Resenha do conto “The Princess and The Queen”

Como o conto ainda não foi publicado no Brasil, a resenha a seguir não contém spoilers. Leia um excerto traduzido aqui.

O conto de George R. R. Martin The Princess and The Queen foi publicado na antologia Dangerous Women, editada em conjunto por George e Gardner Dozois. A princesa e a rainha ou Os negros e os verdes conta as causas e origens, batalhas e traições da Dança dos dragões, conflito que se passa quase 170 anos antes dos eventos de A Guerra dos Tronos. Inicialmente, George havia prometido a publicação do quarto conto das aventuras de Dunk e Egg, que seria chamado The She-Wolves of Winterfell, apesar de já estar familiarizada com as histórias de Dunk e Egg, devo dizer que, para mim, este conto superou bastante os anteriores. Ao terminar de ler a história, fiquei com a exata sensação de que George poderia escrever mais 7 livros sobre ela e que seriam tão bons quanto As crônicas de Gelo e Fogo. A princesa e a rainha ou Os negros e os verdes é uma história das causas, origens, batalhas e traições da mais trágica história conhecida como a Dança dos dragões. É uma história da guerra civil conhecida como a Dança dos Dragões, que tiveram lugar em Westeros após a morte do Rei Viserys I Targaryen. A história foi escrita (e narrada) pelo Arquimeistre Gyldayn da Cidadela de Vilavelha. Os eventos relatados no conto acontecem quase 170 anos antes dos eventos de A Guerra dos Tronos e por volta de 80 anos antes das histórias de Dunk e Egg. O conto começa com a morte do rei Viserys I Targaryen, que reinou por 20 anos e nomeou sua filha (a princesa) Rhaenyra Targaryen como sua sucessora. Rhaenyra é a filha mais velha do rei, nascida em seu primeiro casamento e declarada como herdeira. Porém, a rainha viúva, Alicent da Casa Hightower, planeja colocar seu filho primogênito no trono como Aegon II. Rhaenyra não aceita a coroação do irmão e se declara rainha dos Sete Reinos em Pedra do dragão. A partir daí começa uma das maiores guerras civis de Westeros, uma história de politicagem, romance, batalhas, intrigas, traições e o melhor de tudo: dragões, muitos dragões.

Rhaenyra Targaryen by HeiligerShadowfax

Rhaenyra Targaryen by HeiligerShadowfax

Imagine como seria As Crônicas de Gelo e fogo se na Guerra dos Cinco Reis os combatentes além de exércitos possuíssem dragões.

A dança foi uma guerra diferente de qualquer outra já travada na longa história dos Sete Reinos. Embora os exércitos marchassem e se reunissem em batalhas selvagens, muito do que ocorreu foi sobre a água, e … especialmente … no ar, dragão contra dragão com dentes e garras e chamas. Foi uma guerra marcada pela discrição, assassinato e traição, uma guerra travada nas sombras e escadarias, câmaras e pátios do castelo com facas, mentiras e veneno.

Dragões

Autor desconhecido (caso conheça informe nos comentários).

Um dos méritos da história é apresentar e retratar parte da história da família Targaryen que era desconhecida para nós leitores. Apesar de serem vistos como semi-deuses, comandantes dos poderosos dragões e governantes dos Sete Reinos, vemos através deste conto que os Targaryens eram tão mortais (e sujeitos aos vícios e virtudes humanas) como os demais habitantes dos Sete Reinos.

Aegon II e Rhaenyra Targaryen por Amoka

Aegon II e Rhaenyra Targaryen por Amoka

No fim das contas, a principal diferença entre As Crônicas de Gelo e Fogo é a descrição em detalhes das batalhas apresentadas por Martin e a existência e participação dos dragões nessas batalhas. Aqui vai um trecho com uma dessas batalhas:

O ataque veio súbito como um raio. Caraxes mergulhou para baixo em cima de Vhagar com um grito agudo que foi ouvido a uma dúzia de quilômetros de distância, envolto pelo brilho do sol no lado cego do príncipe Aemond. O Sangrento Wyrm bateu no dragão mais velho com uma força terrível.

Targaryen by Sir-Heartsalot

Targaryen by Sir-Heartsalot

Apesar de ser uma história bastante complexa e rica em detalhes, acabei lendo o conto de uma vez só. Porém, algumas vezes, os Aemons, Aegons, Aemonds e Daemons Targaryen acabaram confundindo um pouco ao longo da leitura, sendo necessário reforçar sempre a identidade de cada personagem. Um dos pontos interessantes da história é ver que durante a guerra pelo Trono de Ferro novamente os Sete Reinos se dividem, somos apresentados as já conhecidas Casas Nobres (porém, com diferentes personagens), Stark, Tully, Arryn, Lannister, Baratheon, Tyrell, Hightower, Frey, onde cada uma escolhe seu lado na divisão. O conto, diferentemente dos outros livros, não é apresentado com POV (ponto de vista), mas sim na forma descritiva de um livro histórico, isso por que o conto é um resumo da história completa (e ainda maior) que será reapresentada em outro projeto de George R. R. Martin ainda sem título (provisoriamente chamado de GRRMarillion) e sem previsão de lançamento. Considerando o tamanho do conto e a densidade da história, percebe-se que Martin tem grande habilidade em dramatizar a ganância pelo poder e que é capaz de escrever boas batalhas. O conto traz ainda alguns pontos interessantes que podem ter consequências sobre o destino de Daenerys atualmente:

  • Primeiro a preferência dos filhos a herança em detrimento das mulheres, a guerra começa pois os Targaryens não mantém os costumes dos Sete Reinos, e o rei nomeia sua filha primogênita Rhaenyra em lugar de seu filho mais velho.
  • Em segundo, o fato de os dragões mais novos serem fracos nas batalhas. Apesar de que atualmente os exércitos dos Sete Reinos não estarem acostumados a lutarem com dragões como nos contos, os dragões de Dany ainda são extremamente jovens e podem ser derrotados, como vemos na história.
  • Outro fato interessante é que o destino de alguns dragões apresentados na história ainda é desconhecido, seria possível que algum ainda esteja vivo?
  • Por último, o fato de os dragões preferirem como “cavaleiros” os de sangue Targaryen, mesmo que sejam bastardos.

O conto foi um belo presente de Natal para os que estão aguardando o lançamento (ainda sem previsão) de Os Ventos do Inverno. Para os que ainda não conhecem a obra de Martin (onde vivem?) é uma história excelente por si só. Em relação aos demais contos da antologia, confesso que fui direto ao último, após terminar a leitura de The Princess and The Queen, parti para avaliar as demais histórias de Dangerous Woman. Pulei várias histórias e achei algumas interessantes, a que mais me chamou a atenção foi a história de Pat Cadigan sobre uma mulher lutando contra o Alzheimer, gostei de uma que mostra um pai e uma mãe em busca de sua filha sequestrada e outra bem curta que apresenta uma mulher que busca alguém para matar seu marido. Como não conheço os outros autores, certamente não compraria o livro, exceto pelo conto de Martin.

O próximo de conto de Dunk e Egg só será lançado após The Winds Of Winter, de acordo com o próprio George R. R. Martin. No Brasil, os três primeiros contos de Dunk e Egg serão lançados pela LeYa em FevereiroThe Princess and The Queen não tem previsão de lançamento no Brasil.

Mais informações sobre a Dança dos Dragões e o desfecho da história (com spoilers) estão disponíveis na wiki

A antologia Dangerous Woman está disponível aqui e em ebook.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • diegomarcelini

    Alguém saberia dizer quais dragões viveram nos sete reinos??

  • Romulo Cesar Maximiano

    No “The World of Ice and Fire” vai ter esse conto completo?

  • Conferi e atualizei, havia verificado uma fonte incorreta. Obrigada.

  • Juliana Ribas

    Só de pensar em dragões brigando me dá uma empolgação mas também uma tristeza! Eu já amo eles, não quero que morram, apenas matem, de preferência muitos Lannisters e Freys!!

  • Messinho’

    Wow!!!

  • Matheus

    Ai, até chegar fevereiro, pra ler o primeiro livro de Dunk & Egg :c
    Dois anos de abstinência de algum conteúdo novo é difici…

  • Tiago Santos Dos Santos

    Boa noite, queria fazer uma pergunta.
    Tem equipe brasileira pra traduzi tudo por ai, mas não tem nenhuma pra fazer isso com os textos que saem do Martin lah fora e a lesma da Leya ainda não lançou?

  • Tiago Santos Dos Santos

    Eu sei que vocês traduzem algumas coisas, o trabalho do Game of Thrones Br é maravilhoso, mas eu sei que existem muitos outros textos, ate contos inteiros e não só das cronicas, mas não vejo nenhum grupo de fãs do Martin trabalhando nessas traduções o que acho muito estranho já tem um numero muito grande de pessoas que esperam esse tipo de texto e sei que não faltam fãs que poderiam ajudar, acho que só falta algum tipo de organização.
    Espero não esta sendo inconveniente, imagino o trabalho que vocês tem com o site, mil perdões.

  • Não Tiago, o problema é que não podemos publicar os textos inteiros aq por conta de direitos autorais. Quando criei o site, logo no início divulguei uma tradução da HQ aq e fui obrigada a retirar por causa de uma notificação de direitos autorais. Por isso fazemos apenas divulgação e análise de td, mas não divulgamos os downloads aq. =/

  • Tiago Santos Dos Santos

    Entendo.

  • Messinho’

    Que pena =/

  • Felipe Bini

    Eu não consigo curtir as ilustrações desse Sir Heartsalot. Caricaturais demais pro meu gosto.

  • Foi difícil achar uma ilustração pra esse post.

  • Felipe Bini

    Isso foi só uma opinião “de passagem”, não tava reclamando nem criticando o post em si. A ilustração dele serve perfeitamente aos propósitos do texto, eu é que não gosto mesmo.
    Mas já que estamos no assunto, tem uma ilustração do René Aigner de Harrenhal sendo queimado que pode ser útil.

  • Felipe Bini

    Se pesquisar Facebook e internet afora vc acha a maioria dos contos extra-ASoIaF traduzidos (pirateados). O “Princess and the Queen” não tem ainda porque é recente, mas não tenho dúvidas de que daqui a algum tempo vai aparecer.

  • Felipe Bini

    Não, no GRRMarillion, que não tem nome nem previsão de lançamento ainda.

  • Tiago Santos Dos Santos

    Eu sei que tem alguns, mas duvido que tenha todos e não falo só das cronicas, O Martin tem outros trabalhos e não os vejo nem na net e nem a Leya se preocupa em publicar, mas não falo de não existi traduções, mas sim de não existi uma organização dos fãs para que isso seja feito direito.
    Quanto ao fato da pirataria eu acho que quem é fã de verdade do trabalho do cara compra o livro no Brasil quando sai independente de já ter lido ou não, eu li todos os livros da cronicas primeiro no formato digital e depois comprei todos os livros que já li do Martin porque respeito o autor, faço isso com todos os livros que leio, comprei mais ou menos 100 livros no ultimo um ano e meio, duvido que as editoras tenham algo a reclamar de mim.

  • andrecatapan

    Li esse conto mais ou menos como você, de uma vez só. Também tive o mesmo problema com a quantidade gigantesca de personagens, e olha que possuo uma boa memória com relação aos de Game of Thronos, e não sabia mais quem era filho de quem e por quem estava lutando.
    De toda forma, achei uma história sensacional e meu pensamento foi: “é assim que As Crônicas de Gelo e Fogo seriam com dragões!” É óbvio dizer que são eles, os dragões, que roubam a cena, mais do que qualquer jogo político ou intrigas que apareçam. As batalhas são simplesmente fantásticas e dão toda uma nova dimensão para o Universo da história – e nos mostram o quão superior Aegon era por possuir um Dragão.
    Espero que um dia saia em Português, para compreender melhor.
    Obrigado pela resenha!

  • Tivemos a mesma impressão. 🙂

  • Tranquilo, parece que ninguém quer ilustrar os dragões.

  • Bruno Lopes Vasconcelos

    A ilustração lá é do Tomasz Jedruszek e, por curiosidade, não tem nada relacionado com aSoIaF

  • Mari

    GRRmarillion eu ri

  • Felipe Lobato

    Eu escrevi o artigo da wiki. Quero créditos u.u
    Zuano

    AEHUEHAUEHUH

    Ótima resenha, Lidiany

  • Obrigada pelo artigo!!! ♡♡♡♡♡