História e Tradição: Dorne e a Casa Martell

Na próxima temporada de Game Of Thrones seremos apresentados aos dorneses* Oberyn Martell e Ellaria Sand (Pedro Pascal e Indira Varma foram escalados para esses papéis). Os demais que foram introduzidos em O Festim dos Corvos e A Dança dos Dragões deverão ser apresentados na próxima temporada. O objetivo desse post é contar um pouco da história de Dorne e como esta se tornou parte dos Sete Reinos, além de apresentar a Casa Martell.

Dorne

Dorne

Dorne é uma grande península, correspondente a parte meridional de Westeros, e é uma das regiões que constituem os Sete Reinos. Sua capital é Lançassolar, e os Lordes da Casa Martell, que controlam a região, ainda se denominam Príncipe e Princesa, no estilo Roinar.

OS ROINARES

 

Invasão Roinar por ~Amoka

Invasão Roinar por ~Amoka

Os Primeiros Homens se fixaram em Westeros após atravessar a grande ponte de terra que cruzava o Mar Estreito, chamada de Braço de Dorne. Durante a grande guerra com os Primeiros Homens, as Crianças da Floresta quebraram o Braço numa tentativa, em vão, de impedi-los de atravessar. Desde então, a região é conhecida como Braço Quebrado de Dorne. Mil anos atrás, Dorne era um conjunto de estados Ândalos e outros pequenos reinos, com nenhum líder forte o bastante para tomar controle de toda a região.

Os Roinares são uma civilização de pessoas ribeirinhas que habitavam às margens do rio Roine, em Essos e foram forçados a fugir para Dorne durante a guerra com Valíria. Os roinares viviam em cidades-estado ao longo da bacia do Roine até cerca de setecentos anos antes do Desembarque de Aegon, até que foram ameaçados pela expansão da Cidade Franca de Valíria.

O Príncipe Garin, o Grande, liderou um exército de um quarto de milhão de roinares para enfrentar os valirianos, mas fracassou miseravelmente. Quando a Princesa Nymeria soube disso, reuniu os sobreviventes em dez mil navios e fugiu para Westeros. Os cantores dizem que os navios estavam atulhados de mulheres e crianças, sugerindo que todos os homens morreram na guerra. Nymeria trouxe dez mil navios através do Mar Estreito até a costa de Dorne. Ela criou uma aliança com a Casa Martell, tomando o Lorde Mors por marido, e tornando-o rei. Com o numeroso exército de Nymeria ao seu comando, Mors foi capaz de unir a península de Dorne inteira sob seu governo. No estilo Roinar, ele tomou o título “Príncipe” para si, e introduziu a primogenitura igualitária em Westeros.  Foi graças aos roinares que os Martell puderam vencer a grande Casa rival, os Yronwood.

Rainha Nymeria de Dorne por ~InTheArmsOfUndertow

Rainha Nymeria de Dorne por ~InTheArmsOfUndertow

Durante a fuga dos roinares, os valirianos incendiaram a capital roinar Ny Sar, além de outras cidades como Chroyane, Noy Ar e Drohe Ghoyan. Suas ruínas ainda podem ser vistas ao redor do Roine.

A UNIÃO DOS SETE REINOS

Sete séculos após a invasão dos Ândalos, Aegon, o Conquistador invadiu Westeros e iniciou sua conquista, subjugando todos os Reis Ândalos, um por um, exceto Dorne, que resistiu a Aegon. Rhaenys Targaryen se dirigiu para Dorne, mas encontrou todas as fortalezas vazias em seu caminho. Os homens pareciam ter partido, deixando apenas as mulheres e crianças. Quando chegou a Lançassolar, lançou seu ultimato à Princesa de Dorne, Mariya Martell, que disse que não pretendia se ajoelhar e nem lutar. Quando Rhaenys a ameaçou, Mariya respondeu com o lema dos Martell: “Insubmissos, não curvados, não quebrados!”

Dragão da Casa Targaryen atacando exército inimigo by Tomasz Jedruszek.© Fantasy Flight Games.

Dragão da Casa Targaryen atacando exército inimigo by ~Tomasz Jedruszek.© Fantasy Flight Games.

Aegon liderou a invasão de Dorne, tencionando se expandir para o sul de Westeros também, marchando pelas Montanhas Vermelhas. Os dorneses, porém, haviam aprendido a lição com o Campo de Fogo, e se recusaram a entrar em batalha em campo aberto, escondendo-se em seus castelos, atacando linhas de suprimento e adotando táticas de guerrilha. Enquanto outros Reis e Lordes tomavam os campos de batalha contra Aegon, ou se escondiam em seus castelos, os dorneses se recusaram a entrar em combate com Aegon, fazendo com que ele soltasse seus dragões. Os dorneses realizaram emboscadas e pequenos ataques, atacando rápido e se escondendo no deserto ou nos Passos através das montanhas, onde nem mesmo os dragões conseguiam encontrá-los, numa espécia de guerrilha. A intenção foi bem sucedida, e Aegon percebeu que submeter Dorne seria custoso demais, de modo que permitiu que o reino permanecesse independente.

Um século e meio depois, o Rei Daeron I, o Jovem Dragão, conseguiu fazer o que seu ancestral não havia conseguido, e conquistou Dorne. Daeron escolheu um dos Tyrell para governar Dorne o que, quase que imediatamente, fez com que os dorneses se levantassem em rebelião. Como resultado do conflito, quarenta mil soldados, e o próprio Rei, morreram, forçando os Targaryen a recuar. O irmão e sucessor de DaeronBaelor, o Abençoado, celebrou a paz com Dorne, casando seu primo, Daeron II, com Myriah Martell. Quando este príncipe reinou como Daeron, o Bom, ele fez outra aliança, casando sua irmã mais nova Daenerys com o Príncipe reinante de Dorne, Maron Martell, finalmente juntando Dorne ao restante dos Sete Reinos. Antes de oficialmente se juntarem ao reino, os dorneses lutaram ao lado das forças de Daeron II, liderado por seu filho meio-dornês Baelor Targaryen, ajudando a suprimir a Rebelião Blackfyre.

CULTURA

Os Roinares chegaram a Westeros alguns séculos após os Ândalos, se instalando no Sul, conhecido atualmente como Dorne. Isso explica porque aquele povo é tão diferente do resto dos Sete Reinos, pois tem a descendência de uma raça diferente.

Alguns dizem que foram os roinares que ensinaram aos Ândalos como trabalhar com o ferro. A Fé dos Sete nega isso, dizendo que tal aprendizado veio como uma bênção divina do Ferreiro.

Dorne é o menos populoso dos Sete Reinos. Os dorneses são diferentes cultura e etnicamente dos outros habitantes de Westeros devido à imigração em massa dos Roinares, além de seu relativo isolamento. Eles possuem diversos costumes roinares devido à sua origem Ândala. Os dorneses também possuem uma reputação de serem sangue-quente e sexualmente liberais, e são visto com certa desconfiança e rivalidade pelos habitantes da Marca de Dorne. Os bastardos dorneses recebem o sobrenome Sand (areia).

Os roinares possuem diversos costumes que os diferem dos povos dos Sete Reinos. O direito de primogenitura se aplica a filha ou ao filho mais velho, por exemplo, e não apenas ao filho mais velho. É permitida também uma certa liberdade sexual.

Devido à organização política inicial, os roinares mantém o costume de chamar seus governantes de Príncipes, tais como o faziam em suas cidades-estado. Esse costume permanece em Dorne.

Outros aspectos da cultura roinar foram sobrepujados pelos dos Sete Reinos. Sua religião primitiva consistia numa personificação animista do Rio Roine, a Mãe Roine. Também havia o Velho do Rio, uma tartaruga gigante, e seu opositor, o Rei Caranguejo. Porém, tendo abandonado o seu rio, a maioria dos roinares optou pela Fé dos Sete. Porém, alguns deles se recusaram à aculturação. Os chamados orfãos do Sangueverde vivem às margens desse rio em jangadas e mantém os costumes de seus antepassados.

ECONOMIA

Dorne fornece diversos produtos exóticos incomuns para o restante dos Sete Reinos, em particular, frutas cítricas e os próprios vinhos especiais de Dorne, assim como limões, azeitonas e romãs. Muitas destas plantas são cultivadas com a ajuda de canais de irrigação, que carregam água de rios e córregos. Dorne também é famoso por uma magra, porém rápida, raça de cavalos, criada apenas lá, que pode correr por quase dois dias sem se cansar.

O Trono de Dorne por Marc Simonetti

O Trono de Dorne por Marc Simonetti

Geografia de Dorne
Navios das Cidades Livres, como Volantis, comerciam no porto da Cidade das Pranchas, localizada na foz do rio Sangueverde, permitindo o transporte de produtos através da terra. Caravanas pegam suprimentos em Lançassolar antes de cruzar as profundas areias a caminho do Passo do Príncipe.

GEOGRAFIA

As fronteiras de Dorne são o Mar de Dorne ao norte, as ilhas conhecidas como Degraus a leste e o Mar de Verão ao sul. Espremido entre eles se encontra a cadeia de montanhas conhecidas como Montanhas Vermelhas, que separa Dorne do restante dos Sete Reinos por terra. Há apenas duas principais passagens por meio destas montanhas, ligando Dorne ao resto do continente: o Caminho de Pedra, que atravessa as montanhas e chega próximo a Solarestival, e o Passo do Príncipe, que leva à Campina.

Dorne é a região mais quente de Westeros. A região é pedregosa, montanhosa, árida e seca, e abriga o único deserto do continente. Seus rios fornecem algumas terras férteis e mesmo durante um longo verão, há um pouco de chuva e outros suprimentos que mantém Dorne habitável. A água no interior da região é tão valiosa quanto ouro, e os poços são fortemente guardados.

Para conhecer um pouco mais da geografia de Westeros consulte o nosso mapa: http://mapa.gameofthronesbr.com/

  A CASA MARTELL

Casa Nymeros Martell de Lançassolar é uma das Grandes Casas de Westeros e a governante de Dorne. ‘Nymeros’ indica “da linhagem de Nymeria,” mas geralmente é chamada de Casa Martell. Os antigos Martell utilizavam uma lança como seu emblema, enquanto Nymeria e os Roinares utilizavam um sol. Eles foram combinados quando Nymeria desposou o Rei Mors Martell em uma lança dourada perfurando um sol vermelho em um campo laranja. Suas palavras são, “Insubmissos, Não Curvados, Não Quebrados“. Apresentam a aparência clássica dos dorneses, com olhos e cabelos escuros, e uma pele de tom de oliva.

Lançassolar

Lançassolar

Elia Martell foi uma princesa de Dorne. Ela se casou com o príncipe herdeiro, Rhaegar Targaryen, e com ele teve dois filhos Rhaenys e Aegon. Dar à luz foi difícil para Elia, suas duas primeiras crianças deixaram-na muito fraca. Quando Rhaegar venceu o Torneio de Harrenhal, ele nomeou Lyanna Stark Rainha do Amor e da Beleza, e não Elia. Um ano depois ele raptou Lyanna, dando início à Rebelião de Robert. Os Martell estavam descontentes com a traição de Rhaegar com Ellya, no entanto, eles apoiaram a tentativa de Aerys II de manter-se no trono, desde que o Rei Louco abrigasse Elia e suas crianças na Fortaleza Vermelha, proporcionando um quarto das tropas reais na Batalha do Tridente. Os Martell perderam muitos soldados na batalha, incluindo o Príncipe Lewyn Martell da Guarda Real. Quando Porto Real caiu, a Princesa Ellia e seus filhos foram brutalmente assassinados durante o Saque de Porto Real por dois soldados Lannister, Gregor Clegane e Armory Lorch.

Elia Martell por Elia Fernández ©

Elia Martell por Elia Fernández ©

Príncipe Doran é o governante de Dorne, um homem pensativo, que tem uma terrível síndrome de gota. Ele é nove anos mais velho que Elia e dez anos mais velho que Oberyn. Dois outros irmãos mais novos morreram na infância, Mors e Olyvar. Conheceu sua esposa Mellario de Norvos enquanto viajava pelas Cidades Livres. Apaixonaram-se e casaram-se. Embora Mellario fosse suficientemente nobre para que se tornasse sua esposa, casamentos nos Sete Reinos são por razões políticas, e uma união de amor é muito incomum. O casal teve três filhos, ArianneQuentyn e Trystane.

Oberyn é um homem agressivo, pai de muitas filhas bastardas, chamadas de Serpentes da Areia. Ellaria Sand é a sua amante, ela o acompanha na viagem a Porto Real. Oberyn tem alimentado um ódio profundo dos Lannister desde a juventude, embora tenha contado a Tyrion que suas mães foram amigas na corte quando garotas. Quando Oberyn e Elia estavam com 15 e 16 anos, eles viajaram juntos de Dorne até Rochedo Casterly, conhecendo potenciais pretendentes e alianças de casamento, culminando em uma visita a Joanna Lannister para satisfazer a vontade da mãe de que seus filhos se casassem. Quando chegaram, porém, Joanna faleceu dando a luz à Tyrion e Lorde Tywin os tratou com desprezo, ignorando-os por semanas antes de oferecer a Ellia o bebê anão Tyrion, ainda pequeno. Fica então obscuro se Lorde Tywin relata que Cersei está prometida à Rhaegar, ou se acontece a única coisa que poderia deixá-lo mais bravo, uma outra aliança matrimonial Martell-Targaryen, a Princesa Ellia Martell se casa com Rhaegar Targaryen, Príncipe de Pedra do Dragão, uma afronta à Tywin, que esperava casar Cersei com Rhaegar.

Oberyn Martell por ~Amoka

Oberyn Martell por ~Amoka

Arianne Martell é a filha mais velha do Príncipe Doran Martell, e sua consorte, Mellario de Norvos. De acordo com as regras dornesas, ela é a herdeira de Lançassolar, e futura governante Princesa de Dorne.

As Serpentes da Areia são as filhas bastardas do Príncipe Oberyn Martell com várias mulheres; este nome é uma alusão ao apelido do Príncipe, Víbora Vermelha, e ao sobrenome Sand dos bastardos de Dorne. Algumas são filhas de septãs, outras de nobres e outras de prostitutas. Apesar das variações no que diz respeito às mães e às aparências, diz-se que todas tem os olhos do pai. As oito Serpentes da Areia são: Obara SandNymeria SandTyene SandSarella SandElia SandObella SandDorea Sand e Loreza Sand.

Embora a Casa Martell tenha jurado fidelidade ao Rei Robert Baratheon após a guerra, eles guardaram a raiva e ressentimento contra os Lannister desde então (agora ainda maior devido ao reinado de Cersei) e adotaram uma política preferencialmente isolacionista desde então, não se misturando às outras grandes casas a menos que seja absolutamente necessário, preferindo lidar com as Cidades Livres.

No início da Guerra dos Cinco Reis, a Casa Martell permaneceu neutra ao conflito. De má vontade, se aliaram com os Lannister quando Tyrion, agindo como a Mão do Rei, no lugar de seu pai, prometeu a mão da Princesa Myrcella Baratheon ao Príncipe Trystane Martell, um assento dornês no pequeno conselho, alguns castelos nas Marcas de Dorne, e a cabeça de Sor Gregor Clegane, responsável pelo estupro e assassinato da irmã do Príncipe Doran, Princesa Elia. O Príncipe Oberyn viaja à Porto Real para reclamar o assento de Doran no conselho e para exigir a cabeça de Sor Gregor.

Fonte: http://wiki.gameofthronesbr.com/

Para conhecer mais sobre a história dos Sete Reinos visite a Wiki e assista também os vídeos da série História e Tradição no nosso canal.

A denominação “dorneses” e “dornês” é utilizada nos quatro primeiros livros, traduzidos por Jorge Candeias, apenas no quinto livro, traduzido por Márcia Blasques foi utilizada a palavra “dornense”.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Victor Dias

    Os roinares possuem diversos costumes que os diferem dos povos dos Sete Reinos. O direito de primogenitura se aplica ao filho mais velho, por exemplo, e não ao menino mais velho. É permitida também uma certa liberdade sexual.

    Pequena correção,seria a filhA mais velha certo? 🙂
    “Bem acima de Economia”

  • Filho neste caso abrange filhos e filhas. O que está explícito devido a outra frase “e não ao menino mais velho”.

  • Alterei para que fique mais clara, porém não estava incorreta, bastava interpretar o trecho completo.

  • Felipe Bini

    Não sei de fato se Oberyn nutre esse ódio todo contra os Lannister desde a juventude. Acho que ele tratava meio que com escárnio, ou no mínimo fazia troça da maioria das Casas quando da viagem, fossem grandes ou pequenas (vide Baelor Hightower). Claro que o oferecimento de Tyrion a Elia como noivo foi um insulto considerável aos Martell, mas não acho que fosse suficiente para o Oberyn odiar todos os Lannister desde então.
    Acredito eu que o ódio tenha mesmo surgido quando do assassinato de Elia pelo Gregor (ele já tinha 25 à época, idade já bem adulta para os padrões westerosi), e que tenha sido cultivado ao longo dos anos por ele responsabilizar Tywin pela ordem de matar a irmã e os sobrinhos.
    Sei que a ideia do artigo é apresentar um panorama geral não tão detalhado, e que a intenção é não-spoilar demais, mas com essa descrição do Oberyn ele ficou um tanto reduzido, quando na verdade apresenta outras características, facetas e opiniões igualmente relevantes em relação a outras pessoas, não somente aos Lannister. Do jeito que foi descrito acho que para um leitor unsullied fica parecendo que o personagem é marcante para a história apenas como “o cara que odeia os Lannister” (o que seria conveniente para órfãos do RW).
    Não sei se deu pra entender a opinião e/ou se é picuinha demais, mas no mais, é sempre bom ler sobre a casa favorita da gente (ainda que pela milésima vez, hehe).

  • Se o fato de Tywin ter insultado Elia e depois ter comandado seu estupro, assassinato e massacre de seus filhos (sobrinhos de Doran) não for o suficiente para ele odiá-los, então explique pq ele tramou sua vingança contra os Lannisters e foi a Porto Real com isso em mente.

    Por tudo que aconteceu nos livros, acredito que ele realmente odiava todos os Lannisters.

    O objetivo desse post foi de apresentar os personagens da Casa Martell, quem quiser saber tudo sobre Oberyn ou os demais pode seguir os links da wiki que estão disponíveis no texto, porém cheios de spoilers para quem só vê a série, por isso, nada sobre o que acontece após a chegada dele ou mais detalhes sobre seus planos e de Doran foi revelado…

    Sim ainda bem que vc já disse, pq parece picuinha mesmo…

  • wildfire35

    Meus parabéns Lidiany, estes textos sobre a historia dos 7 reinos tem ficado ótimos, o ultimo sobre os Blackfyre já tinha sido excelente, mas este estar um primor dentro do que se propõe, ou seja, apresentar a casa mas evitando spoilers pesados.

  • Felipe Bini

    Antes de se melindrar tanto, favor ler o post inteiro porque acho que vc não entendeu ou achou que eu estava criticando por criticar. Não disse em nenhum momento que não havia ódio, isso é óbvio que havia. Eu inclusive confirmei isto, apenas questionei o momento do surgimento do ódio, que pra mim é quando do Saque de Porto Real (quando ele era adulto), e não quando ocorre o insulto aos Martell feito por Tywin em Casterly Rock (quando ele era jovem). Questionei foi que pelo texto ficou parecendo que ele foi odeia Lannisters desde sempre, mas no meu entender isso só se deu quando ele já era adulto e por um episódio específico. Não sou ignorante, escrevi também no meu post que sabia da intenção do texto, só achei que a visão (ainda que a ideia seja ser generalista) passada do Oberyn passou uma imagem meio desvirtuada. Quando eu disse “picuinha” era no sentido de ser detalhista, e não de encher o saco pura e simplesmente.

  • IgorX

    Um ótimo texto! Que nos apresenta não só os plots da história, mas vai além trazendo informações sobre a cultura e a economia da região. Um primor.

  • Eu acho que a galera tem mesmo muito medo dos spoilers, pq todas essas informações já estavam na wiki, só fiz compilar vários artigos em um único texto. =D

  • Victor Dias

    Ah,tudo bem,obrigado 🙂

  • Thiago F. Coelho

    Uma dúvida que eu sempre tive: quando há uma princesa Martell reinando em Dorne (como a mãe de Doran e, futuramente, reinará Arianne), é o esposo que muda de sobrenome? (Já que, tradicionalmente, é a esposa que adota o sobrenome do marido…)

    Outra coisa, e é uma dúvida relacionada à série, que dá ao rei dos Sete Reinos o título de “rei dos ândalos e dos primeiros homens” (omitindo os roinares): como isso será retratado? Vá lá que a série não se aprofunda nessa questão étnica de Westeros, mas é outra coisa que sempre me deixou curioso.

  • Thiago, em relação a Nymeria o nome foi mantido, através do Nymeros e o Martell do marido. Eu acho que independente de quem irá reinar, esse é o nome que se mantém. O da casa dominante, neste caso a Nymeros Martell até hoje.

  • Lucas Facó

    Eu acho o Príncipe Doran Martell é o único membro tolerável do clã Martell. Seu irmão mais novo, o Príncipe Oberyn Nymeros Martell era um pavão idiota, panaca, rude, promíscuo, prepotente, orgulhoso e arrogante como a maioria dos cavaleiros do Sul, um guerreiro incompetente com excesso de confiança subestimando a fúria e o vigor físico de Gregor Clegane (acreditando que um guerreiro ferido não conseguisse se mover de forma ameaçadora após tantos ferimentos graves). Ao longo prazo, provocou a ruína de seu clã com seu comportamento e suas ações. Exemplo de sua estupidez: o seu duelo com Lorde Edward Yronwood por causa de um rabo de saia.

    O destino do Clã Martell e do Reino de Dorne está nas mãos da Princesa Arianne Martell e das Serpentes de Areia (Obara Sand, Nymera Sand, Tyrene Sand e Sarella Sand). O que não é uma boa coisa para os nobres e os plebeus de Dorne.

    A Casa Yronwood é a segunda casa nobre mais poderosa e rica do reino de Dorne. É paciente para a sua ascensão ao poder. Certamente apoiará a rainha Daenerys Targaryen durante a Segunda Dança dos Dragões e ainda será a casa nobre dominante de Dorne por causa da estupidez e da obsessão da Casa Martell pela vingança.

    A Segunda Dança dos Dragões entre a rainha Daenerys Targaryen e o rei Aegon IV Targaryen (Blackfyre) será mais destrutiva, cruel e selvagem que a Guerra dos Cinco Reis.

  • Gabriel Dias

    E eu jurando que o História e Tradição, eram os vídeos do DVD 😛
    Mas vocês estão de parabéns pela explicaçõe de vários acontecimentos importantes o/ o/

  • Zélia Pamplona

    Alguma previsão se vai sair videos da casa Martell e Tully junto com a próxima temporada? São as unicas das grandes casas que não tem.

  • Calvin

    Está se precipitando, Arianne é jovem e inexperiente ainda pode aprender a jogar o jogo, assim como suas primas. Também não há certeza que a Segunda Dança dos Dragões será entre esses dois.

  • Joao Palmadas

    Esses Martell, eles são parentes dos Targarye, não são?

    Então, eles podem reivindicar o trono de ferro. A pretensão de Stannis é mais legitima? Ora, a legitimidade é decidida no campo de batalha, até onde eu sei.

    Nos ventos do inverno, veremos do que os Martell são capazes, pois acho que eles entrarão na guerra.

  • jorge_lito

    Muito bom também…
    Obrigado Lidiany….

  • Joao Palmadas

    “pavão idiota, panaca, rude, promíscuo, prepotente, orgulhoso e arrogante”… Sabe quem você acaba de descrever? Napoleão Bonaparte.

  • Felipe Bini

    Sobre a série, acho que não vai ter tanto problema quanto a isso… Pra efeitos de entendimento das audiências, a esmagadora maioria nem sabe mesmo o que significa ser “ândalo” ou “primeiro homem”, que dirá “roinar”. E como vc bem disse que a série não se aprofunda nas questões étnicas, não devem explicar o que são os roinares tampouco… Mas eu também achei estranho excluírem esse título, afinal é uma coisa bem simples e que no fim das contas não ia gerar nem confusão se mantida.

    Quanto à questão da mudança de nome, pode ser que não haja mudança de nome do marido, que ambos se mantenham. Que a princesa Martell reinante não tem seu nome mudado, pelo menos, acho que é pacífico. Apesar dessa tradição de a esposa adotar o sobrenome do marido, isso não ocorre em 100% dos casos, vide Cersei/Robert…

  • Gabriel Dias

    Tb tô esperando :/

  • Guest

    Casa Nymeros Martell?

  • Otávio

    Nem se dê ao trabalho de responder, Calvin. Esse Facó é um lunático que só posta coisas bizarras.

  • Só saberemos quando sair o blu-Ray.

  • Leia o texto antes de comentar.

  • Thaiza Costa

    Martell <3!Mal posso esperar para vê-los na série.As cenas do Oberyn esnobando os Lannisters e Tyrells será ótima!

    Ps: Ninguém merece "dornense”, me dava agonia toda vez que lia no Dança

  • Lucas Facó

    “Eu amo meu irmão” disse Arianne, apesar de ninguém estar lá para ouví-la. A bem da verdade, ela mal o conhecia. Quentyn fora criado por Lorde Anders da Casa Yronwood, o sangue-real, filho de Lorde Ormond Yronwood e neto de Lorde Edgar. Em sua juventude, seu tio Oberyn lutou um duelo com Edgar, dando-lhe um ferimento que grangrenou e o matou. Depois, os homens começaram a chamá-lo de “Víbora Vermelha” e falaram de veneno em sua lâmina. Os Yronwoods eram uma casa antiga, orgulhosa e poderosa. Antes da vinda dos roinares, eles tinham sido reis de metade de Dorne com domínios que diminuíam aqueles da Casa Martell. Luta sangrenta e rebelião certamente teriam se sucedido a morte de Lorde Edgar, se o seu pai não tivesse agido rapidamente. A Víbora Vermelha foi para Vilhavelha e depois para o outro lado do Mar Estreito, para Lys, apesar de ninguém ousar chamar isso de exílio. E com o tempo, Quentyn foi dado a Lorde Anders para criar como um sinal de confiança. Aquilo ajudou a reparar a falha entre Lançassolar e os Yronwoods, mas tinha criado outras entre Quentyn e as Serpentes de Areia… e Arianne tinha sempre sido mais próxima de suas primas do que de seu irmão distante.

  • Eu que agradeço! 😉

  • Felipe Lobato

    Os Martell ajudaram Aerys com a condição de que ele mantivesse Elia e os filhos na Fortaleza Vermelha? Aerys tava usando-os de reféns em troca da fidelidade de Dorne.

  • Pergunta: Como eu acesso posts mais antigos? O botão “Mais Teorias” não é clicável. D:

  • Leandro colaço

    Simplesmente a melhor casa! O estilo que vivem, a inteligencia do rei, a força do víbora e suas filhas, enfim, sem comparação. “Inquebrável, não dobrável, inflexível”

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Não acho que o marido precise, necessariamente, mudar o sobrenome, mas os herdeiros do trono de Dorne devem manter o Nymeros Martell… Afinal, o Doran, Elia e Oberyn mantiveram ne?

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Martells são lindos, fodas e sensuais *-*

    Melhor casa EVEEEEER!!!! No fim eles vão ficar por cima da carne seca, tenho certeza!! Nenhuma outra casa esta jogando o jogo tão bem quanto eles, nem os Lannister.

  • Felipe Bini

    Sei não… Também prefiro os Martell a todos os outros, mas apesar do Doran ter aparentemente sido de fato esperto até agora, esperando pra jogar as cartas quando tá todo mundo na baixa, acho que ele deu azar (ou se fiou demais na missão do Quentyn, tendo dado pouco subsídio pro sucesso dela)…
    Depois que descobrir que o filho morreu e as circunstâncias em que isso se deu (Daenerys rejeitou o sujeito o que indiretamente o motivou a fazer o que fez), acho que ele não vai mais estar disposto a se sujeitar à rainha. Isto somado ao fato de que enviou a Arianne para tratar com Connington e Aegon VI, com grandes chances deles a considerarem uma boa consorte pra ele, vai deixá-lo no lado adversário da Daenerys, (porque não vejo Aegon e Daenerys sendo aliados), o que pode ser fatal, afinal é ela quem tem dragões…
    Como diria Barristan Selmy ao Quentyn, o Doran guarda muito bem seus segredos, talvez até bem demais…
    Mas vamos aguardar, isso é prognóstico pessimista meu, mas é possível deles se darem bem também.

  • Calvin

    O “Aegon”, supostamente, é sobrinho de Doran, não seria preciso ele se casar com Arianne para ter o apoio de Dorne, entretanto acho que assim mesmo vai haver o casamento entre os dois. Acredito que Jon Connington até pode tentar, mas não vai conseguir impedir o rapaz de ser enredado pela prima, áfinal é meio complicado contestar o rei; e não ficaria surpreso que assim como aconteceu com Rob isso acabasse levando a sua queda.

  • Felipe Bini

    Isso é verdade, o Doran poderia apoiá-lo mesmo sem casar a Arianne pelo parentesco próximo entre eles.
    Mas o que eu acho na verdade é que o próprio Connington vai apoiar esse casamento…

  • Calvin

    Respeito sua opinião, mas em que ela se baseia? Connington sabe que o casamento do seu rei, mais do que gerar herdeiros, teria como principal função garantir o apoio de alguma Casa poderosa, de certa forma o apoio dos Martell já estaria “praticamente” garantido. Acho que seria mais vantajoso ele se casar com a Margaery (caso consiga se livrar do Tommen) ou mesmo com a filha do Randyll Tarly (isso me ocorreu de repente).

  • Felipe Bini

    O caso é que o apoio não está tão garantido assim, não há tantas provas de que o Aegon seja realmente o sobrinho do Doran (tanto que foi por isso que ele enviou a Arianne). Eu acho que o príncipe teria que ter uma grande motivação pra abandonar a Myrcella e a falsa aliança com os Lannister e mudar de lado na cara dura, e uma oferta de casamento seria interessante pro Connington forçar esse apoio dos Martell. O que eu penso na verdade é que o Connington não vai se contentar com alguma noiva que não seja das Grandes Casas. A única outra opção mais próxima além da Arianne, é a Margaery, que tem uma série de empecilhos pra que se efetive como rainha do Aegon (os Tyrell primeiro têm que querer, e o Tommen tem que morrer).

  • Val

    Quando eu li a “Dança” eu imaginei o Aegon casando com a Dany, afinal os Targaryen sempre se casaram entre si. Mas isso seria bom demais… Fora que a linhagem Targaryen deixaria de existir se fosse assim, já que Dany, supostamente, não pode ter filhos.
    Uma luta entre dragões parece bem mais a cara do Martin.

    Obs.: Para deixar claro que, não considero aquele casamento absurdo da Dany como um real casamento. George Martin que desfaça esta merda, matando aquela porcaria que ele chama de marido de Dany ò.ó

  • Calvin

    Não me parecem empecilhos tão grandes, tenho pra mim que o próximo passo do plano do Varys é justamente destruir de uma vez por todas a aliança Lannister-Tyrell que sustenta o Tommen, embora não me arrisque a sugerir como: Há varias maneiras de se fazer isso, inclusive mesmo matar o garoto (talvez seria até mais fácil pra ele do que a morte de Kevan), mas acho que se fosse o planejado Varys já teria feito. E por último, como o casamento de Tommen e Margaery não foi consumado, pode ser anulado.

  • Eu concordo com o Calvin. O que o Varys fez no final do quinto livro meio que já pavimenta o caminho para o fim da aliança Lannister-Tyrell (que o Kevan estava salvando). Mais uma ou duas intrigas e já era.

    E, vale lembrar que a Casa Tyrell era alida aos Targaryens. Caso o Connington consiga ser convincente ao mostrar que Aegon é mesmo um Targaryen, acho que não seria difícil conseguir a aliança novamente.

  • Zélia Leticia Dantas Bezerra

    Tem que se considerar também que, Tommem e Myrecelle são bastardos, uma vez que o Aegon ou a Dany voltarem pra Westeros [o Tyrion, espero, também virá junto] todas essas armações vão ser escancaradas. Tommem e Margahery não consumaram o casamento, pode perfeitamente ser anulado, e o Doran não vai deixar o filho casar com uma bastarda, como não deixou a Arianne casar com o sor Daemon. Muita coisa ainda vai rolar…

    Eu tenho fé de que essa aliança Lannister-Tyrell nunca existiu de fato… Mace quer a filha casada com um rei, uma aliança dos Tyrell com o Aegon resolveria fácil essa guerra, mesmo sem o apoio de Dorne, e mesmo assim, os Martell com certeza vão apoiar.
    Ainda que o Quentyn tenha morrido, e ainda que o Aegon não seja um Targaryen de fato, a motivação do Doran é outra, a dele, da Arianne e das serpentes de areia, eles deixam BEM claro isso em Festim e Dança, eles querem vingança, querem acabar com os Lannister pelo que aconteceu com Elia e os filhos, tanto que os planos continuam mesmo com a morte do Tywin.
    O Doran e o Quentyn sabiam dos perigos quando ele foi atrás da Dany pra casar com ela. A irmã do Doran foi estuprada e morta e ele não fez nada de imediato, não vai ser a morte do filho em uma missão perigosa que vai fazer ele ser impulsivo e emocional, ele pensa as alianças e os movimentos com muita lógica.
    Como o próprio Martin disse uma vez… Doran joga pra ganhar.

    Como a Dany não pode mais ter filhos [na verdade, se eu não me engano, ela volta a ter o sangue de lua depois que o Quetyn aparece, o ‘sol indo do oeste para o leste’, como dizia a profecia, talvez ela já possa ter filhos novamente], seria mais lógico o Aegon se casar por aliança com uma Tyrell, que é a unica casa bastante relevante com quem ele ainda não tem nenhum “diplomata”.

    Comparar o Aegon com o Robb não dá, eles cresceram de formas diferentes, o Aegon passou por coisas bem piores que o Robb enquanto crescia, e embora ele, aparentemente, seja uma pessoa de bom caráter, ele não é nenhum cego pela honra como o Robb e o Ned foram. Acho pouco provável q ele cometa os mesmos erros que o Robb.

  • LadyTargaryen

    E eu já perdendo as esperanças em achar mais alguém que não fosse baba ovo do Oberyn…