. Eu curtia as cenas dele com Renly, achava bacana pq mostra o quanto os dois eram amantes, mas em contrapartida a série continuou mostrando um Loras promíscuo, totalmente diferente do Loras dedicado, um dos melhores cavaleiros de Westeros, e principalmente apaixonado por Renly mesmo depois de sua morte. Acho muito paia isso !

    Martin devia parar de politicagem e começar a dar uns toques nos produtores quanto a isso, porque ja ta ficando chato já !

  • tata2207

    tambem estou indignada, que foi aquilo? Sempre violência vinda dos homens mesmo qdo no livro não existiu? Quase tive um troço qdo Sandor bateu e robou aquele homem. meu marido riu de mim porque eu disse na hora da cen: que merda é essa Sandor, vc nunca fez isso no livro. Mudanças para piorar aquela obra maravilhosa do Martin é inadimissível. E as cenas repetidas do Oberyn, parece até que o cara não faz outra coisa, a Ellaria parece mais uma puta das baixadas da pulga, que horror, rstão acabando com a atriz, que é linda.

  • Karlos Guerreiro

    Pode estar certo sobre o fator histórico, mas não é uma simples série medieval, é uma série baseada nos livros com uma cultura e universo próprios, deveriam ser ao menos respeitadas as relações entre os personagens.

  • brunadoliveirastark

    Que bom que o site quis se pronunciar sobre esse assunto,essa cena também me deixou “abalada”.A producao da série é espetacular sem duvidas mas a quantidade de “violencia gratuita”está aumentando a cada temporada.Nao sei como rebater mais as criticas dos meus amigos porque infelizmente esses toques sutis de mudanca de “poder”de um personagem é capaz de mudar o contexto feminista da obra de George R.R.Martin.Simplismente eu não vi consentimento da parte da Cersei em nenhum momento.Jaime dos livros nao é um estuprador e o da série também nao tinha que ser fiquei decepcionadissima com as desculpas dos produtores da série “ah mais foi consentido” não,não foi.

  • Na “época medieval” e na de hoje em dia também. Eu às vezes acho que os homens não sabem do que se passa ao redor deles (eu tenho quase certeza). É só você olhar a tv e ver a quantidade de mulher pelada aparecendo, sendo oferecida como mercadoria. Ou então, você ver a quantidade de mulher que é assediada no dia a dia, tendo gritos repugnantes aos seus ouvidos quando está apenas indo ao supermercado ou voltando do trabalho. Cara, nós mulheres sabemos muito bem o que é ter medo de voltar pra casa em determinada hora pq você sabe muito bem que pode ser vítima de estupro. Só isso que tenho a te dizer.

  • Nikolas M. Fortes

    Não to lembrado dessa ideia dele ameaçar um bebê, pode me explicar do que se trata ?
    Enfim, eu acredito sim que Jaime mudou em relação ao que ele era. Jaime antes fazia de tudo por Cersei, inclusive tentar matar Bran, por que ele ameaçou o segredo dos dois. Acontece que ele mesmo começa a perceber o erro daquilo, e o quão errada a irmã dele é ! Nos livros isso começa depois que Tyrion conta das escapadas da irmã com outros homens, já na série acontece depois que a irmã o culpa por ter sido capturado, e ele começa a ver o quanto ela e Joffrey são parecidos ..

  • Guilherme Peace

    Estou impressionado e muito feliz por ter lido esta análise neste site. Muito corajoso de sua parte levantar esta questão entre os próprios fãs da série e dos livros. Não é por eu ser fã que vou deixar de lado o machismo não condizente com o personagem do Jaime que se deu na cena do estupro. A direção errou neste aspecto. O cenário misógino já está bem construído o bastante. Não há necessidade de reafirmação constante com cenas como esta que, ao fim, servem apenas para chocar o público (e ganhar mais audiência, é claro).

  • “naquelas épocas”. Preciso rir para não chorar. Já escutou alguma música bem popular que o povo costuma ouvir? Você vai ver como a mulher é vista ainda nos dias de HOJE.

  • Dreamy

    Sou a única que nao concorda?
    A série é só uma adaptacao e tem uma história distinta dos livros. Nao acredito que a cena de James descaracterize o personagem. E sobre as mulheres serem fantoches… Estamos falando da idade média. Mulheres eram basicamente isso.
    Além do mais, apesar de ter sido diferente dos livros, gosto da escolha de terem feito Khal Drogo estrupar Dany (nao, nao sou a favor de estupro). Acho que ao fazerem isso, apesar de colocar Drogo em uma luz escura, fez a historia de Dany mais interessante ainda. Seu sofrimento ficou ainda mais óbvio e sua luta por poder ainda mais impressionante. Esse fato horrível de sua historia com Drogo, faz com que eu queira sua vitória ainda mais. É diferente dos livros? Sim. É mais obscuro? Sim. Porém fez com que a personagem parecesse mais forte no final, agora que possui muito mais poder que antes.
    Quanto Jaime… Ainda nao acredito que descaracteriza o personagem. O que fez foi horrível, sim. A cena é perturbadora, seria mesmo que nao fosse estupro, porém sua dinâmica com Cersei também mudou. Acho que ele quer se convencer que ainda a ama. Isso nao justica estupro na vida real, nao me entenda mal, mas ele está desesperado por ter aquilo que sentia falta.
    É uma cena perturbadora de se assistir. Mas estamos falando de G.O.T! Coisas perturbadoras acontecem toda hora, faz parte da série, mostrar o lado horrível da vida. Nao sei porque todos ficam chocados. Esse Jaime nao é o mesmo dos livros. Entendam, por favor. É um Jaime diferente, com uma outra cabeca. E apesar das mulheres serem mal tratadas, a maioria era na idade média, mas isso nao quer dizer que ainda nao tenhamos personagens femininas incríveis, como a Dany, que está mais poderosa do que qualquer outra pessoa, (por enquanto) temos Arya e Margaery! Você diria que alguma delas é um fantoche? (Dany podia ter sido antigamente, mas nao é mais).
    Acho que as pessoas deveriam aceitar o ponto de vista da série e lembrar de que é um mundo diferente que nao tem a obrigacao de ser igual aos livros. É minha opiniao.

  • Yuri Amorim

    Perfeita a análise! Pois saiba que também fiquei com o mesmo gosto amargo no final do episódio. Lamentável terem transformado a cena num estupro (tanto no caso de Cersei e Jaime, quanto na cena entre Dany e Drogo). Nada justifica essas mudanças. Uma pena ver a natureza de personagens tão ricos, complexos e cheios de nuances serem deturpados dessa maneira. Foi de uma irresponsabilidade simbólica sem tamanho, e só vem reforçar a “cultura do estupro” tão enraizada nessa sociedade patriarcal e machista em que lamentavelmente vivemos.

  • Rhaegar

    Acho que você não pensaria assim se chegasse alguém a mando da Cersei, arrancasse seu bebê recém nascido dos seus braços e passasse a faca nele.

  • Rhaegar

    Já li e reli o texto, assim como já li e reli as Crônicas 😉

  • Roni Capela

    Primeiramente, deixando bem claro que concordo com todos os aspectos citados, entretanto, no que diz respeito à cena onde Ramsay Snow(Bolton) caça a garota com ajuda da personagem criada apenas para a séria “Myranda”, realmente é quase tão fiel ao flashback contido no ponto de Davos em A Dança dos Dragões: Nele Ramsay Bolton caça garotas nuas com ajuda de seus cães. Algumas sortudas conseguem fugir, porém as que ele alcança são estupradas dilaceradas pelos cães e como se não bastasse, são ainda esfoladas.

  • Eduardo Fernandes

    É um tema pra lá de complicado, estupro é uma coisa horrível, detestável, na minha opinião estupradores devem receber o mesmo castigo e depois forca pro desgraçado!!!!
    Mas deixar de assistir a série nunca, se fosse utilizar esse argumento largaria a série logo no começo.
    O Khal Drogo estuprava a Dany todo tempo na 1º temporada.
    Eu achei que ela tentou manipular o Jaime naquele momento matar o Tyrion e uma mulher sabe como usar suas artimanhas, ainda mais Cersei que sabe que Jaime ama ela e faria qualquer coisa por ela.
    A questão agora vai ser Jaime colocar na balança o amor de sua irmã ou sua Honra e ajudar seu irmão, se é que ele ainda tem alguma honra.
    Incesto e estupro!!!!
    É complicado!!!!

  • Jonatas Seixas

    Nunca havia pesando nisso… Vc despertou meu senso critico sobre a serie! Ah, e adorei o seu texto!

  • Rhaegar

    Concordo que foi vacilo da série, realmente eles fizeram merda com o Jaime, pois quem já leu a Tormenta respeita o Jaime, coisa que fica difícil de acontecer com quem vê uma cena como essa.

  • Sandro Valente

    Sinceramente, acho que está mais para o padrão HBO do que a “criatividade” dos produtores

  • Chris

    Concordo totalmente!

  • Ivo Solano

    Eu entendi o que você quis dizer com seu texto, mas não sei se cabe na discussão por conta do fator histórico.

    A discussão é necessária, e seus argumentos devem ser todos levados em consideração nos dias de hoje. Mas devemos lembrar que a série não se passa nos dias de hoje.

    Na idade média, as mulheres eram SIM tratadas como fantoches e usadas em joguetes dos homens. Eram estupradas, violentadas, assassinadas, usadas das maneiras mais abomináveis por homens e mulheres de maior poder. A cena de estupro hoje é um absurdo, mas naquela época, com a mentalidade da saciedade da época, era bem comum as mulheres serem estupradas por seus maridos e amantes. Fazia parte da vida.

    Entenda: não estou aqui querendo defender qualquer ato de violência contra as mulheres, abomino homens que sequer cogitam uma coisa absurda dessas. Mas,apesar de ser uma cena chocante para a TV, no contexto histórico não há problemas. Acho errado julgar a série no contexto da sociedade moderna.

    EDIT:
    Lendo alguns comentários, percebi que as pessoas discordam da cena, mas sempre alegam que está diferente do livro. Eu sinceramente acho que a rejeição que está havendo é mais por conta de ser diferente do que eles leram e viraram fãs, do que pela cena em si. Falam que o Jamie nunca faria isso, porque no livro ele é assim e assado. Eu,que não li e só acompanho pela série, digo que ele seria perfeitamente capaz de fazer isso, tanto que o fez.

    Precisamos lembrar que a série foi adaptada para a televisão, e isso demanda mudanças na narrativa. Algumas mais leves, como essa cena, que não vai mudar a vida dos personagens, outras mais drásticas, como a morte terrível de Talisa no Red Wedding, que não acontece no livro, e tem outro nome. Não se prendam ao livro, apreciem a série de TV separadamente.

  • Rhaegar

    As coisas que faço por amor*

  • Tiago Souza

    Seus argumentos tem fundamento, mas, a mesma série que usou de tais artifícios, tem vários momentos Girlpower que ñ se encontram nos livros.

    No primeiro ep da 2ª temporada tem o memorável “Power is Power”.

    E no ep “Walk of punishment” temos “All men must die, but we are not men”.

    Por coincidência ambos os ep’s citados são escritos pelos criadores. Portanto não creio que os criadores sejam misóginos.

  • Eduardo Amorim

    Isso não tem nada haver com personagens e sim sobre o tratamento das mulheres na serie.

  • Dora_Delano

    Ninguém faz por merecer estupro.

  • Ray

    O Jaime justifica o fato de empurrar Bran de cima da torre como uma das coisas que ELE FAZ POR AMOR. Voce deturpou a frase dele.
    Jaime é um anti-herói, ele tem realmente um senso de justiça deturpado, mas estuprador ele não é. Todo mundo que leu os livros sabe disso. Dizer que a Cersei mereceu é tão terrivelmente ignorante que eu nem sei o que comentar a respeito. Voce devia se desculpar por existir, ninguém merece ler essas merdas.
    É tão terrível ver uma mulher ser misógina!

  • Melissa Peixoto de Vargas

    Nem me fala! Eu fico triste quando vejo alguns comentários e discussões, em vários lugares diferentes.

  • Dora_Delano

    Espero que você não tenha nenhum pecado, nem nunca tenha feito mal a ninguém. Se não, de acordo com sua lógica, você merece ser estuprado.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Ele fala exatamente o contrário. “As coisas que faço por amor.”

    ele é terrivelmente apaixonado por ela. Como você mesmo disse, em Westeros as coisas eram diferentes.O homem f0azia sexo quando e como quisesse. Jaime é rico, um dos mais fortes e habilidosos cavaleiros do Reino e muito bonito. Ainda assim, ele apenas se deitou com a Cersei. Ele a amava.

    Se esse estupro pode de alguma forma ser justificado, o é pelo amor de Jaime a Cersei. Ele a queria tanto, mas tanto, que a estuprou. Só isso justifica a burrada dos produtores.

  • rouland

    Na verdade ele fala “As coisas que eu faço por amor.” Mas ok kkk

  • Eu acho muito curiosa a questão da Daenerys ser tão odiada por tantos e tantos homens e eu digo isso, com base em diversos comentários que costumo ler a respeito dessa personagem ( e a maioria que a detesta são homens). O que eu sempre reparei é que, mesmo muitos dizendo o contrário, os homens sentem-se incomodados com uma mulher que tenha algum tipo de poder (realmente) grande. E digo realmente, pq é muito fácil para um homem se afeiçoar ou até mesmo se enxergar através de Arya, que possui uma energia tão masculina e racional (amo Arya, que fique claro). E nessa caso, Daenerys é a heroína típica (antes que me corrijam, sim com mtos defeitos e etc..). A impressão que me dá, é que devido à sua grande visibilidade, outras personagens mulheres devem ser omitidas mais do que deveriam (pois a cota de poder feminino já está sendo preenchida demais: Vide Daenerys e Arya). Isso vai dar muita moral, não queremos tanto, precisamos de mais estupros e violência gratuita. Precisamos mostrar um número maior de peitos, muitos peitos. Isso vai dar uma disfarçada nessas “heroínas” pq sabemos que, no final das contas, são os homens quem mandam.

    ps: sei que existem homens muito melhores do que esses que citei, são poucos, mas existem.

  • Felipe Bini

    Eu não pude ver o episódio no domingo, e depois do “aftermath” virtual, não tive pressa nenhuma (tanto que não vi até agora). A cada episódio que passa, em que Benioff e Weiss querem ser mais realistas que o rei, matando personagem por personagem, perco mais o interesse.

  • Felipe Bini

    É o mesmo Jaime que impediu (recentemente) que Brienne de Tarth fosse estuprada? O mesmo que questionou suas funções de Guarda Real enquanto Aerys II estuprava Rhaella?
    Jaime é muitas coisas, mas não um estuprador.
    Se a intenção é mostrar para as audiências que ele não virou um cavaleiro exemplar e continua tendo falhas de caráter (o que é verdade), existem mil e uma maneiras melhores de se fazer isso sem matar o personagem.

  • Sandro Valente

    Lembrando que a Idade Média é apenas pano de fundo da serie, o mundo é completamente fictício

  • Roberto Pereira

    Desculpe, Lidiany, não me odeie, mas senti um certo exagero na sua revolta. Se há um autor que não pode ser tratado como misógino é o Martin (e sim, vc não o chama disso e até o “defende” dizendo que ele não teve participação nessa cena), mas tampouco acho que a série de TV pode levar essa pecha.

    Mulheres são vítimas de violência nos livros/série? Sim. Mas os homens tbm são. Então esse viés feminista militante me parece meio deslocado.

    Raramente li um livro em que os personagens femininos são tratados com tanta importância pro desenvolvimento da historia como GoT. E não me parece que na TV isso esteja sendo modificado.

    A cena toda me parece forçada e desnecessária pelo local e circunstância em que se dá: dentro de uma “igreja” e com o cadáver do filho morto ao lado.

    Me pareceu forçada no livro – com consentimento, embora lá tbm a Cersei a princípio não parece disposta -, me pareceu ainda mais forçada na TV porque o Diretor errou a mão e não deixa claro que Cersei acaba cedendo ao impulso de Jaime – como no livro.

    Era uma cena ruim, exagerada no livro, ficou pior na TV.

    Mas não vi misoginia nenhuma nisso. só mau gosto do autor e incompetência do Diretor/roteirista.

  • Eduardo Amorim

    Concordo com grande parte do post, mas acho que D.B e D.W não tenham
    alguma coisa contra as mulheres, só acho que eles foram realmente infelizes nessa cena e outras desnecessárias como a da Ros, mas outras coisa não podemos criticar eles por que tem nos livros e o tempo diferentes onde as mulheres eram muito maltratadas.

  • Barbara

    Texto brilhante. Sensato, afiado. Também me incomodei com a cena, me incomodei com a mudança na dinâmica dos personagens, com a maneira como as mulheres são retratadas na série. E vejo a intenção clara de punir Cersei, por simplesmente… Existir. Também me incomoda a mudança no personagem de Loras e acho a abordagem do personagem homofóbica na série. Misoginia + homofobia, sempre andando juntas.

  • Roberto Pereira

    Loras promíscuo? Onde? Quando? Desde as POUCAS cenas dele com Renly há duas temporadas nunca mais vi (até essas com o Oberyn e o loiro no bordel do Mindinho) nenhuma cena de teor gay na série, muito menos com Loras.

  • disqus_kOiQcyN7dK

    Mas a história não se passa na “idade média”…

  • e pelo visto não adiantou.

  • JasonLannister

    Achei extremamente desnecessario o estrupo que houve na série, o Jaime nessa parte nos livros ja tava mais maduro… Erraram feio, eu admiro todas as mulheres em Game of Thrones pois elas são bem mais que essenciais, elas são o que faz a história acontecer, é chato quando aparece uma cena dessa e inferioriza as mulheres, pois da a impressão que só os homens resolvem as coisas, o que é mentira, em Game of Thrones cade vez mais elas tem espaço, elas se mostram poderosas, veja todas elas, Catelyn, Dany, Olenna, Cersei (adoro ela, as pessoas tem que ver q não é só o lado dos Starks, entendam o dos outros tbm), mas chegamos a conclusão que é a mulher E o homem juntos que completam a obra, na Dany talvez falte um pouco de decisões, de soluções, de malicia para prever o que vai acontecer, de saber os sacrificios que terá de fazer para alcançar o q quer, e Sor Jorah não falta nada disso, porém nele falta compreenção, piedade, harmonia, entendem onde eu quero chegar? As coisas em Game of Thrones só vão acontecer quando homem e mulher souberem reconhecer que precisam um do outro para chegar em algum lugar.

  • thais

    “A própria Cersei é um exemplo de “feminista” dentro da história, a todo momento ela diz que se ela segurasse a espada as coisas seriam diferentes, reclama que Jaime aprendeu a montar enquanto ela aprendia a costurar, etc. Vemos isso em Arya, Brienne, Asha (Yara) também. Essa tentativa de romper com o estereótipo de “lady” que deve casar e se submeter ao marido, aos pais, irmãos, etc.”

    Absolutamente errada essa sua definição de personagem feminista. A Cersei, por exemplo, é uma das personagens mais misóginas de toda a série. Ela não apenas despreza as mulheres – inclusive já chegou a dizer que queria ter nascido homem – mas também ela mesma é responsável por vários abusos cometidos contra outras mulheres.

    Ser feminista não é romper com o estereótipo de lady.

  • Felipe Bini

    Não vemos isso em Yara, afinal ela mal tem screentime pra ter alguma relevância para as audiências unsullied. E Arya e Brienne que são propagadas como personagens mulheres fortes que quebram o estereótipo da lady, o fazem na verdade com condutas identificadas como do sexo masculino, até nas vestimentas. Não acho que elas sejam o melhor exemplo da força feminina porque a delas se funda necessariamente por ações masculinas. Pode dar margem para se interpretar que só agindo como homens as mulheres podem se destacar.
    Penso que a Olenna seria um melhor exemplo de personagem feminina com agência própria dentro do “papel feminino” imposto por aquela sociedade. Ou a própria queridinha Targaryen.
    E falando nela, a questão do estupro de Daenerys por Drogo é: por que mudar? Sim, os dothraki são bárbaros escrotos e estupradores (o própria Drogo deve tê-lo feito várias vezes), mas a cena com a Daenerys é curiosa justamente por isso, porque ela recebe ternura do sujeito de quem mais se esperaria brutalidade. Será só pra chocar as audiências? Penso que sim.

  • Bruna

    Se fazer uma cena de estupro não foi a intensão dos produtores, como foi com a Dany, enfim, eles deviam ter falado isso pra Lena, as expressões dela foram de, tipo, sei lá, raiva e dor, além de, é claro, trocar o discurso do Jaime… a cena podia ter sido mais trabalhada, descaso? não creio… ótimo post, Lidiany!

  • Rafael

    Drogo não era superior a Dany, ele era mais forte. rs

    Ninguém merece ser estuprado, estupro é um crime ao livre-arbítrio, não existe crime maior que um crime que impede a pessoa de decidir o que ela quer.

  • rouland

    Acho que tudo isso seria acertado se no final da cena ela tivesse afirmado que queria, assim como nos livros. Ficaria fiel e não teríamos do que reclemar. Não entendi o motivo de terem cortado ela afirmando que queria. Pois no livro ela também nega, mas depois concorda.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    infelizmente vou ter que discordar do texto. Não acho que os autores são misóginos e usam a série para externar isso. Mas acho que, como toda tv, mesmo a hbo, há sim um exagero em algumas cenas so para causar rebuliço e dar destaque a série. Não é a toa que Game of Thrones é conhecida pelo incesto, mesmo para aqueles que nunca assistiram.

    A cena foi lamentável, mas justificável. Quem é fã não curte essas adaptações que a série faz dos livros. Deve existir algum motivo comercial para isso. Não há sequer uma adaptação série-livro que não tenha passado por isso.
    Por outro lado, quem disse que Game of Thrones deve seguir criteriosamente os caminhos das Crônicas? A série perderia seu caráter artístico se fosse inteiramente uma mera repetição cinematográfica dos livros. O cerne da questão é que a série seja pelo menos coerente, coisa que não tem sido.

    Os episódios passados mostram o desprezo de Cersei por Jaime. As investidas dele contracenando com as rejeições dela. Acho que o estupro foi o ápice dessa tensão sexual. Ele a queria, ele a ama, nem que para isso ele tenha que forçá-la.

    Os demais exemplos são perfeitamente adequados para o contexto. Ros era uma jogadora dos tronos: ou se ganha ou morre.A morte de Ros é perfeita para mostrar o sadismo do Rei. Catelyn tinha maior destaque que Robb, mas a série é mais fluida. Como eles fariam para dar destaque aos pensamentos de Catelyn ao invés de ações do Robb? É mais fácil e prático dar destaque a Robb. Não vejo nisso misognia dos produtores, mas técnica de adaptação.

    Por fim, poderia existir por aí um texto com reflexões da violência contra os homens em Westeros. Os exemplos são inúmeros. Nem por isso seria uma androginia por parte da produção.

    É simplesmente a vida. A vida é dura, sofrida, injusta, para todos. E os produtores mostram isso. Acho que deveriam mostrar mais pq ainda acho a série “light”. O “mundo real” de westeros é bem mais duro que isso.

  • Sandro Valente

    Também acho que é coerência histórica

  • thais

    “A única coisa pior do que um homem machista é uma mulher machista.”

    Discordo veementemente. Não são as mulheres machistas que mais cometem abusos, violentam, estupram e matam as outras mulheres, são os homens machistas. Então não, uma mulher machista, por pior que seja, não é pior do que um homem machista.

  • Luís Henrique R. de Morais

    Penso que toda essa discussão acerca do estupro é bastante prematura. Estão atribuindo adjetivos a série e aos seus idealizadores sem nem mesmo esperar para saber quais as consequências disso para os personagens e como o núcleo dos Lannisters se desenvolverá a partir desse evento. Sempre vi essa passagem no livro como uma catarse; o reencontro de dois amantes, afastados por muito tempo. Quando trouxeram Jaime e Brienne “antes da hora”, na série, cheguei a pensar que a cena seria excluída, pois não via mais sentido para a mesma. No entanto, mesmo com a mudança, não acho que ela afasta o Jaime dos livros do Jaime da série. Aliás, não vejo processo nenhum de redenção para o personagem (na obra escrita), mas sim uma maior complexidade em sua personalidade, assim como já havia acontecido com outros. Momentos antes da cena do sexo no septo de Baelor, Jaime reflete sobre a sua relação com os filhos e, tão chocante quanto o estupro, foi ler a maneira como o Regicida se refere a eles. Para ele, os filhos são meros presentes dados a Cersei, para que ela possa governar Westeros. Se bem me recordo, ele chega a referir que, se ela estivesse triste por causa de um filho, ele poderia lhe dar outro. O Jaime que vê os filhos como objetos é melhor do que o que estupra a amante?
    Dizer que uma série com Daenerys, Arya, Cersei e Ygritte é misógina parece bastante equivocado. Além do mais não há glorificação do estupro ou das crueldades citadas no texto. Ela os retrata com o intuito de dar veracidade a história. Na maioria das vezes em que há uma mudança em relação ao que foi escrito, encaro como um complemento e não como uma mudança, pois raras vezes destoa do âmago dos livros.

  • Lukkas Souza

    Concordo com tudo, pessoal ta cansado de saber que a série difere bastante dos livros, isso só foi aumentando ao decorrer das temporadas

  • Thalles Lucas

    A parte dita é no final do festim de corvos que ele encontra edmure tully. Enquanto tenta matar Bran, dá para perceber que a cersei não obrigou a tentar fazer isto. Tem até um flashback que cersei lamenta isto, falando que podia ter tentando coagir o garoto. Acho que o jaime não muda durante o livro, o que muda é como enxergamos ele devido a um POV. No mesmo ele ainda é impulsivo e obsessivo pela cersei enquanto a cersei não ama nenhum homem

  • Vinicius

    Inicialmente, assim que vi a cena, também fiquei curioso para entender o que havia acontecido. Mas, definitivamente, não consigo chegar a esta conclusão de que Cersei foi estuprada na série. Concordo que nos livros fica muito claro que não houve estupro, mas na série não tão evidente assim que de fato aconteceu um estupro.
    Cersei na série e nos livros é uma mulher com certo poder, audaciosa e muito combativa, acredito que se ela realmente não quisesse ela teria impedido Jaime. Teria corrido, teria gritado, teria chorado de raiva, teria derrubado o corpo do seu filho, teria botado fogo em Jaime com uma das velas, teria roubado a espada do maneta Jaime e feito ele em pedaços. Estamos falando de uma mulher sem escrúpulos, de gênio indomável, que não teria sido “estuprada” com a reação contida que vimos na série.

    O que captei da série, é que Cersei estava receosa em fazer sexo com irmão, no período de luto, dentro de um septo em frente ao corpo do filho assassinado. Mas no fim, se rendeu a Jaime. Além do mais, acho que este post está sendo cheio de certezas sobre o futuro da série, acho melhor esperar um pouco mais antes de afirmar tamanhas besteiras, como chamar os produtores de misóginos. Os caras que dentre milhares de histórias do planeta, escolheram uma retrata exatamente a força e influência das mulheres.

    Sendo assim, discordo totalmente do post. Bola fora, Lidiany.

  • Não vou comentar o texto todo, pois concordei com 100% dele, mas gostaria de ressaltar algumas partes……

    1º: Lendo os comentarios, vi muita gente dizendo que na idade média era normal as mulheres serem fantoches, e por isso a cena do estupro faz apenas um retrato disso. A primeira parte é verdade, as mulheres realmente eram vistas e tratadas como um objeto feito exclusivamente para atender as demandas do homem (coisa que infelizmente, muita gente ainda pensa assim), mas na historia do GRRM não estamos na idade média. A sociedade de Westeros é sim machista como era a sociedade da idade média, mas, como a Lidiany disse, na serie, personagens mulheres fortes que fogem desse ‘padrão’ muitas vezes foram diminuidas para ficar nas sombras de personagens homens, como foi no caso Cat x Robb. Acredito que foi interessante a serie dar mais destaque pro Rei no Norte, mas não ao custo de cortar o destaque da Cat na história. Sem falar que a Michelle é uma atriz fantastica e foi uma pena ver ela fora dos holofotes.

    2º: O estupro altera SIM a construção dos personagens. O Jaime da serie parece que não aprendeu NADA com seus dias de cativeiro. Voltou pra Porto Real fazendo pouco caso da sua promessa de resgatar as garotas Stark, e agora isso. Como os criadores esperam que nós, telespectadores, tenhamos algum tipo de simpatia pelo Jaime da serie depois disso tudo que ele fez? (sem contar ele matar o proprio primo ne….). Ainda sobre o estupro… no livro, essa cena de sexo bizarra se justifica. Cersei esta abandonada sozinha de luto etc etc e ai chega o Jaime. O encontro dos 2 é explosivo e acontece o que acontece. Naquele momento, era como se nada tivesse mudado e os dois continuam as mesmas pessoas (tanto que depois quando o Jaiminho vai percebendo as mudanças que aconteceram, com ele mesmo e com a Cersei, ele se afasta dela e tal). Na serie, mesmo que fosse um sexo consentido, ficaria meio sem sentido. Por exemplo, no primeiro episódio o Jaime quer e a Cersei não e ai ele apenas aceita e ok, mesmo tendo passado semanas do reencontro. Mas na hora que a porra do filho dele ta sendo velado ele não consegue se controlar. Se era pra ter estupro, faria mais sentido se fosse no primeiro episódio mesmo.

    3º: Agora uma dúvida, no livro a Dany não foi mesmo estuprada pelo Drogo? quando você fala “Daenerys dá uma permissão, mesmo que forçada ao khal” essa permissão forçada não seria um estupro? É so uma dúvida mesmo pois eu sempre vi aquele momento como um estupro. Acho q foi uma falta de interpretação minha mesmo.

    E parabens pelo texto Lidiany!!!

  • “Fez por merecer” um estupro???!?!?!?!?!?! Que estupidez.

  • feh

    game of thrones é bem mais interessante quando o foco é no poder feminino tanto personagens como cersei, margaery ou dany merecem destaque por ganharem seu espaço pelo poder feminino e pela garra tanto quanto o cerebro mostrando que as mulheres sao muito mais inteligentes na hora de lutarem porque sabiam manipular e derrubar seus adversarios, é muito chato quando isso é diminuido na serie mostrando um retrocesso em cenas como a de cersei e a de ross achei errado.
    game of thrones é muito mais interessante quando foca em seu elenco feminino porque é forte e poderoso e fazer esse retrocesso é tao antigo e equivocado que nao parece com a diferença que fez isso um sucesso, a serie tem os melhores personagens femininos na tv e acho que a michelle teve um otimo tempo em tela com sua catelyn sofri mais com a morte dela do que com a de robb e seria um foco maior nos homens o fato de nao termos lady coraçao de pedra de volta:? eu realmente espero que nao e espero estar errado sobre esse foco mais game of thrones sempre ganha quando mostra as mulheres poderosas e espero que jamais mostre retrocesso na tv.

  • Eduardo Amorim

    Muito bom o comentário, concordo com tudo que vc disse.

  • Mab Castro

    Ninguém faz por merecer ser estuprado. Dizer isso é a mesma coisa de dizer que uma mulher foi estuprada, pois estava com roupa curta e provocou.

  • Rafael

    Da questão do Robb ter mais espaço é pq ele é mais popular que a Cat, por isso ele ganha mais espaço, no livro Cat é a personificação da Mãe, na série eles estão interessados em mostrar o herói caído, outro motivo. No livro o fato que Robb não ter um capitulo é um claro indicio que ele não é o grande heroi e tbm pq ele pode mostrar a mesma personificação do Guerreiro com o Jon Snow e até Tyrion.

    Apenas acho que não se pode querer aumentar as coisas, não acho que o fato de Oberyn querer fazer um bacanal com sua amante uma diminuição do que sente por ela, se ele não gostasse dela ele não levaria ela pra outros lugares, existe uma intimidade com os dois e é mostrado isso, pelo menos pra mim…das personagens femininas importantes, Dany e Arya são mostradas com uma grande dose de poder, Melissandre e por ai vai..

    Mas esse é o problema que uma cena mau feita faz, acaba se questionando e levantando coisas que não tem nada haver com o objetivo da historia, o livro é sobre rejeitados: bastardos, mulheres, deformados, aleijados. os de baixo nascimento. Nisso que a serie deveria se apegar,

  • Felisberto Albuquerque

    [SPOILER WINDS OF WINTER] Bem… no capítulo Mercy de WoW divulgado a pouco tempo ela esta em uma peça, onde ela interpreta uma moça que é…. ESTUPRADA. Que coisa não…

  • Thaiana Da Silva Lima

    Não se justifica por nada, No livro os dois querem realmente aquilo. A
    Cersei, como bem disse o autor do post é violentada diversas vezes pelo
    Robert, e isso segue a lógica do tempo que está sendo retratado. Mas
    ela e o Jaime se amam, ele por mais de uma vez evita que estupros
    aconteçam. Não cabe dentro da lógica interna.

    O diretor e o
    roteirista parecem muito mais seguir uma lógica perversa que boa parte
    da audiência autoriza e concorda, de que se a Cersei é “má” ela merece
    ser estuprada. Pior ainda é saber que é a partir desse ponto nos livros
    que o Jaime ganha possibilidade de redenção e ao que parece na série
    esse estupro faz parte desse caminho. Afinal ela pediu que ele matasse o
    irmão e com raiva e ele quis puni-la.

    É a isso que chamamos
    cultura do estupro, afinal quando não se reconhece um estupro, se
    legitima ele. “Afinal ela pediu. Ela tava de roupa curta e homem é
    homem. Ela é uma vadia. Ela é uma vaca má e mereceu”. E assim uma a cada
    3 mulheres foi ou será estuprada durante sua vida.

  • Anon Anonimo

    Verdade, Ramsay é extremamente sádico, diferente do Montanha, que é péssimo pq ninguém tem o mesmo tamanho pra colocar juízo na criatura. O bastardo do Bolton faz isso por pura diversão, não esquecendo que a garota que mais desse trabalho de ser capturada, seria honrada em ter o nome na próxima cadela da “matilha” que ele mantém. Azar do Martin colocar no episódio esse episódio da série já é outra história.

  • Fabio Cruz

    Verdade! Concordo 100% com você! É tão claro que a série RESUME os livros que considero textos como esse uma tremenda falta do que fazer. Parece só uma tentativa de chamar atenção. Se a série representasse fielmente o que está nos livros e não os resumisse teríamos duas situações: 1) Cada temporada teria 142 episódios e 2) Gente sem noção como quem escreveu esse texto acamparia na porta da HBO “exigindo” que a série fosse tirada do ar. (por sem noção, leia-se alguém que quer justificar atos da idade média com conceitos da sociedade atual.)

  • Gabriel Petermann

    Só penso uma coisa. Ok, tudo bem. Pode ter desrespeitado a imagem das mulheres na cena e tals. Mas ficar comparando personalidade dos personagens do livro com os da série é besteira. Já passou da hora para perceber que uma coisa não é a outra.

  • Ordonary girl

    Daeneyers também tem muito poder, minha preferida

  • Nikolas M. Fortes

    Concordo com a maioria do que vc escreveu. Só pra constatar: quem não quis mais fazer cenas de nudez, se não me engano, foi a Emilia (Daenerys), mas parece que voltou atraz pq logo nos proximos episódios ela apareceu peladinha pro Daario (a cena que ele leva as cabeças dos parceiros dele pra ela).

    O seriado mostra sim várias personagens femininas poderosas, essas que você citou são belos exemplos. Margaery também foi mostrada tendo grande influencia na cabeça do Joffrey (aquela cena dele se mostrando pra ela com a besta, a cena dele questionando ela ir ate o orfanato, e a cena dela fazendo ele acenar para o público no septo, são grandes exemplos disso).

    Minha maior crítica na série atualmente é a desconstrução de personagens. Stannis não é de longe o que ele é nos livros. Oberyn ta decepcionante pra mim (ao inves de mostrarem um cara inteligente e temido, mostram um viciado em sexo que fala bem e odeia Lannisters). Loras é outro que foi desconstruído, passou de um dos melhores cavaleiros de Westeros à um gay que flerta com todos e que nem lembra quem Renly é. Daario não é nem sombra do que ele é nos livros .. enfim, ta foda isso mesmo !

  • Dechiriko

    tive a mesma impressão que o diretor, ela resistiu no começo e o jamie forçosamente começou, mas pouco depois ela passa a colaborar, o que no meu entendimento significa consentir, se isso justifica ele ter começado a força ai realmente é difícil dizer.

  • PHSA

    Além disso, a galera se preocupa com o que os outros vão achar de uma cena de estupro em série de TV. Cara, é uma série que se passa em uma suposta era medieval. O que eles querem? Mulheres sendo presidentas? Sei que é uma cena que faz vc refletir e ficar um pouco perturbado, mas se eles não colocarem essas características, principalmente a de ALGUMAS mulheres não sendo importantes, deixará de ser medieval. O que não acontece nos livros. Vemos mulheres importantes, mas em algumas cenas vemos elas serem meio que descartadas e subestimadas. Essa mudança não achei que foi muito boa, não que foi tão ruim como a Lidiany colocou, mas preferia a cena dos livros. Porém, a um ponto a se observar: nos livros o Jaime acabava de chegar, morrendo de saudades de sua amante. Na série, ele já ali a um tempo e pra acabar de completar foi rejeitado pela Cersei, o q com certeza aumentou sua vontade e q fez ele meio que forçar a situação. Foi estupro? Foi. Mas na Idade Média existiam inúmeros, só não eram divulgados pq quem praticava era nobre e rico.

  • Guest

    Poxa, pq meu comentário foi excluído? ele não era misógino

  • Diego Paiva

    Realmente, não sei em que universo essa cena reforçaria a “cultura do estupro” que supostamente está tão “enraizada” em nossa sociedade (me desculpem, mas textos e comentários sexistas me dão preguiça). Quer dizer que as decapitações, apologias à pedofilia, incesto e inúmeros outros pontos bastantes explicítos no contexto da história e da época em que a mesma se passa estão ok, mas essa cena não… é isso?

  • eu também.

  • Hailes Andrade

    Não acho que foi estupro. Pelo que lembro ela negou com palavras, mas a resistência foi superficial e inicial, depois ela estava concordando com o corpo, não? Acho que é esse o jogo de poder que o autor fala.

  • Otávio Ornelas

    Não acredito que seja uma questão dos criadores odiarem as mulheres, mas sim de usar os temas atuais, machismo e feminismo, como forma de polemizar e causar o impacto da série. Realmente abusam da imagem construída da mulher na época medieval, e usam isso como forma de chamar a atenção. Pra mim a cena não foi horrível e desnecessária por desmerecer as mulheres (afinal, o papel dela visto pelas sociedades medievais era realmente esse), mas sim por terem quebrado o desenvolvimento incrível e me arrisco a dizer um dos mais trabalhados de todos os personagens, o de Jaime. Assim como foi dito, ele impediu o estupro de Rhaella e de Brienne, e agora abusa da Cersei como se encarnasse uma pequeno pedaço de Robert. Jaime jamais faria isso, principalmente depois de toda a estória passada com Brienne, onde os dois se aproximaram e o Jaime descobriu um novo lado em si mesmo. Relembrando também que não é a primeira vez que isso acontece, na cena em que Bran avista os dois juntos e logo em seguida é arremessado da torre, é possível ver uma resistência ao ato sexual de Cersei para Jaime. Uma cena desnecessária e horrível de se ver (pelo menos pra mim).

  • Joao Palmadas

    Ok, eles não deveriam ter escrito essa cena. eu acho que eles queriam mostrar que a relação entre Jaime e Cersei é doentia, mas poderiam fazer isso sem mostrar um estupro. (Agora admito que foi um estupro).

    Mas eu acho errado dizer que a série é contra as mulheres. Na verdade, os dois sexos sofrem barbaridades nessa história. Alguma mulher sofreu tanto quanto o Theon? Alguém pensou em criar um exercito de mulheres castradas, como os imaculados? E o que Jorah diz a Dany, sobre os castrados, que eles são bons porque, entre outras coisas, eles não estuprarão ninguém. A série mostra um mundo em que todos sofrem.

  • Vc está certa Thais, mas foi por isso até que usei o termo feminista entre aspas, indicando que não estava expressando o conceito exato do termo. O que eu quis dizer é que a Cersei, embora não levante mesmo uma bandeira feminista, é um exemplo de mulher que se revolta com o sistema machista dos Sete Reinos e não gosta de se submeter a isso.

    Quando você fala que ela é o inverso, por desprezar as mulheres, eu na verdade enxergo isso de outra forma. A Cersei é uma pessoa que despreza e odeia outras pessoas. Não homens, ou mulheres, mas sim pessoas. Não acho que ela faça distinção de gênero com isso. Quando ela diz que queria ter nascido homem, ela está dizendo que gostaria de ter nascido com as mesmas possibilidades dentro daquela sociedade, porque as mulheres já estão naturalmente submissas na cultura de Westeros. Não acho que ela quis dizer que queria ter um pinto. Ela só queria ter as mesmas opções do Jaime por exemplo. Entrar pra Guarda Real e lutar com espadas ao invés de ser obrigada a se casar com um bêbado nojento.

    Ela se considera uma leoa, e isso é sempre retomado nos livros. Por isso acho que ela representa, à sua maneira, uma figura sim de empoderamento da figura feminina.

  • thais

    “Agora uma dúvida, no livro a Dany não foi mesmo estuprada pelo Drogo?”

    Para mim, Dany foi estuprada. O “yes” dela não soa como um consentimento, soa como alguém escolhendo a alternativa menos ruim. Ela casou contra a própria vontade, o sexo que ela faz, inicialmente, é puramente por obrigação. Ela sabe que tem que fazer, não significa que quer. Aliás, eu acho todo o desenrolar da relação deles bem problemática. Tenho uma teoria de que parte da paixão que ela desenvolve pelo Drogo é sintoma de Síndrome de Estocolmo (embora, no fim das contas, tenha servido como uma forma de empoderamento para ela).

  • Vinicius

    Só para lembrar Thaina, o roteirista neste caso é o próprio autor dos livros: George R. R. Martin

  • Cindy

    Concordo, Dany foi estuprada no livro também, ela não teve escolha.

    Sobre o Jaime, estragou o personagem? Hã? Jaime não é nenhum santinho não, todos esqueceram o que ele fez no passado? O jeito que ele empurrou o bran sem nenhum remorso masmorra abaixo? O primo dele que ele matou ?

    Joffrey espancava/mandava espancar a Sansa nos livros quando estava com raiva, isso nunca foi mostrado na série!!!

  • Sobre Yara, Felipe, até falei “Asha” e depois coloquei entre parênteses porque realmente no livro ela expressa muito mais isso. Tanto que ela se diz capaz de sentar no trono do pai e comandar os Homens de Ferro, e muitos acreditam e de fato querem ela nessa posição.

    Meu comentário foi, talvez até de forma equivocada, muito voltado para os livros. E lá não vemos a Olenna ter tanto destaque quanto na série, mas sim, ela é um ótimo exemplo!

    O amor de Drogo e Daenerys é uma coisa que eu posso garantir que muitos dos telespectadores amaram na série, e eu sei disso porque todo mundo que eu convenci a ver e que não leu os livros sempre lembra do Drogo e da relação dele com a Dany, então acho que funcionou bem o que fizeram nesse núcleo.

  • Flaviani Cunha

    Concordo. E relendo o trecho do livro o contexto é novamente explicitado. Na série, isso fica a cargo do espectador. Eu não vi como um estupro, mas sim como uma das muitas sessões de sexo deles: em local impróprio, apressados e até com medo de serem pegos. Talvez por isso ela tenha “resistido” mais, mas não deixaria ele “concluir” se não quisesse. Ela tinha este poder sobre ele.

  • Cindy

    tem beleza nenhuma entre a primeira noite de dany e Khal, apenas que pela pov dela, ela tentou romantizar a cena, mas ela mesma disse que estava com medo, que ele foi bruto e que ela foi forçada a dizer um sim praticamente….

  • Felipe Bini

    Você acredita sinceramente que o que Benioff e Weiss fazem é simplesmente resumir os livros? Não acha mesmo que não são promovidas mudanças deliberadas e muitas vezes desnecessárias por interesses próprios?
    Acho que tá faltando aprofundar um pouco a análise aí, não é tão simples quanto você parece achar.

  • Thalles Lucas

    Cara, atitudes boas não tornam a pessoa boa. Só porque ele é contra não quer dizer que ele não faz. Isso normalmente se chama hipocrisia. E Jaime é hipocrita. Só lembrando que ele e twyin arranjou o estupro da mulher do seu irmão simplesmente porque ela não era nobre. Agora me fala que isso vai contra a personalidade da pessoa, por favor né. E para ele aquilo não foi estupro porque Cersei pertence a ele, Jaime é obsessivo e impulsivo quando se trata de Cersei. Ele não liga se ela não quer se é seu filho morto ou que ela é desprezivel, ele só importa só com ele por isso é chamado de homem sem honra.

  • Elivelton santos

    A cena do Jaime e da Cersei pode até ter sido realmente um estupro , mas a matéria foi um tanto quanto muito dramática , é como se só as mulheres sofressem neste mundo criado pelo Martin.

    A minha visão é que o universo de GoT é um lugar implacável , perigoso ,hostil , independente de sexo ,crença etc. e se você não estiver preparado para este mundo você vai acabar sendo manipulado ou morto

    A morte da Ros e da garota morta pelo Ramsay foi apenas para mostrar o quanto este mundo é perigoso , e em um mundo onde existem tantos psicopatas você precisa saber jogar o jogo ,para não acabar morto , Ros foi morta pq era uma espiã , não pq era uma prostituta ou uma mulher.

    Cada um tem uma opinião , e eu acho que em GoT não existe esta discriminação toda com as mulheres … acho que não existe nem uma discriminação. Poxa , assim como existem mulheres sendo torturadas manipuladas mortas e etc. também existem muitos homens passando por isto ,como por ex. os imaculados que foram todos cortados , ou o Theon que é tratado pior que um animal e etc.

    Não quero fazer alarde , só minha opinião.

  • Joao Palmadas

    Hey, a Ellaria gosta de sexo, como seu amante Oberyn. Gostar de sexo é crime? E a violência vem dos homens e das mulheres também. A Arya é uma grande assassina e ainda nem é adolescente, nos livros. As filhas do Oberyn tiveram que ser presas, senão começariam uma guerra louca contra o trono de ferro. A filha de Doran Martel manipula cruelmente e cinicamente o cavalheiro Arys Oakheart. A Shae trai o tyrion e a vovó Olenna mata Joffrey e arma para parecer o Tyrion. Eu não estou dizendo que estuprar a Cersei não foi vítima. Estou dizendo que homens e mulheres sofrem na série, nas mãos uns dos outros.

  • Felipe Bini

    A indignação vem do fato de que temos um material original que mostra claramente o quão superiores em qualidade poderiam ser os arcos da série (se se quisesse), e de cenas modificadas como esta mostrarem claramente quais são os propósitos com as mudanças: não são inocentes, não são sem querer, não são pensadas para melhorar a série, são simplesmente apelação para causar impacto visual com sexo e gore e burburinho entre as audiências.
    O questionamento é: se temos um Jaime (um exemplo, mas se aplica a vários personagens) mais bem trabalhado, cuidado, detalhado e coerente, vale a pena modificar o modo como o autor cuja obra se está adaptando o caracterizou só pra chocar mais? Porque é isto o que acontece. E não, eu não acho que isso justifique mudanças desse calibre.

  • Luciana Etrigan

    Na cena de Daenarys e Drogo me parece que ocorreu sim um estupro, que no entanto estava explicada pelo contexto, já que muitas vezes era parte do “pacote” de casamento (uma vez que elas não podiam realmente escolher com quem casar ou ter sexo ou procriar). Mas esta cena de Jaime e Cersei…equivocada do ponto de vista do personagem, principalmente Jaime (a não ser que ele se torne outra pessoa na série, muito diferente do que é nos livros), sem sentido e obviamente ignorante quanto a capacidade crítica do público da série.

  • thais

    “Mulheres são vítimas de violência nos livros/série? Sim. Mas os homens tbm são.”

    Esse seu argumento não se aplica ao tipo de violência discutida no post, que é a violência de gênero. Ou seja, as mulheres, além de estarem sujeitas à mesma violência que os homens estão, estão sujeitas também à violência motivada unicamente pelo fato de serem mulheres.

    Como o estupro como uma forma de demonstração de poder, por exemplo. Pensando nesse universo, se um grupo de mercenários resolve invadir uma fazenda para roubar os mantimentos, eles vão estuprar e matar as mulheres e depois matar os homens. Percebeu aí onde se encontra a violência extra?

    Seria como dizer que não existe violência decorrente da homofobia porque heterossexuais também sofrem com violência urbana.

  • Felisberto Albuquerque

    Assunto pesadíssimo este… Como citei em um dos meus comentários de hoje: Esta cena foi chocante.
    Não esperava a completa falta de consenso de Cersei a Jaime.
    Mas se entrarmos no mundo de ASOIAF o que teremos? Os mais fortes explorando os mais fracos. Velhos e crianças que não podem se rebelar servindo aos mais fortes. Mulheres sendo estupradas e usadas como brinquedos para a perversão e diversão de outros. Mundo difícil para os fracos, pois não tinham a quem recorrer. Stannis seria um exemplo que mais se aproxima de uma justiça: Seus homens são proibidos de efetuar estupros e o saque é permitido por um curto período de tempo.
    Um mundo cruel… é óbvio que teremos cenas cruéis. Mulheres em um mundo assim serão sempre alvo de quem queira tirar vantagem. Mas temos expoentes, vide Brienne, que tem a capacidade de enfrentar a grande maioria dos homens de Westeros e Essos… a mesma Brienne que foi salva do estupro justamente por… JAIME. Que coisa não…
    Em ASOIAF e GoT temos um mundo com leis medievais em guerra… os mais fortes vão sempre buscar a sobrevivência buscando vantagem sobre os mais fracos…e isto significa entrar em uma taberna beber todo o vinho, comer toda a comida e não pagar… Além disto estuprar a filha e a mulher do estalajadeiro… Coisa simples e básica. Agora se em toda estalagem tivesse um Sandor Clegane os caras iriam pensar duas vezes antes de fazer isto. O mesmo Sandor que no capítulo seguinte rouba na cara dura a prata de um fazendeiro por julga-lo incapaz de sobreviver as dificuldades que se aproximam com o inverno.
    Jaime salva Brienne do estupro eminente dos homens de Locke e episódios mais tarde estupra a irmã… Sandor toca o foda-se em uma estalagem e queira ou não salvou o estalajadeiro de um prejuízo maior e a filha (ou esposa sei lá) de um estupro… mas rouba um fazendeiro no episódio seguinte…
    ASOIAF e GoT… personagens cinzas…. dificil de julgar…

  • Bel Ribeiro

    Muito, muito obrigada pelo texto, Lidiany. Belamente escrito e transbordando o bom senso que falta em muitos. Parabéns!

  • Felipe Bini

    Loras foi seduzido como um inocente por este mesmo “loiro” a quem você se referiu (Olyvar, funcionário do Petyr), a quem contou diversos segredos como uma Sansa Stark, e flertou com Oberyn Martell no Purple Wedding (e aqui se desconstruiu tanto os sentimentos de Loras por Renly, quanto a rivalidade entre Tyrells e Martells).
    Lembrando que o Loras dos livros entra em modo “berserk” depois da morte do Renly (matou dois colegas da Rainbow Guard), e profere a histórica “when the Sun has set, no candle can replace it” sobre o finado Baratheon.

  • Joao Palmadas

    Uma coisa: nos livros, pelo menos dois comandantes castram os homens que estupram mulheres civis durante ou depois dos combates: Stannis Baratheon e Randyll Tarly (e na muralha tem um monte de estuprador que preferiu vestir o negro a ser castrado). Está certo eles fazerem isso com estupradores?

    Antes de responder, considerem uma coisa: Naquele tempo, não havia um sistema prisional como o de hoje, manter muita gente numa penitenciária era quase impossível e poderia até gerar revolta do povão (afinal, homens honestos passam fome enquanto criminosos comem às custas do Estado…). Então, não havia muito como castigar estupradores com uma longa sentença na prisão. As alternativas eram a castração ou a pena de morte.

  • Nikolas M. Fortes

    Ce ta zuando neh cara ? Loras ja foi pra cama com esse mesmo loiro do Mindinho, foi assim que ele descobriu o plano Tyrel de casar Loras com Sansa. Fora o flerte dele com Oberyn (achei MUITA sacanagem, as duas famílias se odeiam porra, mas na série eles nem cogitam mencionar isso).

    SPOILERS ABAIXO
    .
    .
    .
    .
    .
    .

    Nos livros Loras ama Renly eternamente, deixa claro isso em várias passagens (ao pedir um duelo com Brienne assim que ele a vê, ao dizer que nunca se casará e ainda diz algo como “quando uma chama se apaga não tem como reacende-la”, sei-la). Loras é muito mais foda nos livros, ele até vai tomar Pedra do Dragão quase igual um louco e acaba se fodendo por causa disso, tudo pra depois poder ir até Campina, quando soube dos ataques de Aegon.

  • Joao Palmadas

    A história se passa num tempo e num lugar onde estuprar mulheres é algo comum. Não é a “idade média”, mas é parecido.

    E a época era ruim para todos, não só para as mulheres.

  • Felipe Bini

    Também concordo com tudo. Essa desconstrução do Oberyn eu já tinha previsto e foi exatamente o que aconteceu, e acabou sobrando até pro Loras.
    Infelizmente acho que GRRM não vai ficar criticando abertamente esse tipo de situação e nem mesmo dar toques offscreen pra D&D, ele já falou repetidas vezes que “a série é filho deles e os livros meu”… E pode ter certeza que nas próximas temporadas, em que não vai haver mais material original pra se apoiar, vai virar mais fanfarronice ainda.

  • Joao Palmadas

    Verdade. O Ted Bundy existiu. O Ted Bundy foi um monstro. Gente como o Ted Bundy faz parte da realidade, infelizmente. E, quando escrevemos uma obra de ficção, usamos elementos da realidade.

  • Luyse

    Provavelmente não pensaria mesmo hahaha concordo que as ações dela são brutais e muitas vezes estúpidas, mas que sangue seja pago com sangue. A questão é que a série vez uma jogada muito errada nessa trama, pois atingiu o público feminino de uma maneira covarde. Minha opinião é que pela história possuir personagens que erram E acertam, não devia existir o pensamento de “ela(e) merecia”, afinal vários personagens legais sofrem/morrem e quem se atreve a dizer quem merece o que?

  • Felipe Bini

    “Jamie”

  • Najara Bertoli

    Eu também estou com um gosto amargo na boca desde que vi a cena. Não cheguei a ver direito, porque a cena em si do septo já me incomodou bastante no livro (incesto + local sagrado + filho morto), por isso não foquei tanta atenção quando apareceu na série – apesar de concordar que é uma passagem chave para os dois personagens, e no livro acho que ela não deveria ter sido excluída por nada. NO LIVRO. Mas, como eu não prestei muita atenção, não notei logo de cara que tinha sido um estupro (notei os vários “nãos” e notei que aquilo estava me incomodando mais do que deveria, mas fiquei em negação até sair os comentários dos produtores/diretor/GRRM).
    Agora que eu me convenci que fizeram a besteira mesmo do estupro, eu estou simplesmente triste. Mesmo com o episódio parado, eu tinha gostado muito, mas agora meio que ficou ‘manchado’. Com uma cena mal pensada estragaram a personalidade dos dois personagens, todo o contexto que seria passado, e a redenção do Jaime. Foi simplesmente absurdo.
    Pior ainda são os comentários ao redor disso. No reino de ASOIAF tanta misoginia não é incentivada. Estupro é considerado errado tanto quanto é na nossa realidade, embora com as guerras e com o patriarcado (tirando Dorne que parece ter as leis dos sonhos). Então, não aguento quando tentam me fazer aceitar isso porque “lá é normal” ou porque eu preciso parar “com falso moralismo” ou o pior de todos “a Cersei mereceu porque é uma puta”. Agora o diretor se superou falando que a ideia era fazer as pessoas se simpatizarem com o Jaime porque ele não ama mais a Cersei e demonstrou isso com violência.

  • Felipe_Arryn

    Eu acho q a cena da dany nao foi ruim,pois deu um impacto maior na mudança de personalidade dela,a da cersei/jaime eu nao gostei nem um pouco,mas nao sei se concordo com vc que a serie seja misoginia,acho que a serie tem mtas personagens feminas de grande importanca:margaery,olena,ygritte,arya,sansa,dany,a cersei,mas eu acho que entendo seu ponto de vista e concordo que tem mta cena desnecessaria de violencia/sexo envolvendo mulheres..

  • Rodrigo

    Tirem as crianças da sala, e alguns velhos também. A série passa numa época na qual o respeito pelas mulheres é muito pequeno, para não dizer nulo. Entretanto, discordo que as mulheres são apenas fantoches, elas são o centro da trama, tudo acontece por causa delas.

  • Najara Bertoli

    Também fiquei meio “e.e” com essa cena do Sandor. E concordo com você, mudanças na série dá pra aguentar, mas ficar avacalhando a obra do GRRM assim já é demais.

  • Ludi Fadel

    Mto obrigada por esse texto. eu realmente achei q fosse a única incomodada com as mudanças , no plot Jaime/Cersei e em relação ao poder das mulheres da história na série.
    Sei que a adaptação sofreria mtas mudanças, o q é normal, mas oq estão fazendo com as personagens femininas, e mesmo com a ‘redenção’ do Jaime (uma das minhas favoritas no livro) é repugnante. Como eu jamais poderei apoiar um cavaleiro que estupra uma mulher? Foi um absurdo e m,anchou completamente o bem que ele intende fazer, principalmente a partir da Brienne. Já estou antecipando q ela virará peão pra ele completar seus “propósitos cavalheirescos” na série ¬¬

  • Eduardo Amorim

    Acho q vc entendeu errado ela está escrevendo sobre os Produtores D.B e D.B.W e não do GRRM

  • Carolina Alvarenga

    eu concordo com vc tem a brienne tb.

  • Andrea Lanna

    A série é uma adaptação? Ok. Aceitar o ponto de vista da série? No, thanks.

    Cada vez gosto menos da série. E talvez o motivo mais forte seja justamente os roteirista eliminarem o que me dá mais tesão na leitura do Martin: a sociedade descrita nas crônicas é machista, Westeros é um lugar hostil às mulheres, mas personagens femininas não são secundárias na trama. Elas tem voz, são peças tão centrais quanto os homens na guerra dos tronos.

    A série pode seguir uma narrativa diferente dos livros, mas nem a guria que escreveu o post, eu ou qualquer outra pessoa é obrigada a gostar. Ou concordar.

    E a discussão vai além de ser igual/diferente: é de assistir cenas de agressão a mulheres gratuitamente, sem a menor necessidade na condução da narrativa. O George Martin mostra isso ao longo dos livros. Mas assim como peitos e cenas de sexo consentido vendem, cada vez mais percebo que cenas de estupro também são comerciais. E isso me dá ânsia de vômito.

  • Tamir M. Silva

    Eu fiquei realmente incomodado com a cena, quando a li nos livros eu pude realmente entender a dependência e a complexidade da relação dos dois, na serie eu só conseguia pensar “que porra que ta rolando?”, descaracterizaram toda a ideia construída para esta cena, fizeram mais uma cena de estupro pra chocar. E agora? Cersei vai odiar o Jaime na serie como odiava Robert?

  • leandrosr

    Pessoal, não é por que a série tem temática medieval que dá pra engolir tudo não. O que está se questionando é o porque mudar uma cena de sexo consensual para uma de estupro se essa cena em específico marca a mudança de comportamento do Jaime. O que estamos questionando é por que os produtores/ roteiristas/ diretores fizeram uma mudança desse tipo em que a maioria que viu, concorda que foi um estupro e eles defendem que não.

  • Leia novamente Roberto.

  • Carol Gomez

    Na parte do casamento da Dany, mostra várias vezes como ela está insegura e com medo da consumação e quando eles finalmente ficam a sós ela reage assustada como a criança que é quando tudo acontece. Mas, antes que Drogo, faça realmente algo ele pergunta a única palavra que sabia na lingua comum “não” e ela fala “sim” e guia a mão dele.

    No ínicio ela realmente não estava de acordo, mas passou um momento. Estupro, não foi.

    “Pareceu que se passaram horas antes que as mãos dele se dirigissem por fim aos seus seios. Afagou a suave pele da base até deixá-la num torpor. Rodeou os mamilos com os polegares, beliscou-os entre o polegar e o indicador, depois começou a puxá-los, muito levemente a princípio, depois com maior insistência, até que enrijeceram e começaram a doer. Então parou, e puxou-a para o seu colo. Dany estava corada e sem fôlego, com o coração a palpitar no peito. Ele envolveu seu rosto nas mãos enormes e ela o olhou nos olhos.

    – Não? – disse ele, e ela soube que era uma pergunta. Tomou- lhe a mão e a dirigiu para a umidade entre as coxas. – Sim – sussurrou ao introduzir o dedo dele dentro de si.”

  • Já havia comentado antes por aqui também que temia que a série virasse uma segunda versão de True Blood…pois é exatamente o que está acontecendo.

  • Se lembre dessa cena quando uma mulher te disser não. Na minha cabeça, não só tem um significado.

  • Não achei que pareceu estupro. As cenas com a Dany e o Khal Drogo pareciam bem mais estupro que essa da Cersei e do Jaime.

  • jorge_lito

    Danosse. Tá pensando em abandonar a série por causa disso?
    Ramsay é pior nos livros do que na série, Theon também antes de virar Fedor, sem contar no Montanha é claro…
    Além claro nos Saltimbancos Sangrentos que na série nem existe…
    E tanto na série como nos livros já mostraram violência contra ambos os sexos.
    Não me entenda mal. Concordo 100% com a sua análise, a cena entre Jaime e Cercei foi muito mal caracterizada, só que tem horas que te acho feminista demais…
    Agora, abandonar a série por causa desse tipo de violência é um exagero, pois nos livros os personagens são bem mais violentos…
    Quantas personagens femininas fortes tem na série, uma quantidade considerável, não vou nem citá-las porque nem precisa.

    E mais o elenco feminino de Game of Thrones é MUITO MAIS talentoso que o masculino…

  • Não por causa desta cena em particular, mas por causa de tudo que escrevi…

  • Geovane Sousa

    Só não acho que os roteiristas odeiem as mulheres. A maior heroína da história é exatamente uma mulher: Daenerys. Arya é uma das personagens mais queridas do público. Cersei carrega o título de principal antagonista da história. Stannis é um fantoche na mão de Melisandré, outra mulher com muito poder nas mãos. Asha é uma mulher forte e decidida, se comparada ao irmão Theon, que por sua vez foi mais violado que qualquer mulher da série. Olenna tem mais sabedoria que todos os homens da história – e não se cansa de se desfazer deles em qualquer oportunidade. Acho que ao se fazer um texto desses, deve-se analisar todos os lados da história. As mulheres da série realmente tem passado por situações grotescas, assim como os homens, mas, ao meu ver, Game of Thrones é bem mais feminina que masculina.

  • Ruy Lozano

    Na última temporada, Theon Greyjoy foi mutilado e castrado, sendo seu órgão genital enviado de “presente” à família. Jaime Lannister teve a mão decepada e foi obrigado a beber urina. Em ambos os episódios, põe-se em xeque a masculinidade e a “hombridade”. Isso significa que o autor e os produtores são misantropos (odeiam os homens)? Talvez eles o sejam em sentido mais amplo: eles têm uma visão muito negativa do ser humano em geral. A verdade é que a carga de violência em Game of Thrones é enorme, a narrativa é sombria e desesperançada, e afinal é isso o que magnetiza os espectadores, pois fala com o que pensamos do mundo contemporâneo. A cena envolvendo a rainha e seu irmão pode ter sido indevida em função do desenvolvimento da história, por quebrar um “arco” importante na sequência do personagem Jaime, mas reclamar da violência diante do desfile de vandalismos com o ser humano que há em Thrones (e, por que não dizer, infelizmente, no mundo real?) não procede. Não se assiste a uma série como essa esperando comportamentos edificantes.

  • Guest

    “O relacionamento de Jaime e Cersei que é o que dá o tom dessa série de
    livros e TV. Quando pensamos em Game of Thrones, pensamos em incesto e
    no Bran sendo jogado pela janela e em todos os desdobramentos disso.”
    Desculpa minha cara… mas pra mim o que define ASOIAF e GoT é a morte de Ned… Simples assim… Eu me lembro de ter ficado em pé a frente da TV e apontando pra tela e minha esposa falando atrás de mim: Eu não acredito que ELE MORREU…
    Depois eu fiquei sem palavras… queria deixar de assistir…
    Aquilo mostrou que ninguém esta seguro em GoT e principalmente que as tomadas de decisões dos personagens tem consequências mais a frente.

  • thais

    Discordo totalmente.

    “Cersei […] é um exemplo de mulher que se revolta com o sistema machista dos Sete Reinos e não gosta de se submeter a isso.”

    Em nenhum momento da história, absolutamente nenhum, a Cersei se revolta com o sistema machista. Embora ela seja uma das maiores vítimas das agressões que a sociedade impõe naturalmente às mulheres, ela é também uma das principais replicadoras desse comportamento. A isso a gente chama misoginia internalizada. Ela cresceu nesse ambiente e é nisso que ela acredita.

    Ela pode até desgostar de pessoas em geral, mas ela faz, sim, distinção de gênero. Ela considera, sim, mulheres inferiores e mais fracas. E eu concordo quando você diz que ela acha que deveria ter nascido homem por causa do poder, mas considero isso como mais um dos fatores que mostra a misoginia dela.

  • Felipe

    Concordo com algumas coisas citadas no texto e discordo de outras.
    A cena de Jaime e Cersei no septo foi sim um estupro, e além de ter sido mal executada foi uma incoerência para com a transformação que Jaime vem sofrendo desde a temporada passada. O que o diretor disse sobre a cena não faz nenhum sentido. E concordo que a morte de Ros foi completamente banalizada, assim como sua personagem em si foi introduzida para atender os caprichos de outros homens da trama.
    Mas discordo quanto o fato da série colocar as mulheres como fantoches dos homens. O exemplo da mulher caçada por ramsey é ridiculo. Além de trazer uma mulher ao seu lado ( o que mostra que ele não persegue a outra por ser mulher, só porque é louco), ele tortura theon por uma temporada inteira ( mesmo theon sendo homem)
    Não acho que os produtores da série usem mulheres como fantoches, só acho que a construção de personagens é que muitas vezes é mal feita. O Stannis é um exemplo disso, pois para os espectadores da série ele é só um fantoche da Melisandre. O próprio Robb Stark temporada passada foi apresentado como um burro, apesar de ter sido bem aconselhado por sua mãe.
    Não acredito que as mulheres sejam menosprezadas pelos produtores da série, só acho que muitos personagens em geral são mal construidos. E se pensarmos que todos os personagens ( incluindo o poderoso tywin e o inteligente tyrion) são peças de tabuleiro dos dois grandes jogadores do jogo dos tronos, essa tese tem ainda menos respaldo.

  • Ananda Brenda

    Opiniões muito divididas neste post. Concordo com alguns e discordo de outros. O que posso dizer é: Foi um estupro? Não sei. Pareceu um? De certa forma, sim. Uma mudança de diálogo e todo esse reboliço teria sido evitado.

  • Georges Neves

    …na idade média era bem diferente que a “estória” de a Raponzel ou Cinderela, repudiar as cenas tá tranqüilo, lutemos para mudar, a sociedade é viva, estamos a caminho da evolução ou da sua extinção…mas fazermos de conta que não existiram coisas do gênero ao longo da nossa “HISTÓRIA”…acho uma sindrome do politicamente correto exagerado…

  • Lucas Emanoel Janke

    Eu concordo que a cena foi muito ruim – e concordo que a série tem problemas com a questão – , mas…

    “chego à conclusão de que, apesar da sensação de estarem no poder, as mulheres de Game Of Thrones são meros peões nas mãos e nos jogos dos homens”

    …é uma conclusão exagerada, que despresa muito dos acontecimentos da série. Afinal a maioria dos personagens de Game of Thrones são peões na mão de pessoas mais poderosas;

  • NINGUÉM merece ser estuprado. NINGUÉM. Não interessa o caráter da pessoa, não interessa quem ela é, com que roupa está, NADA justifica um estupro. Se isso ainda não ficou claro, a gente pode desenhar pra você.

  • Anníbal Canizio

    Entendo o sentimento da autora do texto e de todos que se ofenderam pela insinuação de estupro, sou totalmente solidário aqueles que se preocupam com o perigo da tolerância com eventos de sexo sem consentimento expresso e consciente.
    Não obstante, no meu entender a cena queria passar toda a frustração e impotência que o Jaime experimentava. A cena evidencia a inferioridade de Jaime e não dá Cersei.
    De forma alguma acredito em misoginia por parte do Martin ou dos produtores dessa obra ficcional que não pretende ser uma bandeira de educação comportamental para os tempos atuais, mas que serviu para reflexão sobre um importante tema.

  • Gabriella Borges

    Vou sair em defesa da série. Apesar de uma fantasia, podemos identificar que o período histórico é equivalente a nossa Idade Média. Período desse onde as mulheres praticamente não tinham qualquer valor social a não ser abrir as pernas, seja para serem penetradas, seja para parir. Então, o que vemos nada mais é do que um retrato de um período que foi bem real.

    “Ah, mas nenhuma das cenas aconteceu assim no livro”. Além daquela velha questão de público/mídias diferentes, o livro tem como amigo o tempo. A série não. É possível mostrar a crueldade e brutalidade, do tempo e dos personagens, de outras maneiras. Afinal, já são mais de 5 mil páginas. Sobra tempo e espaço para que a exposição se dê de outra maneira.

    Não que eu defenda ou ache legal cenas de estupro. Longe disso. Apenas acho justificável. Pra mim seria inadmissível ver isso em séries modernas/atuais, ou até mesmo em fantasias do tipo “True Blood”, que, apesar de fantasias, se passam no hoje. Um período em que não não cabe reforçar uma cultura machista e misógina. Pelo contrário, é preciso combatê-la.

  • Thamy

    Que babaquice sem tamanho essa que você escreveu. Ninguém merece ter seu corpo invadido Karla, por motivo nenhum. Deus te livre disso acontecer um dia com você.

    E a respeito da cena entre Drogo e Daenerys, acredito que tenha sido pra mostrar uma certa “ingenuidade” da personagem, já que nos livros ela tem só 13 anos (se não me engano) e na série ela é bem mais velha.

    Só teve uma coisa que não concordei no texto que foi a parte que Dany foi forçada a aceitar o sexo nos livros. Gente, em qual mundo forçar uma pessoa a aceitar sexo não é estupro?? Pelo que eu me lembro dos livros, rolou um carinho, uma provocação, uma sensualidade antes dela dizer sim.

  • Marianna Straccialini

    Só pq um parece “mais” do que outro, não significa que não tenha sido o.õ

  • Felipe Bini

    Eu não disse que um ato bom torna a pessoa boa. Ao contrário, você parece presumir que um ato ruim torna a pessoa capaz de qualquer ato reprovável. O Jaime é um dos personagens mais cinza da série, não concordo que ele só se importe consigo mesmo.Claro que ele não é nenhum santo, mas ajudou Brienne, por exemplo, sem ter nenhuma vantagem por isso. E ele não arranjou o estupro de Tysha com o Tywin, ele foi parte do plano do pai ao dizer aquilo para o Tyrion. Essa hipocrisia de que ele seria capaz de estuprar a irmã, a meu ver não passa de suposição. Inclusive pela própria existência de declarações dele em contrário (quando poderia não haver nada). À luz disso tudo, eu sinceramente não acho que seja condizente com o personagem. Não sou cego, é claro que ele continua sendo moralmente ambíguo em vários aspectos (ameaça catapultar crianças, por exemplo), mas não acho que ser capaz de estupro seja um deles, muito menos tão naturalmente como se faz parecer.

  • Husky

    Um dos comentários mais sensatos que li dentre essa polêmica toda! Não vi ódio por parte do Jaime e não acho que tenha sido estupro, apesar desta cena grotesca e mal executada. Enfim, ótimo ponto de vista.

  • Fernanda Toro

    Obrigada pelo ponto de vista iluminador. Foi estupro, sim, ponto. Sem sentido colocar essas cenas que distorcem a história, afirmam um ponto de vista majoritário e opressor. Desnecessárias. Só outra normalização aparentemente “despercebida” de um ato de abuso sexual. E sobre a Catelyn, mais uma vez, muito bem observado (y).

  • Rodolpho R. da Silva

    Estamos no século XXI e ainda hoje há mulheres sendo apedrejadas por trair o marido, em vários países são proibidas de votar e estudar, e ainda por cima são alvos de estupros coletivos. É só abrir os olhos para a realidade para ver que a série não chega aos pés do que estamos vivendo hoje. Não estou dizendo que a série deva exibir esses tipos de cena, inclusive já disse várias vezes aqui que ela explora, e até de maneira exagerada, o sexo, mas acho que ela está seguindo um bom caminho e que está de acordo com a realidade vivida durante a idade média, e que infelizmente ainda vivenciamos.

  • Hailes Andrade

    Desculpa, não entendi o que você quis dizer ao falar que
    devo me lembrar dessa cena. Pode ser
    mais clara?

    “Não” só tem um significado. Mas nossa capacidade de expressão é bem mais que a língua falada. Você pode mentir, omitir, dissimular, induzir, enganar e até, simplesmente, falar a verdade. Por isso, nem tudo que se fala é realmente o que você quer dizer.

    Então, apesar de “não” só ter um significado, ele, assim como qualquer outra frase ou período, deve ser interpretado em um contexto.

    Ademais, se nossa capacidade de se expressar já não é suficientemente complicada, temos algo ainda mais complexo que é a psique humana.

    E nesse aspecto, podemos olhar a posição de dominante e dominador. Que pra mim, foi o que Alex Graves, quis dizer quando falou da luta pelo poder, que gera tesão pra os dois personagens.

    Algumas pessoas, ou em algumas situações, essas duas caracterizações aparecem e até nos instigam.

    Você vai ver isso bem nítido no sadomasoquismo ou bem tênue em alguns flertes ou cortes. Vai ver retratado em muitas mídias, principalmente quando o assunto é sexo (vide Instinto Selvagem.)

    Então, sobre todo esse prisma, pelo que lembro da cena, pela
    forma que aconteceu, pela maneira que Cersei se portou, não consigo chegar a essa conclusão que você chegou. Alias, discordo não só nesse ponto, mas prefiro me manter somente nesse ponto.

    Agora, me explique, o que você quis dizer, ao falar para me lembrar dessa cena?

  • drmingus

    Tento sempre ver a série dentro do contexto da estória que os produtores querem contar, então vou lhes dar o benefício da dúvida e não assumir que eles estejam pregando a misoginia, mas sim querendo contar uma estória onde o ambiente é claramente machista, mas onde as mulheres podem, de alguma forma, se sobressairem. Arya, Cersei, Daenerys, Catelyn, Margeary, Olenna, Melissandre são todas mulheres retratadas com personalidades fortes, forjadas, na maioria das vezes, pelas adversidades que encontraram pela frente. No caso da Cersei, acho que o estupro pode vir a ser determinante para a conduta dela a partir de agora.
    A mim, parece que o estupro simbolizou uma ruptura entre os gêmeos. Pela parte da Cersei, ela se viu usada sem consentir, da mesma forma como ocorria com o Robert, sendo um motivo gigantesco para ela romper com o Jaime, já que aquilo que o diferenciava deixou de existir. Pelo lado do Jaime, tomar Cersei a força contraria todo o sentimento de amor verdadeiro que ele tinha por ela e se, mesmo sendo contrário ao estupro, acabou por praticá-lo, talvez estivesse mandando às favas a própria imagem que ele próprio fazia dele mesmo de ser um homem fiel e apaixonado. É o que me pareceu, mas eu não acredito que essa tenha sido a visão dos diretores e produtores, e acho que os próximos episódios é que revelarão como isso afetou os dois personagens.

  • Felipe

    Oi Lidiany, permita-me elogiar a sua reflexão. Achei suas linhas sobre a Ros muito interessantes. Se me permite destacar dois pontos que me chamaram atenção e que de uma certa maneira, no meu entender, acabaram enfraquecendo os seus argumentos: o primeiro foi ter aliviado a barra do autor neste caso (Oras, ela foi estuprada em outras ocasiões. A sua motivação foi o ato ou o ator?) e o segundo foi ter recuado na primeira oportunidade que teve em abordar o tema temendo a reação dos haters (embora seja apenas uma reflexão, mesmo assim requer-se convicção na abordagem). Espero ter contribuído de alguma maneira contigo. Sobre a cena em si, eu devo estar meio desligado, pois para mim passarram despercebidas todas essas questões no momento em que assistia. De qualquer maneira, eu acredito que pela repercussão na gringa amanhã ou depois deverá sair uma retratação do autor e diretor (ambos pioraram a situação com suas declarações) e assim seguirá a vida tanto aqui quanto em Westeros. Abraços.

  • Roberto

    Obrigado pelo seu texto. Confesso que fiquei confuso quando vi a cena. Também devemos lembrar que infelizmente as mulheres da “Idade Media”, digo, principalmente nessa época, eram tratadas como propriedade dos maridos.

  • Ralf

    Parabéns, Lidiany. Pelo texto corajoso. Devemos denunciar, sim. Tudo aquilo que nos parece desrespeitoso, depreciativo, gratuito, ofensivo.

    Muitas das coisas chocantes que vemos na série, estão contextualizadas no cenário da trama, nas relações dos personagens tão bem exploradas, num contexto que poderia muito bem ser real, porque o autor, espertamente, procurou retratar seu mundo, como uma visão realista de uma idade média, apesar dos elementos imaginários.

    Os produtores da série procuram criar releituras dramáticas com o objetivo de atrair mais audiência, naturalmente, como qualquer produto televisivo busca. Muitas das mudanças inseridas na série, em relação aos livros, são até compreensíveis, para ajustar e encaixar dentro dos blocos do tempo televisivo, às tramas lançadas em texto pelo autor.

    Como fãs da série e, em alguns casos, dos livros, nos faz querer vibrar, torcer, acompanhar, debater em blogs como esse, curtir e nos entregar a esse universo tão fascinante.

    Isso não significa aceitar qualquer coisa que o Septão Martin escreva ou qualquer coisa que a série nos apresente.

    Assim, é lamentável que os produtores comecem a fazer concessões questionáveis em busca de mais audiência. A escolha pelo grotesco, pelo extremo, pela polêmica, pelo choque como elemento de fidelização. Esse jogo pelo trono da audiência não pode ser um vale tudo. As escolhas lamentáveis aproximam a série de produtos como Big Brother e derivados, novelas apelativas, programas de auditório, telejornais sensacionalistas e não é isso que os leitores encontram nos livros. O autor utiliza o status de literatura adulta com sabedoria, nos ensina grandes lições, conduzindo seus personagens com muita inteligência, valorizando aquilo que deve realmente ser valorizado.

    Os produtores deveriam se aproximar mais dos livros e já seria garantia suficiente de conquistar uma audiência sempre crescente.

    Enquanto, nós fãs, quando nos manifestamos, servimos de guia, de norte, oferecemos um feedback irrecusável aos produtores para que certas linhas não sejam cruzadas.

    É como o recado dado agora. Não devemos aceitar que um estupro seja explorado como um recurso para polemizar, para sacudir a platéia, para garantir a audiência. Devemos questionar, sim.

    Além disso, a cena do estupro só serviu para distanciar a série da essência dos livros e de seus personagens. Outro ponto negativo.

    Chega de sensacionalismos!!! Chega de desvalorizar o papel e o contexto das mulheres na trama!!! Chega dessa busca desesperada pela audiência!!!

    Mais fidelidade e a audiência responderá bem…

    Do contrário, o inverno chegará mais rápido para David Benioff e D. B. Weiss!!!

  • LyannaStarkWIC

    Totalmente desnecessária não só a cena do estupro, mas também a barbárie dos Thenns no ataque a aldeia. Achei muita apelação a carnificina e me senti muito mal com as palavras do Magnar com o menino. E olhe que não fico impressionada a toa, só até fã de Tarantino e tudo mais.

    O episódio teve vários pontos altos como as interações entre Olenna e Margery, Sansa e Mindinho, Pod e Tyrion que infelizmente foram ofuscadas por todo esse sensacionalismo.

    Sim, essa é impressão que tive, pois parece que essas cenas foram inclusas apenas para apelação e aumentar a audiência.

  • Memem

    O cara é muito mais forte que ela. Vai fazer o que, se ele já usou a força? Colaborando pelo menos quem sabe termine mais rápido, e nem por isso deixa de ter acontecido sem consentimento.

  • Eric

    Os acontecimentos de uma história não refletem necessariamente a opinião de seu(s) autor(es). A brutalidade e a injustiça estão lá, tanto na série como nos livros. Como disseram algumas pessoas, a vida é dura e difícil (mas não igualmente para todos, convenhamos, e poucas histórias deixam isso mais evidente como histórias medievais, fantasiosas ou não). Esse mundo misógino ao extremo é o mesmo dos livros. Mas eu tenho de concordar com a autora do texto que é estranho ouvir do diretor que “…se TORNA consensual no FINAL, por que qualquer coisa para eles resulta em tesão…”. O que foi então, um “meio” estupro?

  • Lucas Assumpção

    Espera aí, gente: vocês estão se esquecendo de uma coisa. A série As Crônicas de Gelo e Fogo, como todo mundo sabe e como o Martin faz questão de enfatizar, é fortemente inspirada no passado da humanidade – ou seja, ela vai retratar muitos dos temas que estiveram em vigor na nossa antigudade, independentemente da visão que tenhamos sobre eles nos dias de hoje. Isso se chama verossimilhança, coerência com a realidade. A gente tá falando aqui de uma história que conta com assassinatos, traições, intrigas e muita, mas muita violência. É disso que a série trata. Qualquer um desses itens que eu acabei de citar pode ser atribuído a qualquer um dos personagens de Game of Thrones (livros ou série, tanto faz), porque é isso que a narrativa se presta a mostrar. Pelo jeito que vocês estão falando aí, parece que nenhuma personagem feminina pode sofrer qualquer tipo de violência na trama. Vocês querem o quê, então? Que todas as mulheres de GoT vivam em um mundinho da Disney, paralelo a toda a desgraça que tá tomando conta da vida dos personagens masculinos?

    Vejam esse trecho, por exemplo:

    “Na primeira temporada, os criadores da série introduziram Ros, a personagem foi utilizada para: apresentar a luxúria de Tyrion e de Theon, posteriormente para introduzir o poder de Petyr Baelish (Mindinho) através da cena/diálogo que deu origem ao termo sexpositon, isto é, o uso de cenas de sexo para apresentar uma história ao espectador. Ros também foi usada para deixar clara a crueldade de Joffrey, morta e excluída da história apenas com esse propósito. Qual foi o propósito de acrescentar Ros na história, além dela ter sido usada por alguns homens ao longo da história? Ah, mas ela era só uma puta…”

    Você quer que eu cite a quantidade de personagens que entraram na história só pra serem usados por alguém e, posteriormente, descartados? Se, em vez da Ros, fosse um homem, ninguém falaria nada, né? Vou até mencionar um exemplo pra você: Sor Dontos. Entrou, foi usado, frisou a genialidade do Mindinho e morreu, pronto. “Ah, mas a Ros é uma prostituta”. E daí? Se você realmente leu Game of Thrones, você sabe que, na sociedade criada pelo Martin, a prostituição é um negócio totalmente comum. Na mentalidade daquele povo, isso é normal e pronto, ué – exatamente como já foi para nossos ancestrais. Repito: verossimilhança; realidade condizente com o contexto. Fora que a Ros traiu o Mindinho… o que, obviamente, ele não deixaria barato.

    Outro exemplo que a Lidiany usou foi a garota morta pelos cães do Ramsay. E, mais uma vez, eu pergunto: o que isso tem a ver? Podia muito bem ter sido um homem – e, de novo, nesse caso ninguém falaria nada. Só porque é uma mulher que morreu a gente tem que fazer drama? “As mulheres são meros peões nos jogos dos homens”. Ué, mas os homens também não servem, muitas vezes, como peões? Os homens também não sofrem, apanham ou morrem?

    Enfim, se, pra vocês, todas as mulheres precisam ficar intocadas no universo criado pelo Martin, não sei por que vocês ainda leem os livros ou assistem à série. Existem muitas outras histórias pra vocês aproveitarem por aí, muitos mundinhos coloridos nos quais a princesa encontra o seu príncipe encantado. Game of Thrones começou sendo sobre todos esses assuntos polêmicos e vai terminar sendo baseada neles. Não dá mesmo pra esperar que, só porque uma personagem é mulher, o Martin ou os produtores devam deixá-la imune a todo o horror que acomete aquele mundo. Isso simplesmente não se encaixa nessa obra.

  • Pâmela

    Só uma observação Vinicius: O George R. R. Martin roteiriza um episódio por temporada, que nessa veio a ser o 4.2 The Lion and the Rose.

  • Rodrigo Serafim

    Concordo que a cena foi, sim, um estupro. Agora, sugerir misoginia ou ainda que “os criadores odeiam as mulheres” é forçar e muito a barra.
    A questão em GoT não é o abuso de mulheres por parte dos homens, e, sim, o abuso dos mais fracos por parte dos mais fortes. Theon é o maior exemplo disso, assim como Melisandre em contrapartida.
    E a questão Catelyn x Robb é puramente sobre os atores e ponto de vista. O que acontece é que nos livros não vemos a cabeça de Robb, por isso ele acaba parecendo menor do que Catelyn, e na série isso não pode acontecer. Além disso, você não contrata um ator como o Richard Madden pra fazer um papel de pouca relevância.
    Enfim, concordo, por exemplo, com o caso da Ros, assim como desprezo o que foi feito com Cersei e Dany, mas, na minha visão, houve um pouco de exagero aqui.

  • Lucas Assumpção

    Achei que meu comentário tinha bugado aqui. Malz.

  • BrunO_R

    Meu deus, pra que essa tempestade num copo d’água!!? Sim, foi estupro, sim! Mas como a Gabriella Borges bem falou, é um período equivalente a nossa Idade Média!

    Não sou nem um pouco a favor desse tipo de cena (muito menos na vida real), mas, sinceramente, estupro naquela época era só mais um detalhe entre muitos horrores que aconteciam.

    Eu já cheguei a fazer um trabalho sobre a idade média e, nas minhas pesquisas, li sobre coisas extremamente perturbadoras! É, de fato, deplorável do que o ser humano, considerado o ser “racional”, foi, e ainda é, capaz de fazer ao próximo!

    Agora, vc junte era medieval + HBO… É um prato cheio pra um canal onde a censura é mínima.

    Se engana quem pensa que as novelas de época da globo e afins retratam a realidade, em que as mulheres são felizes e, no máximo, só ficam triste por um amor perdido. Isso sem contar que essas novelas vão no máximo à época do Brasil colônia onde o Homem ainda era um ser execrável! Vc imagine agora as barbaridades que aconteciam e como era transtornada a mente de uma pessoa e lá nos séculos V-XV!

  • Henrique

    Man, acho que, mesmo com essa bosta, ainda vai ser possivel a redenção do jaime, a cersei muito bem alegar que não foi um estupro mais tarde e, usando drogo e dany, “todo mundo” ama o khal drogo mesmo com aquilo e se os produtores fizerem um bom trabalho o jaime da serie pode conquistar o público como o do livro fez.

  • Bruno, releia o texto e quem sabe você irá entendê-lo, ninguém está dizendo que não existia estupro na “idade média”….

  • Que presunção a minha sugerir misoginia, né?
    Pôxa…

  • Uma pena, mas só posso te dizer que você não entendeu o texto.

  • Rodrigo Serafim

    É presunção, sim. E mais, é vitimização. O abuso (não só sexual) acontece com todos os personagens. E mais: no título diz “(…) violência contra as mulheres”. Só as mulheres são violentadas na série? Infelizmente, na TV, a história é pautada em violência, mais ainda do que nós livros. Tem certeza que você está sendo imparcial aqui?

  • BrunO_R

    Mas o sentido do meu texto não é só dizer que na idade média existia estupro, desculpe se foi isso que passei, às vezes não sei me expressar bem. O que quis dizer é que a série apenas retratou uma cena corriqueira do tempo em que ela é baseada e vcs estão fazendo tempestade em copo d’água com isso.

  • Oi Felipe, eu coloquei a passagem do Robert pra mostrar que ela já havia sido abusada antes, ela já foi vítima de um estupro antes pelo marido, o que é ainda pior e que Jaime não tolerava isso, assim como ele não permitiu com Brienne e não tolerava com Rhaella. O amor de Cersei por Jaime é algo que chega a ser doentio mesmo apesar do distanciamento deles após A Tormenta. O Jaime dos livros jamais faria isso. Tanto é que o Martin não afirmou que havia sido um estupro no livro e tirou o corpo fora da cena.
    E pior ainda é o diretor ainda tentar explicar que o sexo não consensual virou consensual, ou seja ela consentiu em ser estuprada? Pelo menos é o que boa parte das pessoas acreditam.
    Quanto ao texto da Ros realmente eu me omiti de escrever, mas fiquei um tempo ser ver a série depois da morte dela e acabei me deixando levar só de pensar nesses comentários dos haters, mas felizmente desta vez não consegui ficar em silêncio. Obrigada. Abraços!

  • RenanRCV

    Engraçado ver algumas pessoas criticando a cena do estupro achando-a pesada, mas vibrarem com a Arya (uma criança) matando geral…

  • Pedro Henrique

    Mas isso é pra você… a queda do Bran já dita como Westeros é,sem dúvida.

  • Pedro Henrique

    Sim,totalmente certo.

  • Augusto Barros

    Quanto à questão da Idade Média… não era bem “nenhuma mulher tinha valor social”. Há exceções e eu recomendaria o último livro do Jacques Le Goff, um dos maiores especialistas no período, sobre homens e mulheres da época. Mesmo como exemplo práticos estão Joana D’arc, Isabel de Castela ou Margarida de Anjou. É uma questão de regras e exceções. E Cersei é tudo, menos a regra.

    Os públicos não são diferentes, ainda que as mídias sejam. Existe a liberdade de criação e apenas gente babaca fica de mimimi porque no livro é assim ou assado. Eu mesmo me reconheço um babaca fanboy por achar que a série esquece muito do exotismo dos costumes fora de Westeros. O problema é que a série é incoerente consigo mesma na cena.

    Estupros e brutalidades são comuns em situações extremas e em sua maior parte de plebeus ou soldados. E é coerente. Quando os habitantes de Porto Real ou os patrulheiros lotados na casa de Craster o fazem (e não são mostrados, mas estão subentendidos) existem tensões e motivações (não justificáveis, lógico). Mas são coerentes com a história.

    O caso de Jaime é incoerente porque, enquanto a Patrulha da Noite ou a plebe de Porto Real estão em estado de degradação, Jaime está obviamente procurando sua redenção. O mesmo Jaime que salva uma mulher feia de um urso e que vai entregar a ela sua espada única e fodona, livrar o irmão confessando sua culpa no maior trauma de Tyrion e providenciando sua fuga, além de jurar a si mesmo que vai proteger seu filho, tentando ser digno do manto que carrega (e que, inclusive, vai tentar cumprir a promessa feita para sua inimiga de não pegar em arma – se os roteiristas seguirem o original) não é mais o mesmo cara que empurra uma criança ou mata um rei pelas costas. Ele obviamente quer sublimar isso. E como esse cara vai alcançar sua redenção estuprando a mulher que ele quer defender a qualquer custo?

    Os roteiristas erraram, poderiam fazer um pornô consentido e ficaria todo mundo de boa. Não foi instigante, só foi (no mínimo) polemista.

  • Mari

    Eu concordo. E sobre os livros, pode não ser com essas personagens e da mesma forma que acontece na série, mas a violência contra a mulher também está presente. Mas vejo isso num tom mais de crítica do que de misogenia por parte do autor. Afinal, uma das coisas que eu admiro na obra é justamente como as personagens aprendem a superar a inferioridade de seu sexo na sociedade e se tornam fortes, importantes e poderosas. Boa parte das personagens femininas representam a luta e a vitória das mulheres que conseguem triunfar em uma sociedade predominantemente machista. Pelo menos, é assim que eu vejo a partir da perspectiva dos livros. Já na série a coisa não é tão bem captada, me parece que eles tentam transmitir a violência e truculência (em vários âmbitos, não só do sexo) dos livros na série e a coisa fica apelativa, perde o significado.

  • Stenio Camara

    Gente. Got é uma serie “historia”, baseada na idade media, onde as mulheres era de fatos meros objetos e fantoches. Lembro de posts desse site sobre o destaque das mulheres na trama e agora a mesma serie foi criticada pelo motivo oposto.
    Enquanto a cena em si, pode ter sido desnecessaria da forma que foi mas mostra que mesmo uma mulher poderosa no reino, sofre com machismo caracteristico da cultura medieval que a historia tem.
    Adoro todos os posts do site mas ao meu ver, foi um ponto de vista equivocado com relaçao a serie!

  • Dhiancarlo De Oliveira Miranda

    Sinceramente, o fato de ser ou não estupro não modifica o espírito do programa, de mostrar explicitamente o jogo de poder num reino que poderia muito bem ser o nosso mundo real. Cersei ama Jaime e por este motivo dificilmente irá admitir que o irmão a estuprou (até como ato de poder), algo que deve os distanciar mais à frente. Minha análise aqui é puramente do roteiro do seriado. Ela se desvencilha do livro e, obviamente da realidade. Portanto, não preciso repetir o que outros amigos do fórum disseram sobre o repúdio à misoginia e à violência sexual.

  • Que presunção a minha sugerir violência contra as mulheres nossa realmente tá tudo errado! XD

  • Pâmella

    Mulheres sempre foram tratadas de forma muito mais violenta na série do que nos livros. Eu já acho que tirando a primeira vez da Daenerys,em que ela consentiu as outras vezes foram sim estupro.Agora obviamente a maioria das pessoas gostam de amenizar a situação colocando em xeque que muito dos outros personagens (homens) também sofreram, o que é bem diferente e nem justifica. As mulheres são tratadas de maneira agressiva em quase todos os episódios, sem que isso exista no livro, ou seja, sem motivo algum pra mim. Acho que a série tem personagens femininas incríveis,que conduzem a história,mas pra mim é muito fácil sair em defesa da série quando não se é mulher.

  • Mas desejar ter nascido homem para ter as mesmas oportunidades não é, por tabela, se revoltar com o sistema?

    Concordo com o resto, ela compactua com o sistema sim, porque é a forma que ela encontra de jogar o jogo. Mas ainda acho que isso não tem um foco em mulheres, ela gosta de manipular pessoas, e no caso as mulheres podem se mostrar mais fáceis (ou não? ~ anything with a cock is easy to fool).

    O grande lance com a Cersei é, como o Tywin mesmo diz “não é que eu não confie em você por ser mulher, não confio em você pois você não é tão esperta quanto pensa que é”. E eu acho que é bem por aí. Ela usa essa desculpa pra tentar tapar a falta de inteligência. Se ela fosse realmente inteligente e sagaz ser mulher não impediria ela de ser uma das melhores “jogadoras”, como podemos ver a Olenna e até mesmo a Margaery na série.

  • KaH

    É por isso que não assisto mais a Série : Os personagens mudam TANTO mas TANTO que chega umas horas que não faz sentido. Descaracteriza.
    Esse é um Jaime da Série de Tv, não mais o dos livros.

  • Pedro Henrique

    Vocês defendendo a série por ela se passar ao equivalente à nossa era medieval e essa merda acontecia realmente: parem,por favor,tá ficando feio.

  • Felipe Bini

    Quanto à questão da desconstrução, é deplorável. Já viu o Benioff falando sobre o Stannis, por exemplo? O cara despreza ele completamente, por isso ele é relegado ao décimo plano na série. Daenerys, pelo contrário, é alçada ao status de santidade.

  • Felipe Bini

    Não saberia dizer porque nunca li nem assisti, mas pelo que lembro dos seus comentários anteriores sobre o assunto, isso quer dizer coisas ruins, né?

  • Gabriella Borges

    Primeiramente eu não disse que “nenhuma mulher tinha valor”, mas sim que “as mulheres praticamente não tinham qualquer valor social”. Exatamente porque sei que por menores que sejam, sempre houveram exceções.

    Vou discordar de você quando diz que os públicos não são diferentes. É no mínimo ingenuidade pensar assim. Mesmo a série sendo baseada em uma saga de livros, isso não é sinônimo de ambas as mídias possuírem os mesmos públicos. Afirmar isso é dizer que todos leram/leem os livros. O que não é verdade. Eu mesma conheço pessoas que adoram a série, mas não tem o menor desejo de ler os livros. Claramente são públicos diferentes, com desejos e necessidades diferentes.

    Sobre a desconstrução do Jaime dos livros… bem, assim como o resto, eu não sei os motivos pelo qual esse rumo vem sendo tomado, mas prefiro acreditar que não é à toa – inclusive pelo fato do próprio GRRM acompanhar a produção. O que posso dizer é que, apesar da discrepância do Jaime da terceira temporada, a atitude não me surpreendeu. Explico: tudo foi muito bem construído desde a sua volta a Porto Real. A hostilização que vinha sofrendo de Cesrei, o desejo sexual reprimido e o ápice que foi a morte de Joffrey, gerando um turbilhão de sentimentos que precisavam ser extravasados – no caso em forma de sexo (não consensual).

    Eu compreendo a revolta de todos (e nesse sentido também me revolto) pelo rumo completamente que o personagem tomou, contudo, observando de maneira racional o que a HBO vem fazendo, não vejo esse estupro como algo anormal ou destoante daquela realidade.

    Gostemos ou não, temos que ter sempre em mente que e a adaptação não é sinônimo de reprodução e que não basta transpor um texto de um meio para outro. A série é uma leitura do texto-base, e como toda leitura, está aberta a múltiplas significações e diferentes construções de sentido.

  • Eu parei de ver. A série virou uma bagunça sem história, apenas sexo, vampiros e lobisomens pelados 99,9% do tempo. Mudaram a maioria dos personagens incluindo a personagem principal que foi completamente deturpada e a história acabou.
    Começaram com pequenas mudanças aqui e ali, mas a partir da terceira temporada, larguei de vez. E pra vc ter uma ideia, eu também escrevia pro maior site da série na época. Larguei tudo…
    Nem os livros eu terminei de ler.

  • Elena

    Cara, você pulou a parte do texto em que explica sobre o relacionamento do Jaime e da Cersei?

  • Gabriella Borges

    Disserte sobre.

  • Mauricio Fonseca

    Mas acho que o problema que está sendo retratado no texto é que a série vem alterando sistematicamente a história (em comparação ao livro) em um ponto específico: o menosprezo às personagens femininas. Sendo que estas, no livro, possuem maior destaque e importância no andamento da história.

    Acho que a parte do “odiar as mulheres” foi uma sensação pessoal do autor do texto. Mas esse padrão de alterações encontrado na série, e principalmente, QUE NÃO EXISTE NO LIVRO, é algo digno de chamar a atenção.

  • Augusto Barros

    Gabriella, o que define se são públicos diferentes ou iguais não é se eles leram ou não os livros (até porque os leitores são potenciais telespectadores da série assim como o oposto), mas sim idade, gênero, renda, escolaridade, localização. Seriam públicos diferentes se os livros fossem escritos por um autor super cult (ou seja, com uma linguagem super rebuscada) e a série fosse feita para adolescentes com um toque meloso, por exemplo.

  • Mauricio Fonseca

    “não contrata um ator como o Richard Madden pra fazer um papel de pouca relevância”???????

    Não entendi seu ponto aqui. E por que na série ele não poderia ficar “menor” do que Catelyn, se na obra-base, é o que acontece de fato? O.o

  • Perfeita colocação Mauricio. Obrigada.

  • She-Ra

    As Crônicas mostram um mundo extremamente violento, para ambos os sexos. Enquanto que a estratégia de sobrevivência do homem é, geralmente, a força bruta, a da mulher é a vagina. Parece reducionista e caricato dizer isso, mas é assim que a história Ocidental funcionou da Antiguidade aos dias de hoje. Por isso discordo de quem diz que as cenas de sexo são utilizadas a esmo. Sexo é e sempre foi poder! As cenas mostram tanto o poder viril exercido pelo homem sobre a mulher, como tb o poder que a mulher alcança num mundo como aquele através do sexo. As mulheres que souberam se utilizar deste poder ao longo dos milênios no nosso mundo, governaram impérios, mesmo sem serem imperatrizes…

    De toda forma, concordo com a Lidiany de que a série vem reduzindo o protagonismo feminino, tão marcante nos livros, não apenas através dos POVs, mas da atuação efetiva das personagens. O mundo das Crônicas (os livros!) é tudo menos misógino, pois a despeito de uma hierarquia violentamente machista, as mulheres mostram-se extremamente ardilosas e estrategistas ao ludibriar esse status quo, tornando-se, muitas vezes, as principais articuladoras desse mundo real/ficcional.

    Embora não ache, de nenhum modo “As Crônicas” misógina (ao contrário), acho super válido e tenho que aplaudir o “desabafo” da Lidiany a respeito dessa polêmica. A ficcção serve pra nos impactar e nos fazer refletir. Não é pq o mundo o GRRM nunca existiu, de fato, que não vejo meu mundo, em que milhares de mulheres são estupradas todos os dias, refletido nele. E sim, a cena (dentre outras citadas ao longo do texto), é inegavelmente repugnante, anormail e inadimissível, seja no planeta Terra de hoje, seja em Westeros.

  • Adrian Spitsa

    Dentro do contexto de fantasia medieval, o estupro em nada me choca, aliás em termos de violência contra a mulher não evoluímos tanto assim.

    O que mais me incomoda é a falha na direção em tentar passar alguma coisa com a cena e acabar passando outra;

  • Felipe Bini

    O GRRM não acompanha tão de perto a produção quanto se faz parecer. Eu ouso dizer que os caras só consultam ele pra tirar dúvidas e dão um episódio por temporada para ele roteirizar (e mesmo assim podendo inserir cenas próprias). As declarações dele quando perguntado sobre adaptações dão a entender que ele acompanha tudo meio de longe. Inclusive na postagem dele sobre esse episódio do estupro, ele diz claramente que isso não foi discutido e faz apenas conjecturas próprias sobre o por quê de se ter adaptado assim (mostrando que realmente D&D não informaram a ele). Então não acho que dê pra invocar isso como argumento de que haja um bom motivo para os rumos duvidosos que têm sido tomados.

  • She-Ra

    Acontecia não, ainda acontece!

  • Ana Claudia

    Eu acho que se a Cercei tivesse dito um “sim”, no final desta cena, a mensagem que os produtores supostamente queriam passar ficaria mais clara.

  • tanira

    Parabéns pelo texto. Boas reflexões.

  • Bruno Oliveira

    Achei muito mimimi… quando vi a cena, não pensei em estupro hora nenhuma, apenas que ela não queria fazer sexo naquele lugar, naquele momento, mas acabou se curvando à vontade do Jaime. Foi meio “forçado”? Relativamente, mas esse tipo de coisa acontece com os melhores casais.

  • Lucas Hansen

    Bom, na minha opinião, não é tão assim.. “colocando a história das mulheres de lado”, Muitas mulheres tem papéis importantes de durarão para o resto da temporada.. Daenerys, Sansa, Arya, Cersei e até a Brienne.. Vocês mencionaram que as personagens femininas mal aparecem e já são descartadas como nada.. aconteceu isso com vários personagens masculinos também. Que tal olhar pelos dois lados da moeda?? Não estou tentando ser rude ou folgado, apenas fazendo uma crítica construtiva. Aliás, mulheres eram tratadas como nada na idade medieval.. e na série eles fazem questão de mostrar como as mulheres eram realmente descartáveis naquela época. Concluindo, há muitas mulheres na série que são importantes e que mudarão o curso da história, mas mostrar como a mulher era insignificante ou sem importância naqueles tempos é parte da história também, o que no fundo é uma mentira, por que Cersei e Daenerys sozinhas mostram o quanto uma mulher pode ter grande poder e ser de uma grande importância. Então chega de feminismo por causa dessa cena.

  • Sua última frase fechou seu comentário com chave de ouro!

  • Ana Spadin

    Pedro Henrique, a questão discutida no texto não é a equivalência ou não com a nossa era medieval, até porque é um universo alternativo e nos livros, as mulheres possuem um poder que não existia para as mulheres da nossa idade média. Cersei é um ótimo exemplo disso, Dany conduz sozinha boa parte do desenrolar da história, Arya é rebelde e não quer ser uma dama e por aí vai…
    O que a autora quis dizer é que nos livros, as mulheres sofrem e morrem, bem como são humilhadas, mas não servem SOMENTE para isso, e os autores da série estão fugindo um pouco do que GRRM criou.
    E fazer alusão a estupro, agora ou na época medieval nunca é bom.

  • Felipe

    Em contrapartida temos uma Daenerys endeusada pela série e uma Olenna Tyrell muito mais inteligente e ousada que nos livros (talvez pelo fato de não ter pov). O fato é que não se pode generalizar uma coisa dessas

  • She-Ra

    Ei, na Idade Média a mulher era sim menosprezada, vista sob a ótica cristã da Eva e coisa e tal, mas os historiadores tão aí pra provar que, para além da mentalidade misógina, a mulher tinha sim sua participação na história pública e privada nesse período e não são apenas em exemplos estereotipados como Joana D’arc (a santa/bruxa) ou Lucrecia Borgia (incestuosa/assassina de maridos). Vide dois livros: “Nas Margens” de Natalie Zemon Davis e “História das Mulheres do Ocidentes” organizado, dentre outros pelo Le Goff. 😉

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Interessante a palavra “Umidade”.quem está sendo estuprado ñ fica lubrificado. It is known.

  • Jackeline Dias

    Concordo com o Rodrigo. Achei um exagero esse artigo. Acompanho a série ao mesmo tempo que acompanho o livro e nunca vi, nem na série e nem no livro, desprezo ou preconceito com mulheres por parte do autor.
    Na série existe muitas, muitas injustiças e violências. Vi Daenerys ser estuprada…ter três Dragões conquistar Yunkai, Astapor, Meereen e ser uma lider . Elia foi estuprada…e o seu irmão e Dornes inteira não esqueceu e planeja por vingança. Cersei foi estuprada e teve um poder como rainha que jamais outra teve… essas são as da série, mas eu poderia falar de Nymeria, Brienne, Obara, Arianne etc…
    É uma série que fala sobre guerra, injustiça e violência. Não é uma série recomendada para procurar algo não politicamente correto e tornar pessoal.

  • Aline

    Análise perfeita, irretocável. Disse exatamente tudo o que penso. E fico ainda mais triste em pensar que a história se desenvolverá normalmente, como se aquilo que foi mostrado fosse sexo consensual, passando à sociedade a idéia equivocada de que o fato de a mulher dizer “NÃO” não implica, necessariamente, em estupro.
    É isso que muitas pessoas parecem não entender. Ninguém aqui ficou chocado ou foi puritano pelo fato de haver uma cena de estupro. Se estupro fosse tratado como estupro, com a seriedade e o repúdio compatíveis, não seria nada demais. O problema é tratar estupro como sexo consensual, isto é, como se não fosse nada demais.

  • Ana Spadin

    A tempestade em copo d’água é válida, ao meu ver, Bruno, porque primeiramente descaracteriza o Jaime da série com o Jaime dos livros.
    Segunda, porque mesmo o estupro sendo algo “comum” na época, nos livros ele não aconteceu. Então, qual a necessidade de colocar aquela cena ali na série? Para afastar os dois personagens? Bastava uma discussão after sex e pronto.
    O estupro é algo que acontece com frequência na nossa realidade mesmo, nem precisamos de idade média ou universo baseado nela, acho desnecessário colocar isso, ainda mais porque Jaime terá sua “redenção” com o público e o estupro será esquecido, não vai ser considerado uma falha no caráter dele e encarado “normal”, como sempre.

  • Thiago

    Só para reforçar a ideia do texto: A HBO também mudou o Casamento Vermelho dos livros, tornando-o mais violento ainda e contra as mulheres. Na versão de GRR Martin, a esposa de Robb não é assassinada e nem estava grávida e a Catelyn não degola a esposa de Walder Frey e sim, Guizo, neto de Walder.

  • Gabriella Borges

    Sem sombra de dúvidas que a questão públicos diferentes vai bem além de leu/não leu. Os fatores que você citou: idade, gênero, renda, escolaridade, localização são de extrema importância.E não só eles. A linguagem também constrói públicos distintos. No caso, mesmo os livros não tendo uma linguagem erudita, isso não quer dizer que seja a mesma da série. Muito pelo contrário. A partir do momento que são retratadas em meios diferentes, obrigatoriamente passam a ter linguagens completamente diferentes. E isso já é mais que o suficiente para criar públicos diferentes.

    Mas bem, já estamos destoando para outro assunto completamente fora do foco proposto nesse artigo.

  • Clarice

    É complicada esta questão da Idade Média, quando tanto a série quanto os livros é escrita por homens e contemporâneos para um público contemporâneo. Sendo fantasia, tudo poderia acontecer, inclusive as mulheres não serem estupradas, violentadas, menosprezadas, etc etc etc como todos sabemos que passa longe da vida real. Acredito que a série tenha a intenção de flertar com o realismo, você vê isto na caracterização dos personagens, nos diálogos, na violência explícita. A misoginia é só mais um traço de um realismo que cabe ao contexto: já fomos bárbaros que degolávamos uns aos outros por pouco e também vivemos cinco mil anos de patriarcado contra uns poucos de feminismo, com algumas mulheres se destacando aqui e acolá.
    Não faria sentido se não tivesse, porque seria inverossímil. Choca, mas a realidade foi ainda pior. E é bom mostrar, porque não é fetiche: incomoda, choca, revolta e tudo isso só ajuda a fortalecer a gente, inclusive gerando textos como esse pq bem, só chegamos ao feminismo e à independência feminina às custas disso. E ainda assim, temos peraonagens fortes que não precisam dar satisfação a homem nenhum, mulheres influentes e em postos de liderança. Isso significa que a coisa não é tão maniqueísta, assim como o ser humano não o é.

    Dito isso, obviamente que os roteiristas podem fazer deerminadas escolhas e optar por uma ou outra direção e às vezes passar certa impressão de gratuidade com algumas cenas. Erro deles, mas também não estou esperando ver cenas inverossímeis apenas pelo bem de nós. Num contexto daquele, é óbvio que uma prostituta vai ser trayada como as prostitutas sempre são e a escolha óbvia de alvo de desprezo de homens poderosos. Isto é realidade e verossímil, logo, se existe um problema enorme nisso não está em optarem por colocar isso na série, mas na nossa sociedade. O sexo, a violência, a misoginia parecem extrapolar para fins de espetáculo, mas tem que ser meio moralista pra não perceber que se trata de realidade e que em momento algum a série mostra isso para nos deixar empolgados – ficamos incomodados, e esta é uma prova de que nada disso está ali para ser celebrado, que a série não está endossando. Está escancarando na sua cara o que vc não gostaria de ver e mostrando como algo negativo que é.

    Sobre o estupro de Cersei, achei pesado e também me incomodou muito e como não sei nada doa livros, imaginei que Jaime estivesse punindo a irmã por ela ter rejeitado ele e sentido asco da sua mão e engoli a seco por ver algo que a gente sabe que acontece o tempo todo, o estupro entre amantes. Ali sim, a cena parecia a favor de Jaime e deixou um gosto amargo, piorado em saber que foi mudado de,propósito – assim como a cena da Khaleesi. Isso é realmente gratuito e uma errada de mão injustificável, e espero que toda a reação faça com que nuca mais eles façam coisas do tipo, mas é injusto condenar toda a série por questõesa que parecem as mesmas, mas não são.

  • Thalles Lucas

    Por eu acreditar na premissa que um ato bom não torna uma pessoa boa, não quer dizer que eu concordo com o oposto. É deixado bem claro que ele arranjou o estupro junto com o pai tanto que tyrion depois tem ódio dele por isso. Mas mesmo que isso fica em dúvida, ele ainda é conivente com o estupro que o torna um pouco pior assim como Twyin. Ainda reitero que ele não salvou a Brienne por ato de misericórdia e bondade, mas simplesmente por se afeiçoado a ela, agora dizer que alguns atos ruins de uma pessoa dentro da ótica do personagem é plausível enquanto outros descaracteriza o personagem é inocência. Agora ele de se importar só consigo mesmo é um fato, tanto que ele matou o primo só para uma tentativa de fuga, jogar o Bran da torre e etc.

  • Aline

    Nossa, tô começando a achar que a raiz do problema é a crise no sistema de ensino do Brasil. Tá feia a dificuldade de interpretação de texto por aqui.

  • Allen Castro

    Acho que esqueceram que a história se passa numa época medieval, pois nessa época não estavam nem aí para os direitos delas, e elas mesmas, a maioria, pelo menos, achavam que realmente eram inferiores (não que seja o caso da Cersei, pois ela se acha superior a tudo), mas enfim, lembrem-se que a época é diferente da de hoje, pensamentos diferentes.

  • Ana Spadin

    Mesmo que hajam super leitores que nunca entenderão o texto e vão defender a série alegando que “a idade média era assim” (vi bem mais de um…), quero parabenizar a autora por não se calar.
    Não vi a cena ainda, mas de acordo com o texto, na série foi estupro.
    Fico me perguntando qual é a necessidade dos autores em modificar desse jeito algo na série e logo me lembro que o mundo da televisão é feroz e fica claro que tudo isso é feito pela luta pela audiência e pelos comentários que isso vai gerar.
    Cersei é uma personagem odiável, então vamos colocar um estupro aqui pro pessoal ver ela “se ferrando” e… OPA! Audiência :D:D

    Acho que a série é bastante boa, mas peca no uso abusivo de cenas de sexo, carnificinas e violência quando poderia explicar melhor algumas coisas para quem não leu os livros, como a rivalidade entre as casas e como e porque os Targaryen foram destronados, etc, etc.Claramente, o sexo e a violência atraem mais público. Eles não vão entender nada, mas e daí? Mó legal, tem morte e gente se pegando…

  • Aline

    Nossa, tô começando a achar que a raiz do problema é a crise no sistema de ensino do Brasil. Tá feia a dificuldade de interpretação de texto por aqui.

    Uma coisa é entender o texto e discordar do que foi dito.

    Outra coisa é vir aqui dizer que na Idade Média isso era normal, argumento este que não contradiz em nada o que foi colocado no texto, que, na verdade, não tem NADA a ver com o que foi colocado no texto.

  • Welington Leal

    Duas observações. Da cena e da série.

    Na cena.

    Os roteiristas tentam colocar na tela o máximo possível de cenas chaves do livro na serie.
    Dessa forma juntam diálogos e situações.
    Por exemplo. Jaime e Cersei fazem sexo no septo. Cersei tem que velar o filho no septo. Em vez duas cenas, façam uma só.
    Nessa junção, o tesão e a tristeza dão a entender num estupro.
    Dada a polemica, talvez agora estejam arrependidos e aumentariam o consentimento da Cersie na cena.

    Série.

    O livro tem mais liberdade e tempo para a construção de personagens.
    A série carrega nas imagens e no choque, e os homens são naturalmente mais atraído por imagens. A série é mais testosterona.
    E por isso as mulheres na HBO são mais frágeis, mais oprimidas.
    A lista de mulheres fortes nos livros é enorme.

    E nada de construção de clima e sutileza. Que é diferente de lambe-lambe, mela cueca do Sam e Goiva que tem na TV.

    A viagem dos dois para Vila Velha, os acontecimentos e o crescimento de Sam neles são muito mais interessantes doq essa solução de Vila topeira quebra galho.

  • Eduardo Cruz

    Realmente eles erraram na maneira com que fizeram a cena na série.

    Mas vendo as suas comparações, pensei em algo. Na série Cersei claramente não queria. No livro também não. A diferença é que no livro, o capítulo continuou até o momento em que ela passou a querer,

    Jaime estuprou ela na série, isso é indiscutível. Mas eu tenho uma dúvida: e se na série, além da cena que vimos, exatamente como vimos, eles tivessem adicionado mais 30 segundos, nos quais víssemos ela demonstrar o desejo por ele, da maneira como foi no livro? Se concordamos que na série foi estupro, então nos livros foi também. O mesmo Não nos livros foi o Não na série. A diferença é que o livro mostrou um pouco a mais, enquanto que a série cortou a cena.

    ——————————-
    Porém nos últimos parágrafos o post pareceu perder sentido. Conhecemos os livros. Sabemos que apesar de ser ”Fantasia”, eles são realistas. Retratam uma era medieval, machista. Então é claro que vemos machismo gratuito, não tem o que discutir. Mas a série não tem apenas mulheres fracas. O blog já comentou sobre isso antes. Acho que você se enojou com o estupro da cersei e desligou a tv antes de ver o show da Dany no fim do episódio.
    —————————–
    Obs: o argumento do ramsay ter perseguido e matado aquela garota não tem sentido neste post, se você esquecer de comentar tudo o que ele fez com theon durante a última temporada. Vamos olhar por todos os ângulos antes de postar algo aqui no blog.

    Eu tento não ser machista. Tente não ser feminista.

  • Milene Ste

    Lidiany eu ainda não vi a cena polêmica em questão pois parei de assistir a série para ler os livros. No entanto, com relação a todas as outras cenas citadas eu já tinha percebido essa diferença com relação ao livro e também me senti incomodada. Te parabenizo por levantar o tema para discussão, apesar dos (creio eu) exageros no seu texto. Vi muita gente aqui nos comentários dos episódios super preocupadas e com duras críticas ao suposto exagero das cenas de nudez e sexo, mas ainda não tinha visto a preocupação com uma clara diminuição da mulher ou violência contra a mulher que vem ocorrendo na série.
    Pra que tantas cenas desse teor? Se não há fundamento na história original e pior… Se chega a descaracterizar personagens… pra que?

  • Eu sou feminista, se você é machista ou não, não dou a mínima.

  • BrunO_R

    Ao meu ver isso é apenas o rumo que a série está tomando em relação aos livros. E, mantendo a linha de pensamento da comparação com o mundo medieval e sabendo que a série deve mesmo tomar um rumo diferente dos livros devido à diferença de velocidade de escrita do Sr. Martin e de gravações, ainda não enxergo qual o problema e acho totalmente válida a ideia, retificando aqui a comparação com a idade média.

  • Lorenzzo Rodrigues Frade

    Eu concordo que junto a tantas mudanças sem sentido na série de TV, algumas delas revelaram uma perspectiva um tanto quanto machista (o que é surpreendente, dado o teor dos livros). A parte disso, vale notar que uma obra (seja ou não de ficção) não pode ser vista como machista pelo simples fato de ser SOBRE machismo, ou de conter, entre os seus temas, o machismo. Uma obra que relata violência contra a mulher pode, inclusive, ser usada com propósitos feministas.

    A questão é a forma como isso é abordado, e por qual propósito. Por exemplo, qualquer biografia sobre Maria da Penha será inevitavelmente permeada de acontecimentos machistas e de violência contra a mulher. Isso, é claro, não significa que qualquer pessoa que escrevesse sobre os fatos ocorridos com ela seria um machista.
    A principal cena citada neste artigo desvirtuou completamente o que ocorria na original. Mas mesmo nos livros ocorrem muitas cenas de estupro e violência contra a mulher, em geral. E isso, de forma alguma, torna os livros machistas. Da mesma forma que relatar detalhadamente um esfolamento não torna a obra uma apologia à tortura.
    A narrativa sobre o Ramsay, que a autora cita, não me parece problemática. Seja com homens ou mulheres, o bastardo é sempre representado de forma brutal e maximamente cruel. Isso de forma alguma transparece misoginia dos autores – do contrário – não é uma apologia a violência, mas o uso da violência para retratar um personagem violento. Não entendo como uma cena de castramento pode ser vista como ‘normal’, como mera representação da brutalidade da personagem, mas uma cena violenta como uma mulher seja vista como desnecessária e fruto de misoginia. As duas retratam a mesma coisa: o caráter doentio e cruel da personagem.
    É preciso diferenciar a violência que ocorre para nos fazer odiar o violentador, da violência que ocorre para nos fazer odiar a vítima. Com excessão do caso do Jaime, os outros casos citados neste artigo tinham claro propósito de ‘denegrir’ (na falta de palavra melhor) o violentador, de nos fazer sentir repulsa por ele (e com isso, talvez, até reforçar a nossa intuição de que aquilo é MUITO ERRADO). Isso, obviamente, não é fruto de uma mente misógina, não é uma apologia à violência contra a mulher.

  • Samuel Versiani

    Feminismo não é o oposto de machismo, meu caro. É a defesa da igualdade entre os gêneros.

  • Samuel Versiani

    “Não pensei em estupro hora nenhuma, apenas que ela não queria fazer sexo (…) naquele momento”

    Como você define isso então?

  • Felipe Bini

    Peraí, mas estamos falando dos livros ou da série de TV? Porque nos livros ele não mata o primo, tampouco. E nos livros ele menciona que Tarth era a “Ilha Safira” – o que impede que Brienne seja estuprada pelos Brave Companions – antes mesmo de eles se tornarem “amigos”, antes de ele se ter “afeiçoado” a ela. Curioso, não?

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Não só na Idade Média era assim, mas hj é assim também. Olhe ao seu redor e verá que a carnificina e o sexo estão mais que presentes. O festim dos corvos esta servido desde que o homens puseram os pés nesta Terra.

    Também acho que a indústria televisiva é feroz e que cenas de sexo são usadas p atrair audiência. Só que a série apenas alimenta essa vontade do público. Da mesma forma que a série apenas sacia a sede do público por polêmicas (como é o caso do estupro em questão). Os produtores querem exatamente isso. Como podem abusar das cenas de violência se o seriado é inserido num contexto belicoso? É a Guerra dos Tronos. Óbvio que terá violência.

    No mais, não acho mesmo que a série exagera nas cenas de sexo. Vai ver as pessoas são puritanas ou vai ver eu que sou um libertário… Acho na verdade que isso é bem realista. Só durante este post, milhões de pessoas fizeram sexo, bem como milhares (talvez milhões, não tenho ctz) foram assassinadas em todo o mundo. A arte imita a vida e qualquer maquiagem para encobrir isso é mentira.

  • Vevê Alvim

    Machismo e feminismo NÃO são opostos!!!!!
    Machista é a pessoa que menospreza e desrespeita mulheres!!!
    Feminista é a pessoa que quer direitos iguais pra ambos os sexos!!!!

  • Felipe Bini

    Pois é, e como se o Richard Madden fosse um superstar A-list… Vai entender.

  • BrunO_R

    Não, nem li o texto. Meu argumento está voltado especificamente contra alguns dos outros comentários tanto deste post como do post “com spoilers” do episódio passado. Perceba que, até mesmo aqui, o pessoal tá comentando mais sobre o estupro em si do que o menosprezo em geral. Isso (o estupro) eu estou chamando de tempestade em copo d’água! Quanto ao menosprezo, já respondi ao Maurício mais acima. Se querem dar um contexto mais real, que coloquem, mas que no fim saibam o que estão fazendo.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Aline, hahahaha agora q vc percebeu que a educação do Brasil é lixo. Somos nada menos o penúltimo lugar no ranking de educação mundial.Dai vc tira.

  • Eduarda

    São personagens fictícios, senhor. Que o Joffrey merecia morrer com 400 tipos de ferimentos altamente dolorosos todo mundo fala né? Mesmo a Cercei, já li que “Cercei merece morrer esfolada, depois de ver os dois filhos esfolados”… É, bem certo!

  • Maria Dias

    Se ela não queria fazer sexo é estupro.

  • Maria Dias

    “Tente não ser feminista”? Você entende o conceito de feminismo? O feminismo busca direitos iguais, busca que a mulher não seja subjugada pelo homem. Como uma mulher pode tentar não ser feminista? Como uma mulher pode ignorar os abusos que sofre ou que é obrigada a assistir todos os dias?
    O “show” da Daenerys em nada interfere no fato de que Cersei claramente foi estuprada, o fato de uma mulher ser presidente (ou rainha, no caso, rs) em nada interfere no fado de que a cada 12 segundos uma mulher é estuprada no Brasil.
    Parabéns pelo texto, Lidiany, um dos melhores que já li no blog. Continue sendo feminista sempre!

  • Eduarda

    Mas o Theon merece toda a tortura né? Merece ter o p… cortado… Isso todo mundo acha “bem feito!”. Lembrando que teve uma cena em que o Theon é quase estuprado (aquela, em que Ramsay “salva” ele…) e eu aposto que tinha gente torcendo p/ ele “se ferrar”.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Que exagero pessoal. Querer trazer essa discussão feminismoxmachismo até pra GoT é exagero. Olhem quantas personagens femininas fortes há na série. Concordo com o Eduardo Cruz. O nome do episódio e clímax final foram para uma mulher poderosa nada submissa da série.

    Ah, embora deteste rotulacoes, cada dia mais usuais, posso me considerar feminista. Esse só não é o caso, pq realmente acho exagero dizer q a série é misógina.

  • Eduardo R. R.

    Primeiramente, parabéns à autora pelo excelente texto, extremamente bem argumentado e esclarecido. Se ao menos metade do povo do nosso país soubesse comunicar-se de tal forma estaríamos vivendo em uma situação muito melhor.

    Agora, sobre o assunto, gostaria de deixar minha opinião. Já havia lido a algum tempo que os roteiristas confirmaram que a série iria tomar rumos diferentes – e que realmente aconteceu – a partir da segunda temporada. Não sei exatamente o porque disso, mas enfim, esta é a informação oficial. Analisando o que você está discutindo – a desvalorização das mulheres – penso que os roteiristas decidiram trazer a série um pouco mais para o nosso mundo, assimilando muito do que foi nossa “cultura” no período da Idade Média.

    Aqui todos devemos convir que, neste período, as mulheres sim eram tratadas basicamente como objetos, principalmente na época chamada de “Baixa Idade Média”. Basta ler um pouco de história para entender do que eu falo; nesta época as mulheres serviam apenas para fazer filhos, dar prazer aos homens e garantir que a casa estivesse organizada. Fora o fato de que serviam como moeda de troca para coisas absurdas, como um animal ou algum favor. É claro que essa realidade é chocante, mas a HBO acaba por fazer um serviço: ela mostra como a visão e os princípios de nossa sociedade são extremamente machistas.

    Pessoalmente, parei de assistir à série na terceira temporada porque preferi manter a lembrança da história e a aparência e personalidade dos personagens da forma como os concebi quando li os livros. Só sinto falta de ver o Peter Dinklage atuando, porque esse cara como Tyrion é sensacional.

  • Zac Germanotta

    Eu achei interessante o texto e a forma como você colocou as diferenças do livro para a série, porém temos que lembrar que mesmo que a série seja baseada nos livros, a série, de certa forma, tenta aproximar a história da realidade medieval, ou seja, mesmo que série seja baseado em livros, ela tem elementos que a aproximam da realidade porque se não seria algo muito abstrato e fantástico para estar na televisão atual, e infelizmente também, hoje uma boa parte da programação mundial recorre à violencia e à sexualidade para atrair público. Mesmo que nos livros não tenham havido tantos estupros e tanta violência contra a mulher, a série quer mostrar o quanto a mulher era deixada de lado, e o quanto a mulher era vista apenas como uma aliança entre família, uma procriadora e uma pessoa com menos etendimento de guerra que o homem (claro que isso é horrível, pois as mulheres devem ter direitos iguais aos homens), porém a sociedade medieval era assim. Logo vemos esse teor de violência para a mulher para que mostre como era o Mundo na Idade Média e para que o público possa ficar atraído pela história, é só reparar as outras programações da HBO (não sou contra HBO, amo todas as séries do canal e hoje é um dos melhores canais da televisão mundial), que são recheadas de violência e sexo – a grande maioria. Então infelizmente, essa tendência à violência é algo global e que atrai público, logo eles usam desses artifícios. Porém devemos reconhecer que a série é de uma qualidade imensa, e poucos canais tentariam explorar uma história tão vasta e complexa como é Game of Thrones.

  • Joao Palmadas

    Ok, nas Middle Ages estupros eram comuns e é até razoável que a série mostre um pouco disso (mas não no caso do Jaime com a Cersei, aí é descaracterizar o personagem). Só que castração de estuprador também eram comuns, e a série não tem mostrado isso. E olha que os livros tem casos assim. A série poderia mostrar isso.

  • Lara

    Muitos acharam que foi estupro mas…em minha opinião ela consentiu corporalmente (se aproximando dele em alguns momentos e ajudando-o a abaixar as calças) mesmo recusando verbalmente. Porém também achei a cena totalmente desnecessária ao andamento da série.
    PS: Achei comentar as cenas de Catelyn na última temporada com esse post meio nada a ver…mostraram mais o Robb porque ele não volta mais né….

  • She-Ra

    Gente, por favor! Parem de dizer que a “série” se passa na Idade Média, quando as mulheres eram regularmente abusadas e violentadas…
    Primeiro que as Crônicas não se “passam” em momento nenhum da História Ocidental do Planeta Terra, mas somente na cabeça do GRRM que se INSPIROU em diferentes períodos históricos (como o Egito, Grécia e Mesopotâmia da antiguidade, o Império Romano, o período das invasões bárbaras, a Alta Idade Média, o Renascimento, e até mesmo na Pré-história (vide selvagens e thenns…))
    Segundo que o estereótipo de que as mulheres, na Idade Média europeia de verdade, eram todas menosprezas, violentadas e subjugadas não corresponde a verdade. Leiam a historiografia mais atual pra verem o quão importante as mulheres eram para o mundo medieval, individual e coletivamente.
    E terceiro que infelizmente o abuso contra a mulher não é privilégio de nenhum periodo histórico específico, mas sim uma constante até os dias de hoje!

  • Gabriel Albuquerque Hauly

    meu deus olha isso nao acredito nisso, pense q game of thrones é uma serie medieval nos tempos antigos as mulheres nao tinham poder e sim os homens por isso eram usadas e abusadas tanto na serie quanto na vida real epoca medieval

  • Caio Imero

    Ela fala – “Isso não é certo” (algo como: “Aqui não”)
    Significa que ela queria, mas não lá naquele momento, do lado do Filho morto.
    Ou seja, não considero um estupro. E mesmo se for, Game of Thrones tem cada cena perturbada q eu nem ligo, só o fato deles fazerem sexo do lado do filho morto já é muito pior do que qualquer coisa na minha opinião.

  • Guest

    Lidiany concordo plenamente com a questão do estupro. Na 3º temporada o Jaime foi o personagem melhor desenvolvido, passando a mesma sensação dos livro sobre ele (Esse cara não é tão fdp assim), porém, essa cena de estupro é um absurdo.

    Quando a misoginia descordo totalmente. Na série temos personagens femininas fortíssimas: Olenna e Margery Tyrel que tem um papel maior que nos livros (manipulando os Lannisters), Melisandre e seu fantoche Stannis, Dany tocando o terror nos senhores de escravos. Talvez uma exceção seja a Cat que foi diminuída em relação ao Robb, acredito que os produtores optaram por mostrar um pouco mais da campanha do Rei do Norte já que nos livros não vemos muita coisa e desenvolver um grande amor com a Talisa.

    Fica ai a minha opnião, torço para que tenha alguma cena próximo domingo que conserte essa cagad# que o diretor/roteiristas fizeram.

    Valar Morghulis !

  • Ah sim… obrigado!! Eu realmente não me recordava dessa cena

  • Thaiza Costa

    Eu fiquei com raiva do Drogo desde a cena do estupro. Dany começou a chamá-lo de “meu sol e estrelas” e de repente eu era a única que não gostava dele.

    Muito bom o texto. Tudo que eu poderia dizer sobre a série foi dito no texto, mas eu gostaria de acrescentar que isso não é exclusivo de GoT. Ou da HBO. Para mim isso vai além.Infelizmente ainda vivemos numa sociedade machista e as coisas apontadas no texto, assim como vemos em outras séries e inúmeros filmes, são o reflexo disso.

    Na cena da Cersei com Jaime, confesso que ficou confuso para mim se foi consentido ou não porque Cersei dizia para ele parar, mas me pareceu que ela não queria pelo ambiente em que eles estavam e não por não querer Jaime.Ela ter retribuído o beijo e meio que cedido no final reforçou essa ideia.Me equivoquei então…

  • Caio Imero

    Mas realmente acho que essas mudanças são realmente desnecessárias.

  • Artur Costa

    A cena se torna detestável e polêmica não só pelo ato em si (que ocorre diferente dos livros) mas porque foi muito mal executada. O roteirista ou diretor responsável se saiu pessimamente, em particular nessa cena. Talvez até pelo fato do incesto a visão que os responsáveis pela cena tiveram de Cercei e Jaime acabou resultando numa cena mais deturpada na TV. Ou talvez só quiseram chocar mesmo. Eu particularmente adoro os dois personagens e é uma pena que não estejam sendo bem trabalhados na série. Agora sobre a polêmica: se for ver a série como um todo (2 produtores, diversos roteiristas e diretores envolvidos e distribuídos em agora 4 temporadas) vai dá pra se achar tanto indícios que os responsáveis pela série são misóginos como de que não são.

  • é pior pq ela sendo mulher deveria ser a primeira a defender as próprias mulheres. Quando as mulheres chamam as outras de vadias por diversos motivos estão sendo coniventes com os homens acharem o mesmo e se verem no direito de tirar proveito disso, inclusive as estuprando. Eu não estou defendendo os homens aqui e sim as mulheres, você não entendeu ou preferiu ver pelo lado errado. Aliás, vejo muitas mães que educam suas crianças com comportamentos machistas, muito dos comportamentos dos homens também vêm do comportamento das mulheres e isso é algo que deve ser revisto. Muitas mulheres riem das outras, humilham as outras e eu acho isso extremamente detestável e repugnante e penso :” você acabou de abrir mais uma porta para uma agressão consentida você mesma que está rindo agora, pode ser a vítima depois”. As mulheres vivem numa sociedade machista e nem se dão conta de que ajudam a esse machismo se manter firme e forte quando criticam a elas próprias tão terrivelmente.

  • E só para você ter idéia Thais, existem mulheres que dizem que se a outra foi estuprada, foi pq ela usou uma roupa que era de vagabunda, estão fez por onde. O que você acha que um homem vai pensar a respeito de uma mulher que diz isso de sua igual? é por isso que eles nos chamam de traidoras e falsas, você nunca vê um homem denegrindo o outro deliberadamente. Ao contrário, é por isso que nas regras dos homens, eles se defendem e acontece isso que acontece com a gente… Somos agredidas e ainda levamos a culpa. As mulheres são sempre as primeiras a apontar pro “erro” da outra.

  • Guilherme Augusto Faqueti

    Lidiany concordo plenamente com a questão do estupro. Na 3º temporada o Jaime foi o personagem melhor desenvolvido, passando a mesma sensação dos livro sobre ele (Esse cara não é tão fdp assim), porém, essa cena de estupro é um absurdo.

    Quando a misoginia descordo totalmente. Na série temos personagens femininas fortíssimas: Olenna e Margery Tyrel que tem um papel maior que nos livros (manipulando os Lannisters), Melisandre e seu fantoche Stannis, Dany tocando o terror nos senhores de escravos. Talvez uma exceção seja a Cat que foi diminuída em relação ao Robb, acredito que os produtores optaram por mostrar um pouco mais da campanha do Rei do Norte já que nos livros não vemos muita coisa e desenvolver um grande amor com a Talisa.

    Fica ai a minha opnião, torço para que tenha alguma cena próximo domingo que conserte essa cagad# que o diretor/roteiristas fizeram.

    Valar Morghulis !

  • Caligari Burton

    Tentar não ser idiota é a melhor coisa a fazer… o cara ainda acha que o contrário de ser machista é ser feminista. Sabe de nada, inocente.

  • Caligari Burton

    Se for pensar assim nós deveríamos ser omissos em relação ao estupro no mundo real porque outras pessoas també, sofrem outros tipos de violência, daí um estuprinho de nada que diferença faz? Aff… Não é porque outros personagens também sofrem violencia que devemos concordar com esse tipo específico de abuso (estupro).

  • Pati

    No casamento vermelho dos livros a Catelyn mata um neto de Walder Frey, prq na série mudaram para a esposa? Pra mostrar como as mulheres ñ tinham nenhum valor em westeros? #teoriadaconspiração

    tá eu sei q é exagero, mas…

  • Pati

    Sim, todo poder q elas quiserem, menos o de ñ serem estupradas ¬¬

    obs: ñ sei se tu percebeu mas apesar de se basear na idade média, Westeros é outro mundo, não tem que ser, e nem é nos livros, uma cópia da idade média na Terra…

  • Fernanda P.D.

    Não achei legal terem modificado a cena do livro, principalmente com algo tão ‘bobo’ assim (ruptura da personalidade do Jaime), não era necessário ter feito ele estuprar a Cersei para mostrar como ele estava mudado, se o Martin não fez isso, por que D&D deveriam fazer?
    Mas sinceramente, levar pro lado pessoal e dizer que só as mulheres sofrem em Game of Thrones já é exagero (e ignorância, sério mesmo, estamos lendo/assistindo a mesma coisa?)! Theon perdeu o pênis, Robb Stark foi assassinado, Edmure Tully está cativo pelos Frey desde o seu casamento, Bran ficou aleijado, Samwell Tarly foi mandado para a muralha por não ser o que o pai dele queria que ele fosse, o Jon Snow é humilhado por ser um bastardo, Robert Baratheon foi ‘induzido’ a morte, Jon Arryn foi assassinado, Sor Davos teve as pontas dos dedos cortada, o Sandor teve a face queimada, um Imaculado perdeu o mamilo e o Tyrion é acusado de coisas terríveis desde a season 1, tanto pela própria família como por estranhos… Nada disso por causa do gênero, é verdade, mas nenhuma mulher foi torturada por ser mulher, todas possuíam razões por trás: Sansa foi espancada por ser filha de um traidor e irmã de um ‘falso’ Rei, Gilly/Goiva pela circunstância que nasceu, Ros traiu o Littlefinger e foi morta, Talisa foi morta por ter afrontado os Frey aparecendo no casamento do Edmure grávida do Robb (no livro ela ainda está viva), etc.
    Então eu não faço a mínima ideia porque a questão de gênero foi mencionada nesse post, de verdade, se era para mostrar que a Cersei foi abusada por ser uma mulher continua sendo inválido, porque como foi mostrado, o estupro ocorreu para mostrar o conflito de sentimentos que o Jaime está passando e não por questões de misoginia.
    Outra coisa, a série Game of Thrones (A Song of Ice and Fire) atribui muito poder as mulheres, tendo mais personalidades fortes do gênero feminino do que masculino, como Daenerys, Melisandre, Arya, Catelyn, Cersei, Brienne, Arianne, Olenna e Margaery e nem adianta dizer que elas são meros fantoches porque elas já conseguiram arrebentar as cordas que as guiavam.
    E só pra constar antes que eu seja julgada e rotulada: eu não sou machista nem feminista, sou a favor da justiça, apenas. E achei o post bem interessante, exceto pela questão de gênero, que avacalhou legal o conteúdo.

  • Pati

    Tu não entendeu nada do texto, a crítica ñ foi sobre a série mostrar um estupro, e sim de o estupro ser mostrado como se fosse sexo consentido!!! foi pela interpretação dos produtores ao dizer que mesmo ela tendo dito NÃO ela consentiu! É tão dificil perceber o quanto errada é mensagem q isso passa?

  • Pati

    A crítica ñ foi sobre a série mostrar um
    estupro, e sim de o estupro ser mostrado como se fosse sexo
    consentido!!! foi pela interpretação dos produtores ao dizer que mesmo
    ela tendo dito NÃO ela consentiu! É tão dificil perceber o quanto errada
    é mensagem q isso passa?

  • Pati

    Mais um q não entendeu nada do texto, a crítica ñ foi sobre a série mostrar um estupro, e sim de o estupro ser mostrado como se fosse sexo
    consentido!!! foi pela interpretação dos produtores ao dizer que mesmo
    ela tendo dito NÃO ela consentiu! É tão dificil perceber o quanto errada
    é mensagem q isso passa?

  • Pati

    Again: A crítica ñ foi sobre a série mostrar um
    estupro, e sim de o estupro ser mostrado como se fosse sexo
    consentido!!! foi pela interpretação dos produtores ao dizer que mesmo
    ela tendo dito NÃO ela consentiu! É tão dificil perceber o quanto errada
    é a mensagem q isso passa?

  • Caue Queijin

    tb fiquei com cara de wtf?
    FOI estupro
    o problema Ñ é o estupro é a construção do estuprador herói
    podiam até desenvolver isso bem, simbolizar a ruptura dos dois, mas como Jaime caminha pruma redenção e ainda com esse arremedo das declarações do diretor q em vez de consertar pioraram as coisas (MTO, pra mim a justificativa foi pior do q a cena)
    agora daí pra “a série é misógina” e “as mulheres são só peões dos homens” acho um exagero
    Arya, Daenerys e Ygritte s~ao fortes, tem personalidade e nao tem medo de macho nenhum (Asha/Yara cumpre esse papel em menor escala POR ENQUANTO)
    temos ainda Margaery, Melisandre e Olenna usando e descartando os homens a sua volta, futuramente teremos tambem Arianne nesse time

  • “Retratam uma era medieval, machista. Então é claro que vemos machismo gratuito, não tem o que discutir. Eu tento não ser machista. Tente não ser feminista.” Talvez seja por causa de comentários assim que a violência de gênero seja algo tão corriqueiro e naturalizado. Dizer que estupro e morte não é algo a ser discutido, e pior, pedir pra autora da resenha não ser feminista(mesmo evidenciando que de fato existe toda uma exploração e despontencialização com a figura da mulher seja na história do Got ou no mundo em que vivemos, só prova sua total falta de empatia, ou melhor, machismo mesmo que você falsamente diz tentar desconstruir.

  • Parabéns pela resenha! De todas que li no site essa foi sem dúvida a melhor. Não encontrei nenhum exagero de sua parte, só li verdades que devo dizer que me incomodaram bastante principalmente por ser homem, sinto vergonha dessa sociedade viril! Alguns desconsideraram a essência do que você trouxe, mas saiba que por mim se fez mais que entendido.

  • O nome disso é naturalização do estupro!

  • Anderson Luiz

    Tanto machistas quanto feministas são babacas,nunca defendem a igualdade e sim a supremacia do próprio sexo,e sua resposta mal educada pro Eduardo,foi de uma grosseria desnecessária.

  • Arthur

    Acredito que eles apenas falharam em retratar a cena,aquela mãozinha no final poderia ter sido trocada por 1 ou 2 frases de Cersei que não teria nenhuma polêmica e muito menos algo fora de personagem para Jaime,uma vez que por bem ou por mal ele ta naquele de ser um cara legal.

  • Matheus Ferreira

    Ótimo texto, de verdade!!
    Eu comecei a assistir a série antes de ler os livros, e uma das cenas que eu fiquei mais chocado (e até um pouco desconfortável), foi a cena da primeira vez da Dany com o Khal Drogo, eu fiquei realmente com muita pena dela, porque ela nitidamente não queria fazer sexo, tanto que até chorava (o que aconteceu mais de uma vez na série), e estava completamente submissa à força dele. E no livro, quando li a cena da primeira vez deles, tive uma sensação COMPLETAMENTE diferente, é até uma cena bonita, que mostra o consentimento dela no final, justamente por ter se sentido segura com ele naquele momento, e ele mesmo não é tão bruto como na série, pois ele chega a perguntar pra ela se pode prosseguir, e não força o sexo.

    E a cena da Cersei com o Jaime, eu não sabia como era no livro, mas nitidamente ouve uma mudança drástica, tanto na posição da Cersei, como na do Jaime.

    Provavelmente fazem isso pra chocar o público (ao menos é essa a sensação que me passa quando assisto), mas isso é terrível, pois pode formar uma opinião, em alguma mente doentia, de que “Se o cara pegar a mulher, mesmo que à força, uma hora ela vai começar a gostar.”, e todo mundo sabe que existem mentes tão absurdamente corrompidas que são capazes de acreditar numa coisa dessa!! Isso é realmente muito triste.

  • Hemerson Braga

    Acredito que a cena que Khal Drogo abre a garganta do adversário e arranca a língua seria mais que suficiente pra mostrar o quanto o cara era brutal, até hoje me pergunto por que mudaram a noite de núpcias do Khal e a Khaleesi.

    Agora sobre a série, ainda estou confuso sobre essas mudanças, por que acho que algumas ações de Jaime seriam justamente pra reforçar a sua mudança mas tudo tá indo por água abaixo com a série.

  • Hemerson Braga

    Acredito que a cena que Khal Drogo abre a garganta do adversário e arranca a língua seria mais que suficiente pra mostrar o quanto o cara era brutal, até hoje me pergunto por que mudaram a noite de núpcias do Khal e a Khaleesi.

    Agora sobre a série, ainda estou confuso sobre essas mudanças, por que acho que algumas ações de Jaime seriam justamente pra reforçar a sua mudança mas tudo tá indo por água abaixo com a série.

  • Alucard

    Essa cena acabou com o Jaime, os diretores foram muito incompetentes, Jaime nao só estuprou Cersei, como ainda fez isso enquanto ela velava o filho morto, foi o cumulo da merda.

  • Aaron Engel G. Peixoto

    Acho que essa discussão deveria se ater apenas à mudança desnecessária da trama do livro e da destruição do personagem do Jaime na série. Da mesma forma que autora explicitou vários momentos no seriado em que as mulheres são diminuídas, temos vários outros em que elas tomam o poder. Dany desafiando Viserys pela primeira vez, Dany comandando seu khalasar, Dany chefiando Sor Jorah, Sor Barristan e Daario, Cersei que sempre demonstrou seu poder em King’s Landing, Brienne que é uma expressão do feminismo em si, Margaery controlando o temperamento de Joffrey no último episódio, Olenna Tyrell que manda em seu filho… Interessante é pensar que até mesmo a mudança (horrível ao meu ver) de colocar Melisandre como a controladora do Stannis é algo trazido apenas no seriado e que reforça as mulheres na trama.

    Repito: a discussão sobre a desconstrução do Jaime e sobre o diretor gravando aquela cena como se não fosse estupro é válida, mas eu posso muito bem criar um artigo elencando todos os momentos em que os homens são diminuídos dentro da série e chamar isso de… misoginia masculina? GOT tem muitos personagens, muitas tramas e muita complexidade. Algumas tramas mostram o poder feminino, outras não.

    Até a menção de Hillary Kelly o artigo estava perfeito, mas depois disso sinto que a autora fez uma escolha seleta de argumentos, excluindo outros, para defender seu ponto de vista.

  • Lais

    Bruno, por favor, para o seu próprio bem, leia mais sobre a definição de estupro. E entenda: se um dia sua namorada/esposa não quiser fazer sexo com você, e você forçá-la a isso, ISSO É ESTUPRO.

  • O problema não é ser machista ou feminista, não podemos escrever um tópico dando nossa opinião pessoal.

    Todas as cabeças cortadas foram masculinas, theon sendo torturado, Shae tentando forçar sexo com tyrion(Um homem casado)
    Que tal escrevermos um tópico sobre Misandria e você postar?

  • Lais

    Lidiany, não tive paciência para ler todos os comentários pra saber se mais alguém escreveu sobre o que vou escrever.
    Primeiramente, obrigada pelo texto, odiei a cena também, e o fato de estarem transformando as mulheres do livro em estúpidas de segunda classe (vide o fato da Shae ter chorado quando Tyrion terminou com ela, pra que aquilo??? Eu não gosto da Shae, mas colocá-la como sentimental, só vai confundir os espectadores da série, minha opinião.)
    Maaas preciso fazer dois adendos ao seu texto:
    1) De fato, em seu casamento, Daenerys não é estuprada, como na série. Mas ela é sim, estuprada por Drogo repetidamente depois “Possuí-a sempre por trás, à moda dothraki, e Dany sentia-se grata por isso; desta maneira, o senhor seu marido não podia ver as lágrimas que lhe molhavam o rosto, e podia usar a almofada para abafar seus gritos de dor.” (A guerra dos tronos, p.167).
    2) Não entendi quem seja Myranda, até porque o Ramsay parece não gostar de mulheres (ela existe no livro?), mas ele promove sim caçadas às mulheres, uma inclusive era empregada de Winterfell, segundo Theon, ele a enganou, fazendo-a pensar que estava se libertando, quando, na verdade, soltou suas cadelas atrás da moça. Ele nomeia as cadelas com o nome das melhores caças.

    Penso que não teria problemas em eles fazerem essas mudanças e condensações, se não fossem misóginos em outras situações, como, por exemplo uma que me incomodou muito, quando Robb “coloca a mãe de castigo” por ter soltado Jaime. Aquilo foi ridículo. Ou colocarem a traição da aia da Dany com Xaro. Desnecessário.

  • Diego Natan Canteri

    Os dois estupros foram más adaptações, isso eu concordo. De resto não concordo.

    Também apareceram homens sendo torturados, afogados, queimados, forçados a casar, caçados, quebrados, comidos por ratazanas e capados… mas ai parece que não choca…

  • Leandro Rodrigues

    Ruy Loranzo: “A cena envolvendo a rainha e seu irmão pode ter sido indevida em função do desenvolvimento da história, por quebrar um “arco” importante na sequência do personagem Jaime, mas reclamar da violência diante do desfile de vandalismos com o ser humano que há em Thrones (e, por que não dizer, infelizmente, no mundo real?) não procede. Não se assiste a uma série como essa esperando comportamentos edificantes.” Muito bem exposto. Que o estúpro é um ato repugnante em qualquer contexto é incontestável, o que também vale para a cena (desnecessária, aos meus olhos, a nível de enredo), mas considero um pouco apressado apontar rótulos aos produtores e autor pela forma com que esse reflexo da realidade nos é mostrado. Vamos acusar Spielberg de ser anti-semita e infanticida pela Lista de Schindler apenas por ter mostrado a realidade como ela é? Uma história só é bem contada quando seus espectadores se sentem tocados de alguma forma pelo sua mensagem, seja de forma positiva ou chocante, e isso GoT faz com facilidade. Se vamos afirmar que os produtores são misóginos, precisamos também afirmar que são escravistas, infanticidas, sádicos, misântropos pois tudo isso é retratado da forma mais crua possível na série. Estes pontos devem sim ser tratados e sem levianidade (mas sem o exibicionismo gratuito) de modo que o choque não permita que cometamos estes mesmos atos. Em tempo, parabéns à autora pelo artigo bem escrito e pela iniciativa. Devemos sempre contestar e duvidar.

  • Don Ramon

    Começou o texto muito bem e se perdeu no final. GoT não poupa ninguém: Tyrion, Fedor, o próprio Jaime ridiculamente descaracterizado na cena.

    Estou muito longe de ser feminista – até porque ninguém precisa de militância pra ser decente, educação basta – mas GoT com certeza tem sua mensagem feminista também. A própria Danny com sua vingança do irmão ou o fato de domar a herança de Drogo. Infelizmente os produtores erram a mão com muitos personagens como o Stannis, por exemplo, que é apenas confuso na série toda e não o resoluto do livro.

  • thais

    “Eu tento não ser machista. Tente não ser feminista.”

    Se você tentou equiparar o feminismo ao machismo, sugiro tentar pesquisar um pouco mais sobre os dois. Não são, nem nunca foram, equivalentes. Machismo é um sistema institucionalizado de opressão às mulheres e a tudo que teria características femininas. Feminismo é um movimento que acredita que mulheres e homens devem ter os mesmo direitos.

    E aqui vale lembrar de um trecho do voto da ministra Camen Lúcia em uma ação sobre a constitucionalidade da Lei Maria da Penha: “Nós, mulheres, conquistamos, sim, direitos, mas a eficácia e a efetividade não apenas jurídicas, mas social dos direitos, ainda é um caminho longo a percorrer por todos os que passam – as chamadas minorias não numéricas, mas minorias de direito, e aí incluímos nós, as mulheres.”

  • Murilo Mendes Filardi

    Dois pontos que gostaria de levantar:
    Primeiro, no livro Dany foi sim estuprada por Drogo, ele teve uma certa gentileza no tratado com ela no inicio mas no final ainda foi um estupro.
    Segundo: Não vejo de forma alguma as mulheres sendo diminuídas na série de tv, é uma adaptação e TODOS os personagens estão sofrendo cortes enormes, homens e mulheres, e alguns outros estão ganhando mais falas e notoriedade, entre eles Shae e Osha (Martin já comentou até q gostou tanto dela na tv que pretende escrever capítulos com ela como pov). Quanto ao fato do enfoque maior ter sido dado ao Rob e não a Cat acredito que tenha sido por conta dos capítulos dela estarem entre os menos populares (ou até mais detestados mesmo) entre os fãs, muita gente até pulava os capítulos dela para só ler depois, fora que o q de fato acontecia de importante ali era a historia do Rob, mesmo tudo sendo contato através do olhar de Cat a historia central ali era dele.
    Talvez a cena em questão tenha ficado assim por ter sido um tanto corrida, foi realmente uma decisão infame dos produtores.

  • Jack

    Cena totalmente desnecessária, como tantas outras da série. Acho válido a adaptação, já que resumir um livro em apenas 10 horas não é fácil. E claro, também tem a questão dos expectadores da HBO. É realmente preciso adaptar. Mas não consigo entender os valores morais dos diretores. Por exemplo, acredito que escolherem um elenco mais “adulto” para a série uma boa opção, já que a série abusa da violência e sensualidade, assim não seria apropriado para crianças de 11 à 14 anos, como tem metade dos personagens. Mas então, eles acrescentam estupro. E sim, essa cena foi um estupro, não há dúvidas. Eu realmente acredito que se a cena seguisse, Cercei sentiria prazer. Afinal, ambos se desejavam muito. Mas a cena não seguiu, e tudo que vemos é um estupro.

    A discussão não é em torno de se isso era normal na idade média ou não. Se depois ela curtiu o sexo ou não, mas sim a necessidade da cena e a motivação de escrever um roteiro assim. Em seus livros, Martin é razoável. No seriado, parece que os diretores querem criar polêmica.

  • Alvaro Reis

    Eu acho que só estão se esquecendo de separar ficção de realidade.

    Um romance, pelo menos os bons romances, geram sentimentos bons ou ruims. Na verdade a arte gera sentimentos.

    O fato do autor expressar cenas misógenas, violentas, repulsivas e etc, não quer dizer que ele deseja aquilo para a realidade.

    Ninguém é a favor do estupro, mas, como retratar um cenário de guerra (medieval) sem abordar tal tema?

    Ou vocês acham que quando um exército invadia uma cidade o que acontecia na pilhagem eram aquelas cenas linda e maravilhosas dos soldados americanos salvando todo mundo e trazendo a paz e a liberdade?

    Sei que o contexto do estupro não é o da cena, mas a analogia é a mesma.

    A realidade do conflito é feia, e foi mostrada.

    Isso me lembra uma resposta que Arthur Conan Doyle fez em verso para um leitor que criticou o fato de Sherlock Holmes desdenhar de Auguste Dupin (não vou lembrar o verso, mas era mais ou menos assim):

    “Prezado leitor, não me tortura, se tu não sabes a diferença entre criador e criatura.”

  • Se eu não pudesse escrever um tópico dando minha opinião pessoal eu não teria sequer criado esse site, se você não concorda com a minha visão/opinião e valores aí realmente não é problema meu.

  • Boa sorte escrevendo seu artigo sobre misoginia masculina, espero que passe bem longe de mim. o/

  • Pablo Rodrigues Alves Ferreira

    Mas então, um estrupo se caracteriza com o cara tentando segurar a mulher de todas as maneiras, aparece a mulher chorando, não querendo nada… se debatendo a todo custo… no final ela se entrega totalmente a ele. É q a cena corta muito rápido, mas no fim ela se entrega ao desejo. O problema é q tentam achar cabelo em ovo… ficaram focados na palavra e esquecem da imagem. só observar direito q da pra sentir isso. Eu senti q no começo parecia q ele estava forçando, mas no fim ela acaba cedendo ao desejo.

  • Se você tivesse alguma ideia do que é machismo ou feminismo não faria um comentário babaca desses.

  • ChargerBR

    “É óbvio”. Já não gosto disso, nada é óbvio, principalmente uma interpretação ambígua dos livros e a série.

    Sim, parece que a série foi mais um estupro do que algo consensual como no livro. Sem entrar no mérito do crime por si só terrível, a cena pra mim pode mostrar exatamente a loucura desse relacionamento dos irmãos. Do jeito que Cersei é apresentada na série, naquele momento pode ter sido uma sacanagem entre ambos, a cena foi muito bem apresentada pelos atores. Do ser humano eu já espero tudo (não coloque palavras na minha boca, o estupro deve ser punido sempre), mas deve ter gente que gosta da sensação por aí, talvez Cersei da forma como ela estava. Mais a frente podemos ver desdobramentos e se quiseram passar a mudança de ambos em um relacionamento de pessoas perturbadas.

    Do ponto de vista do abuso e violência de mulheres, a série trata os homens da mesma forma, já que são os autores de barbáries contra as mesma e grandes facínoras de modo geral, 99,9% dos homens não prestam, incomoda ver homens o tempo todos como selvagens em qualquer ambiente, toda a série é moralmente reprovável. E talvez por isso atraia tanto, até porque sabemos que o mundo já foi um pouco parecido com isso e em certo pontos ainda é infelizmente.

  • Beatriz Blanco

    “A mépoca em que se passa GoT”. Aham. Fale-me de quando existiram dragões e zumbis.

  • Cara, sinto muito, mas se tu não leu o texto, nem comenta pra não passar vergonha.

  • Sansa nunca foi espancada na série? Acho que vc precisa rever alguns episódios.

  • Luciana, infelizmente contra esse tipo de pensamento não há argumentos…

  • Você claramente não sabe o que é um estupro, ou não leu o texto.

  • Só de ver os comentários nojentos que estão brotando por aqui, tenho cada vez mais certeza de que estou certa.

  • Ninguém aqui tem nada contra sexo, pelo contrário.

  • Adan Ribeiro

    Acho que foi uma cena mal executada. Um erro de direção. Era para ser bonito, mas não foi. Ficou grosseiro quando era para ser uma entrega consensual e no fim, uma discussão que poderia ser evitada. Erro de atuação, produção e de julgamento da equipe toda.

  • Germana Azevedo

    sem falar na cena desnecessaria do estupro de sansa,para mim aquilo foi mais horrivel ainda,colocar um adolescente de 15 anos para fazer aquilo

  • Wellington Schettini Junior

    Acho que muito desta cena existiu para que prossiga a ideia de fazer todos sofrerem com algo, gerar pena no telespectador até para os vilões da história, dessa vez foi a vez da Cersei sofrer com a perda do filho e com a brutalidade de seu amor. Para alguém ter pena de Cersei teria que ser algo forte.

    Quanto o poder das mulheres na série, acho que elas tem poder tanto quanto a era permite, ainda mais acredito. Temos Dany com toda sua exuberância e com a pretensão de se tornar rainha de Westeros, a propria Cersei ex-rainha regente que comandou e ainda comanda de certa forma algumas coisas no reino, Catelyn demostrou ser uma pessoa de muita personalidade e representou bem tanto a casa Tully quanto os Starks tentando fazer um meio termo nas caracteristicas de ambas famílias e agora a série mostra Ollena Tyrel, quer mais demonstração de mulher no poder que a sacada que ela dá no Lorde de Jardim de Cima no episodio anterior?

  • Germana, como eu falei, poderia descrever aqui uma cena violenta/desnecessária incluída em cada episódio da série…
    Você observou bem, tb teve essa cena do “quase estupro” de Sansa… =/

  • Nanis

    Se entendi bem, ela não quis dizer que não deve haver cenas de estupro ou violência em Game of Thrones. É natural que quem lê ou vê uma série como essa, de fato inspirada no período Medieval, e em que seus personagens mais amados, homens, mulheres ou crianças, podem morrer de maneira cruel e violenta, saiba que se trata de uma sociedade perversa, em que qualquer sinal de fraqueza pode significar o fim. A questão são os exageros e as alterações deliberadamente feitos pela HBO, que enfatizam a violência e o poder do homem sobre a mulher em situações que foram originalmente criadas para contar e significar outras coisas. Esse é o perigo de toda adaptação, pior ainda com Game of Thrones e suas polêmicas: cenas complexas com personagens complexos dos livros como o casamento de Danny e Drogo, que é uma cena difícil, mas também bonita, de amadurecimento, na TV acaba se resumindo a qualquer outra coisa, sempre mais violenta e simplista. Parece realmente grave e insultante.

    A despeito disso, sabe-se lá porque, ainda gosto muito da série. Talvez porque, com tudo, de fato aquele ainda seja um universo bastante cruel e perigoso para os homens também. Mas comecei a ler os livros agora e entendo e apoio inteiramente o seu ponto, essa cena da Cersei e do Jaime foi um grande equívoco. O mundo é cão em Game of Thrones e é cão aqui também, a vantagem é que aqui ainda podemos debater.

  • Alvaro Reis

    E digo mais: Pior que o estupro de Cersei foi Cersei ordenar a morte de uma bebê recém nascida.

    Parece que isso chocou menos.

  • Fábio

    Os produtores da HBO devem estar rindo com todo esse mimimi deste episódio, pois com certeza todos que acharam ruim a adaptação continuarão assistindo e mais gente vai começar a ver após essa polêmica toda (até as militantes, para poder criticar), enfim vão faturar ainda mais.

    É curioso numa série onde vemos mutilações, decapitações, castrações, torturas, envenenamentos, massacres em casamentos, invasões em cidades com mortes de inocentes, crianças sendo exibidas crucificadas ou queimadas, ser uma cena de estupro (errado, mas totalmente condizente com o ambiente da série) o que traz um gosto amargo na boca da autora do texto…

  • thais

    Márcia, eu estou bem ciente do machismo na sociedade. Sendo feminista, eu acredito que as mulheres também fazem parte da sociedade, logo sei muito bem que existe machismo entre as mulheres. O que eu discordo veementemente é essa ideia de que mulheres machistas são piores do que homens machistas.

    Veja bem, mulheres não são seres mágicos e superiores que já nascem sabendo de tudo. Nem homens, né. E as mulheres machistas são tão vítimas da misoginia quanto as não machistas. Agora acontece que os principais agressores contra as mulheres, sejam elas machistas ou não, continuam sendo os homens machistas. Estou falando de violência física, aquela que estupra, aquela que mata.

    Claro que a violência psicológica também é horrível, claro que o slut-shaming praticado por mulheres é uma prática horrorosa. Mas isso não é o pior do machismo. Inclusive, considero que sugerir isso não deixa de ser uma atitude que bebe na fonte do machismo, que é aquilo de achar que as coisas que as mulheres fazem são piores.

    Como, por exemplo, quando você diz “vejo muitas mães que educam suas crianças com comportamentos machistas”, como se fosse obrigação unicamente da mãe a educação de uma criança, como se a mãe precisasse ser perfeita e como se o pai não tivesse também obrigação e responsabilidade na educação dos filhos.

    E eu entendi, sim, muito bem o que você falou. E eu sei que o feminismo é uma construção diária. Sugiro você refletir um pouco sobre quem são os principais agentes de violência contra a mulher.

  • Ivo Solano

    Sim, como todas as séries que gostamos. House of Cards se passa em 2013, mas os personagens são completamente fictícios. Lost se passa em 2004, mas a ilha é completamente fictícia, e por aí vai.

  • Mayara França

    Na idade média não tinha a lei Maria da Penha, galera.

  • Thalles Lucas

    Por estarmos falando da atitude da Jaime na serie de tv considerei o comportamento dele anterior na serie. São duas midias diferentes então logo são dois Jaime diferente. Mas mesmo no livro que não tem o assassinato do primo dele ainda sim tem sangue na mão dele, ele ainda foi conivente com estupro de Tysha, ele jogou Bran da torre, ele matou Aerys logo quando viu que a guerra estava perdida, sem contar que ele era cavaleiro quantos saques, estupros e morte de crianças estão na mão dos homens dele. É deixado bem claro que as unicas pessoas em westeros que pune estupradores é o Stannis e Randyll tarly. Ele salvou Brienne, sim. Duas vezes mas voce acha que isso redime tudo que ele fez ou se omitiu, todos os crimes? Jaime assim como theon é um personagem complexo por ele não arrepender de nenhum deles, ele busca ser um cavaleiro melhor mas ameaça matar Tullys, quebrar outro juramento e jogar um bebe de uma catapulta, que redenção é esta então. O que muda é o nosso ponto de vista do personagem, não o personagem em si. Jaime continua sendo mesmo homem sem honra do inicio da serie.

  • Alvaro Reis

    É isso que eu quis dizer:

    Matar bebês pode, a bronca mesmo é estuprar Cersei.

    Imagina que tudo o que acontecesse na série fôssemos refletir na vida real? Eu iria criar meu próprio exército de imaculados!!!

    Aliás, ninguém se chocou com a criação dos imaculados… acho que é porque ser raptado quando criança, castrado, ter que matar um filhote de cachorro e um recém nascido na frente da mãe e virar uma “boca com pernas” é algo bem menos violento!

  • thais

    “Misoginia masculina” é uma aberração não apenas ideológica, mas também linguística. O que você está querendo sugerir é misandria, o que não se aplica. Todos os personagens estão sujeitos à violência, sejam homens ou mulheres. O que a autora aborda no texto é a violência de gênero, cuja motivação, como o próprio nome já diz, é exclusivamente por conta do gênero feminino.

  • Abigail De Souza Pereira

    Achei muito pertinente seu texto, Lidiany. Ao mesmo tempo que fiquei feliz que alguém percebeu o abuso e o absurdo daquela cena, fico triste pelo chorume de machismo que sai nos comentários.
    Em toda a série, se modificou passagens em que personagens femininas aparecem para adicionar mais violência gratuita. Violência gratuita e deliberada contra um gênero é misoginia.
    Acrescentar cenas de caçada humana, apenas pra mostrar que Ramsay é um psicopata, é desnecessário – o cara já passou uma temporada inteira torturando e decepando o Theon, pra que isso? Detalhes do casamento, estupros não descritos no livro. Simplesmente é reducionismo dizer que a mídia televisiva é misógina.
    Espero que com a repercussão, na próx. temporada eles manerem, já que esta foi totalmente gravada.

  • Ivo Solano

    Sim, uma série medieval necessariamente se passa na Idade Média. O que eu entendi de seu comentário é que, para se passar realmente na Idade Média, tem que haver personagens históricos reais que delimitam o período, ou eventos ligados. Mas, como bem colocou o Sandro Valente logo mais abaixo, o mundo é fictício, mas os eventos se passam nesse período de tempo. Isso acontece em todas as séries que gostamos. House of Cards se passa em 2013, mas os personagens são completamente fictícios. Lost se passa em 2004, mas a ilha é completamente fictícia, e por aí vai.

  • Ivo Solano

    Todos tem direito de discordar, e eu faço questão de discordar de você aqui. 🙂

    O livro não necessariamente é melhor que a série. VOCÊ acha isso porque conheceu os livros antes, mas quem conheceu a série antes com certeza acha o contrário. É exatamente pelo mesmo motivo de não gostarmos de ver filmes dublados, mas os filmes da nossa infância são estranhos legendados. Foi o que nós conhecemos primeiro, e aquela é a versão que passamos a adorar.

  • juliana.

    Sim, são personagens fictícios, mas só por isso devem mostrar esse tipo de coisa? Infelizmente a mídia só reforça ideias machistas e a cultura do estupro… e isso não é exclusivo de GoT. Não à toa tanta gente não vê nada demais nesse tipo de comportamento. Sim, existem coisas na série tão graves quanto a cena do estupro, sim é uma obra de ficção, sim naquela época as mulheres sofriam muito e não tinham os direitos que temos hoje, mas não tinha necessidade de botarem uma cena dessas, que não agregou em NADA à história que se propõem contar.

  • Abigail De Souza Pereira

    A pessoa se debatendo não é o suficiente para caracterizar violência?

  • Camila Kertzman

    Texto muito bom, como sempre são as reflexões e as reviews dos episódios. Concordo com a ideia de que a mudança tanto dessa cena quanto da cena do casamento da Dany com o Drogo foram, para dizer o mínimo, péssimas escolhas dramáticas, especialmente se objetivavam causar espanto. Muito mais espantoso para um Khal é o respeito daquela cena e ninguém espera que uma mãe encontre consolo ao lado do corpo do filho morto.
    Analisando meramente pelo aspecto da série como entretenimento, a escolha de acrescentar estupro é pobre, triste e previsível. Na cena do último episódio não cabia esse tipo de violência; ela inteira já era uma de violência simbólica perfeita para demonstrar tanto a relação dos dois quanto a personalidade de cada um. A série, como adaptação, errou.
    Como um texto de análisa da realidade feminina na saga, o texto encaixa e explora várias esferas que são problemáticas na série. Eu acrescentaria também todo o arco da Sansa, mesmo que este seja o mais difícil da série adaptar; toda a transformação interna dela se dá pela narrativa introspectiva dela, enquanto ela mantém para o exterior a imagem da dama bobinha que faz tanta gente hipócritamente odiá-la. Ela mantém ali a imagem da princesa da disney que a maioria das garotas queria ser, da princesa que todo o garoto quis salvar do dragão, enquanto internamente vai crescendo e conhecendo a realidade cruel em que está inserida.
    Claro, o texto não foi feito para discutir toda a violência que ocorre na saga. Infelizmente, quando se escolhe um aspecto para se focar, existem leitores que enxergam isso como diminuição de todo o cenário. Ninguém está a salvo dos horrores e não importa se nasceu com um pedaço de carne entre as pernas ou dois no peito. Aqui, a autora quis apenas evidenciar como é triste uma adaptação fazer uso desses recursos sendo que eles tem a disposição uma fonte extremamente sensível para demonstrar a evolução dos personagens, o livro.

  • thais

    Na verdade, não, eu não acho que o fato de ela desejar ter nascido homem é se revoltar com o sistema. Ela considera isso uma falha dela, que ela precisa superar, e não do sistema. Ela tem o pensamento típico da misoginia internalizada, que é o de achar que é mais especial que as outras mulheres. Todas são burras e fracas, menos ela, que é diferente.

    Veja bem, quando eu falo de misoginia internalizada não é porque ela apresenta um ou outro traço disso, é porque ela é a própria personificação disso. Sério, se alguém perguntar o que é misoginia internalizada, eu sugiro conhecer a personagem Cersei.

    Já esse lance de ela não ser tão inteligente quanto pensa, concordo com você, me parece óbvio. Estranho seria alguém que leu os livros não achar isso. E também é claro que não é pelo fato de ela ser mulher, mas veja bem, não é nem esse o assunto que eu tô abordando.

    O ponto que eu estou abordando é outro, é o de que a personagem Cersei é uma das mais misóginas de toda a série. Por isso discordo quando você diz que acha que ela é contra o sistema, porque ela claramente não é.

    Que foi o que eu quis dizer lááá na primeira resposta ao seu comentário, quando você colocou no mesmo pacote a Cersei, Arya, Brienne e Asha. Eu só quero deixar claro que embora todas possam ser consideradas personagens fortes, a Cersei é bem diferente dessas outras com relação ao empoderamento feminino. A Cersei endossa a subjugação das mulheres (sempre acreditando que ela é melhor que as outras).

  • Arthur Britto

    Isso ocorre pra atrair audiência. Infelizmente nossa sociedade em si ainda diminui as mulheres e tenho uma visão de que as pessoas gostam disso. Tenho amigos que adoraram a cena de estupro. Eu fiquei com um gosto amargo na boca, me perguntando se eu realmente tinha assistido aquilo. Seu texto está ótimo!

  • Abigail De Souza Pereira

    Estupro = amor/tesão; #sqn. Ros foi o filler mais prolongado da série e só serviu pra mostrar sexo sem contexto e a morte brutal. A misoginia na série, só reflete a misoginia na TV em geral e no cinema – acréscimos desnecessários de humilhações a personagens centrais é puro sadismo contra a mulher, mas estamos tão habituados que nem notamos
    Concordo em partes com a Catelyn, no livro, o filho tenta se desvencilhar dela a toda hora – pra fazer merda dps, mas td bem, o moleque tinha 15 anos – tanto que é ela que vai falar com o Renly – pq segundo o filho era a perda menor pra tropa.

  • Felipe Bini

    Uai, se for pra falar só da série então não tem por quê ficarmos discutindo sobre descaracterização (porque esta se dá no transporte do personagem dos livros pra TV). Em que momento você me viu defendendo uma redenção completa do Jaime? Ou que ele não tenha sangue nas mãos? Ou que seus atos bons anulem seus ruins?
    Você assume que o fato dele ter matado o Aerys, jogado o Bran da torre e etc signifique que ele seja capaz de estuprar pessoas, mas isso é apenas presunção, que inclusive não só não é corroborada pelos livros como tem indícios contrários: ele mesmo já se mostrou contrário a estupro algumas vezes. E presumir que ele vá ser hipócrita não é argumento. Sequer sabemos se ele foi conivente com o plano do Tywin ou se foi usado pelo pai e só depois de estuprada a Tysha entendeu o que se passava. Inclino-me mais a acreditar na segunda hipótese, até porque o Tywin devia saber que Jaime e Tyrion eram próximos e que o mais velho era em certa medida protetor do mais novo, mas simplesmente não dá pra saber. De qualquer forma, Tywin mandou e Jaime obedeceu, não quer dizer que ele concordasse com aquilo, em absoluto. Dizer também que ele é estuprador porque seus homens na guerra o fizeram é um pulo enorme. Então todos os westerosi à exceção de Randyll e Stannis são estupradores e “homens sem honra”?
    O que estou apontando aqui é que dos vários atos que ele cometeu, estupro não é um deles, e sim, isso faz diferença. Um estuprador é visto diferentemente de uma pessoa que comete atos ruins de outra natureza. Dando um exemplo idiota, mas que acho que mostra bem essa diferença: com todos os defeitos que ele tem, existem pessoas que “shippam” Brienne e Jaime (dos livros). Você acha que essas mesmas pessoas torceriam pelo casal sabendo que o Jaime é capaz de estuprar mulheres? Eu acho que não.
    Eu entendo que você queria mostrar que as pessoas exageram ao dizer que o Jaime se redimiu e tudo o mais, eu também acho isso. Mas penso que é igualmente exagerado assumir que um sujeito por outros atos reprováveis seja também um estuprador (quando ele mesmo já questionou isso). E é inegável que ele depois de ser mutilado teve uma mudança de personalidade. Pode não ser tão grande quando muitas vezes se faz parecer por aí, mas certamente não é só por estarmos no POV dele que o vemos diferentemente. Até Brienne, o baluarte da honradez, percebeu isso.

  • Felipe Bini

    Epá. Eu conheci a série primeiro e digo claramente: os livros são infinitamente melhores.
    Sinceramente, pode parecer pedante, mas acho que não tem muito cabimento, nesta discussão específica, alguém que não leu os livros. Porque o que se discute aqui é exatamente a necessidade de algumas mudanças feitas na adaptação, e os motivos questionáveis pelos quais elas aconteceram.
    O questionamento não é sobre a presença de estupro, isso todo mundo já está cansado de ver, Westeros é tão brutal quanto nosso mundo. O que se questiona é a descaracterização de um personagem pela mudança de uma cena de sexo consensual para uma de estupro, e qual o motivo pra isso, se é que tem algum.

  • mari_machado_disqus

    Respeito muito sua opinião Lidiany.

    Mas discordo um pouquinho. Acho que a série de TV é, sim, machista (desde a 1ª temporada), mas os livros também são, muito. O sexo mostrado nos livros é predominantemente heterossexual (o homossexualismo é sempre apenas “um rumor”) e, na maioria das vezes, é estupro, quando não é estupro coletivo. As cenas de sexo homossexual são apenas entre mulheres não homossexuais, quer dizer, uma fantasia masculina.

    Discordo, também, quanto ao fato de que Dany não foi estuprada por Drogo nos livros. Não o foi na primeira noite, mas nas noites seguintes, foi, sim. Até ela decidir tomar conta da situação (e foi o que ocorreu na série).

    Além disso, ela foi vendida pelo irmão. Como é que se pode dizer que uma mulher comprada pode fazer sexo consensual com seu “dono”? O fato dela ter ficado excitada naquela noite, não retira o fato de que, não tivesse Viserys a vendido, ela nunca teria consentido estar com Drogo.

    Por outro lado, não concordo com o argumento de alguns comentaristas de que “o mundo daquela época era assim”. Westeros não é a Europa Medieval. É fantasia dirigida para pessoas do século XXI, com valores do século XXI.

    Concordo que a caracterização de Cat foi horrível. Foi uma decisão pensada para deixar Robb (e Richard Madden) brilhar. Não entendo nada de roteiro, mas acredito que poderiam caracterizar Cat melhor e, ainda assim, demonstrar a liderança de Robb.

    O Jaime da série não é o Jaime dos livros e isso ficou claro quando ele matou o primo. Jaime dos livros não mataria um Lannister.

    O show deu todas as dicas de que o estupro ia ocorrer. O fato de Jaime se sentir um nada sem a mão da espada, o desprezo de Cercei por ele desde o início da temporada, a morte de Joffrey bem na cara dele (o filho secreto e o rei que ele como chefe da guarda real deveria proteger). O pedido de Cercei para matar Tyrion foi o gatilho emocional.

    Acredito que a série não vai lidar bem com o estupro, ao contrário do que outras séries do mesmo porte conseguiram fazer (colocar o assunto em discussão e mostrar como isso é horrível) e expor a perspectiva feminina, a superação e os problemas que as vítimas enfrentam. Acho que vai ser apenas um artifício de narrativa, para justificar a ruptura entre os dois e o fato de que Jaime vai defender Tyrion no julgamento contra a vontade de Cersei (Kevan está fora nessa temporada).

    Se eles tivessem feito sexo consensual na série, como nos livros, ficaria muito mais complicado demonstrar a ruptura entre eles. Seria como se tivessem feito as pazes no funeral. Acho que o arco narrativo vai por aí, para mostrar o fim do relacionamento dos dois colocaram um estupro, a humilhação máxima de Cersei e o supremo ato de egoísmo de Jaime. Essa foi uma péssima escolha.

    O próprio fato de que a maioria das pessoas ter se preocupado muito mais com a “redenção” de Jaime do que com a evolução psicológica de Cercei daqui por diante demonstra o quão machista é nossa sociedade.

    É isso. Tenho muitas reservas quanto ao tratamento das mulheres na série, mas não vou deixar de assistir (como alguns conhecidos fizeram). Existem coisas muito piores na TV (em termos de machismo). Acho bom que essa discussão seja levantada, principalmente no mundo Geek (que é super machista).

    Parabéns pelo artigo!

    (editei apenas para corrigir alguns erros gramaticais)

  • A época em média, cara. Mais ou menos. Se passa mais ou menos na idade média. Mistura de idade média e mitologia nórdica.

  • Marcelo de Assis

    Perfeito! Queria muito ver a autora do post comentar sobre isso.

  • Rapha

    Não gostaria de ser levada a mal, mas eu discordo desse texto. Aparentemente a autora não levou em consideração o contexto da saga. Tenho certeza que muitas pessoas tiveram desprazer ao assistir a cena, eu mesma fiquei enojada ao assistir, pq gosto da Cersei, mas numa série cheia de referências ao Medievalismo esse tipo de coisa (apesar de errado) é comum. Até hj eu acho que a primeira vez entre Drogo e Dany foi um estupro sim. Eu li a cena e pra mim “consentimento forçado” não é consentimento. Esse caso específico era uma questão de um dever que ela tinha de cumprir, a consumação do casamento deles. Aparentemente suas criticas são pro Medieval em si do que pra série.

  • Guest

    concordo com tudo que vc escreveu, eu ja fico chocada com o grande numero de abusos com mulheres q a série tem, dai eles vao e acrescentam um estupro que nem estava no livro.

  • Jessica

    engraçado sao os comentários escrotos kkk é gente tem mto homem nojento hj em dia, nao é só na idade média nao.

  • E só pra vc ter uma ideia: os realmente escrotos não passam na moderação…

  • Ivo Solano

    Discordo, Felipe. A discussão proposta no post é a necessidade da exposição de cenas tão fortes como o estupro da Cercei, e ela justifica isso usando as adaptações como parâmetro. Mas isso não significa que o post é sobre as adaptações. O personagem não foi descaracterizado, pois na série ele é aquilo mesmo na série. Você não pode jugar o comportamento na série pelo que ele demonstra ser no livro.

    Respeito sua opinião, e devo dizer que eu generalizei quando falei sobre as preferências. Que bom que você teve o interesse de leros livros,e hoje os prefere. Mas não julgue a série pior por isso. 🙂

    Eu sou leitor de Walking Dead, e já era há alguns anos quando a série foi lançada. Eu prefiro muito mais os quadrinhos, não concordo com o rumo que a série tomou, e por isso não assisto, mas não a julgo pior que os quadrinhos.

  • Kauly Bohm

    Acho q não foi estupro essa cena com o Jaime e muito menos os com o Robert no livro. Temos varias passagens de estupro no livro, como no caso de vilas invadidas após batalhas, agora o que você descreveu foi a relação marido e mulher durante a idade média.

  • Fábio

    Aliás tb discordo desta suposta diminuição que a série faz com as mulheres. Vejamos a Arya, o seu núcleo se passa num ambiente violento e rodeada de homens, no entanto ela consegue tomar frente da situação, seja com o bastardo do Barartheon e o gordinho, com o cão, até o Jaqen ela dobrou. Veja a Dany, da garotinha assustada do início da série e o que ela se tornou hoje. A irmã do Theon possui um respeito com o pai e os homens de ferro que o irmão nunca conseguiu. A Olenna Tyrell praticamente comanda o Jardim de Cima e isso é muito bem explicitado na série, inclusive a neta foi muito bem treinada por ela e levava o Joffrey na conversa facilmente. A própria Cersei sempre se mostrou manipuladora e perigosa, isso até ser vítima no último episódio como tantos outros personagens (homens ou mulheres) já sofreram os mais variados tipos de violência.

  • João Vitor Ribeiro

    Sou contra estupro e qualquer tipo de violência. Mas só criticaram o estupro da Cersei, o da Dany e o quase estupro da Sansa ( o ultimo apenas nos comentarios). Mas e o quase estupro do Theon e depois disso a sua castração (que não está explicito nos livros)? E a castração de milhares de homens para formar o exército dos Imaculados? A tortura dos prisioneiros homens em Harenhall? A violência contra Sandor Clegane quando ele era criança? A falta de honra com a qual o cadáver de Robb foi tratado? Pois é, quando se maltrata mulheres é algo absurdo, quando é com homens é normal. Mais uma vez: abomino estupro e qualquer tipo de violência contra qualquer um.

  • Thalles Lucas

    Uai Felipe, de um certo instante que voce fixa qual meio foi desconstruído o personagem, começa a argumentação a partir dele. Se eu fizer ponte entre livro e serie, falando que Jaime da serie está descaracterizado do livro, eu tenho citar que todos os personagens estão diferentes. Tyrion não é tão nobre assim como Dany é tão heroica. Mas como fixei a serie, vejo se o personagem se descaracterizou na serie. Minha argumentação de jogar Bran da torre ou ameaçar a morte de um recem nascido não foi para corrobar a ideia de que Jaime poderia ser um estuprador mas sim para contestar a redenção que todos falam, como a maioria das pessoas acham que Jaime é um cara legal por ajudar Brienne. Constatado isto, vamos atentar a questão do estupro. Primeiramente, na visão de algumas pessoas, aquilo foi estupro. Não entrando no mérito de decidir se por Cersei não ter gritado ou recusado inicialmente caracteriza como estupro ou não. Mas como somos testemunhas semi onipresente na trama vemos de um angulo acima da pessoa podemos supor ou não. E agora para o Jaime, aquilo foi estupro? Quando ele fazia o ato, ele estava pensando “Ela esta recusando, será que eu estou estuprando ela?”. Na mente da pessoa é tudo diferente, um ato deploravel pode facilmente ser justificado na mente do Jaime. Se ele justificou o ataque do Bran como “As coisas que faço por amor”, ele pode simplesmente justificar aquilo como não sendo estupro na mente dele. Entendido isto, como pode dizer que por ele ter rejeição a estupro, ele não cometeria sendo que na mente dele aquilo passou longe de um estupro?

  • Jessica

    eu imagino, vc é corajosa por fazer um texto desses, pq hj em dia uma mulher feminista é tratada como louca, e quem acha certo abuso e maus tratos com mulheres é considerado normal.

  • Rafael

    Você acha o livro machista? Eu acho que ele mostra um mundo preconceituoso no geral, mas não é um livro machista.

  • Paulo

    O estupro é algo hediondo e que deve ser extremamente condenado, mas caramba todo mundo sofre em GoT, não só apenas mulheres, não importa se é criança ou idoso, homem ou mulher, alto ou anão, gordo ou magro, enfim qualquer tipo de pessoa está sujeita as barbaridades que ocorrem no universo de GoT. É engraçado como a autora lista diversas cenas em que mulheres são subjulgadas, mas não cita as partes em que homens são esfolados,decapitados, queimados, esfaqueados, isso sem falar nas cenas de assassinato de crianças, de tortura, maltrato a animais, pessoas sendo escravizadas, enfim não estou dizendo que nenhuma dessas coisas é certa ou que uma coisa é mais grave que a outra, mas se a autora quer chamar os produtores de machistas, também deveria chamá-los de anti-semitas, racistas, escravistas e todo o tipo de adjetivo negativo que possa encontrar. Se a autora se focasse apenas na cena em si e nas impressões que ela causou, eu entenderia, mas daí querer acusar os produtores de misoginia é algo fora da realidade, pois, como já disse, todo o tipo de pessoa sofre em GoT, independente do gênero a qual ela pertença.

  • Felipe Bini

    E desses comentários que passam e vemos aqui, uns 8 em 10 sequer entenderam o que é o cerne da discussão: “Mas estupro é comum! É idade média! Não gostou vai assistir Disney!”. Bizarro.

  • Jessica

    sério cara esses comentários dao medo!

  • Felipe Bini

    Então se, por exemplo, o Stannis começar a estuprar pessoas também (quando nos livros ele não faz isso, mas ninguém que assiste só a série sabe), tudo bem?
    A discussão é a necessidade de exposição de cenas como o estupro da Cersei, quando existe cenas originais que são similares, mas que não são intrinsecamente assim. Isso pra mim é apelação barata.

  • Diego Natan Canteri

    Verdade, a morte de crianças não foi qualificada como desnecessária…

  • Bruno Bauzer

    Na boa, não foi estupro, nas duas versões ela só fica de mimimi mas no fundo quer.

  • Cid D´Avila

    Vou tentar comentar sem ser misógino. Em primeiro lugar, gostei muito do texto, embora não concorde totalmente com o que está escrito. Acho que esse questionamento e reflexão sobre a violência contra a mulher é sempre muito bem vindo e pertinente e louvo mais uma vez essa série por levantar temas polêmicos e fazer a gente pensar.

    Não acho que a série esteja atacando deliberadamente a imagem feminina, mas mostra a violência de forma explícita e brutal como realmente é. Tão volento quanto o estupro é ver uma criança enfiando uma espada lentamente na garganta de uma pessoa. Ou pescoços serem cortados em close ou ainda citações macabras de rituais de magia negra (não esqueçamos que a Melisandre também estuprou o Gendry. E para quem acha que um homem não pode ser estuprado, recomendo ler sobre o assunto).

    Não vejo a cena do estupro da Cersei ou da Dany como descaracterizações da série. Nem acho que estejam fora de contexto. Acho sim que são cenas fortes e chocantes, mas no meu entender estão dentro da proposta do programa.

    Se é uma forma de mostrar os podres da sociedade, não posso afirmar com certeza, mas gosto de pensar que nem tudo nesta (e em muitas outras séries) é beleza e sedução.

    Concordo com algumas críticas mas acho que devemos tomar cuidado com certos exageros que podem levar algum descuidado a incitar novas teorias conspiratórias.

  • jorge_lito

    Li o texto e concordo com tudo.

    Mas se for abandonar uma série ou deixar de vê um filme por causa de violência contra mulher ou contra o homem (GoT tem muita violência contra os homens também!) a gente iria deixar de vê muita coisa, inclusive ótimas séries ou grandes filmes da história do cinema ou então deixar de lê os livros do Martin, pois são muito mais violentos que a série, com personagens como Ramsay, Montanha, Theon antes de ser Fedor, os Dothrakis que praticam violência contra ambos os sexos por puro prazer, Os Homens de Ferro, o Rei Louco, os Saltimbancos Sangrentos e mais uma porrada que não citei que não aparecem ou não apareceram na série.

    Realmente eu fiquei incomodado com a cena, primeiramente eu odeio a Cercei, mas ela é uma mulher e NENHUMA mulher merece passar por isso. Seguidamente eu SEMPRE gostei do Jaime desde o começo, vi muita gente que começou a gostar dele por causa da sua redenção, mas eu já gostava dele antes. A redenção nos livros é uma coisa fantástica e me fez gostar ainda mais dele e esperava vê isso na série. Na série ele de fato vai ter alguma espécie de redenção, mas esse estupro que ele fez na Cercei é uma mancha no processo.

    Se for deixar de vê uma coisa só por causa desse tema (não só violência contra as mulheres, mas também contra os homens) então ninguém iria gostar dos livros, sendo assim você não tinha criado esse site e não estaríamos discutindo o assunto nesse momento.

  • Jessica

    pq vc deixa esses comentários ridiculos passarem na moderação? haha

  • Jessica

    pq vc deixa esses comentários ridiculos passarem na moderação? haha

  • Jessica

    pq vc deixa esses comentários ridiculos passarem na moderação? haha

  • Jessica

    pq vc deixa esses comentários ridiculos passarem na moderação? haha

  • Grasi Andrade

    Concordo que um “consentimento forçado” é o mesmo que estupro, mas eu nunca vi o capítulo em que a Dany se entrega a Drogo como estupro. No início ela estava com medo sim, e estava “cumprindo seu dever”, mas depois quando ele começa a tratá-la com carinho dá pra perceber que ela passa a querê-lo. E ela própria deixa claro isso respondendo “sim” a penetração dos dedos de Drogo, assim como ele parece ter pedido o consentimento dela antes perguntando “não?”.
    Concordo que a saga tenha inúmeras referências ao medieval, e os livros possuem muitos estupros e diminuição da mulher como era próprio da época, mas diferente do que a série tem mostrado, George Martin sempre vem dando papéis importantíssimos a várias mulheres. Muitas delas são fortes e não precisam ser masculinizadas como a Brienne, elas são fortes ao modo delas, como a Catelyn, Cersei e até como a Sansa vem se tornando.
    Essa diminuição da importância da Catelyn que teve na temporada passada mesmo foi muito estranha. Robb nunca tratou ela mal pela que ela fez porque ele também errou casando com a Jeyne e ele sabia que devido a isso não tinha o direito de julgá-la.

  • Matheus Henrique Souza Oliveir

    Concordo plenamente com o texto Lidiany CS, mas se você falou que talvez deverá largar o seriado, então também vai ter que parar de ler as crônicas de gelo e fogo, porque tem partes que é até pior que o seriado, principalmente a do ramsey.

  • Felipe Bini

    Não entendo. Se estamos falando só da série, não existe esse “todos” que exaltam a redenção do Jaime pra justificar toda essa revolta pela exaltação da redenção. Na TV ele pouco fez para merecer tanta exaltação pelas pessoas que só assistem a série.
    É claro que esta discussão passa necessariamente pelos livros, e começou assim. Você “fixou a série” no meio da discussão, quando misturou as bolas. Nos primeiros posts você inclusive invocou como argumentos cenas que sequer passaram na TV (como a do estupro de Tysha, para justificar uma pretensa hipocrisia).
    E parece que estamos misturando as bolas de novo. É claro que a rejeição a estupro que eu menciono é a do Jaime original. Eu digo que ele não estupraria, não só porque ele não o fez na cena do Septo nos livros (é só ler a cena original para perceber que a Cersei o incentiva a continuar), como porque ele em outras ocasiões já se mostrou contrário a essa prática.
    A questão é que os próprios atos foram diferentes, indepenentemente do que Jaime pensa ou deixa de pensar. Na TV não ficou claro o consentimento da Cersei (o que para muitos caracterizou o estupro, apesar de Alex Graves discordar), enquanto que na cena original ficou bastante explícito.
    Por que razão então eu acreditaria que ele é capaz de estupro, se ele nunca o fez (e mais, questionou e impediu)? Por que eu pressuporia que ele vai ser hipócrita?
    E sim, Tyrion e Daenerys também foram descaracterizados. Stannis e Tormund Giantsbane também. Cada um por seus motivos. E Jaime Lannister também: primeiro por o colocarem como kinslayer (matando o primo para tentar escapar), e agora como estuprador da irmã. A diferença aqui é o motivo pelo qual a última descaracterização se deu.

  • Luiz Henrique Queriquelli

    Lidiane, gostei muito do seu texto, do seu poder de análise, clareza de pensamento etc. Assino embaixo de praticamente tudo o que você disse. Mas queria propor a você pensar a questão sob um outro ângulo: eu diria que uns 85% do sucesso do Game of Thrones se deve à exploração explícita e indiscriminada da crueldade (o estupro vem a ser uma das formas de crueldade exploradas e, sob esse ângulo, a briga pelo poder passa a ser só uma desculpa dramatúrgica para justificar a exploração da crueldade). Isso, para mim, merece uma grande reflexão: por que as pessoas estão tão sedentas por crueldade sublimada? Muitas pessoas (mas muitas mesmo!) já ensaiaram respostas para essa pergunta e não acho que convém listá-las aqui, mas – por ter formação em política – ofereço só uma resposta: no Estado moderno, em tese, ninguém pode cometer nenhuma forma de violência ou crueldade (essa prerrogativa só é garantida ao próprio Estado com o pretexto de garantir a ordem e a “paz”). Num mundo em que as pessoas se veem proibidas de realizar os seus instintos animais de vingança e crueldade, qualquer mínima possibilidade de fazer isso, mesmo que virtualmente, seja através da arte de entretenimento que sublima a violência ou através de um joguinho de paintball, vira um sucesso. O Quentin Tarantino também vem explorando isso faz tempo. Diante de tudo isso, só para encerrar, queria dizer uma coisa: numa série cujo objetivo maior é a exploração da crueldade nas mais variadas formas possíveis, eleger o estupro como uma dessas formas é uma escolha pessoal (do roteirista) e política (da direção, produção, canal, orgãos de censura etc.). Sua crítica deve se concentrar aí.

  • Joao Palmadas

    A idéia da Lidiany é que quando os produtores fazem alterações, geralmente é contra as mulheres. É verdade no caso de Jaime e Cersei, o sexo entre os irmãos nos livros é consensual e na série é violento e não consensual. E também é verdade no caso da Dany e do Drogo, onde nunca houve estupro nos livros. Mas no caso de Ramsay e da garota que ela caça como um animal não é verdade, sua companheira de caçadas é outra garota, enquanto nos livros seus companheiros são homens, e além do mais a perseguição às mulheres está presente nos livros também.

    Também não é verdade no caso da Ros, que morreu porque era uma traidora, como um homem também morreria.

    Também não é verdade nos casos da Arya e da Sansa, que nos livros são muito mais brutalizadas do que na série.

    Também não é verdade no caso da Shae, que na série tem amor sincero pelo Duende, enquanto que nos livros é só uma puta nojenta.

    Poderiamos também falar de Tyrion, o anão que foi sequestrado por Catelyn, quase condenado a morte por Lisa, traído pela Shae (será que na série ele também será traído? Se for, será por vingança e não por dinheiro, o que pode ser considerado uma mudança positiva), e no momento está sendo caçado pela Cersei. E ele ainda agiu como um cavalheiro com a Sansa, na série ele é mais amigo da garota do que nos livros.

    E também tem Olenna, que na série aparece mais do que nos livros, que cala a boca do filho, o Mace Tyrell e que conversa com Tywin de igual para igual.

    E eu também acho o seguinte: já que a série mostra estupros, porque era uma época de estupros, que também mostre o que acontecia com os estupradores: eram castrados. E nos livros eles são mesmo castrados.

  • Joao Palmadas

    Não, mas tinha castração de estuprador. Se a série mostra estupros como sinal de uma época bárbara (o que eu acho muito triste, sim, mas não absurdo), então que também mostre estuprador sendo castrado: isso também é sinal de uma época bárbara. E há muitas castrações nos livros.

  • Joao Palmadas

    A Dany se chocou.

    Ela ser uma branca salvadora de escravos morenos foi considerado por muitos um absurdo, mas ser uma mulher salvadora de homens é considerado normal…

  • Joao Palmadas

    Polêmicas constumam aumentar a audiência…

  • Alucard

    Sempre achei a Lidiany bem feminista, e nao fiquei admirado com este artigo dela. varias vezes achei ela exagerada, agora, focando exclusivamente na questao Jaime-Cersei, ela esta certissima. Essa cena me perturbou.

    Agora, nao acho que vale a comparar a realidade dos tempos antigos, em que os vencidos que sobreviviam eram sempre escravizados-estupradas com a cena em questao, de forma alguma a violencia dos tempos antigos serve de contexto pros irmaos Lannisters.

    Se alguem conhece o relacionamento dos dois, sabe que nao ha espaço pra violencia de forma alguma, eles ate trocam palavras duras, mas nao vejo Jaime nem espancando Cersei, que va dizer estuprando.

    Sim, sei que tem a teoria que Jaime mata Cersei no final, mas ai é o ultimo ato, provavelmente assassinato por indignaçao ou piedade por um futuro pior, jamais estupro, que é um crime luxurioso e sem nenhuma justificativa

    E pior, Jaime sair como certo da cena ainda, moralmente intacto, foi o fim da picada mesmo.

    Odiei esta cena, tanto por degradarem Jaime, qto pelo sofrimento bruto de Cersei, que nao pode velar o filho.

    E outra, Lannister sao tudo, menos estupradores, nem Joffrey estuprou alguem, o que piora a cena.

  • mari_machado_disqus

    Sim, eu acho. Tem a questão da sexualidade que já citei. Existem grandes personagens femininas (Cersei, Dany, Cat), mas também alguns personagens femininos que tem uma caracterização problemática (Shae, Taena Merryweather, Asha, Lollys, Penny, Arianne). E Brienne, que, às vezes, eu acho um personagem sensacional, outras vezes, apenas um amontoado de clichês.

    Não nego o fato de que a representação das mulheres nos livros da série ASOIAF é melhor do que a grande maioria dos livros de fantasia. E também não digo que o autor seja um machista, apenas que o livro não está isento de machismo.

  • Larissa Lins

    A minha opinião é de que a cena foi infeliz sim, porém mais por descaracterizar
    Jaime que desde a temporada passada vinha sofrendo uma evolução. Para mim a cena se tornou um tanto incoerente no desenvolver desse personagem. Enfim, ficou a dúvida, nesse caso da intenção. Fica, então, a curiosidade de saber como as coisas irão se desenrolar agora, afinal não se pode colocar um
    personagem para dizer à Brienne que, se ele fosse mulher, preferiria ser morto à ser estuprado e depois colocá-lo praticando o mesmo com a própria irmã. Desde Bran jogado janela a baixo na 1ª temporada, não me surpreendo com mais nada quando os dois estão juntos, é muita loucura envolvida nesse relacionamento.

    Creio que Westeros tenha uma sociedade naturalmente hostil às mulheres, porém é um lugar igualmente perigoso para qualquer um que não saiba lidar e jogar o jogo dos tronos. Um dos grandes exemplos disso é Theon, um homem. No caso da Ros, por exemplo, ela era uma prostituta realmente e não me parece que as pessoas em Westeros tenham muito respeito por uma prostituta ou se importem com sua vida ou sua morte (vimos um discurso de Tyrion à Shae no 2º episódio dessa temporada, em que, embora talvez ele não pense igual, é daquele jeito que as pessoas provavelmente pensam em relação às mulheres como Ros e Shae). É uma mentalidade condenável, mas aplicável à época. Acrescido a isso, Ros se envolveu com as ‘melhores peças’ do jogo dos tronos, Mindinho matou Dontos no último episódio assim como mataria a qualquer um que ele julgasse ter servido a um propósito dele e não ter mais utilidade alguma. Joffrey era completamente insano, qualquer um que tivesse a infelicidade de morrer por suas mãos, eu não esperaria menos do que uma morte cruel, como, infelizmente, foi a da Ros. Poderia ter sido excluída aquela morte e toda aquela crueldade? Sim, é claro. Mas em minha opinião, alguém iria morrer – homem ou mulher – de uma forma cruel com o objetivo de mostrar o quanto Joffrey era louco. Ros acabou entrando nesse contexto, mas qualquer um ou uma poderia ter entrado.

    Algumas adaptações são necessárias à série, e nesse caso, me refiro a Catelyn. Ela pode ter sido diminuída na série como foi pontuado no
    texto, mas Rob perdeu a guerra porque não seguiu um simples e óbvio conselho seu, ou seja, perdeu a cabeça por não ouvir sua mãe. Simples e metafórico assim. Então, acho que algumas adaptações acabam se justificando. Infelizmente por ser TV, pelo tempo disponível, pelo próprio meio em si, tudo acaba ficando mais simplista. É o ônus de tentar transformar um universo tão singular e profundo em um meio que não tem, por natureza, essas mesmas dimensões.

    Em GoT há alguns exageros sim, por isso o debate é sempre válido e importante, especialmente quando há supostamente uma distorção relevante em relação aos livros. Desde que comecei a assistir à série, a violência, a nudez excessiva e etc me chocaram (e ainda chocam), mas a série vai muito além disso tudo e é exatamente por isso que eu acompanho. Eu penso diferente de você. Não acho que me acostumei a ver as mulheres sendo trucidadas na série, nem que os criadores de GoT possivelmente odeiam as mulheres. Acho que a série, na verdade, tem uma carga violenta fortíssima, que é transferida para qualquer um, independente de gênero. Mesmo que soe batido, ninguém pode negar que àquela época certos tipos de atrocidades eram permitidos e mesmo aplaudidos, ou seja, eram vistos com naturalidade ou como um direito. Atrocidades essas que em nossa realidade e sociedade não cabem mais, não são toleradas e devem ser combatidas.

  • Roberto Pereira

    Como entendi errado se de cara digo que ela “não está’ falando do Martin? Apenas aproveitei pra dizer que não gostei da cena tanto no, livro quanto na TV.

  • Thalles Lucas

    Concordo que confundi um pouco, fixei na serie e apresentei argumentos do festim. Mas fora isto, o estupro de Tysha foi comentado por Tyrion para Shae e Bronn no 1×09. E logico que a cena foi diferente no livro são meios diferentes. Como disse o Tyrion, a unica coisa que Cersei amava era os filhos enquanto Jaime nunca sentiu afeição pelo garoto. Realmente prefiro uma versão da Cersei mais resoluta em fazer sexo em frente do seu filho do que na mostrado no livro. Enquanto na serie, segundo voce diz descaracteriza o Jaime sendo que já foi mostrado que ele é impulsivo e não mede as consequencias do seu ato, no livro descaracteriza completamente a Cersei. Ainda não sabe as consequencia disto na serie, pode ser isto seja a guinada da cersei se relacionar com Taena e se tornar misandria, ou do Jaime se sentir remorso a cometer um ato de estupro mesmo sendo contra que faz com que ele confessa para o Tyrion. Agora argumentar que uma pessoa é contra, faz com que ela não tenta é muita inocencia.

  • Alucard

    Os diretores de GOT aproveitam que a serie é da HBO e exageram nas cenas de sexo, ou com alusoes a isto, definitivamente nao sinto a mesma atmosfera dos livros vendo a serie

    Exemplo é a Margaery, no livro ela é uma Sansa safadinha, muito fica implicito, nada explicito

    Na serie, é uma cachorra do funk, que sugeriu ate sexo com o irmao pro Renly

    Mindinho do livro é o verdadeiro Maquiavel

    Mindinho do livro é um cafetao da mais baixa qualidade

    Shae da livro é bem coadjuvante

    Na serie, aparece mais que o Tywin, kkkkk

    Agora temos Jaime estuprador tbm, e nem quero imaginar certa cena de sexo da Asha Greyjoy no 5 livro, acho que vao chamar a Sasha Grey de duble

    GOT nao precisa chocar com cenas fortes ou de sexo, o ponto alto do livro é a politica, os dialogos instigantes, as mortes inesperadas

    Ainda da tempo de acertar a mao, mas com o sucesso da serie no ibope , duvido.

    Saudade da qualidade da season 1.

  • Roberto Pereira

    Não to zuando não, e como cortaram seus spoilers não sei o que vc escreveu a mais pra justificar que ele é promíscuo. Confesso que não lembrava da cena com o loiro, mas aí ele fez de propósito pra descobrir a trama, não? Acho exagero só por isso chamá-lo de promiscuo. temos pontos de vista diferentes.

  • Felipe Bini

    Curiosamente, numa entrevista publicada hoje na Rolling Stone (mas realizada em janeiro, portanto sem menção à cena polêmica de Breaker of Chains), o GRRM fala justamente sobre redenção, e sobre o Jaime:
    http://www.rollingstone.com/movies/news/george-r-r-martin-the-rolling-stone-interview-20140423?page=3
    Vale a pena ler a entrevista toda.

  • Elivelton santos

    Falou exatamente oq eu penso.

  • RenanRCV

    Não me referi ao texto, me referi aos inúmeros comentários em inúmeras discussões na internet.

  • RenanRCV

    Concordo

  • Regilândia Amazonas

    Eu também achei a cena do “estupro” da Cersei um tanto forçada e desnecessária, mas confesso que esse texto me deixou um tanto confusa quanto ao fundamento da crítica… Que as mulheres eram tratadas assim naquela época, não que isso tenha sido aceitável, é um fato. O seriado é retratado justamente nessa época onde o homem totalmente racional era exceção e as mulheres eram meros objetos de reprodução e luxúria. Portanto, mostrar isso no seriado é totalmente compreensível.

  • Thalles Lucas

    Uai Felipe vai na opinião e filosofia de cada um, o livro brinca muito com isto sobre redenção. Jaime se ‘redime’ na perda da batalha, Cersei se redime na perda da luxuria, lancel se redime na fé. Na minha opinião, pessoa pode ter redimido dos seus pecados mas as consequencias ainda vão continuar existir mesmo depois da morte da pessoa. Alguns atos são suficientes para reedimir a pessoa, isto eu concordo. Ver o pai morto, ser torturado fisicamente e humilhado publicamente na cidade são, ao meu ver, situações tensas que redime a pessoa. Nem por isto, sansa, theon e cersei são os personagens mais adorados dos livros. Agora realmente acho que Jaime não se redimiu, principalmente por parte do festim. Ir contra os Tullys, conversa com Gemma, ameaçar capultar uma criança e queimar a carta da Cersei são atos egoístas. O grande barba branca pode ter escrito a historia como redenção para Jaime mas na minha humilde opinião, não houve.

  • Joao Palmadas

    “Sim, todo poder q elas quiserem, menos o de ñ serem estupradas” Certo. Assim como os homens tem todo poder que eles quiserem, menos o de não serem assassinados. (se a Cersei quiser mandar alguns guardas darem uma surra no Jaime, ela pode).

    E, em relação às mulheres, tanto a série quanto os livros são bem parecidos com a Idade Média. Na verdade, se há diferença, é que na série as mulheres são mais bem tratadas do que eram na Idade Média, em geral. Na série, em vez da bruxa ser queimada é a bruxa que queima os outros.

  • Joao Palmadas

    “forçar” depende tanto do contexto, não é? Se for forçar com uma arma, é estupro, é claro. Se forçar com ameaças e chantagens, também é estupro. Mas se a mulher não quer e o homem insistir até ela ceder e transar de má vontade, mas sem ameaças, sem violência e sem chantagens, ainda é estupro?

    Perguntar não ofende.

  • Joao Palmadas

    Estupro de irmã por irmão nunca foi corriqueiro em época nenhuma, Bruno.

  • João, sexo sem consentimento é estupro, forçar de qualquer forma é estupro.
    Não é e sempre será não.

  • Joao Palmadas

    Bem, os selvagens são… selvagens. Eles não são chamados assim a toa.

  • Cindy

    não como nos livros, ela sofreu muito mais lá.

  • Rafael

    Mas ae que tá mostrar machismo não quer dizer que ele é machista. O autor não defende superioridade masculina, ele apenas mostra um mundo preconceituoso no geral, muito baseado na Europa Feudal, ele não faz apologia ao machismo ou qlqr outro preconceito.

    O mundo de Westeros e Essos é preconceituoso no geral, não apenas para mulheres, olha como Tyrion é tratado, apenas por ser um anão, as pessoas acham que ele é ruim por ele ser um anão e isso são todos, Cat o prende injustamente, Cersei o acusa sem provas e Shae o trai. Ahh ele é um Lannister também, mas ao mesmo tempo que ele tem a má fama de um ao mesmo tempo se ele não fosse dessa Casa ele seria o que? Provavelmente morto por seus pais depois do nascimento.

    Não se cria heróis sem ter vilões, de certa forma a própria sociedade demonstrada nos livros é um dos vilões, por isso Dany aparece como uma reformadora.

  • Joao Palmadas

    Bem, eu entendi que a Lidiany disse que a série muda a história dos livros e que, nas mudanças, há uma tendência de aumentar o sofrimento e diminuir a importância das mulheres.

    Se for isso que ela quis dizer, concordo que realmente há exemplos disso, mas também há exemplos em contrário e, no geral, não dá para caracterizar uma tendência nessas mudanças.

  • mari_machado_disqus

    Não. Apaguei o que havia escrito aqui.
    Desculpe.
    Boa semana

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Eu sei que existe misoginia na tv. Não duvido nenhum pouco disso. Basta ver as dezenas de comerciais de produtos de limpeza, sempre encenadas por mulheres. Enfim, a questão aqui é se os produtores são misóginos ou não.

    Como podem dizer que a série é misógina se a série mostra mulheres fortes? Daenerys, Arya, Sansa( que apesar de não parecer, é extremamente forte), Olenna, Melisandre, Ygritte, Cersei… Enfim, é se cegar para oceano e focar apenas numa ilhota de controvérsias.

    Vcs parecem esquecer do fato que a própria Cersei estuprou Lancel. Isso no livro é bem clao. Isso só reforça a minha argumentação que Westeros é cruel para todos.

  • Compreendi o que disse, porém a série não retrata época alguma, é uma história atemporal, ou seja, tem características reais e fictícias. Apesar de ter uma aparência medieval, e de sabermos como as mulheres foram tratadas na era medieval, não há necessidade de mostrar dessa forma a história de um livro que tem detalhes ricos de mulheres fortes. A série tem mostrados detalhes ricos de mulheres submissas e fracas e no livro não se passa dessa forma. A HBO tem um histórico de apelo a cenas desse tipo.

  • João Urbano

    Por se tratar de um “documento cinematográfico” não basta analisar os diálogos,é preciso analisar as atuações dos atores, suas linguagens corporais, um “não” pode significar um “sim”. Na cena da Cersei en questão não me pareceu um estupro, mas uma luta acirrada entre a sacanagem da libido e o moralmente correto.

  • mari_machado_disqus

    Entendo seu ponto de vista.
    Na minha opinião, o machismo dos livros não está na descrição de uma sociedade machista de Westeros, tão pouco na defesa escancarada de uma alegada superioridade masculina (que, realmente, não ocorre nos livros), está na forma como alguns personagens femininos são descritos. Os clichês que são atribuídos a elas (que repetem uma visão machista sobre a mulher).

    (editei para acrescentar que não acho que o livro defenda superioridade masculina.

  • Não se sinta intimidada Mari.

  • Joao Palmadas

    Quando ele fala em atirar o filho do Edmure numa catapulta, ele não está sendo nem impulsivo nem obsessivo. ele está senso frio e racional. Como o pai dele. Ele até se orgulha de parecer com Lorde Tywin nisso.

  • Regilândia Amazonas

    Sim, concordamos que, apesar de ser atemporal, o link feito com a realidade remete àquela época. Também compreendi o seu ponto de vista. 🙂

  • Felipe Bini

    Ele não dizia necessariamente que era uma redenção, mas que havia elementos que permitiam que houvesse questionamento a esse respeito, não só em relação ao Jaime mas a outros personagens.
    Sobre os casos que você apontou, a ameaça de catapultagem da criança é reprovável, é claro (isso assumindo que não era uma ameaça vazia).
    Mas quanto às outras questões, qual o problema intrínseco em ser contra os Tullys? Ele tem um lado na guerra, que é o contrário ao deles. E queimar a carta de Cersei? O cara percebeu que era apenas um peão para a irmã e resolveu não ajudar (até porque era pedir pra morrer, sem a mão boa), não acho isso absurdo, nem egoísta (no máximo, egoísimo pago com egoísmo). Não sei também qual é o problema na conversa com a Genna.
    Um bom exemplo de como ele cresceu em tato e habilidade política (ao contrário da impulsividade anterior) é como lida com a rendição dos Blackwood. Consegue convencer o Tytos a ceder com reféns e perda de terras, ao mesmo tempo em que não cede às demandas do Jonos Bracken (que também sai perdendo), tudo para não inflamar ainda mais a rivalidade entre as casas, o que poderia ter piores consequências no futuro.
    Eu não acho sinceramente que ele é exatamente o mesmo Jaime de antes da mutilação. O anterior era inconsequente porque era o melhor espadachim de Westeros e nada tinha a temer, o atual, como é “só mais um”, começou a perceber que existem coisas que realmente merecem preocupação.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    De todas as mudanças que houveram na adaptação dos livros para a série, essa. para mim, foi uma das piores. O Jaime, apesar de todos os seus defeitos, sempre foi um cavaleiro, sim, um cavaleiro na questão mais verdadeira da palavra, o que o dialogo dele com a Brienne na sala de banhos e as lembranças dele sobre o estupro da Rhaella pelo Aerys demonstravam o respeito que ele tinha pela vontade das mulheres, inclusive que ele sai de Porto Real e vai para as Riverlands, se não me engano ele tem uma conversa com um dos escudeiros que sente desejo por uma seguidora de acampamento, e ele oferece o próprio quarto para o tal garoto dormir com ela, desde que ela também deseje… Não estou recordando agora, mas se não me engano essa mesma guria é estuprada por alguns foras da lei e nessas condições há certos pensamentos e comentários do Jaime que mostram o seu desprezo por homens que fazem esse tipo de coisa, então realmente não achei nenhum ganho para o personagem essa cena, muito pelo contrario, a volta prematura do Jaime para Porto Real, a meu ver, tinha estragado a possibilidade dessa cena do septo existir, uma vez que ele não estava tomado pelo desespero e saudades absurdas que a falta da Cersei causou nele, na série ele já estava la há semanas. Me lembro perfeitamente dessa cena de sexo no septo nos livros, quando a Cersei se agarra ao Jaime, abrindo as pernas e puxando ele, e ele percebe que ela esta com sangue de lua e mesmo assim eles não param, é um ato completamente consensual…
    Não duvido que o diretor tenha tido a intenção de retratar a cena da maneira como ele falou que desejava, e talvez não tenha mesmo passado pela cabeça dele que esse tipo de impressão pudesse ser passada com essa força, não é facil para um homem compreender esse tipo de coisa como é para uma mulher, eles não sentem esse tipo de vulnerabilidade, mas a ideia que a cena deixou foi de estupro sim! É preciso condenar e repudiar totalmente essa ideia ABSURDA de que o ‘não’ da mulher pode ser um ‘talvez’ ou um tipo de arma para se fazer de dificil e se tornar mais desejavel… A Cersei falou não, não, e continuou dizendo não, em nenhum momento ela disse ‘sim’ e ela se debateu embaixo do Jaime até o peso do corpo dele não permitir mais que ela se movesse, ao menos foi isso que eu vi… Dizer que isso não foi estupro é perpetuar a ideia de que o ‘não’ de uma mulher pode não significar um ‘não’, é perpetuar a ideia de que um homem pode se forçar a ela porque apesar dela estar dizendo ‘não’ internamente ela quer, é perpetuar a cultura do estupro, algo que já é tão dificil de ser combatido e que a cada dia mais fere o corpo e a mente de milhares de mulheres pelo mundo. Só no Brasil, a cada 12 segundos, uma mulher é violentada… O diretor precisava rever os conceitos dele, um estupro em GoT não é tão absurdo porque estamos lidando com uma sociedade machista, misogena, medieval, mas uma cena clara de estupro em que se nega que ouve estupro, isso é absurdo.

  • Dudu

    “chego à conclusão de que, apesar da sensação de estarem no poder, as mulheres de Game Of Thrones
    são meros peões nas mãos e nos jogos dos homens.”

    imagine terras sem leis ou algum tipo de justiça ou santidade, pois é… voce esta escrevendo como se estivessemos vivendo Game of thrones e bastava uma dessas mulheres prestar queixa e levar cada um desses a justiça. Game of Thrones mostra a crueldade humana com todos os generos e raça e etc. nao por desprezo, mas pq é outra cultura outros costumes e terras onde leis e santidade nao existem.

    nem todos sao Ned Stark, Jon swon, khaleesi ou Tyrion;

    “Muitos espectadores já
    reclamaram do uso abusivo das cenas de sexo e da exploração de nudez e
    violência contra as mulheres.”

    e quanto a crueldade sofrida por caras que foram torturados ou mutilados? texto nao tem pé e nem cabeça, vendo coisa onde nao existe.

    pra terminar veja a cena denovo, ela reclama mas beija o cara o tempo todo. ela diz nao ser certo por ele ser o irmao dela. ja pensou nisso?

  • Carla Medeiros Silva

    Muito bom seu texto Lidiany! Fiquei bem desapontada ao perceber essa mudança com relação à história nos livros.
    Querer apontar a mudança no caráter de Jaime com uma cena de estupro, foi, ao meu modo de ver, uma péssima adaptação que descaracteriza o personagem que lemos nos livros. Mas seu texto vai além disso e apresenta reflexões super interessantes sobre a violência contra as mulheres na série… Adorei!

  • mari_machado_disqus

    Lidiany, você é muito gentil! Obrigada!
    Não me senti intimidada, foi mais auto censura. Eu ia responder de forma mais enérgica e não vale a pena.
    Admiro muito sua coragem de se expressar.
    Parabéns novamente!

  • elaine figueira

    Desnecessária e forçada, ô cena sem vergonha e horrivel, de mau gosto. Achei sim estupro, pois ela disse não e disse aqui não, pois estava com o filho morto ali, ao lado. Tá certo que ela e o irmão e o pai e o Joffrey, ninguém presta, mas a cena foi de estupro e violência.

  • Eduardo Amorim

    “Lidiany, não me odeie, mas senti um certo exagero na sua revolta. Se há um autor que não pode ser tratado como misógino é o Martin”
    De qm vc esta falando então?

  • Alexandre Abramo

    Mas o que é a série de livros senão uma sucessão de mulheres brutalizadas, escravizadas, mal tratadas e mortas? É exatamente o que está nos livros. As mudanças que você citou foram sutis. Eu li a série duas vezes, sempre imaginei a cena de Daenerys e Drogo exatamente como foi. A brutalidade do Khal, que pratica o sexo ao estilo Dothraki, por trás e sem olhar no rosto da esposa. Daí a beleza da cena posterior em que ela se impõe para que eles se olhem.

    A cena de Cersei foi mal dirigida. Bastava uma leitura com mais calma da cena para fazer uma pequena correção no roteiro e não estarmos discutindo isso.

    Já a perda de espaço de Catelyn é natural. Nos livros estamos dentro da cabeça dos personagens, e é assim que diversos fatos, batalhas e mortes são retratados. Para uma adaptação cinematográfica isso é impossível. Você precisa mostrar os fatos para que o telespectador entenda o que ocorre. Caso fosse uma adaptação parecida com a forma da narrativa dos livros teríamos uma série toda narrada com os personagens em silêncio. É uma opção de narrativa, não de perda de espaço da mulher forte que Catelyn é.

    Acho que a única forma de GOT não ser cruel com as mulheres é a história ser reescrita. George Martin sempre disse que baseou Westeros na Europa medieval. E é exatamente um retrato da Europa medieval que vemos nas mulheres de GOT.

    Isso não tira, entretanto, a força de Daenerys, Catelyn, Arya e até Sansa. Que amadurece com a história e ainda dará muitas provas de que não é mais a menina que saiu de Winterfell. Acho a discussão saudável, principalmente se servir para discutir o preconceito que a mulher sofre no nosso mundo, mas jogarmos isso para a adaptação de uma série ficcional é exagero.

  • Dudu

    “mas uma luta acirrada entre a sacanagem da libido e o moralmente correto.”

    bem descrito joao. tentei falar isso de outra forma mas voce resumiu bem.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    90% dos estupradores fala a mesma coisa. “Ela disse não, mas no fundo ela queria”.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Só porque eu esqueci no post anterior… Adorei muito a sua analise. E confesso que não sei se vou assistir a série com o mesmo entusiasmo de antes, não apenas pela cena de estupro, mas pela total desconstrução do personagem do Jaime, que nos livros tava se transformando em um dos meus favoritos e na série virou só mais um cavaleiro que quebrou os votos (votos de cavaleiro, que fique claro, os votos da guarda real ele já tinha quebrado).

  • Ana Claudia

    Eu assisti esta cena somente uma vez, por tanto não sei dizer se ela cede aos avanços do Jaime, mas continua achando que se queriam passar esse consentimento da Cercei de uma forma mais clara, bastava um “sim”, ou uma cena mais longa dela entregue ao seu amante.

  • Rafael Macedo

    Isso é para quem é feminista compreender que direitos iguais só existem em um mundo em paz e civilizado. O que não é o caso do GOT. Estupro é corriqueiro na nossa sociedade e somente com muita justiça e paz é que isso diminui. No entanto em guerras e desastres voltamos ao primitivo que é onde a força ganha e o homem na nossa espécie detem a força física. É muito, mas muito provável que todos nós descendamos em algum ponto da nossa árvore genealógica de uma mulher que foi estuprada. Fica ai o pensamento.

  • Joao Palmadas

    Por mim, eu nem me lembro do que escrevi aqui.

  • Thalles Lucas

    Uma pessoa pode ter atos de frieza para instantaneamente ser impulsiva. E pareceu mais uma afirmação para Gemma que ele é o herdeiro de Twyin do que um ato racional. Sendo que ameaçar catapultar um recem nascido é deplorável

  • Thalles Lucas

    O problema de ir contra os tullys por que ele fez um juramento que não levantaria armas contra os tullys e stark. De certa forma foi uma quebra de mais um juramento. E queimar carta da cersei, mesmo que ela tenha deitado com outros homens e mentido para ele, ela ainda é irma dele e estava correndo risco de morte. Para mim é egoismo deixar a irma e ex-amante morrer simplesmente por que partiu o coração dele. A conversa com Gemma mostra o ego dele, por ela falar que Tyrion era herdeiro do Twyin ocasionando ele ameaçar Edmure simplesmente para afirmar que pensa igual o pai. Concordo que ele consegue manejar bem a solução politica em riverrun e se tornou menos inconsequente em relação a um Jaime que entra na guarda real só para ficar com a irma. Todo mundo muda, mas mesmo assim não dá para definir se por ter ficado mais astuto, ele é um novo Jaime. Qualquer coisa valeu pela discussão fera 🙂

  • Rafael

    Concordamos então, rs

    Um mundo machista cria personagens machistas até que apareça alguem que tente quebrar esses paradigmas, Nymeria em Dourne por exemplo, a diferença de Dourne para o resto de Westeros.

    Eu acho o livro bem completo neste sentido, não existe muitas falhas no pq as coisas são da forma que são.

  • Myriel

    Discordo parcialmente do seu ponto de vista. Há ocorrências de estupros brutais nos livros que não foram adaptados para série ainda, como aqueles cometidos pelo Montanha e pelo Ramsay Snow. No caso do Ramsay, a mulher é tratada ainda mais como objeto se ela não divertir o bastardo, pois será estuprada e esfolada viva. O próprio Ramsay é fruto de um estupro.

    Isso significa que GRRM odeia as mulheres, por seus personagens estuprar brutalmente as mulheres? Não. As mulheres são mais fortes e presentes nos livros? Definitivamente. Porém, é importante lembrar que nos livros estamos dentro da cabeça delas, então é de se esperar que as personagens sejam firmemente estabelecidas. Agora afirmar que os roteiristas da série odeiam as mulheres por adaptar uma cena ou outra é algo incoerente na minha opinião, com base nesse argumento exclusivamente.

    Quanto à Ros, pelo que lembro nos livros as prostitutas são brutalizadas e torturadas. E os roteiristas citaram que a Ros seria a personificação de várias prostitutas presentes nos livros.

    Quando o Theon foi torturado e esfolado, não houve crítica numa postagem exclusiva. Sendo que foram cenas adaptadas para a série, uma vez que não acompanhamos a ida imediata do Theon para o Forte do Pavor nos livros. Não quero dizer que a tortura e o esfolamento são crimes tão ruins quanto o estupro, mas não deixam de ser barbaridades também…

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    A cena em questão não se encaixa em nada do que você descreveu. Estão em um momento em que a guerra esta, supostamente, “ganha”, dentro de um septo, um casal que, mesmo sendo irmão e irmã, nutrem uma relação há anos, uma relação que o Jaime acredita piamente que é amor verdadeiro… Não foi um estupro no meio de uma guerra, não foi selvagem ou um vilão, ou um conquistador que foi lá e estuprou uma mulher de uma cidade inimiga ou que ele acabou de conquistar… Acho que sua analise não fez sentido, ou então eu não devo tê-la compreendido direito, se for este o caso, desculpe.
    Estupro não pode ser justificado, não sei qual reflexão você tentou oferecer com isso, se descendermos de uma mulher que foi estuprada ou não, isso é irrelevante, estupro é uma invasão hedionda, um crime contra o livre arbítrio e deve ser repudiado em todas as suas maneiras, independente de estarmos em uma sociedade em paz ou em guerra. Estupro é estupro.

  • Myriel

    Mas ao matar seu soberano ele quebrou os votos de cavaleiro também…

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Juramento do cavaleiro:”Em nome do Guerreiro eu te ordeno a ser bravo.””Em nome do Pai eu te ordeno a ser justo.”
    “Em nome da Mãe eu te ordeno a defender os jovens e inocentes.”
    “Em nome da Donzela eu te ordeno a proteger todas as mulheres…”

    Ele não quebrou os votos de cavaleiro, a parte de obedecer é do juramento da guarda real, não juramento de cavaleiro.

  • Joao Palmadas

    Desculpe, Kauly, mas para você o Robert não estuprava a Cersei? Mesmo considerando que a Cersei conta a história pela ótica dela e que é uma ótica distorcida, o sexo entre eles era estupro, sim.

  • Katherine Aquino

    “no primeiro episódio de Game Of Thrones, o casamento de Daenerys foi consumado através de um estupro, diferentemente dos livros, onde Daenerys dá uma permissão, mesmo que forçada ao khal. ” Consentimento forçado em cima de uma menina de 13 anos pra mim é estupro. Discordo quando a autora diz que na série isso foi forçado, na verdade achei a cena na TV menos chocante que no livro. Khal Drogo é muito mais bruto no livro que na série e em ambos é sim um estuprador. Talvez por no livro vermos através da Daenerys, que acaba por se identificar com o seu agressor a la Síndrome de Estocolmo, o leitor seja levado a ver o Khal com a neblina dos olhos de uma menina solitária, vendida, brutalizada e desesperada pra se apoiar e ser amada por alguém. Como na série não há ponto de vista do personagem o estupro ficou muito mais nítido.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Da mesma forma que homicídio é homicídio. Castração é castração. Mutilação é mutilação. Infanticídio é infanticídio.

    Nem por isso vejo uma reflexão tão grande quanto vejo do estupro. É um alarde desnecessário. A série mostra aspectos da vida humana westeriana, muito similar com a vida medieval.

    Meninas, não confunda a nossa nefasta realidade machista com uma representação artistica realista dessa realidade. Ninguem aqui tá dizendo que o estupro é justificado, apenas estamos dizendo que para os termos de Game of Thrones, isso é normal.

    Que fique bem claro que não concordo com a escolha dessa cena pelos roteiristas e produtores. Essa cena contradiz e muito a construção dos 2 personagens.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Cara, é exatamente isso que penso. Vc simplesmente copiou e colou meus pensamentos hahaha

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    Mas os diretores não são brasileiros e GoT não é que nem novela brasileira que molda a percepção do mundo das pessoas. Não dá pra afirmar categoricamente que essa cena influencia e perpetua a prática do estupro na vida real. É uma afirmação MUITO forte.

    Concordo totalmente com você que descaracterizou o personagem Jaime. Foi uma cena completamente sem pé nem cabeça e acho que os diretores deveriam pedir desculpas não só aos fãs, mas ao proprio GRRM.

    Como já falei em outro post, não confunda o seriado com a realidade brasileira. São contextos completamente diferentes. Não ache que o seriado tenha o condão de influenciar as pessoas a praticar atos hediondos. Caso contrário, estariamos todos matando, roubando, sequestrando e estuprando por ai.

  • Pedro Henrique

    Sim,dá pra ver isso bem nitidamente na série,pelos pensamentos dela e tudo mais -.-

  • Pedro Henrique

    Sim,eu entendi isso,mas usar isso da época medieval como argumento pra tentar fazer com que a cena seja menos doentia é ridículo,foi isso que eu quis dizer,talvez eu não tenha me expressado tão bem xD

  • Pedro Henrique

    Infelizmente sim.

  • drmingus

    Bem falado!

  • Pedro Henrique

    Se você faz parte de quem concorda com isso,eu não sou a melhor pessoa pra mudar isso,mas primeiro,vamos pensar nisso como história:
    Jaime,na guarda real com 15 anos,guarda de aerys e rhaella,como se sabe,aerys maltratava rhaella e o jaime sempre tentava impedir que ele,um homem doentio,estuprasse ela. Depois,na volta pra KL com a Brienne,ele faz ela se livrar de ser estuprada,e nunca gostou do Robert porque ele estuprava a Cersei. Então,conceitualmente ele é um homem contra o estupro,por isso o GRRM construiu a cena do modo como ela foi,pra fazer sentido com o momento e o personagem.
    Jaime da série,com 16 era escudeiro do Barristan Selmy,e isso é uma das poucas coisas que sabemos com tanta precisão sobre a história dele. Ele é introduzido na série já como ruim,empurrando o Bran da torre e tudo mais,mas após a perda da mão,após encontrar a a Brienne,ele toma um rumo e começa a ser uma pessoa,se não boa,melhor,e parece que isso vai progredir (até o 4×02,pelo menos). Em cima dessa construção de personagem,você pode concordar que um estupro,ainda mais com a pessoa que ele ama,não é cabível pra um personagem assim,certo? O que as pessoas tem que entender é,Alex Graves construiu a cena assim para quê? É uma resposta simples: Ele fez isso para causar,polemizar. O que quer que ele faça quanto a esses personagens vai ser definitivamente ruim. Se isso acabar com a relação deles,vai fazer a qualidade da história entre os dois decair. Se eles continuarem juntos após isso,vai parecer mais doentio ainda. A questão toda,não é que o estupro não é um elemento usável,ou que nada justifica o uso dele na série,a questão é que não é algo tão comum que pode ser usado apenas pra causar um: OH MY GOD! É uma questão bem complexa,que tem várias consequencias que devem ser pensadas,não algo comum para o uso dos produtores a torto e a direito. Acho que consegui expor meu ponto.

  • drmingus

    Discordo quando vc diz “É fantasia dirigida para pessoas do século XXI, com valores do século XXI.” . Eu vejo como fantasia dirigida para pessoas do século XXI também, mas por ser ficção, permite-se aos autores/diretores/produtores adotar a mentalidade e os padrões de conduta que bem desejarem. Nós, o público, podemos não gostar, mas acho que não podemos considerar que os autores estejam tentando impor uma visão de mundo.

  • Mário Luiz A. silva

    Assisto Game of Thrones, gosto, mas muito me incomoda as mudanças, as vezes radical, que os roteiristas fazem na estória. Prefiro o Jaime dos livros, como todos os outros personagens e considero a cena no Septo de Baleor muito inverosímel, tanto pelo momento, quanto pelo Jaime, por isso apoio as opiniões da Lidiany CS neste texto, mas tenho que lembrar que se levarmos em conta o contexto da estória, idade média, sabemos que foi um período, em certo sentido, bem escuro para a humanidade, principalmente na Europa, e nesta época as mulheres eram tratadas quase que como escravas dos homens e sofriam bastante, com algumas exceções por aqueles mais humanistas e esclarecidos ou que tinham a visão correta do cristianismo como uma religião fundamentada na pratica do amor ao próximo. Hoje ao vermos tais situações sendo retratadas em estórias ficcional, em tempos do politicamente correto, é natural que nos indignemos, talvez tais tipos de situação só devessem ser retratados em documentários históricos como lição de vida e como demonstração de que ainda que ainda tenhamos muito a que melhorar como seres humanos, ética e humanitariamente já tivemos grandes avanços na convivência como sociedade.

  • drmingus

    E não se pode esquecer que os bastardos são vistos de antemão como pessoas traiçoeiras (exceto em Dorne, de acordo com Oberyn). E os habitantes além da muralha são tratados todos como selvagens. E aleijados talvez devessem morrer logo ao invés de ficar sofrendo (raciocínio do Robert que levou o Joffrey a encomendar o assassinato do Bran). Preconceito é o que não falta…

  • Lais

    “transar de má vontade” cara, qual o prazer em fazer sexo com alguém que está de má vontade? A mulher precisa estar COM vontade!!! Entende?

  • Myriel

    Suas palavras não poderiam ser melhores: o consentimento de uma menina de 13 anos é algo muito questionável, ainda mais quando ela foi vendida e muitas vezes espancada pelo irmão ao contrariá-lo… Também concordo com uma possível Síndrome de Estocolmo e a maneira com que Daenerys enxerga Khal Drogo.

  • Mário Luiz A. silva

    Quanto à exploração das mulheres, o contexto da estória nos remete à idade média, mais ou menos entre os séculos nove e quatorze, mas se analisarmos a própria história do nosso Brasil varonil no século dezenove, que não está tão distante de nossa época, vamos ver senhores de escravos usando as escravas como objeto sexual, que vendiam seus filhos, frutos deste relacionamento, para outros senhores. Entre estes que faziam todo tipo de malvadezas com suas infelizes escravas as vezes apareciam alguns, que me parece, apaixonavam realmente por suas escravas e batizavam seus filhos como filhos e alforriavam as mães. Sou praticante da pesquisa genealógica e ao fazer pesquisas genealógicas em busca de meus antepassados me deparei com vários documentos que, nem sempre agradáveis, no dá um pouco da visão do que era a vida destas pobres africanas trazidas da Africa à força e vendidas como mercadorias e usadas, assim como os homens africanos, com menos consideração que damos aos animais nos dias de hoje.

  • aline

    Sou feminista, fã de GoT e fiquei MUITO feliz de ver um texto assim aqui no site, que é a maior fonte de informação sobre GoT no Brasil e obviamente uma grande referência. Digo isso porque sei que grupos feministas e outros veículos independentes repercutiram essas críticas, mas pouca gente lê, muitas vezes “pregamos aos convertidos”, como se diz. O texto é irretocável. Fala de todos os problemas que a cena traz não só para a história, já que da forma como foi feita não faz sentido NENHUM para os perfis dos personagens em questão, mas também da problemática toda refletida nas declarações do Alex Graves. Parece que o Nikolaj Coster-Waldau também meio que tirou o corpo fora ao falar da cena. Pra mim, se as pessoas não veem problema em uma cena como essa, sem valor nenhum para a história e nas declarações do cara que fica falando em “sexo sem consentimento” como se fosse menos que estupro, é porque temos um problemão aí sim. Que pelo menos essa bizarrice sirva para que as pessoas discutam o que está acontecendo e como as mulheres são retratadas na mídia.

    Parabéns, Lidiany! Feliz de ter alguém com essa capacidade de reflexão no GoTBR. Se eu já curtia muito o site, agora admiro mais ainda o trabalho de vocês.

    E publica o seu texto sobre a Ros! 🙂

  • Onde foi que meu comentário disse isso mesmo?? Cadê?

    Ou vou ter que desenhar esse comentário também?

  • Alucard

    Daenerys e Drogo ainda passa, pois era uma princesinha timida casando com um ogro impiedoso e acostumado a ser mau, lembro que na epoca deu o maior tesao ver, kkkk

    Agora, Jaime e Cersei foi de cair o cu da bunda, inaceitavel, ridiculo

    Agora fico pensando o tal capitulo polemico de Sansa………….. No ritmo que ta, deve ser um triple penetration daqueles, kkkk, pra Sansa ser desvirginada de todas as formas possiveis ao mesmo tempo, kkkk, como liçao final de Mindinho, kkk

    E Arya que se cuide com titã de Bravos, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    E definitivamente, recomendo a nenhuma westerosi passar pela ilha do verão, kkkkkkkkk

  • BellaNeves

    pra quem achou que houve “exagero” da autora deste texto (não é o meu caso, achei os comentários relevantes), segue um link de outro autor, questionando a mesma cena (e o episódio) – tem SPOILERS pra que não viu o capítulo. http://cinemacomrapadura.com.br/series-analises/330169/game-of-thrones-s04e03-quando-a-adaptacao-erra-no-tom/

  • Mas iuzomi? Em todo texto feminista tem alguém reclamando dos direitos duzomi… Theon foi castrado no livro, assim como Varys e os Imaculados, assim como Ned foi decapitado, Catelyn foi assassinada e Robb e muitos outros…
    Ninguém está aqui defendendo o esfolamento ou castração de homens, nem tenho motivos para fazer um post defendendo ou criticando a violência na série ou nos livros. A violência existe na série e existe no mundo real. A crítica que eu fiz esta bem clara, uma pena que nem todos consigam entender.

  • Nikolas M. Fortes

    Sério que cortaram os meus spoilers ? Haha uma pena, eu soh usei algumas passagens do livro pra mostrar o quanto Loras é um grande cavaleiro e principalmente ainda ama Renly.

    Enfim, foi Mindinho que mandou o loiro dele seduzir Loras e descobrir qualquer coisa sobre os planos Tyrell. Foi assim que ele descobriu as artimanhas da Olenna para casa-lo com Sansa, assim Mindinho contou para Tywin, que prontamente casou Tyrion com a garota (: Fora o flerte com Oberyn que pra mim tem nada haver, visto que originalmente as duas famílias se odeiam, mas parece que a série não vai abordar isso …

  • João Romano

    João, o diretor do episódio alega isso. Honestamente acho que pode ser verdade (eu não boto muito fé, todavia), mas no mínimo, se isso é certo, a execução é péssima. Eu acho que não dá pra ignorar a leitura que a maioria dos espectadores (inclusive alguns escritores de reviews bem bons) fizeram do episódio.

  • João Romano

    Regilândia, eu acho o principal da análise não é se é assim ou não naquela época, porque é ponto pacífico que é. O problema aqui é que: 1. já sabemos que é assim em Westeros, 2. se já é assim, pra que criar uma cena que não conta nada novo, sendo que a original do livro já é uma cena com excelente potencial dramático? Ou seja, o estupro é muito gratuito! Mesma coisa no estupro da Daenerys no primeiro episódio: a gente precisava mesmo dela sendo estuprada pra entender que o Drogo é brutal? A gente não é burro! E mais: o estupro apaga uma nuance do Drogo, ele era bem menos malvadão com a Dany. Fora que faz menos sentido ela chamando ele de “Sol e estrelas” depois de ser estuprada. Ou seja, desnecessário e ilógico!

  • Guest

    Legal que por ser um universo ficcional baseado na nossa compreensão de idade média ele deve mostrar o histórico machista da época, pra ser condizente, e ainda poder ter dragões sem prejuízo, né?
    Não se justifica pesar a mão em aspectos machistas só porque nossa história assim o foi.

    Tudo é uma questão de coerência.
    Principalmente coerência com a obra principal.

    Não se está falando em ser politicamente correto ou não, o que está sendo discutido (principalmente) são as mudanças na história dos livros.

    Algo me diz que se a história dos livros fosse a mesma que a série anda passando, os livros simplesmente não teriam o fandom que tem hj.
    Poderia ter sucesso e virar série de tv? Poderia, mas definitivamente não seria a msm coisa, seria mais do mesmo do que se tem.

  • Luna

    Lendo os comentários fica a impressão de que as pessoas confundem a narrativa de um universo machista com uma narrativa machista, como se uma coisa levasse necessariamente a outra…

    A diferença entre as duas coisas é a mesma da série de livros pra de tv.
    Acho que esse é um dos pontos q o texto defende, não?

  • Welington Leal

    Eu me incomodei com a tortura no Theon e no seriado foi mais extensiva doq no livro.

    A TV americana em si abusa de certos aspectos perversos.

  • Alucard

    Gostaria que a autora do texto, que eu concordei plenamente, respondesse aos membros cujas respostas tiveram mais votos, e que em sua maioria ficaram contra o ponto de vista dela, seria um debate interessante.

  • Andre

    Faço das palavras da aline as minhas: Feliz de ter alguém com essa capacidade de reflexão no GoTBR. O texto está ótimo e muito coerente!

    Já alguns comentários… curioso que quando se trata de um estupro gratuito as pessoas encontram mil maneiras de justificar ou amenizar a situação, mas quando dois caras se flertam pelo olhar, como aconteceu episódio passado, aí é um absurdo a HBO estar alterando a história.

  • Joao Palmadas

    Eu não perguntei o que é preciso fazer para uma mulher ter prazer, Lais.

    Você deve estar certa, mas eu digo uma coisa: Eu não colocaria um moço que pede e pede e pede até a namorada cansar e transar de má vontade, e outro que quer obrigar uma moça a lhe dá sexo ameaçando ela com uma arma. Os dois podem estar errados, mas eles não merecem ficar na mesma cela.

  • Matheus Henrique Souza Oliveir

    Você tem que respeitar a opinião dos outros também, e não ser apenas feminista, defender o seu ponto de vista, todos tem o direito de opinar.Porque você também não fala das outras atrocidades da série contra os homens e contra bebês nascidos.

  • Renato Medeiros

    tb achei exagerado e destoado com a ocasião e Jaime parece q foi “possuído pelo demônio” pra ter feito o q fez… eu n li os livros pra comparar com a série porém pelo visto o tratamento com as mulheres na série eh muito mais realista. ou vc acha q no mundo real as mulheres sempre foram vistas como objetos pelos homens na história humana? sad but true… ah mas sempre tem algumas mais espertas q tiram vantagem disso… até hj!

  • Julia

    Jaime estuprou a Cercei para puni-la. Estava com raiva, ódio dela. Foi logo depois d’ele dizer que ela era uma mulher detestável. Não o fez porque ele estava morrendo de saudades ou algo do tipo, e se houvesse essa insinuação seria pior ainda… E sim, na idade média mulheres não tinham muitas escolhas, mas essa série é de ficção tem até dragão, gente! Portanto, não justifique a misoginia dela com esse tipo de argumento.

  • Julia

    Adorei seus comentários!

  • Julia

    E é sempre assim.. feministas nunca podem apontar misoginia, seja em filme, série, publicidade, porque isso é propaganda e os misóginos vão ficar contentes…
    Mas não apontar também seria ruim, não? Fingir que não viu, que é normal, essa série sempre que se desvirtua do livro é pra uma mulher se ferrar. E com uma cena de estupro completamente desnecessária que o diretor não considera uma cena de estupro, apesar de claramente ser.

    Podem continuar rindo e faturando que continuaremos apontando misoginia e machismo que são tão naturalizados na nossa cultura. Podem nadar em dinheiro, não me incomodo.Não pararemos. Pode ter certeza.

  • Julia

    Anormal seria o contrário, como podemos notar…

  • Pati

    Céus! eu nem tinha pensando nisso, coitada da Sansa!

  • Pati

    “ela diz nao ser certo por ele ser o irmao dela. ja pensou nisso?”
    se fosse por isso ela nunca teria feito sexo com ele, e fez muitas vezes…
    elas diz que é errado pois eles estão em um septo velando o filho morto ¬¬

    e não, ela não beija ele o tempo todo, só no começo, depois ela não queria mais e falou o tempo todo que não.

  • Pati

    Essas coisas que tu cita que aconteceram a esses homens estão nos livros, então ok. Esse estupro da Cersei não! e ainda altera totalmente a percepção do público ao caráter do Jaime, foi desnecessário e só fudeu com a história!

  • Pati

    Não entendeu o teor da crítica… analfabetismo funcional é foda

  • Priscila Manfredini

    Na Grécia clássica, na Europa medieval ou no Brasil de hoje sexo não consensual é estupro.

  • Priscila Manfredini

    Nunca li nenhum dos livros, logo minha opinião vem exclusivamente da minha perspectiva como espectadora da série.

    1° A cena retratou um estupro. Se a intenção não era essa, ela foi EXTREMAMENTE mal escrita e dirigida.

    2° É uma cena que destruiu toda a simpatia que eu tinha começado a sentir pelo Jamie. Na verdade, é uma cena bem WTF no sentido de desenvolvimento de personagem… Um cara que salvou sua “algoz” de um estupro coletivo de maneira nenhuma faria isso com a pessoa que ele mais ama no mundo (a única mulher que teve na vida, sua metade em muitos sentidos e etc…)

    3° Me assusta realmente que as pessoas não saibam que estupro é qualquer sexo não consentido, inclusive entre marido e mulher, amantes, namorados e/ou irmãos incestuosos.

    4° Sobre a diminuição das mulheres na série em relação ao livro realmente não posso opinar…

    5° Parabéns pelo texto Lidiany. Em um dos muitos comentários bizarros que li um rapaz escreveu pra você “tentar não ser feminista”… Isso só reafirma que reflexões como as suas ainda são muitíssimo necessárias.

  • alexpedro

    Olha, Eu costumo me incomodar profundamente com machismo e crueldade, mas pessoalmente, A trinta anos atras uma cabeleireira era considerada “vagabunda”, atrizes eram consideradas “vagabundas”. Ainda hoje restam as sobras de milhares de anos em que a mulher foi tratada assim, como você sabiamente aponta.
    Estariam os produtores da série errados em sufocar as personagens femininas desta forma? Pessoalmente, eu não acho. Ainda hoje há quem julgue que mulheres são inferiores que os homens em quaisquer carreiras que escolham. Em algumas partes do mundo as mulheres sequer mostram o rosto.
    É crueldade, é injustiça, mas é também um retrato de como o ser humano pensou durante milênios. É bom olhar pra isso, Lidiany. É ótimo, pra que você, eu, e todas as pessoas que não toleram a injustiça e o pré-julgamento se lembrem do que pode acontecer quando a gente se acomoda. É preciso de mulheres no poder, é preciso negros no poder, e gays também.
    Não me sinto confortável vendo muita coisa em Game of Thrones, mas talvez porque a série tenha se comprometido a constantemente tratar seus personagens como o mundo trata seus habitantes. Pense por este aspecto.
    Como Luna disse aqui embaixo, é preciso refletir e separar um universo machista de contadores de história machistas.

  • João, uma pena, mas você continua sem entender o que é estupro!

  • Legal a observação, realmente observo que não há consenso do que é estupro ou não, achei pesado julgar os produtores tão cedo. É um assunto delicado. Porém em uma série cheia de assassinatos brutais, infanticídio, prostituição, tortura e ódio, um estupro não está além do esperado, ainda mais no ambiente em que a história é ambientada.

  • O que eu tinha pra dizer sobre a discussão está no texto, não vou ficar aqui ensinando ninguém a ler ou a interpretar texto, muito menos definir o que é estupro, feminismo e machismo. Para mim o debate está interessante, com exceção dos que insistem em me insultar, ou sequer sabem o que significam alguns dos conceitos que eu utilizei e cujos comentários foram moderados.
    .

  • Ivo Solano

    Eu não disse isso, e sim você. Pela construção do Stannis, não acho que ele estupraria ninguém por vontade, mas se a Melisandre mandasse por qualquer motivo, ele estupraria sim.

    Entenda: a cena foi sem sentido para VOCÊ, que acha melhor a versão do livro. Mas não lembra que, se a série fosse exatamente igual ao livro, não teria motivo pra existir. Eu já tenho o livro, pra que vou querer uma série?
    E onde ficariam as surpresas? Se eu já sei tudo o que acontece, não sentiria nunca aquele impacto emocional que os livros causam.

  • Thais Aragao

    Gente, acho que devemos estar a par de algumas questões filosóficas que se impuseram a partir do surgimento da fotografia e, um pouco mais tarde, do cinema e dos meios de comunicação de massa – em especial, a televisão. E essa reflexão diz respeito à IMAGEM. A imagem não é algo descolado do mundo, ela também constitui o mundo.

    No artigo, estão em questão duas obras ficcionais (uma original literária e a outra audiovisual baseada nesta primeira). Autor/produtor no livro e na série televisiva têm formas diferentes de entender a mulher no mundo – seja esse mundo Westeros, seja a cidade onde mora você que está lendo isso agora. Não há tanta diferença. No universo ficcional, os autores lidam com visões de mundo que não deixam de ser reais só porque estão articuladas num mundo imaginário, sacaram? Essas visões de mundo também se manifestam fora da obra, óbvio. Existem os Jaimes de George R. R. Martin (o escritor) e os Jaimes dos roteiristas da HBO.

    Dessa forma, não dá para dizer o que é mais realista. O que dá para dizer, não só sobre a visão de mundo que prevalece na produção da HBO e nos livros de Martin, mas também sobre o modo de pensar do público – como fica claro em vários comentários aqui mesmo neste artigo – é que há quem seja mais ou menos tolerante a aceitar e a CONSTRUIR, RATIFICAR, DIFUNDIR uma visão de mundo ou outra.

    A escolha é nossa. Estamos livres para pensar e para construir nosso mundo.

    Acho inteiramente pertinente o questionamento da Lidiany CS e acho desnecessário que alguém venha dizer que alarde sobre violência – neste caso, o estupro – seja desnecessário. Ora, meu amigo, se você não foi nunca estuprado, fique na sua, porque muita gente é. Seu desprezo pelas manifestações contra esses crimes é, em si, uma violência.

  • Renato

    Perfeito.

  • Alucard

    Sansa sensual, kkkk

  • disqus_kOiQcyN7dK

    Não concordo. A Idade Média é o período da HISTÓRIA EUROPEIA compreendido entre o século V e o XV. Tudo em Game Of Thrones é completamente fictício, inclusive o tempo. Não tem como situar a história num período terreno, e essa comparação com outras séries não cabe aqui.

    Posso concordar que o ambiente e o machismo imperante são parecidos, mas que aconteceu nesse período…de jeito nenhum, não tem como!

  • Eduardo Cruz

    Pow errei mesmo brother, achava que eram opostos. Mas não me acho idiota por isso. E quanto ao resto do que eu escrevi, queria saber sua opinião.

  • Eduardo Cruz

    Agora concordo com o seu primeiro parágrafo. Eu estava errado.

    Quanto ao “show” da dany, não interfere mesmo no caso da cersei ter sido estuprada. O que eu quis dizer é que a autora do post estava focando apenas na parte negativa das mulheres na série e esquecendo de que a série também retrata muitas mulheres com poder, que não se deixam subjulgar, como a dany.

  • Danilo Brande

    Se aquela cena não foi um estupro então Brienne é Targaryen. Adorei o artigo da autora , representa exatamente o que muita gente tava pensando mas poucos disseram.

  • Myriel

    Não defendi o direito dos homens em momento algum, o que eu quis dizer no caso do Theon teria o mesmo significado caso o personagem fosse uma mulher… A minha crítica foi em relação à violência brutal, que existe no nosso mundo como você citou, da mesma forma que o estupro infelizmente existe.

    Acredito que a série tem cenas de estupro e tentativas de estupro desnecessárias, da mesma forma que tem, em algumas situações, a exposição de violência que não faz sentido algum para o enredo.

  • Laís Severo

    De fato! E o que eu estou vendo falarem muito por aqui é que “na idade média era assim”, “o mundo é cruel com todo mundo”. Ao meu ver, o problema não é a série mostrar que naquela época estupro era corriqueiro, até entre marido e mulher. O problema é que é uma mudança BEM grande alterar uma cena de sexo pra um de estupro! Tipo, pra quê? A gente já entendeu como aquela época era cruel para todo mundo, não precisa desconstruir personagens para dar essa mensagem

  • Laís Severo

    O tratamento dado para as mulheres nos livros realmente destoam muito do tratamento dado ao mundo real na idade média, mas o que é que tem a ver? É uma obra de ficção, se o autor está botando um mundo onde o tratamento se difere da nossa realidade, a série não tem nada que “adaptar” não. Se for assim, é melhor adaptar também os dragões e os Outros. Ou você acha que no mundo real esses bichos andam por aí?

  • thais

    Vamos lá, qualquer sexo sem consentimento é estupro.

    “Mas se a mulher não quer e o homem insistir até ela ceder e transar de má vontade, mas sem ameaças, sem violência e sem chantagens, ainda é estupro?”

    A resposta é bem simples: sim. Achar o contrário é contribuir para a cultura do estupro, o que você claramente faz. Parabéns, quer uma medalhinha de possível estuprador?

  • Posso curtir 10 vezes?

  • Joao Palmadas

    Ei, eu não disse que se o cara usa a conversa, e apenas a conversa, para fazer uma mulher transar sem ter vontade não é estupro.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Mas a questão é que a mutilação e o homicidio existem nos livros e são crimes de guerra mais justificáveis, em uma guerra ou voce mata ou morre… O estupro da Cersei não consta nos livros e não serviu para absolutamente nada a não ser descaracterizar totalmente o Jaime.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Não to confundindo nada, você não entendeu minha colocação. Eu citei o exemplo do Brasil pelo fato desse site ser um site brasileiro e por isso esses dados são algo mais próximos de nós. Os diretores podem não estar a par da situação aqui, mas o estupro é um problema mundial. Mulheres são estupradas em todos os lugares, e quando você coloca uma cena dessas em um seriado que faz tanto sucesso, sabendo que no futuro o Jaime vai aparecer como mocinho, você esta diminuido a gravidade de um crime tão hediondo como este, uma vez que ele não vai pagar por esse crime e eventualmente ainda vai ser um herói, então esse ato isolado dele pode ser, perfeitamente, associado a Cersei, ela enlouqueceu ele, ela negou sexo a ele no primeiro ep, ela foi uma mulher “atros” com ele, então ela que provocou… Essa imagem vai surgir na cabeça de várias pessoas que não leram os livros, e mesmo de algumas que leram, como eu pude ver pelos comentarios aqui. Não digo que essa cena vai fazer os casos de estupro aumentarem e as pessoas acharem que estuprar é uma coisa legal e bacana, mas quando você coloca esse tipo de imagem gerando discursos do tipo “Ela disse não, mas no fundo ela queria”, “Ela é uma escrota e mereceu”, você atrasa em anos as discussões a respeito do estupro e falta com o respeito a diversas vitimas desse ato hediondo, o que no fim leva a impunidade de agressores. Não é que a serie vá fazer lavagem cerebral na cabeça das pessoas pra que elas cometam crimes, mas se você debate uma cena dessas e diz que a Cersei mereceu ou que ela provocou, mesmo ela sendo só uma personagem, quanto tempo até aparecer uma vitima de estupro e você se perguntar se talvez ela não tenha merecido ou provocado?
    A culpa NUNCA é da vitima.

  • Leonardo

    Perfeito

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Concordo em número, gênero e grau com toda e cada uma das suas observações. A 3º especialmente!

  • Leonardo

    Minha opinião, acho que o texto foi descabido. Primeiro, por mais que o personagem do Jaime esteja em processo de “redenção” não acho que essa seja tão linear; sendo assim ele está susceptível a algumas falhas no meio do caminho. Seria até meio inverossímil um personagem que era um escroto virar um anjinho, é mais que aceitável dentro da narrativa. Não acredito que os produtores sejam machistas, e si
    O universo criado pelo Martin, mas tb só o é pq tenta copiar a nossa realidade humana.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Acho que a maioria das pessoas acha que a questão é o fato de haver estupro na série. Gostaria que a autora me corrigisse se eu estiver errada, mas a meu ver a questão não é essa. Estupro em uma serie que retrata um universo medieval, violento e machista é algo que a gente espera, a questão é o uso da violência contra a mulher e da própria mulher como objeto, como peças em um jogo de homens, de maneira exagerada na série. As cenas de estupro, tanto da Dany quanto da Cersei não existem nos livros, e os agressores são personagens que ambas amam ou eventualmente chegam a amar, esse tipo de imagem gera uma série de discussões e reflexões que podem sim fazer a cabeça das pessoas e interferir sim na maneira como a sociedade vê as vitimas de estupro. Nos vivemos em um momento em que diversas campanhas estão sendo feitas para conscientizar as pessoas, para que elas compreendam que uma vitima de estupro é uma vitima, e que as justificativas que muitos agressores usam, como “Ela é minha esposa, só exigi um direito meu”, “Ela falou não, mas eu sei que ela queria”, “Nós já tinhamos feito antes”, são totalmente vazias, e uma série de tanto sucesso submeter esse tipo de imagem que, em ALGUNS casos, levam o telespectador a simpatizar com o agressor é algo terrivelmente perigoso para essa evolução que parecia que estavamos tendo. Só o fato de se discutir se foi estupro ou não já é algo preocupante… Se você força uma mulher a fazer sexo com você, se insere dentro dela enquanto ela diz ‘não’ e se debate, como pode haver outro nome pra isso que não estupro? “Ah, mas ela acaba deixando”, eu não vi, em nenhum momento, ela deixando, vi ela sem forças pra lidar com o peso de um homem em cima dela, mas ainda que ela tivesse “deixado”, concessão forçada ainda é estupro.

    Se esquecermos toda essa discussão sociologica, filosofica e conceitual, e apelando unicamente para os fãs que esperavam uma retratação de uma série de livros, cuja parte mais interessante são as dispustas, as tramóias e todos os segredos e aspectos psicologicos dos personagens no jogo dos tronos, essa cena foi uma das maiores (perdoem o linguajar) CAGADAS que a HBO fez. Transformaram o Jaime no personagem mais hipocrita e cheio de contradições da história… Um homem que queria proteger a rainha Rhaella contra os estupros do rei louco, que impediu que uma pessoa que ele, supostamente, não gostava fosse estuprada, que vingou uma seguidora de acampamento(prostituta) que havia sido estuprada por foras da lei, vai lá e estupra a unica pessoa que ele, até o momento, amava? Pior! Isso tudo aconteceu em um momento em que o Jaime, supostamente, deveria estar passando por uma mudança de carater, em que ele estaria tentando consertar a honra… Em todos os aspectos, essa cena foi revoltante e sem sentido.

  • Leonardo

    Essa de permissão forçada da Daenerys foi ótima, os Dothraki são conhecidos como selvagens e estupradores; mas isso ninguém fala. O pessoal sempre tentando livrar a cara do Martin.

  • JPaulBeaubier

    Tô sem o livro aqui mas em “A Guerra dos Tronos”, SE EU NÃO ME ENGANO, a Dany diz “não” e o Drogo rebate “não?”, tem-se um momento e depois ela acaba deixando. Sim, ela tem 13 e isso é um fator muito forte, mas não fosse isso, seria sexo consentido.
    No seriado, ela tá chorando. É estupro. Ela não consentiu de maneira alguma. Então achei mais forte na série.

  • Achei a inclusão da cena em que sim, houve o estupro, extremamente desnecessária, já que a mesma não ocorre na estória original, todavia parece que cada vez mais o enredo do seriado se tornará de certa forma autônomo em relação ao que lemos nos livros.

    Porém, achei de certa forma forçada a inclusão do termo “misoginia”. Martin é famoso por criar um mundo onde as mulheres têm muito mais liberdade, poder e ponto de vista comparado ao período no qual a história foi baseada. É até estranho um autor que diz seguir tanto a realidade do “íntimo” humano e dos fatos históricos não ter se atentado à esse fato! (Do qual discordo com veemência!)

    Mas ainda acho pior ignorar o fato, violência contra mulheres e homens sempre ocorreram e irão ocorrer enquanto a mentalidade da “sobrevivência do mais forte” existir!

  • Thalles Lucas

    “…mas tampouco acho que a série de TV pode levar essa pecha.” Gostei do seu texto. Se no livro descaracteriza muito a Cersei, na serie descaracteriza o Jaime. De certo, é uma cena ruim nos dois meios. E Lydiane não odeia o rapaz kkkkk

  • JPaulBeaubier

    “Um não pode significar um sim”.
    Espero que nenhuma mulher cruze seu caminho. Afinal mesmo se elas não te quiserem, significa que estão cheio de tesão pra te dar e só não sabem disso.

  • Glenda Varotto

    o que mais me decepcionou mesmo mesmo, nao foi a cena, mas o DIRETOR ter dito que nao se tratou de um estupro através de uma coação EXPLÍCITA. inclusive mesmo se ela tivesse ”consentido”, teria sido um estupro pq ela foi coagida psicologicamente e fisicamente. muitas mulheres ”consentem” por medo e tbm pra amenizar as sensações de dor e gravidade. esse diretor é no mínimo um estuprador em potencial que nao sabe reconhecer um estupro de sexo selvagem.

    as pessoas tem um problema mt complicado com o estupro, o relativizam na maior parte do tempo: se a mulher transou com o cara antes nao é estupro, se são casados ou tem relacionamento tbm não, se nao tocou nas partes íntimas muito menos.

    tudo o que é feitoa través de coerção para o ato sexual forçado é SIM, estupro.
    comovc naoconsegue diferenciar sexo selvagem de um estupro claro explodindo na tela?

  • Mariana

    E não é disso q o mundo está cheio até hj? Ligue no Cidade Alerta, Brasil Urgente e todo dia tem uma notícia de mortes banais e mtas delas com mulheres violentadas, crianças, animais e idosos maltratados, etc. E certamente não se fala de tudo q ocorre… E n é só em classes baixas n, ta cheio de crimes nas classes altas, que por conta de poder n vai pra mídia.

    Poucos lembram do caso do filho de um dos donos da RBS que na época com 14 anos, estuprou com outro colega, filho de delegado uma menina da sua escola. Ok, que a garota foi pq quis no ap, bebeu pq quis, mas adolescente é assim, n significa q ela queria dar pors dois, ela foi burra e ingenua, só isso, a partir do momento q a garota n quer nada íntimo, continuar com a situação é coisa de psicopata, foi comprovado o estupro e marcas de tentativa de esgoelamento. Só veio a público pq um blogueiro falava todos os podres desse pessoal. Por sinal, o blogueiro morreu “enforcado por suicídio”… Qlquer um que fizer uma pesquisa vê que foi tudo mto estranho. Hj o garoto ta solto, só foi condenado a prestar serviços comunitários (isso se fez mesmo). E tudo ficou no esquecimento, se n fosse o blogueiro e a Record, o caso nem teria vindo a público, mesmo assim foi pouco falado…

    Ou seja, a sociedade ainda tem comportamentos doentios e claro q n é apenas por ver uma cena q a pessoa vai imitar, mas tb é ingenuidade achar q essa enxurrada de violência na tv não ajuda de alguma forma. O fato de mtos verem e n imitarem, n significa que tais cenas não aticem e encorajem pessoas que já tem mal caráter. A imagem é mto mais poderosa do que as pessoas imaginam, influencia mto. Imagina essa moda de ostentação em locais de baixa renda e com pessoas sem oportunidade de mente fraca e até com tendencias psicopatas (justamente onde mais tem o tal funk ostentação)? Claro q vai influenciar a se ter grana a qlquer custo. Se há uma tendência, a imagem a reforça. Pensando q qlquer um pode ser a vítima disso, é algo a se refletir.

    Se vc está com fome e vê alguém comendo algo apetitoso, n te atiça? E ver senas de sexo? Agora e quem tem tendencias a estuprar e fetiche com isso? N vai atiçar tb? Fora outros tipos de cenas. Enfim, todos sabem do q ocorria na época, mas certas coisas podem ficar subentendidas, n necessitando fazer cenas explícitas, seja de violência ou sexo forçado. É claro q isso é pra dar mais audiência, pq obvio q mtos veem por esperar ver algo assim. Mas q fosse então apenas o sexo, sei lá, certas coisas realmente n há necessidade nenhuma de serem expostas, encenadas. Todo mundo sabe o q é um estupro, n precisa fazer cena disso pra alimentar a mente doente de alguns. Da mto bem pra passar como isso é ruim, de forma a educar até, se focando nos personagens e em suas reações após e antes o ato, sem precisar mostrar a coisa em si. É até desrespeitoso com todas q já passaram por isso.

  • Mariana

    E só completando, falei de programas nacionais q mostram as barbáries cotidianas, mas n significa q no exterior, nos EUA por exemplo, n ocorram tais coisas e como algo q passa em outros países, acho sim a deveriam ser mais prudentes.

  • Mariana

    Mesmo q seja esse tipo de luta, ao se negar ao outro, inclusive afastando fisicamente, e mesmo assim ser forçada já é uma imposição e desrespeito, sendo sim estupro. N interessa os motivos da pessoa n querer o sexo, ela deve ser respeitada, essa é a questão q mtos n enxergam. O cara n quis saber da vontade dela, ou supôs q ela ia querer, mas n tinha como estar dentro dela pra saber a verdade, ou seja, foi no mínimo prepotente. Forçou a barra sem se importar com a vontade dela.

    E o fato de a cena mostrar q depois ela pareceu gostar n significa mto, pq é apenas uma encenação, mas na realidade é isso q ocorre? O problema é a ideia passada da mulher q é forçada e depois acaba gostando. Uma visão mais masculina do q feminina, pq não é ele q passa por isso. Não lembram daquele clipe tosco que começava com a mulher sendo perseguida no escuro por um homem (algo sinistro), q na verdade era um sonho e a menina acordava com cara de safada? Tentaram se explicar, mas só saiu tosquice, até pq os caras eram tão burros q n devem ter notado mesmo a maldade (eram de um grupo tosco de axé) e aí q tá, mtas coisas estão no inconsciente de uma forma q a pessoa nem se toca, perpetuando ideias ruins.

  • Laercio vilanova

    que capitulo é esse da sansa?

  • Don Ramon

    Depois de ler as declarações dos produtores eu retiro algo que eu disse antes aqui: foi de fato machista a cena e a intenção dela.

  • Felipe Bini

    O que apontei é que seguindo sua lógica, se o Stannis estuprasse alguém, ninguém que não leu os livros teria como discordar e achar esse ato absurdo, porque foi assim que ele apareceu na TV, então “é claro que ele é capaz disso”. Se a Sansa de repente se cansasse de ser um peão e começasse a transar com vários lordes e cavaleiros para obter vantagens políticas, ninguém poderia discordar, pois isso é o que teria sido transmitido. Ela seria assim, e pronto.
    Poderia citar vários exemplos, e foi exatamente isso o que aconteceu com Jaime quando foi tornado num estuprador. E foi uma mudança para pior: porque o personagem foi criado para que haja para ele uma possibilidade de redenção. Torná-lo num estuprador diminui drasticamente essa possibilidade. Ele se torna outra personagem, e mostra incoerência dentro da própria série, mostra falhas e má construção de arcos.
    Entenda: você presume demais sobre como as pessoas encaram a série, mas a sua opinião também é só mais uma aqui. Eu não sou obrigado a gostar de adaptações como “VOCÊ” gosta.
    E aliás, muitos leitores que gostam de mudanças e aplaudem várias delas foram também críticos dessa alteração em específico. A questão aqui não é sobre mudanças “per se”, é sobre o motivo delas, e até onde é válido descaracterizar um personagem só pra chocar audiências, e ainda com estupro e desvalorização feminina no processo. Só que isso só entende quem já leu.

  • Camilo Jonas

    Fora que o próprio Martin já declarou que a história não se passa na era Mediavel deste mundo, mas sim de outra realidade.

  • Carol BB

    Gosto muito desse site. Sem dúvida é o mais completo e melhor, em português, sobre o tema.
    Porém, dessa vez, discordo da opinião do site, por vários motivos.
    1º A série de TV é muito mais delicada com as questões concernentes a estupro do que os livros. Cenas de estupro são constantes nos livros, e quando não são exaustivamente descritas, são subentendidas. Ex. no Feast for Crows, as descrições sobre os estupros em Saltpans, repetidas à exaustão, o estupro nos Escudos durante o jantar (capítulo do Vicatrion), todos os tormentos pelo qual a Pia passa- que era pouco mais velha do que a Arya – (capítulo no qual Jaime, mesmo após enforcar um dos homens do Montanha que diz te-la estuprado mais de 100 vezes; ainda tem a coragem de incentivar seu Squire a levá-la pra cama).
    2º A cena entre Cersei e Jaime não me pareceu estupro, e sim algo ambiguo, e conturbado, exatamente como sempre foi a relação entre eles. O show é polêmico, assim como os livros são polêmicos, cada um a sua maneira até porque visam públicos diferentes.
    3º No livro as cenas de sexo entre Danny e Khal Drogo demoram muito para darem a impressão de que Danny estava amando, ou minimamente tirando algum prazer… Tem várias passagens nas quais ela lembra que o marido chegava bebado “de vinho ou de sangue” e ela tinha que esconder as lágrimas. Lembrando que Danny no livro 1 tem 13 ANOS! Impossível um guerreiro nômade fazer sexo com uma criança virgem de 13 anos e qualquer pessoa considerar que isso não é estupro. Pode não ter sido violento, mas que é estupro, é!
    4º Vários personagens, masculinos e femininos, tiveram sua participação e influência reduzidos na série da HBO, enquanto outros ganharam destaque que não existe nos livros. Stannis por exemplo, é mostrado como um fraco na TV. Totalmente diferente do que é nos livros. Já sua filha Shereen que raramente é citada nos livros, ganhou enorme destaque nas telas….
    5º Ao ler os livros, cada um imagina as cenas narradas como quer. O livro é cheio de sexualidade, sexo explícito, estupro, pedofilia e etc. A diferença é que quando isso é esfregado na nossa cara em HD parece muito mais grotesco do que na nossa imaginação….

    É necessário lembrarmos que no universo criado pelo George R.R. Martin e reproduzido pela HBO, não era considerado estupro o marido consumar o casamento com ou sem a vontade/permissão forçada da mulher. A mulher, nesse universo, era feita para gerar filhos e prima facie era considerada inferior ao homem.
    Não dá pra aplicar valores reais que nossa sociedade evoluída possui 2014 à uma série imaginária de mundo de fantasia, ainda que esta esteja sendo exibida em TV.

  • Leonardo

    Carol sua análise foi perfeita. Falou tudo que eu queria dizer mas não consegui me expressar.

  • Eduardo de Sousa

    Tirou as palavras da minha boca.

  • Marcella Abreu

    Só acrescentaria as suas palavras que a estória fictícia é baseada nos valores deturpados das sociedades até a era medieval (alguns desses ‘valores’perdurando até os dias atuais em alguns grupos sociais que insistem em manter costumes arcaicos, como forma de manter o poder por meio a opressão e manipulação).
    A estória de GOT retrata exatamente a fronteira das barbáries do passado (jogos de poder, por poder) com a esperança de um novo começo (onde as personagens principais da série, começam a se dar conta de seu valor como mulheres e de seu papel, e tentam mudar sua realidade, e no caso de Daenerys, a realidade ao seu redor também, buscando justiça, direitos iguais, e outras coisas mais)
    Enfim. Excelente teu comentário.

  • Rodrigo

    O objetivo da cena era este. Causar repulsa.

  • Rafael Coelho

    Comentário perfeito.

  • Elaine Oliveira

    Li os livros e já parti para releitura,então vou dar a minha opinião sobre a adaptação. Ficou extremamente ruim. Jaime não é santo, a Cersei não presta e eles se amam. Os livros mostram o distanciamento dos personagens a partir da captura de Jaime e perda da mão e também influência da Brienne. Não há como,para mim, olhar o Jaime como um cara em busca de redenção.Ele sempre será o cara que tentou matar o Bran.Não tem perdão(para mim). Essa cena serviu para mostrar, a quem não lê a obra, que os 2 vão se afastar.Deu um motivo para, quem apenas assiste, entender os próximos passos da série. E isso me revolta, pois não é tão simples no livro. Mas também não serei “xiita” em querer que a TV seja exatamente como é o livro,mas que ficou confuso e mal feito para quem é fã dos livros, ficou. Os livros mostram que ninguém é confiável e sem perder o sentido.Por mais que vc se revolte com o que lê,o contexto faz com que vc entenda, mesmo sem aceitar.Tudo em GOT tem uma finalidade,cada linha,cada história contada. E isso foi deturpado com essa cena enganosa do estupro,pois no livro NÃO FOI ESTUPRO!Não tinha porque ser estupro!!! O sexo existiu, mas foi totalmente consensual. Alguém postou por ai,não lembro quem, que foi uma tremenda cagada da HBO, CONCORDO PLENAMENTE! Foi um desrespeito a quem lê,e ao Martin. Se bem que não acredito muito que ele não estava por dentro da cena…
    Enfim…
    A autora do post foi muito feliz em sua escrita!!
    Parabéns e vida longa e próspera!!

  • Caligari Burton

    Já li esse texto umas 10 vezes, parabéns Lidiany. Muito bem escrito, estruturado e argumentado… o resto é mimimi de mascu que acha que mulher diz não querendo dizer sim.

  • Caligari Burton

    Exatamente Eliane, adaptações existem porque é impossível segui à risca o livro e elas são sempre bem-vindas quando bem executadas. Uma adaptação mal feita, como a dessa cena, só contribui negativamente para a série.

  • Alucard

    Do livro 6, um cara proximo ao GRRM que leu o capitulo, declarou que sera muito polemico, eu brinquei que seria sobre sexo, mas a maioria acha que certo menininho vai voaaaaaar

  • Elaine Oliveira

    Já é repulsivo por ser incesto.E mais ainda pela transa ser ao lado do cadáver do filho. Mas transformar em estupro não teve sentido algum.

  • Alucard

    Verdade, acabaram com o Stannis, que no livro é uma rocha

    E nao suporto o destaque dado a personagens como Shae e filha do Stannis, esta ultima é explorada sem duvida pra GOT ficar mais facilmente comovente e gostarmos mais do Davos, mas só sabe ser chato, e um tremendo desperdicio de tempo

    Vc se expressou muito bem

  • Marcos Paulo Silva

    Então e´repulsivo com os Lannisters, mas tá tudo ok com os Targaryens?

  • Ivo Solano

    Amigo, deixo aqui as palavras do próprio George R. R. Martin:

    “Nos livros, Jaime não está presente quando Joffrey morre e, de fato, Cersei teme que ele mesmo esteja morto, que ela tenha perdido o filho e seu pai/amante/irmão. De repente, Jaime está diante dela. Mudado, mas ainda Jaime. Apesar de o local e de o momento serem extremamente inapropriados, e de Cersei ter medo de serem descobertos, ela o deseja tanto quanto ele.

    A dinâmica é muito diferente na série de TV, na qual Jaime está de volta há semanas, no mínimo, talvez há mais tempo, e Cersei e ele já estiveram na companhia um do outro em diversas ocasiões, normalmente brigando. A situação é a mesma, mas nenhum dos personagens está no mesmo local em que está nos livros. Deve ser porque Dan e David alteraram o roteiro. Mas essa é a minha visão, e nunca discutimos esta cena em particular, que eu me lembre.

    Além disso, escrevi a cena no livro do ponto de vista de Jaime, então o leitor estava dentro da cabeça dele, lendo seus pensamentos. Na série de TV, a câmera é por definição externa. Não se sabe o que alguém está realmente sentindo ou pensando, apenas o que estão fazendo e dizendo.

    Se o roteiro manteve alguns dos diálogos de Cersei dos livros, deve ter deixado uma impressão levemente diferente – mas o diálogo é basicamente moldado pelas circunstâncias do livro, ditas por uma mulher que está revendo seu amante depois de muito tempo, depois de pensar que ele havia morrido. Não tenho certeza de que isso funciona no novo roteiro.

    Isso é tudo o que posso dizer sobre o assunto. A cena sempre teve a intenção de ser perturbadora… Mas sinto muito se ela perturbou as pessoas pelas razões erradas.”

    Fonte: http://blogs.estadao.com.br/fora-de-serie/george-r-r-martin-fala-do-suposto-estupro-em-game-of-thrones/

  • Daniel Andrade de Oliveira Jr.

    Tanto na minha opinião como o da minha namorada essa sena não foi de estrupo, pois dava muito a entender que ela estava fazendo doce para o Jaime… O que pode ter ficado confuso foi saber interpretar a cena na visão cinematográfica, pois eles usaram as palavras para mostrar o sentimento pelo filho e o corpo para mostrar que ela ainda deseja o Jaime e o quer naquele momento.

    E a Cersei poderia ter saído facilmente se ela realmente não quisesse…

  • Elisa Raquel

    Comentário nada a ver agora: o site tá lindoooo! hahaha

  • Felipe Bini

    Ué, no meu entender essa declaração do GRRM só corrobora meu pensamento.Tinha que negritar também a última parte. A cena já era pertubardora em si mesma: sexo incestuoso num local religioso público, regado a menstruação, na frente do cadáver do filho. Qual a necessidade de que seja também o estupro? Existe?
    E ele mostra que não se mostrou satisfatoriamente que a Cersei consentiu com o sexo. O que dá margem para interpretação de estupro.

  • Laercio vilanova

    quando teve uma cena de sexo entre targaryens? eu só ouvi falar e já achei repulsivo.

  • Ivo Solano

    Bom, ele deixa claro que na TV é diferente dos livros, que é o que eu estou defendendo desde o início. E não concordo que ele tenha ficado insatisfeito com a série, mas sim com a interpretação errônea dos fãs (ele diz isso na última linha).

    Além disso, em vários momentos de nossa discussão, fica claro que nos livros o ato é visto pelo ponto de vista do Jamie, dentro da cabeça dele. Se não parece estupro lá, pode ser porque estamos na cabeça do estuprador, e não da vítima. Mas isso é algo que nunca saberemos, visto que o livro prefere não deixar isso claro.

  • João Urbano

    Vejo que você não entende de teatro e atuação. Leia de novo o que eu escrevi e vai entender que estamos falando dentro de um contexto artístico e não da vida real.

  • Felipe Bini

    Bom, mas quem disse que ele ficou insatisfeito com a série? O que ele disse é que a cena se tornou perturbadora por um motivo que não era o que se tinha em mente originalmente, o estupro, talvez por um erro na execução: na TV não fica claro o consentimento de Cersei.

    A tradução amadora da blogueira do Estadão (que dentre outros erros, escreve “decaptar”, diga-se de passagem) dá uma interpretação errônea da declaração de GRRM.
    O texto original está no blog do autor (http://grrm.livejournal.com/367116.html#comments), e ele diz o seguinte:

    “If the show had retained some of Cersei’s dialogue from the books, it might have left a somewhat different impression — but that dialogue was very much shaped by the circumstances of the books, delivered by a woman who is seeing her lover again for the first time after a long while apart during which she feared he was dead. I am not sure it would have worked with the new timeline.”

    O que significa:
    “Se a série tivesse mantido parte do diálogo de Cersei dos livros, poderia ter dado uma impressão um tanto diferente – mas aquele diálogo foi bastante moldado pelas circunstâncias dos livros, proferido por uma mulher que encontra seu amante novamente pela primeira vez depois de um longo tempo separados, em que ela temeu que ele tivesse morrido. Eu não tenho certeza se teria funcionado na nova linha do tempo.”

    A decisão de D&D de trazer Jaime e Brienne a King’s Landing antes do Purple Wedding trouxe uma bola de neve, que culminou nessa cena polêmica e mal executada. O ato sexual perturbador dentro do septo só existia nos livros porque era o primeiro encontro deles em muito tempo. Na série, foi mantido apenas para polemizar, e ainda com o requinte do estupro. No fim, ele está dizendo que a própria mudança da chegada do personagem se provou errada posteriormente (o que ele chama de “efeito borboleta” nesse post e em outros).

    A polêmica poderia ter sido evitada expondo mais explicitamente o consentimento por parte da Cersei. Não parece estupro nos livros porque não é, e não há duvidas quanto a isso (como você insinua, sem ter lido): o incentivo da Cersei para que Jaime consume e o desejo dela por ele são cristalinos, a resistência inicial era apenas pelo medo de que fossem descobertos, e isso é perceptível mesmo dentro do POV do Jaime. Isso inclusive, é destacado pelo próprio autor no primeiro parágrafo do texto que você mesmo postou (este não foi mal traduzido).

    Não ficou claro o consentimento dela na TV, não se percebe que Cersei tenha o mesmo desejo por Jaime que ele tem por ela, enquanto que nos livros isso é claro. O que abre margem para questionamentos sobre o por quê de tal modificação.

  • Felipe Bini

    Sobre a TV ser diferente dos livros, isso é claro. Ninguém defende uma adaptação exata, porque isso é inocência e idiotice, além de impossível. Voltando ao que o próprio GRRM pensa sobre o assunto, já que isso foi suscitado como argumento, ele num podcast gravado na Comic Con do ano passado disse o seguinte sobre adaptação:

    “Well, I’ve seen it from both sides. I’ve been adapted, I’ve done adaptations myself. You know, television has limitations that books don’t have: of budget, of shooting time … So you have to make choices, and sometimes they’re hard choices. That being said, I also believe — which maybe is not a popular opinion in Hollywood — that you owe a certain fidelity to the original source material and to the fans and readers of that source material. While you have to make some changes for practical reasons, you should never make extraneous changes just because you think you know better than the original writer.”

    Que, livremente traduzido quer dizer:
    “Bem, eu já estive nos dois lados. Fui adpatado, fiz adaptações. Sabe, a TV tem limitações que os livros não têm: de orçamento, de tempo de filmagem… Então você tem que fazer escolhas, e às vezes são escolhas difícies. Dito isso, eu também acredito – o que talvez não seja uma opinião popular em Hollywood – que você deve uma certa fidelidade ao material fonte original e aos fãs e leitores daquele material fonte. Você tem que fazer algumas mudanças por razões práticas, mas você nunca deve fazer mudanças impertinentes só porque você acha que sabe fazer melhor que o autor original.”

    São as últimas frases que pra mim resumem o que ele pensa e com o que eu concordo, porque mudanças aparentemente inofensivas (mas desnecessárias) podem mais tarde resultar em problemas como este que estamos discutindo. Mas Benioff e Weiss não pensam assim.

    É aos 33 minutos deste podcast: http://www.nerdist.com/2013/07/nerdist-podcast-george-r-r-martin/, é aos 33 minutos mais ou menos

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Esse seu comentário foi engraçado cara… Vamos chamar a RAINHA Rhaella aqui pra ela dizer como o título de rainha ajudou ela a não ser oprimida. Realmente, Cersei tem mais força que o Jaime, porque uma rainha recebe a força do superman quando ganha a coroa, e a cena não mostrou ela dizendo ‘não’ né? Só o machismo mesmo pra dizer que uma cena de estupro é outra coisa.

  • Gabriela Almeida

    Mesmo no livro a Cersei resiste, pode até ceder no final, mas o Jaime a
    força sim. Já no seriado, por mais que não seja tão claro( por não
    estarmos na mente dos personagens) a Cersei deseja o Jaime tanto quanto
    ele a deseja. Durante a cena em questão, em alguns momentos, ela o puxa
    pra perto e até o ajuda a tirar as roupas. Foi uma cena violenta, como
    toda a relação dos dois sempre foi. É muito fácil analisar a cena por si
    só, sem se analisar o contexto. Jaime estava num momento complicado,
    falhou como pai, como guarda do rei e ainda tinha que lidar com a falta
    da mão e a raiva do pai. Quando ele foi procurar conforto na ÚNICA pessoa que realmente
    ama, ela o beija pra simplesmente afastá-lo depois. A cena é
    perfeitamente plausível, foi um momento de explosão, frustração e é a
    partir daí que o Jaime começa a reavaliar o que tem feito e os motivos que o levaram a ser o que ele era.
    A respeito da cena da Daenerys, pra mim também pareceu uma adaptação plausível. Ela pode até ter aceitado o Drogão na primeira noite, mas em vários outros momentos ela agradece por poder esconder as lágrimas no travesseiro enquanto Drogo a montava. Ela sofreu muito até tomar as rédeas da situação, os diretores do seriado optaram por fazer com que ela aceitasse o marido aos poucos. Faz mais sentido pra mim.
    A cena do Ramsay foi bem light comparado ao que ele faz nos livros (estuprar e esfolar as mulheres após a caçada) e eu SUPER quero entender a acusação de misoginia. Várias personagens femininas ganham mais destaque na série. Olenna e Margaery Tyrell, Melisandre, Arya Stark… Pfvr.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Eu falei e repito, foi uma cagada da HBO. Concordo com o que você falou (quase tudo), mas pelo que li no ponto de vista do Jaime, acho que ele anda sim atrás de redenção [SPOILER] nos dois ultimos livros lançados ele começa a ser muito atormentado pelas lembranças, e por sonhos, especialmente quando sonha com o Rhaegar cobrando dele o fato dele não ter protegido a Elia, Rhaenys e Aegon, e em vários momentos ele se mostra muito arrependido pelo que fez com o Bran. Eu vejo o Jaime como uma pessoa boa, mas que foi “infectado” pela loucura da Cersei, e depois começa a se desintoxicar, por isso me revoltei muito com essa cena, porque ela colocou a Cersei na posição de vitima do Jaime, quando é exatamente o contrário.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Surpreendentemente eu não acho repulsivo o incesto em si, porque os casais incestuosos dos livros, Lannister ou Targaryen não chegam a passar a imagem de irmãos para nós, leitores. Dentro do universo de GoT, Jaime e Cersei Lannister são irmãos, mas para nós, leitores, logo no início dos livros eles já aparecem com esse romance proibido, o que, na minha opinião, me levou a vê-los desde o início como casal e não como irmãos.
    Na nossa sociedade judaico-cristã o incesto é um taboo e tanto, mas por séculos houve casamento entre irmãos de forma legal em outras sociedades, o próprio ser humano é o único animal que tem esses puderes, então sei lá… Acho que é um pensamento objetivo demais da minha parte, mas em comparação às duas famílias o incesto dos Targaryen tem um propósito, não diluir o sangue valíriano, e nem todos casaram com irmãs, alguns (acho, tenho quase certeza que vi em algum lugar) casaram com primas, ou com membros de outras casas, uma coisa que as grandes casas reais europeias fizeram por anos. Sou suspeita em falar, sou TeamTargaryen, acabo defendendo sempre, mesmo sem perceber.

  • Don Ramon

    exato

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Muito bom o comentário!

  • Botelho Raphael

    Ótimo artigo parabéns! Os roteiros são escritos por pessoas de carne e osso que reproduzem (mesmo que inconsciente) o papel subalterno que as mulheres ainda tem em nossa sociedade! Novamente parabéns!

  • Rafael Macedo

    Você está coberta de razão. Minha reflexão não tem sentido dentro do contexto da cena, apesar de acha-la verdadeira. Na verdade foi um resquício de outra publicação mas essa sobre diferença de gêneros. Obrigado pela resposta educada e novamente você está corretíssima.

  • Cross

    Acho desnecessário atribuir um discurso de gênero a GOT, ainda em uma época totalmente falocêntrica e difícil como a serie repassa.Quem estuda ou lê realmente escritos da idade media, sabe que a serie ainda eufemiza muitas coisas do período em se que baseia , isso por que ela nem entra no discurso cristão da repressão da mulher (que chegou a exterminar vilas inteiras só de mulheres). Alias a mulher é muito bem representada na serie, pela minha querida Daenerys que simboliza a libertação dos oprimidos e todo o sentimento dos “fracos” na serie. Ela vive sob um mundo só de homens, e nenhum momento deixa de ser mulher em todos os sentidos, transmite sua feminilidade e sua força nas atitudes.

    GOT não precisa ter um compromisso moral com a realidade, tudo bem que não é uma leitura literal, mas se o autor usou esse período como base para criar esse universo, totalmente plausível acontecer coisas nesse sentido. Só cheguei a ler o primeiro livro, mas deve-se ter em mente que são mídias diferentes, o impacto sempre vai ser maior visualmente. A cena do estupro foi desnecessária? Foi, mas foi algo que não condiz com a serie? Não, e não precisa ser um gênio para ver isso. O universo de Martin é um lugar cruel, altamente sexual e perverso com todos os personagens, o próprio nome da serie sugere o “jogo”, leia-se o mais sábio, esperto em evitar ou sucumbir o próximo. Não existe mocinho ou mocinha ali, e isso é o que torna a serie interessante.

    Quanto a cena em questão, como disse não li o livro, mas a relação de ambos na serie sempre foi conturbada, Jaime sempre foi um aproveitador e narcisista, sua ligação com a Cercei era ambígua e repressiva, e depois que perdeu sua mão, se viu profundamente abalado em todos os sentidos. O estupro da Cercei foi uma forma de se reafirmar como homem e resgatar seu amor por ela, já que perdeu sua “espada-pênis simbolicamente”.O que vimos na outra temporada era um Jaime marcado pelo sofrimento, pela perda mas em momento algum um “novo Jaime”, ele nunca deixou de ser quem foi desde a primeira temporada, apenas estava sob a deriva de sua família, mas agora transformado, ele vai sim em busca desse amor pela Cercei, independente do consentimento dela ou não, ou do seu pai. E não precisa dizer que Cercei estava abalada, fraca, fora de si, ela não consentiu é claro, estava totalmente desprotegida da realidade com seu filho morto,á única pessoa na qual amava verdadeiramente, enquanto Jaime abusava dela, sua mente estava focada no ódio em Tyrion, e a cena mostrou bem isso. Poderia ter mostrado de outra forma sim, é verdade, mas foi uma forma na qual o direito decidiu retratar a brutalidade das relação em GOT, e foi condizente com o tipo de relação na qual os outros personagens passam. O mundo é cão e as pessoas vão querer se aproveitar das suas dificuldades, seja você rei ou plebeu em GOT.

  • Joao Palmadas

    Botelho, quando você diz “nossa sociedade”, você está falando da sociedade brasileira?

  • Adec

    Agora me diga. Praquê destruir um enredo tão lindo como o das crônicas do gelo e fogo?

  • Paola Oliveira

    Entendo que as pessoas façam um paralelo com a sociedade medieval, mas creio que muitos perdem o foco de que se trata de ficção. Não tivemos aula sobre Westeros, não há historiadores com obras publicadas acerca do que se sucedeu em um mundo de fantasia, então abandonar os conceitos estabelecidos na obra do Martin em favor de uma misoginia consolidada ao longo dos tempos é não ter um mínimo de consideração pelo autor e pelos personagens.

    Jaime começa a vivenciar justamente a ruptura entre seus ideais e a vida que levou até então, mas ao invés de abordar isso, colocam uma cena de estupro que simplesmente vai contra o personagem e descaracteriza o fato de que Jaime finalmente começa a refletir sobre atitudes e escolhas.

    Isso vai fazer o Bran andar de novo? Não. Mas é isso que vai dar sustentação pra continuidade da história e de como ele vai se desencantar de Cersei.

    Mas se tratando da HBO, que conseguiu mudar horrores a história de Southern Vampires Mysteries a ponto de enfraquecer Sookie como protagonista, matar personagens que rendem dois livros em cinco minutos de cenas loucas, só podemos torcer pelo bem estar do Martin – afinal, se o George contou só pra eles o final planejado pra história, é ter fé de que ele conclua os livros o quanto antes pra gente não depender de seriado que muda contexto ..

    =/

  • TutiLoka

    Se você gosta de enredos toscos, nos quais não existem correlação entre causa e consequência, onde o machinho rejeitado fica de mimimi vá assistir NOVELA!!! Pra sentir a desigualdade dos gêneros nenhuma mulher precisa viver na Idade Média, hoje em dia nos prova isso a toda hora. A HBO só torna mais acessível uma obra complexa, pra isso recorre a muita simplificação e muita muita putaria.

  • Katherine Aquino

    Eu entendo totalmente seu ponto de vista. Mas é como eu disse antes, no livro nós vemos pelos olhos da Daenerys, uma menina que foi condicionada toda a sua vida a não contrariar se não “despertaria o dragão”. É próximo a algo do nosso mundo real, muitas mulheres são estupradas pelos seus maridos, mas como são casadas elas acham que não é estupro. E pasme algumas pessoas, homens e mulheres, acham que só é estupro se a vitima fosse virgem, e essas estavam na lei brasileira até pouco tempo atrás.

  • Patrick

    Li o livro e achei muito sem noção a cena ter sido transformada em um estupro,mas discordo de que a serie seja misógina.Vários personagens femininos que no livro são meros quadiujuvantes,ganharam destaque na serie,como Margaery(que no livro era só uma menina ingenua) e Omela(que no livro manipulava o filho e na serie manda nele).A própria Cersei que pelo que eu já vi nos trailers da serie vai enfrentar o Tywin,algo que nunca aconteceu nos livros.

  • Botelho Raphael

    Também. Mas me referia a “sociedade” como um todo na verdade… a comunidade humana ainda é majoritariamente machista, não é especificidade da brasileira

  • Aline

    Toda a análise que você fez do Jaime é ótima, para quem leu o primeiro livro. Sim, o Jaime do primeiro livro é um narcisista vaidoso, muitas vezes cruel com as pessoa inferiores e até com as crianças. O Jaime do primeiro livro é um vilão puro e simples que se encontra em qualquer outro livro. O que diferencia a escrita de Martin é justamente as várias camadas que ele introduz em um personagem. Já no terceiro livro começamos a entrar na cabeça de Jaime, temos os primeiros capítulos escritos através do seu ponto de vista, e é aí que começamos a descobrir a real personalidade de Jaime. O Jaime da primeira temporada é uma fachada simples que esconde uma personalidade muito mais complexa.
    O Jaime dos livros é, acima de tudo, um homem que preza a família, e em especial, sua irmã. Jaime vive por Cersei, seu amor pela irmã é tão grande que basicamente tudo o que faz na vida é em razão de satisfazer os desejos dela. É um homem que serve ao rei para ficar próximo à irmã, é um homem que ajuda Cersei a abortar quando ela fica grávida de Robert e lhe pede ajuda, é o homem que quando descobre que Robert violentava a irmã queria matar o rei, foi o homem que jogou Bran da janela porque Cersei lhe exigia que fizesse alguma coisa (no livro ele remoi algumas vezes essa atitude e lembra como a insistência dela foi decisiva), (spoiler) o homem que vai tomar correrio, mesmo simpatizando com os Tully e discordando das decisões do governo da sua irmã. Jaime sempre priorizou as vontades da irmã do que as suas próprias. Ele deixa claro que em toda sua vida só se deitou com a própria irmã e era muito devoto a ela, tanto que tem uma crise de identidade quando descobre que essa fidelidade não é recíproca da parte dela. Jaime dos livros sempre foi uma pessoa que sempre fazia o que a irmã queria e nunca ia contra as vontades dela, mesmo quando discordava. Tanto é que foi muito dificil para ele ouvi-la pedir a morte do Tyrion e de Sansa, pois ele sabia que no fundo poderia facilmente ceder ao pedido dela.
    Um homem que é tão cegamente devoto aos desejos da irmã, não faz sentido estuprá-la daquela forma.
    Por mais que a realidade da era medieval fosse a de violência e estupro generalizado das mulheres, a “realidade” do personagem era totalmente contra o estupro da própria irmã. Entre dramatizar uma cena daquelas simplesmente porque o estupro era comum e condizente com a época, e retratar a personalidade dos personagens de ficção criados por um livro que da nome à serie, fico com a segunda opção.

  • Laercio vilanova

    quem é Omela?

  • Patrick

    A rainha dos espinhos,mãe do Mance e avó da Margaery.

  • Laercio vilanova

    mas é Olenna o nome dela

  • Don Welling

    .

  • Rosangela Maria Dos Santos Col

    quadiujuvantes, seria o que mesmo? tem certeza que vc sabe ler? ou escrever?

  • Beatriz Azevedo

    Concordo, a cena do estupro também achei desnecessária. Mas, honestamente, minha interpretação ao ler os livros foi de que, inicialmente, a Cersei não estava muito afim de fazer sexo com Jaime. Apenas no final ela cede. Isso poderia ser considerado um estupro.
    Daenerys nos livros fica insatisfeita com o sexo com Khal Drogo. Ela só, efetivamente sente prazer quando toma a posição (literalmente) acima de Drogo, dando ao meu entender de que muitas vezes ela havia sido estuprada também – lembrando que ela não se vê pronta para o sexo, afinal tem só 14 anos e é vendida.
    Não acho que na série as mulheres sejam apenas ferramentas para a conquista dos homens, muito pelo contrário, elas são peças fundamentais para o desenvolvimento do universo de GoT. Muitas ganham muito mais evidência e importância do que efetivamente têm nos livros (como a Margaery Tyrell).
    E, por fim, vá me perdoar, mas todos sofrem dentro de GoT, independente de serem mulheres ou homens. Theon é castrado, torturado e transformado num cachorro, o Robb morre de forma trágica, bem como todos os homens que estavam no Red Wedding, Joffrey não teve uma morte muito agradável, nem Khal Drogo (inclusive, Daenerys se liberta com a morte de Drogo – seria uma misandria?)… Enfim, tanto homens quanto mulheres são torturados e mortos. Todos sofrem. Game of Thrones vem se mostrado uma série muito realista.

  • Denise

    A melhor análise sobre esse trecho imbecil imbecilmente inserido na série pelos produtores foi a da Lola: http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/04/por-que-o-game-of-thrones.html.

    De toda forma, esse 4º episódio foi tão ridiculamente alterado em relação ao original e tão cheio de cenas de expliração sexual non sense que realmente estou pensando que a série tá ficando muito descambada e sem a menor razão.

    Quando nos livros é mostrado o que acontece com os filhos do Craster? Ou o Jon volta para a fortaleza? Ou o Bran é feito refém pelos desertores? Aff, ridículo!

    (Não quero também ser a mala que espera que a série seja idêntica aos livros, porque liberdade poética é isso aí. Mas essa “Viagem” me deu nos nervos….)

  • DENISE ESTOU CHOCADA, não tinha visto que a Lola mencionou meu post! hahahaahah
    Morria sem saber, sou fã da Lola, fiquei honrada agora.
    Passei a semana na correria por aqui e não tinha visto.
    Muito obrigada pela dica!

  • Elaine Oliveira

    Com os Targaryens o que o incesto produziu? Aegon,o Indigno;Aerys ,o Louco e Viserys,o Pedinte. Fora outros que a história não mostra! Incesto é uma merda!!!

  • Mário Alves

    Sobre a polêmica gerada pelas cenas de estupro em Game of Thrones, certo estupro… aí quer dizer que na idade média, a mulher tinha direito a alguma coisa? Os criadores não estão sendo fieis à um fato que faz parte do passado não muito distante, nosso passado. Temos que fingir que estupros nunca aconteceram a partir de agora? Apagar da nossa memória, ou aprender com nossos erros passados para que não se repitam no futuro?

  • Mário Alves

    Muita agressividade e sua resposta… o que você falou pode ser dito de maneira mais branda e respeitosa… fica a dica.

  • Val

    Ninguém me tira da cabeça, a cena foi mal conduzida!
    Se o diretor do episódio diz q não foi estupro, então ele deveria orientar os atores e mandar refazer.
    No começo da cena Cersei parece querer estar com Jaime, mas está em conflito. E, então o conflito se resolve, ela não quer! A postura da atriz muda e ela demonstra, claramente, que não. Ele insiste, é bruto, a força. Isso é estupro!
    Logo que vi a cena, fiquei com a sensação de ambiguidade, porque a Cersei do seriado é mto agressiva. Tdo é agressão com ela, até quando demonstra afeição.
    Foi tdo muito bruto sim, mas foi mal feito, não ficou claro o consentimento “final”.

    Então, conclui, p mim, foi estupro =P

  • tanira

    já deixei meu parabéns pelo post, mas agora lendo os comentários preciso até deixar mais um!

    lidiany, teu trabalho está sendo ótimo levantando essas questões mega importantes. e eu imagino o tamanho do stress que tu deve passar moderando comentários. cada comentário nojento!

    mas muitos estão levantando uma discussão boa e necessária. continuemos em frente.
    e já acrescentando que gostei do novo layout tbm.
    abraços.

  • Patrick

    Rosangela,não só sei ler e escrever, como sei faze-lo em 4 linguás diferentes.

  • Mayara Dias

    A opinião mais sensata que eu li aqui, entre o artigo escrito e o que todos comentaram, só vira estupro quando vemos em hd! Vai da imaginação de cada um, uma criança de 13 anos como Dany jamais vai gostar de “garanhão” lhe montando! Na cena ela diz não e o beija… Como ela não quer?

  • É diferente você retratar estupros como aconteceram na idade média e retratar mulheres que são apenas objetos, podendo ser facilmente descartadas e substituídas durante a trama. como o autor disse, qual foi o propósito da Ros, além de mostrar o poder que os homens exercem?

    E outra, os livros não são relatos históricos, são uma obra de ficção. Por mais que tenha um pano de fundo similar a idade média, nada é desculpa para retratar as personagens femininas dessa maneira, saindo totalmente do contexto dos livros. Muita coisa na série é totalmente desnecessária, o que me fez parar de acompanhar. Se a HBO não consegue prender a atenção dos telespectadores sem nudez feminina, abuso, estupro, cenas de sexo, então tem algo muito errado aí.

  • Rosangela Maria Dos Santos Col

    Bem então vc escreveu essa palavra ai “quadiujuvantes” em que língua, porque em português a gente escreve coadjuvantes…. e Línguas tem acento no “i” e não no “a”…. desculpa mas esse país precisa de alunos mais conscientes e professores mais bem pagos pra ensinar as pessoas o minimo necessário para se expressar….. se vc realmente fala 4 idiomas, é um privilégiado……. deve estar misturando os idiomas na cabeça e na hora de escrever está misturando.

  • Rosangela Maria Dos Santos Col

    Pode até ser, mas nosso pais está afundando por causa da falta de vontade das pessoas a frequentar escolas e aprender, por causa disso, milhares de professores estão abandonando as salas de aula…. alunos indisciplinados e sem vontade alguma de aprender. Como vc acha que uma professora de português se sente diante de tamanha falta de conhecimento? Coadjuvante é uma palavra que está todos os dicionários….. isso é assassinar a Língua Portuguesa.

  • Gustavo B. Passos

    Sobre o estupro X
    não estupro, muitos de plantão reclamam disso desde a cena do
    Khal Drogo e Daenerys, na série ela só falou não, no livro ela fala não
    mil vezes e sim uma vez… do que vale um sim, quando você não aceita o
    “não” ? Tanto a Daenerys quanto a Cersei e outras , na minha opinião,
    foram sobrepujadas por homens mais fortes e vendo que não tinham como
    escapar (ou com medo de escândalos) aceitaram sem muita opção.. quer
    dizer a Cersei estava não só menstruada , mas com um fluxo grande de
    sangue (pela descrição do livro), vai saber ela tinha grande chance de
    estar com cólicas e totalmente desconfortável para fazer sexo, mesmo
    assim o Jaime forçou ela.. então acredito que foi “estupro” sim, outra
    coisa que levantaram é que o “Jaime não pode ser bom, se estuprou a
    Cersei”… veja bem estupro é ruim, mas nós não estamos esquecendo que
    ele tentou matar uma criança? Qual dos dois você acha pior? Jaime
    magicamente se tornaria um príncipe encantado se não tivesse estuprado a
    Cersei?(que lógico não merecia ser estuprada) e tudo que ele já fez
    antes simplesmente foi apagado?
    A coisa de game of thrones é que os
    personagens não são bons ou maus, eles são humanos, fazem coisas boas e
    coisas más.. alguns criam códigos de morais do que podem ou não fazer
    para continuar bons, mas isso é pessoal.. na cabeça do Jaime parar de
    seguir a Cersei que é venenosa e odiosa e começar a seguir suas palavras
    é sua salvação, mas outras pessoas não precisam necessariamente
    acreditar nisso.. ou seja mesmo fazendo algo que outros acham mal ou
    injusto os personagens podem se achar “bons”.. isso é bem palpável,
    muitas pessoas sobrevivem da miséria dos outros , mas não acredito que
    todo mundo seja um psicopata/sociopata/etc de realmente ter prazer
    nisso, apenas que no código de moral deles isso foi “justificável”..
    posso extorquir pobres, mas não posso “roubar” entre outras coisas.

  • Cross

    Olá tudo bem, obrigado por responder o comentário e esclarecer algumas coisas sobre o comportamento e a personalidade de Jaime nos livros, que comecei a ler recententemente.

    Vejo que existe uma certa discrepância entre os “Jaimes” literários e televisivos. A maioria das criticas dos fãs parecem cogitar entre a má adaptação da personalidade do personagem no ato do estupro, e não exatamente o “estupor em si”. A cena em si carrega um misto um de contradições e tem sido interpretada mais do ponto de vista literário do que midiático e por isso essa confusão de opiniões, principalmente para quem não conhece o livro.

    Reconheço sua opinião e vejo que ela lida mais com a característica literária da personalidade dele e não do estupro em si. Contudo não vejo como isso tem uma ligação com um discurso de gênero dentro da serie como mencionada por essa postagem ( não a sua, mas a do tópico). Se o estupro é resultado de uma má adaptação e não uma propaganda oculta sexista dentro da historia, e o diretor tem seguido uma linha um pouco diferente do livro, incluindo essa característica como forma de manter um jogo comportamental de JAIME na serie ( ele tem uma relação ambígua com a irmã, embora na serie não fique tão explicita e bem mais simplista do que no livro). O Amor e ódio sempre ficou incumbido entre eles, a serie até agora não construiu um Jaime romântico e sensível, embora um pouco menos orgulhoso e discreto.

    Outra questão, é a própria cena em si. Falando do ponto de vista de um expectador, ver uma mãe fazer sexo com o irmão ao lado do corpo do filho, já constitui uma cena bizarra e pesada por si só. Sendo desejada ou não, para quem não não lê os livros, funciona somente como um “detalhe”, desse contexto perverso e profano, portando o estupro ali é visto como “parte” dessa “loucura” da relação de ambos, e dentro da serie “funciona”, embora como boa parte do pessoal menciona e você falou é inverossímil do ponto de vista literário da personalidade de Jaime nos livros.

    Abraços

  • Marina de Oliveira Galvão

    Parabéns pelo artigo. É tranquilizado saber que mesmo ilhados em um oceano reacionário, homofóbico, misógeno e machista a galera de GoT Brasil consegue debater com qualidade os temas mais polêmicos em GoT.

  • Aline

    Perfeito o seu comentário. Concordo com tudo, inclusive com, na minha opinião, a ausência de um sexismo na série. Eu realmente, nesse ponto discordei, da review.
    O que me fez sentir a necessidade de comentar o que você tinha escrito é demonstrar que embora um estupro no contexto da série não seja algo que causasse tanta comoção, no caso peculiar de Jaime e Cersei, a decisão se aquilo foi uma violência sexual ou não pode alterar completamente a construção psicológica que o Martin fez de seus personagens.
    Se considerarmos que foi um estupro, o Jaime da série se afasta do Jaime construído nos livros e é isso que gera tanta polêmica. Apesar da série ser apenas uma adaptação, os fãs dos livros, e me incluo nesse grupo, se apegam muito aos personagens, e quando a série se distancia do personagem idealizado no livros gera essa comoção que vimos.

  • Erica Reis de Freitas

    Você parou para pensar que o Patrick pode ter escrito errado por pressa na hora da digitação? Independente do motivo, nem que você tivesse uma cadeira na Academia Brasileira de Letras poderia ser grossa!
    Mais importante que saber escrever corretamente, que como você disse, se aprende na escola, deve-se saber ser educada e gentil, coisa que se aprende em casa.
    E já que você está tão interessada fugir do tema neste fórum, onde o assunto não é sobre erros gramaticais e sim sobre o GoT, aprenda a exercer o significado da palavra EDUCAÇÃO em toda a sua amplitude! Fica a dica.

  • Rosangela Maria Dos Santos Col

    Desculpa, mas pressa pra escrever não faz esse tipo de erro… e tem mais…. não fui grossa, apenas defendi a língua portuguesa, se vc se ofendeu, faz assim, adota o moço e dá umas aulas pra ele….. e quanto ao GoT, a posição dele é no minimo machista…. ah, quer saber…. nem vale a pena argumentar, vcs preferem que os jovens continuem ignorantes mesmo…… e sim, pessoa que não sabe escrever deve voltar pra escola antes de postar besteiras na internet……

  • Guilherme Viana

    Um dos grandes problemas da sociedade atual, na minha opinião, é resumir ideias, resumir conceitos, reduzir tudo quanto for possível. Deixar toda a complexidade das coisas reduzidas a uma palavra, uma mera, uma simples, uma única palavra. Estupro ou não? Racismo ou não? Misógino ou não? Além disso, vivemos numa sociedade cada vez mais afetada, onde o menor acontecimento leva a um turbilhão de comentários e debates. Isso não seria de todo ruim, se os debates não fossem tão superficiais, ao tentar reduzir toda a discussão num simples: “foi ou não foi”.
    A Cersei dos livros é bem diferente da Cersei da série. Esta é mais séria, mais austera, mais equilibrada. Eu não imagino esta Cersei tomando Tyrion nos braços e rodopiando com ele, não imagino esta Cersei rindo abertamente e nem imagino esta Cersei falando pra Jaime, sob o caixão de seu filho, “vamos Jaime, me possua”. Acredito que se são personagens com características diferentes, não seria absurdo se suas condutas fossem diferentes na dada situação.
    Quanto ao fato de ser estupro ou não, sinceramente: Whatever.
    Pra mim é totalmente lógico Daenerys não curtir a primeira vez com o Drogo, um cara que ela ta vendo pela segunda vez. É até estranho no livro uma menina de treze anos não chorar e resistir a isso. A Cersei acabou de ter seu primogênito morto, é claro que ela vai dizer :”não”. Mas enfim, é melhor continuarem a discutir se foi estupro ou não né?

  • Marcos Paulo Silva

    Sim, mas tivemos Baelor e seu filho, Rhaegar e muitos outros.

  • Elvis Alves Ferreira

    Poxa velho isso é uma série, ficção, parece q estão querendo culpar a série por ser propagadora da violência contra a mulher ou quem quer que seja, eu já penso o contrário, toda série na minha opinião, é uma crítica as ambições e paixões humanas e até onde eles podem nos levar, é uma ótima série que ainda não se rendeu as hipocrisias e falso moralismo, é sempre surpreendente e chocante, se fosse pra ser puritano eles produziriam Smallville!

  • disqus_kOiQcyN7dK

    “Lembre-se a época em que se passa GOT (série), não é nos dias de hoje. Isso era normal.”

    “Idade Média” foi o período da HISTÓRIA MUNDIAL compreendido entre os séculos V e XV NA EUROPA. Westeros e o mundo todo de GoT sequer ficam no planeta Terra. Parem com isso de época medieval, pelamor de deus.

  • Alana infelizmente boa parte dos fãs sequer entendem isso…

  • BiancaGØT

    Texto muito bem escrito! Parabéns!

  • BiancaGØT

    Escreveu bem cara.

  • Yanca Mirella

    Por isso que pra mim a Daenerys é tão foda na série.. tudo que ela sofreu na mão do Drogo e tudo que ela se tornou, assim como a Catelyn sendo menosprezada e o robb ganhando destaque, ele teve o destaque dele, porém teve destaque negativo pois a culpa do casamento vermelho foi dele.. Quanto a Cersei, foi o único caso que não entendi… Já o caso da Ros, acho que os produtores quiseram deixar bem claro a até que ponto a crueldade do Joffrey chegava.. RESUMINDO: por enquanto todo mundo que menosprezou ou maltratou uma mulher na série, teve um final triste

  • Matheus Chimango Alves

    Exatamente. As pessoas andam com tanto vitimismo que esquecem que os homens na série e nos livros passam por péssimos bocados também, de castração a ter a cabeça do seu lobo costurada em seu pescoço.
    Primeiramente sobre toda essa história do homem ter mais poder que a mulher nesse universo, a gente está falando de um seriado que tem bases medievais! Mulher na idade média, ou era camponesa, ou era freira ou era bruxa e estava sendo queimada em tronco de arvore. Acho a série (e os livros) até bem mais colocada quanto a esse assunto quando podia ser se fosse algo totalmente fiel ao midievalismo. E graças a mitologia dele, na maioria dos casos. Sem os Dragões Daenerys não tinha nem se quer sobrevivido, Arya (por mais esperta que seja) também passaria péssimos bocados sem a ajuda do assassino sem rosto, Melissandre é outro exemplo.

    Eu vejo que as pessoas, hoje querem que os assuntos sejam tratados no universo medieval como se em pleno século XXI
    E agora estava lendo um sobre raças também… kkkkkkkk porra, tá demais hien?
    Quer que de um Stark, branco nasça um negro aí já estão querendo demais.
    Só pode… Acho que esqueceram do “milionário” da cidades livros o xaro xhoan daxos, que nem era negro nos livros e foi retratado como tal.

    Eu realmente acho que esse papo de diversidade anda deixando as pessoas um pouco perturbadas. Falar de novelas, brasileira onde mais da metade da população é negra ou parda… aí vai. concordo. Mas querer esse feminismo e diversidade racial numa ilha (que é quase uma ilha mesmo) medieval aí…..Já é viagem demais pro meu gosto.

    Mas concordo, que nessa cena especificamente…. Foi mal aplicado. Já que cortou a progressão meio que moral que estava acontecendo com o Jaime.

  • Matheus Chimango Alves

    Muito bom o diálogo de ambos, muito enriquecedor… tanto por parte de quem conhece basicamente apenas a série quanto a que acompanha ambos.
    Porém outro detalhe me veio a tona enquanto li o diálogo de ambos.
    Como você falou Aline, o Jaime tanto no livro quanto na série, é um ser totalmente desprovido de vontade, fazendo apenas o que a irmã lhe diz sem nem ao menos pestanejar. Como um cão domado.
    Creio que a construção desse novo personagem pode ter a ver também com essa imposição da sua própria vontade acima de quem antes o dominava. Seja por amor ou não, ele era totalmente submisso.

    No comentário acima, meu em outra resposta, eu achava que tinha sido desnecessária a cena, mesmo sendo contra todo esse discurso exagerado apresentado no artigo em si… Olhando agora por esse lado, vejo que pode ter até sido interessante. Ou seja, tinha mais que apenas um estupro na cena, tinha uma revolta de um completo submisso a se satisfazer as próprias vontades.

  • Lisandra Paixao

    Olha só! Seu texto está errado também: privilegiado na verdade não tem nenhum acento. Além disso, você colocou vários pontos juntos, coisa que também não existe na língua portuguesa. Todo mundo erra. Se você espera ser compreendida, por favor, fale com mais educação da próxima vez. Surtirá um efeito mais positivo.

  • Storm

    Se o diretor da série fosse brasileiro, ele já teria sido preso e condenado a 6 anos de prisão em regime aberto ou semi-aberto, por ‘apologia ao estupro’, após receber 100 mil denúncias de comunistas irritados no safernet. Não haveriam mais episódios de Game of Thrones e as pessoas teriam que comprar os livros pra saber o final… mas se o escritor fosse brasileiro, também já teria sido preso, e ninguém iria saber o final dos livros. Brasil, país inimigo de toda cultura. E quem reclamou desta cena lá nos EUA, deveria ter nascido aqui.

  • Joane Farias Nogueira

    Se tornou consensual no final ? Oi? Tem que ser consensual desde o início. Deus defenda as mulheres do que esse babaca está ensinando aos homens.