A história por trás de Game Of Thrones: inspirações para Cersei Lannister

O site The History Behind Game Of Thrones tem uma proposta interessante de analisar alguns fatos e eventos históricos que podem ter inspirado Game of Thrones. Há algum tempo a autora publicou uma série de posts sobre possíveis inspirações para Cersei Lannister. De acordo com Jamie Adair, autora do site, a impiedosa, cruel, vingativa e manipuladora Cersei, pode ter sido inspirada em duas rainhas diferentes que tiveram papéis na Guerra das Rosas: Isabel Woodville (Elizabeth Woodville) e Margarida de Anjou (Marguerite d’Anjou).

ELIZABETH WOODVILLE

Elizabeth  era filha de uma família de pequena nobreza que lutou contra Edward IV. Como Cersei, Elizabeth era supostamente extremamente sedutora com olhos azuis gelados e longos cabelos dourados, não muito diferente dos cabelos de Lena Headey em Game of Thrones. De fato, como Tywin Lannister apontou para Lady Olenna (da Casa Tyrell), Cersei é a mulher mais bonita dos Sete Reinos. E, assim também era Elizabeth Woodville.

Elizabeth Woodville

Diz a lenda que Elizabeth Woodville conheceu Edward IV, interceptando-o em uma viagem de caça, ela era uma plebeia e seu marido morreu lutando pelos Lancaster (que rima com Lannister), a casa reinante derrubada por Edward, por isso quando o marido de Elizabeth morreu, ela perdeu sua propriedade. De acordo com as histórias, Elizabeth sitiou o rei sob um carvalho, um suposto símbolo do ocultismo. Ao ver sua grande beleza, Edward foi enfeitiçado. Ele queria que Elizabeth tanto que tentou estuprá-la. No entanto, Elizabeth resistiu ameaçando esfaquear-se com um punhal, em vez de sacrificar a sua honra. Para conquistá-la, Edward concordou em se casar com ela em segredo. Por um longo tempo, ele não deixou ninguém saber que ele era casado. Este casamento secreto, não muito diferente do casamento de Robb Stark, foi calamitoso e acabou levando a dinastia à ruína.

Antes de seu casamento, o braço direito de Edward, Conde de Warwick, foi para a França para organizar um casamento entre Edward e uma princesa francesa. Quando Warwick voltou, Edward finalmente não teve escolha senão revelar a verdade: ele já era casado. Warwick foi dolorosamente humilhado por ter de dizer França que o tratado de casamento seria desfeito e nunca perdoou Edward. Rumores circularam até que a mãe de Edward, Cecily Neville, ameaçou denunciá-lo como ilegítimo.

As histórias de Cersei e Elizabeth se diferem um pouco nesse sentido, enquanto o marido de Cersei Lannister não estava interessado nela, Edward IV se casou com Elizabeth por luxúria. Mas assim como Cersei, Elizabeth era constantemente traída pelo marido. No entanto, não há registro de que Elizabeth tenha traído seu marido.

Apesar dessa diferença, ambas as mulheres tinham muitos traços em comum. Ambas eram conhecidas por colocar suas necessidades e as de sua família acima de tudo. Como Cersei dizia: “Quem não está conosco é um inimigo.” Da mesma forma, as duas mulheres eram donas do poder. Além disso, ambas sofriam com rumores e fofocas – mesmo que as histórias possam ter sido verdadeiras. Cersei é atormentado pelos rumores de que ela dormia com seu irmão. Embora não houvesse histórias de incesto entre Elizabeth e seus irmãos, várias outras histórias quase tão difamatórias quanto essa eram espalhadas.

Durante a vida de Elizabeth, havia rumores de sua família orquestrou a queda do ex-prefeito de Londres, Sir Thomas Cook, simplesmente porque queriam uma tapeçaria de sua casa. A história controversa diz que depois que o prefeito se recusou a vender uma tapeçaria para a mãe da rainha, sua família o derrubou com uma acusação forjada de traição. Enquanto estava sob custódia, os irmãos de Elizabeth saquearam a mansão do prefeito – destruindo todos os seus bens e  sua riqueza e roubando a tapeçaria. Elizabeth também pode ter instigado o marido a assassinar judicialmente seu irmão.

De acordo com Jamie, nenhuma destas histórias foram comprovadas e os fãs de Elizabeth Woodville podem não gostar de vê-la retratado desta forma.

Interessantemente, a BBC lançou há pouco tempo uma série chamada The White Queen uma adaptação da trilogia Guerra entre Primos “The Women of the Cousins’ War” (A Rainha Branca, A Rainha Vermelha, A Senhora dos Rios), da escritora Phillippa Gregory. O drama narra a Guerra das Rosas, através da perspectiva de três mulheres: Margaret Beaufort, Anne Neville e Elizabeth Woodville!

Cartaz de divulgação da série The White Queen

MARGARIDA DE ANJOU

Margarida de Anjou

Em relação a Margarida de Anjou, historiadores a retrataram como uma mulher manipuladora, altiva, arrogante e sedenta de poder.  Margarida foi uma rainha consorte afastada dos eventos políticos até ver a posição do seu marido, bem como a do seu filho e sua própria, ameaçada. Quando os York capturaram Henrique VI, Margarida pegou em Eduardo de Westminster e conseguiu fugir para o País de Gales. Assistida por Jasper Tudor, meio irmão de Henrique, organizou a resistência e mobilizou um exército. Após alguns revezes iniciais, Margarida foi a grande vencedora da batalha de Wakefield, travada a 30 de dezembro de 1460, onde os exércitos combinados do Duque de York e do Conde de Salisbury foram destruídos e os seus líderes capturados. Sem mostrar misericórdia, a rainha condenou Ricardo de York e Salisbury por alta traição, mandou executá-los e ordenou que as suas cabeças fossem exibidas nas muralhas de York. Após sofrer uma derrota pesada, Margarida foi poupada de uma acusação de alta traição e consequente condenação à morte, sendo apenas encarcerada na Torre de Londres e mais tarde, aprisionada no castelo de Wallingford. Anos depois, o rei da França pagou uma soma pela sua libertação e Margarida regressou a Anjou, onde morreu em 1482. [Wikipédia]

Diferentemente de Cersei, Margarida não é uma rainha estrangeira, mas sua história apresenta várias semelhanças com a história de Cersei e dos Lannisters.

Algumas revisões históricas mudaram versões de fatos sobre ambas, Margarida e Elizabeth, desde que o primeiro livro das Crônicas foi escrito, portanto mesmo que suas qualidades negativas tenham sido inspirações para Cersei, ambas podem ter sido injustiçadas ao longo dos anos.

Margarida de Anjou também é personagem do livro de Philippa Gregory, A Senhora dos Rios.

LUCREZIA BORGIA

Lucrécia Bórgia, retratada por Pinturicchio como Santa Catarina de Alexandria, no “apartamento Bórgia”, Vaticano

Além de Margarida e Elizabeth, uma possível inspiração para Cersei é Lucrezia Borgia, a filha ilegítima de Rodrigo Bórgia, o papa Alexandre VI e irmã do déspota Cesare Borgia. Assim como Cersei, Lucrezia foi obrigada a se casar por motivos políticos e acusada de incesto. Também contava com grande poder e influência devido à situação de sua família em Roma. Um de seus maridos, Afonso de Biscegli  foi morto possivelmente em uma conspiração armada por Cesare. A própria família Borgia, as conspirações, intrigas e luta pelo poder e acensão podem ter sido uma inspiração para a família Lannister.

Lucrezia foi interpretada recentemente na série The Borgias do canal Showtime pela atriz Holliday Grainger. O drama inspirado na história da família dá enfase aos vários crimes dos quais os Borgias foram acusados, apesar de ter tido uma boa recepção a série terminou na sua terceira temporada.

Holliday Grainger como Lucrezia Borgia

Enquanto acompanhamos as gravações da quarta temporada de Game Of Thrones recomendamos as duas séries: The White Queen e The Borgias e os livros de Philippa Gregory.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Maria Silveira

    Pensei na Lucrezia. Loira dos olhos claros, teve um caso com o irmão. Impossível não lembrar de Cersei.

  • wlad_br

    Assisto The White Queen, e realmente as atitudes da rainha Elizabeth se parecem um pouco com as da Cersei. A diferença é que Elizabeth amava o rei, já a Cersei..

    A Margarida de Anjou apareceu pouco (até agora), então não consigo compará-la com a Cersei.

  • Renato Reis

    Recentemente lancei um blog com a mesma temática e proposta que o History Behind Game of Thrones, o História de Gelo e Fogo, porém, ao contrário do primeiro, o meu blog não se limita ao período histórico da Guerra das Rosas, ele amplia o campo das referências, analogias e paralelos possíveis em ASOIAF, tentando estabelece-los desde a Antiguidade até o início da Era Moderna. Meu post inaugural teve por tema a mesma Guerra das Rosas do qual Jamie Adair é especialista, mas diferentemente dela, aponto os elementos e aspectos divergentes na trama e história de ASOIAF concernentes a Guerra das Rosas como parte de uma teoria com relação ao uso e exploração da História real por George R.R. Martin: além de haver claras referências e analogias possíveis, aparentemente, ele inverte o que realmente aconteceu na História de forma irônica, ou seja, muito do que acontece nas ”Crônicas” cria um espelho invertido do que de fato ocorreu, inclusive na Guerra das Rosas. Exemplo: Elizabeth Woodville, abordada no post aqui em destaque, era de uma família de plebeus, enquanto Cersei é da mais poderosa Casa não monarca dos Sete Reinos. Tanto Elizabeth quanto Cersei tem seus filhos – herdeiros do trono – acusados de serem ilegítimos, no caso de Elizabeth provavelmente não era verdade, mas a mentira prevaleceu, no caso de Cersei certamente era verdade, mas a mentira mais uma vez prevaleceu. Esse é apenas um dos muitos exemplos dessa teoria do ”espelho invertido” da História que procuro expor no meu blog. Aos que se interessarem, eis o link do texto inaugural dele:http://historiadegeloefogo.wordpress.com/2013/07/12/entre-a-rebeliao-de-robert-a-guerra-dos-cinco-reis-e-a-guerra-das-rosas-da-monarquia-descentralizada-e-a-crise-dinastica-a-instauracao-de-uma-nova-ordem-politica-parte-1/

  • Thiago F. Coelho

    Foi um pecado o Showtime cancelar The Borgias. Mas ainda há outra série sobre a família (essa eu não acompanhei, apenas vi uns episódios), chamada “Borgia”, e aqui no Brasil é exibida por algum dos canais da HBO (nunca achei para baixar na internet. E essa outra série tem algumas grandes diferenças com a da Showtime, o que me faz questionar a precisão histórica de ambas).

  • Eu fiquei retada com esse cancelamento, tava adorando a série. Não conhecia essa que vc mencionou. Vou pesquisar.

  • Aline Rocha

    Do pouco que eu conheço das três, não sou estudiosa, apenas assisto as séries, a que mais me lembra a Cersei é a Lucrezia. Conhecida por sua beleza, acusada de incesto, vem de uma família poderosa e que não mede consequências para continuar no poder. Realmente é impossível não compara as duas.

  • Geovana Alves

    Só pra esclarecer uma coisa: Borgia é bem mais exata em relação a fatos históricos. The Borgias tem muita liberdade criativa, tanto que fizeram do Juan um vilão enquanto, durante os acontecimentos da segunda temporada, o verdadeiro já estava morto.

    Indico bem mais Borgia, embora eu tenha uma relação de muito carinho com o elenco de The Borgias, especialmente pelo David Oakes e a Holliday Grainger.

  • Joana D’arc

    Que matéria interessante, uma ótima pesquisa. Ainda espero um final bastante doloroso para a Cersei, tanto no livro quanto na série.

  • Rafael

    Meio complicado comparar ela com Lucrezia Borgia, pois oq se diz de Lucrezia é que ela era bem inteligente e agia com frieza, bem diferente de Cersei e também não vejo similaridades entre os Borgias e os Lannisters, para quem não conhece, Maquiavel considerava Cesar Borgia um dos modelos de príncipes a ser seguido e realmente ele tinha uma capacidade política acima da média.

    De Lucrezia sua vida era cercada de boatos, intrigas e tudo mais, mas diferente de Cersei, por exemplo, ela era bem vista pelo pai, chegando até controlar a Santa Sé em uma ausencia do seu pai, algo inedito na historia da igreja até hoje.

    Acho que existe sim, uma certa semelhança da corte de GOT com as cortes italianas na renascença, pois Maquiavel é uma influencia para Martin, mas são muito mais circunstanciais do que de realmente basear-se nelas,

  • Manucalice

    Mas acredito que essas mulheres que podem ter inspirado Cersei eram mais inteligentes que ela, rsrsrsrsrs. Cersei faz muita besteira!!!

  • Camila Novaes Maia

    Tbm fiquei muito triste com o cancelamento de The Borgias, e só vi apenas a 1 temporada dessa série Borgia, de Tom Fontana. Pelo q eu sei as duas séries seriam apenas uma só, porém houve divergências criativas entre o Tom Fontana (Borgia) e Neil Jordan (The Borgias), por isso ambas as séries tiveram q se adaptar para n serem parecidas. Assim ambas retratam períodos realmente históricos, porém ambas tem q mudar algumas coisas e omitir alguns personagens (por exemplo The Borgias n tem a personagem Adriana de Mila). Gostei de ambas, mas a minha queridinha ainda é The Borgias!

  • Camila Novaes Maia

    Adorei o post! A Lucrécia já até tinha imaginado, e a Margarida de Anjou tbm (a determinação e ambição dela, me lembraram a Cersei), mas a Elizabeth nunca tinha me passado pela cabeça, mas realmente há algumas semelhanças! Curtindo muito The White Queen, mas eles correram tanto com os períodos históricos que me frustrou um pouco, mas gostei muito dos atores. Já The Borgias era magnífica, ainda com ódio da Showtime, nem liberar para o Neil Jordan fazer um filme de encerramento!

  • Zélia Pamplona

    Nossa, já tinha imaginado a história da Lucrezia com a da Cersei xD e a Holliday, nessa foto, ta muito com cara de Lannister.

  • Calvin

    Eu até acho válido esse tipo de comparação, no entanto vi em certas discussões algo curioso: alguns parecem se utilizar desses paralelos como se fossem praticamente “provas” das teorias sobre o futuro da série (o que é um tremendo exagero); o próprio Martin se não me engano já disse que optou por não escrever um romance histórico justamente para evitar que o final pudesse ser conhecido de antemão, ele não tem qualquer obrigação em fazer com que seus personagens tenham o mesmo destino de suas “inspirações”, que é o que muitos parecem acreditar.

  • Tolkien

    Alexandre Bórgia foi um homem poderoso, que fechava os olhos pros pecados dos filhos, poderosissimo, patriarca respeitado e temido, e que quando morreu, seu corpo inchou e fedeu muito rapidamente

    César Bórgia, o desonrado, mas excelente militar e filho de Alexandre, mantinha relaçoes incestuosas com sua irmã, um escandalo mal disfarçado

    Lucrécia Bórgia, linda e culta, mas tbm promiscua e venenosa, era um peão do pai para alcançar poder, e como já dito, amava e transava com seu irmão, César

    Se só estes nao fossem suficientes para o leitor atento identificar de onde Martin extraiu Tywin e seus gemeos dourados, ainda temos Jofre Bórgia, que por suas açoes e personalidade nada lembram Joffrey Baratheon, (Jofre era um songo mongo) mas Martin usou o nome do mesmo para batizar a cria incestuosa de Cersei

    Adoro estas comparaçoes………

    E lendo uma biografia de Anibal, descobri que Cartago era conhecida em sua lingua natal, o fenicio, como Qarth…….., e que um conselho de 104 homens ditavam os rumos desta cidade mercantil, Martin reduziu pra 13….

  • LadyTargaryen

    Eu tbm acompanhava a série desde o início, junto com GoT, e adorava! Eles não podiam ter feito isso, deviam ter pelo menos mantido a linha de The Tudors com 4º temporada… Agora perderam muita credibilidade.

  • Thiago F. Coelho

    Alguns atores de Game of Thrones já deram as caras em Borgia (eu vi os caras que interpretam o Samwell Tarly e o sir Jorah Mormont em alguns dos poucos episódios que vi).

  • Calvin, vc está certo, Martin já disse que se inspirou em alguns episódios, mas que ele não escreve ficção histórica, portanto não precisa se prender a nenhum fato histórico para contar sua história.
    Quanto aos personagens, acho válido comparar apenas em termos de inspiração… =D

  • Messinho’

    Tywin e seus gemeos dourados kkkkk Gostei

  • Calvin

    Apesar do que disse abaixo, eu mesmo formulei uma teoria tomando como base uma passagem histórica: a morte de Eduardo de Westminster. Consta-se que, mesmo não tendo experiência de combate, sob a influência de sua mãe que não queria aceitar a derrota, ele tomou a decisão fatal de liderar seus homens em batalha; não sei vocês mas me parece o tipo de coisa que Cersei faria com Tommen.

  • Fernando Rocha

    Cersei pode até ser a mulher mais linda dos sete reinos , mas a Lena Headey não á faz justiça. apesar de ser linda tbm. alias a Lena é mais linda sem o figurino da serie.

  • Renato Reis

    Dê uma olhada no último texto do meu blog, eu faço uma análise comparativa, com várias conexões e analogias, entre as Cidades Livres de Essos e as cidades-estado ao longo da história, desde as colônias fenícias no Mediterrâneo e as pólis gregas na Antiguidade até as cidades-estado e Repúblicas marítimas da Itália da Baixa Idade Média e do Renascimento: http://historiadegeloefogo.wordpress.com/2013/08/05/cidades-livres-as-cinzas-de-valiria/

  • Tolkien

    Outra que é muito mais bonita fora da série é a Emilia Clarke, mas ninguem supera minha Sansa, que garota linda, só fez eu amar ainda mais a personagem do livro.

  • Arabella

    Odorei essa matéria, vocês podiam fazer mais dessas, indicando outras séries e livros e comparando personagens! Recomendo muuuuuuito The White Queen, série exelente, te prende muito!

  • Lucas Facó

    Lorde Tywin Lannister = O rei inglês Eduardo “Pernas Longas” Plantageneta.

    Eduardo I de Inglaterra, cognominado Longshanks (Pernas Longas), foi um Rei da Inglaterra da dinastia Plantageneta entre 1272 e 1307. Era filho de Henrique III de Inglaterra, a quem sucedeu em 1272, e de Leonor da Provença. Durante o seu reinado, a Inglaterra conquistou e anexou o País de Gales e adquiriu controle sobre a Escócia.

    Frases do rei Eduardo “Pernas Longas” Plantageneta:

    “O que toca a todos deve ser aprovado por todos.”

    Eduardo I de Inglaterra.

    “Leve meus ossos na frente de sua marcha. Para os rebeldes não poderem suportar a visão de mim, vivo ou morto.”

    Eduardo I de Inglaterra.

    Sor Gregor “A Montanha que Cavalga” Clegane = Luca Brasi.

    Sandor “Cão de Caça” Clegane = Albert “Al” Neri

  • Bruna Athayde

    a cersei ja ma is faria isso com o tommen. ela é muito ligada e protege muito os filhos – tanto que quando a batalha de água negra parecia perdida, a primeira atitude dela foi mandar o joffrey de volta pra fortaleza vermelha. ainda assim ele também só ficou junto dos cavaleiros depois de muita insistência do tyrion porque nem isso a rainha queria deixar.

  • Calvin

    Eu não diria jamais, lembra-se o que a Cersei tinha decidido fazer no caso da derrota nessa batalha, quem sabe o que uma pessoa é capaz numa situação de desespero. Isso sem falar que sempre me pareceu que a ela não gosta tanto do Tommen quanto do Joffrey.

  • Bruna Athayde

    justamente por causa disso. ela preferiu envenenar o tommen do que deixá-lo nas mãos dos inimigos. quanto a gostar mais de joffrey eu concordo, mas pode ser aquele negócio de ser primogênito, rei e tal, teoricamente o filho que ela criou pro poder que ela mesma gostaria, mas não podia exercer diretamente.

  • Aline Sousa

    Eu acho que grande parte da história de Westeros foi baseada na história da corte de Henrique V e Anna Bolegna. Vi algumas matérias no Wikipedia e várias coisas são parecidas, inclusive no escudo tinha um Dragão e um leão duelando no centro.

  • Calvin

    Bem, a personalidade da Cersei é difícil de definir, ainda mais agora em que a mesma está cada vez mais maluca; no entanto, mesmo que você esteja certa há outra possibilidade, que ela o levasse a isso indiretamente: A maioria das pessoas considera Tommen uma criança “doce”, Cersei entretanto vê seu comportamento que é tão diferente de Joffrey como na realidade uma prova de fraqueza (foi minha impressão), posso estar chutando alto mas existe a chance de que se continuar com essa atitude ela leve o filho a querer demonstrar o contrário, afinal é difícil imaginar o que ele pode estar disposto a fazer para tentar conseguir a aprovação da mãe.

  • André Razera

    Assisti os Borgias e o GOT, todos tem muitas coisas em comum.

  • Mari

    Ana Bolena é a Margaery Tyrell. Compara a história da traição das duas.
    Não digo isso só pela atriz.

  • Thiago de Paula Carvalho

    Sempre que leio sobre Valíria acabo associando a cidade franca com Roma… as colinas onde se fundaram as cidades, a guerra contra os Roinares, lembrando as guerras púnicas, a perdição parece uma versão amplificada da destruição de Pompeia… por ai vai…