Sobre feminismo e As Crônicas de Gelo e Fogo

Ao ser questionado se estava surpreso com o intenso debate acerca de “As Crônicas de Gelo e Fogo” possuir ou não caráter feminista, George R. R. Martin respondeu o seguinte:
“Na verdade não. Penso que é bom as pessoas debaterem essas questões. Obviamente, não acho que eu seja misógino ou racista como alguns críticos dizem. Eles estão simplificando demais a leitura. Com certeza, eu sou um homem branco de 62 anos e nenhum de nós escapa inteiramente dos valores que nos são passados enquanto somos jovens, mesmo se os rejeitássemos (eu, por exemplo, rejeitei o Catolicismo). Não me apego em um paradigma feminista. Mas estou muito satisfeito, (…)de fato tenho inúmeras fãs mulheres que amam minhas personagens femininas e tentei fornecer uma variedade de personalidades do sexo feminino. O que quero mostrar com meus personagens é que todos somos humanos.”

Certo. Vamos lá. Em primeiro lugar, eu não acredito que “As crônicas de gelo e fogo” seja uma obra sexista e misógina. Não que seja essencialmente feminista, não! A diferença? A diferença está em lermos um livro do John Grisham, em que todas as mulheres giram em torno do personagem masculino principal. São fúteis, dedicadas unicamente ao lar, ao companheiro, aos filhos; e depois lermos o livro “Tomates verdes fritos” da Fannie Flagg – no qual as personagens femininas são independentes, companheiras umas das outras, sempre unidas e donas de si mesmas.
No primeiro exemplo, o machismo é colocado como algo natural, não nocivo. No segundo, percebemos quão doentio ele pode ser e como as coisas tornam-se melhores ao combatê-lo. Entretanto, apegar-se a uma versão feminista dos acontecimentos não foi a intenção do Martin, colocar todas as mulheres como frágeis e fúteis também não.

Agora, o mundo criado por Martin é sexista, machista? Sim, completamente. E as personagens sofrem com isso. É só voltar um olhar mais atento para personagens como Sansa, Cersei, Renly, Sor Loras, Brienne e veremos como os estereótipos de gênero limitam as vidas dessas pessoas.. Mas não acredito que George coloque isso como algo bacana, algo natural, ele apenas mostra como as coisas são e nós [email protected] temos a possibilidade de escolher qual percepção melhor nos agrada.

 

Uma(um) feminista, ao ver Renly e Sor Loras mantendo um relacionamento em segredo por medo das consequências, irá refletir sobre o quão ruim é uma sociedade machista que dita padrões de comportamento  opressores para ambos os gêneros. Homens são pressionados a serem insensíveis e até violentos, enquanto a insegurança, a fraqueza e a amabilidade são características impostas ao sexo feminino.

Fonte: Homem feminista de verdade

 

Vai compreender a frustração de Cersei quando esta confessa que teve toda a sua vida limitada pelo fato de ser mulher, que o seu pai sempre foi mais generoso com Jaime por ser homem, que era obrigada a brincar de bonecas enquanto seu irmão aprendia a ser um cavaleiro. Por que Cersei não poderia montar em cavalos e usar uma espada, por que ela não poderia governar seu próprio castelo?

“Não aguento quando acham que feminismo
é sinônimo de odiar homens” Fonte: Não aguento quando

“Não me apego em um paradigma feminista. (…) O que quero mostrar com meus personagens é que todos somos humanos.”

Essa afirmação do George poderia abrir espaço para diversas interpretações, e como muita gente não abre mão de um senso comum, poderiam dizer que o George quis afirmar-se “humanista, não feminista”. Acontece que com um pouco de boa vontade e leitura, descobrimos que ser feminista é simplesmente reconhecer que vivemos em uma sociedade sexista, opressora e que é importante lutar ou ter empatia por [email protected] que lutam pela mudança desse paradigma. Fazer uma leitura feminista do que está ao nosso redor muito contribui para isso.

Não odiar as personagens por razões sexistas é um bom começo. Cersei é extremamente criticada pela sua sexualidade, mas não fazemos o mesmo com Jaime, por exemplo. Além disso, a beleza e sexualidade de Cersei parecem ser ofensivas para alguns. Contraditoriamente, Brienne é criticada por ser demasiada “feia”, “masculina” e até “frígida”. Se, por outro lado, o alvo de comentários for Sansa, ela é diminuída pela fraqueza e feminilidade excessivas. E assim por diante.

Calma aí, você está dizendo que é ofensivo ser feia ou bonita demais
e que a mulher não é dona da  sua sexualidade? Moç@, você é machista!

Pessoas apresentam uma diversidade enorme de características e comportamentos independente do gênero a que “pertencem”. Assim, como leitora, espero que o George continue desenvolvendo as personagens fantásticas que criou sem limitá-las a estereótipos misóginos e machistas. Há muito potencial de empoderamento feminino em personagens como Danny, Arya, Margaery, Asha e Brienne, só para citar algumas.

O importante é dar visibilidade às personagens femininas, não colocando-as como meras decorações incapazes de desempenhar papéis reservados aos personagens masculinos. Afinal, papéis de gênero são conceitos socialmente construídos, podendo não corresponder ao sexo biologicamente predominante. Cabe a nós questionar essa construção social, aceitando que as escolhas individuais se superponham às imposições sociais dominantes.

As mulheres de Game of Thrones sofrem limitações por causa do mundo sexista em que vivem, não por conta de suas características “naturais”. É só observar como Asha é tão boa guerreira quanto Theon, na verdade bem melhor, mas ainda assim é duramente criticada por querer assumir o lugar do pai.

Enfim, tudo isso são percepções minhas, espero que possamos debater melhor essas questões nos comentários!

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Li todos.

  • É muito inspirado sim, só sendo bastante BURRO para não perceber que ele dá toda essas idéia.

  • O autor trabalha com maestria na criação e caracterização individual de cada personagem. Criando identidades únicas e complexas. É muito difícil escrever narrativa com diversos pontos de vista, pois corre-se o risco de misturar personalidade ou deixá-las com semelhanças inverossímeis, e ele não faz isso. Ele molda cada personalidade e ainda os desenvolve de acordo com as próprias experiências de cada um. Espetacular.

  • Well Dias

    Mais chato que uma feminista, são várias juntas procurando machismo até em cabelo de sovaco.

  • Diego Semede

    Texto brilhante, parabéns!

  • Defendo a Cersei. Acho fascinante como os personagens são complexos e tão humanos.

  • balacubaco12

    Mais chato que machista, é gente que acha que o machismo não está na sociedade

  • Faz um favor machistinha chato, mantenha distância das feministas. Nós agradecemos. 😛

  • Larissa Mancini

    Eu não gosto da Cersei e nunca teve relação com o fato de ela sair por ai transando com todo mundo. Aliás, isso nunca me incomodou. Não gosto dela por ela ser cruel, inescrupulosa, achar que o mundo é dela, que tudo tem que ser feito conforme sua vontade (não importando se isso vai ferir ou até mesmo matar inocentes). Isso aliado ao fato de a mesma ser extraordinariamente hipócrita. Ela se diz injustiçada por ser mulher, mas comete as mesmas injustiças com outras mulheres. E ela é cruel de natureza. Não me esqueço da cena em que ela, ao observar o irmão Tyrion, ainda bebê, no berço, torceu seu pênis por pura maldade. Não dá para me simpatizar com uma personagem assim, por mais injustiças que ela sofra, pois ela não é cruel porque sofreu injustiças, mas porque é de sua natureza.

  • Ricardo Moraes

    Um texto consistente.
    Realimentou a vontade de que chegue logo a continuação pra acompanha-las novamente.

  • K. Alice

    cala a boca, seu machista lixo. Quem têm q falar q sofre machismo são as vítimas de machismo, quem têm q falar q sofre racismo, são as vítimas de racismo. Quem é vc pra falar como as pessoas devem se sentir diante do preconceito?

  • K. Alice

    É por causa de justificativas fúteis como “é só uma obra” q o mundo continua essa merda. O machismo está por toda parte! Se formos nos calar diante de tudo q acontece, ou por se tratar de “apenas uma ficção”, não vamos sair do lugar nunca!

  • Celso Freitas

    Odeio a Cersei por ela ser uma pessoa cruel e inescrupulosa, não por sua sexualidade.

  • Gabriel França

    Feministas no geral não são chatas, mas sim uma parte do grupo constituinte, assim como em todos os grupos da sociedade existem aquelas pessoas de mente limitada que estragam as coisas, como por exemplo algumas feministas que ao invés de fazer alguma coisa pelas mulheres que realmente precisam ter seus direitos defendido, sentam numa mesa para ficar falando mal dos homens em geral. Por isso quando forem atacar qualquer grupo, procurem não generaliza-los desnecessariamente, mas sim isolar a casta na qual querem criticar.

  • drmingus

    No caso das Crônicas de Gelo e Fogo, que solução você sugere?

  • drmingus

    O mundo retratado nas Crônicas de Gelo e Fogo é machista, mas a obra não é. Raramente se vê personagens femininos tão fortes como Daenerys, Cersei, Arya, Catelyn, Asha, Brienne, Ygrite, e mesmo para aquelas que o público reputa como fracas ou submissas, como é o caso da minha querida Sansa, ou da minha não querida Selyse, o texto faz questão de demonstrar que elas só são assim por influência do meio em que foram criadas e do meio em que foram atiradas. Negar que essas coisas acontecem e suprimir as fraquezas femininas de uma obra apenas por medo de soar machista é bobagem e fugiria do escopo da obra. Se tiver de ser assim, melhor seria só escrever estórias da Mulher Maravilha e da Mulher Hulk.

  • drmingus

    Esqueci de dizer: o texto está ótimo. Parabéns!

  • Karol Yuuki

    acho que não hein, apesar de se passar em outro mundo, CGF está claramente na época medieval e Westeros se parece muito com a Europa (já as cidades livres e as ilhas de verão não, tem culturas bem diferentes e se parecem com outros lugar do mundo, se é que se assemelham a algum). E nessa época havia sim muito machismo.