George R. R. Martin: Eu gosto que meus personagens sofram

Em entrevista a Reuters uk Martin comenta sobre alguns aspectos de seus personagens: sexo, poder e violência. E também sobre a especulação em torno de sua saúde na internet.

Martin, 63 anos, que teve uma longa carreira como um escritor de ficção científica e 10 frustrantes anos como um subestimado roteirista de Hollywood, diz que gosta de escrever personagens complexos e manter seus fãs tentando adivinhações.

“Uma das coisas que eu amo, e eu sou um leitor voraz, bem como um escritor, são os livros que me surpreendem, que não são previsíveis,” Martin disse à Reuters em entrevista por telefone.

“Nada me aborrece mais do que livros em que você lê duas páginas e já sabe exatamente como vai terminar. Quero voltas e reviravoltas que me surpreendam, personagens que passam por difiuldades e não sei se eles irão viver ou morrer.”

“Eu gosto de personagens cinzentos, a fantasia por muito tempo tem focado em heróis e vilões muito estereotipados”

“E quando eu olho em volta, não vejo puros heróis brilhantes e vilões absolutamente negros, eu vejo um monte de seres humanos imperfeitos que podem ser heróis ou vilões, é uma questão das escolhas que eles fazem em períodos cruciais em suas vidas, em momentos de stress e confusão emocional.”

“Um dos personagens apresenta um enigma: há um rei, um homem rico e um padre, e um mercenário comum. Cada um dos três homens diz ao mercenário para matar os outros dois Quem vive? Quem morre? Quem tem o poder nessa situação? De onde o poder deriva? ”

“O poder é uma força poderosa e muito sedutora”, acrescentou ele, mas quando perguntei, sorrindo, ele disse que não era “qualquer alegoria específica para a atual crise econômica.”

Martin,  disse que foi surpreendido com a reação contra as cenas de sexo explícito que vêm de alguns leitores americanos.

“Eu posso descrever um machado entrando em um crânio humano em detalhes explícitos e ninguém vai piscar duas vezes por isso. Basta eu fornecer uma descrição semelhante, da mesma forma detalhada, de um pênis entrando em uma vagina, e eu recebo cartas sobre o assunto e pessoas reclamando.”

“Para mim isso é meio frustrante, é loucura, na história do mundo, pênis entrando em vaginas tem dado prazer a um monte de gente. Machados entrando em crânios, bem, não tanto.”

Martin também disse que considera a especulação na internet sobre sua saúde ofensiva e disse que nunca vai se aposentar.

“Eu tenho muitos livros que quero escrever, eu gostaria de pensar que estarei por aqui por uns 20 anos ou mais e escrever mais dezenas de romances, provavelmente algum tipo de literatura imaginativa … Nunca mais outra saga de sete volumes . ”

(Reportagem de Paul Day e Paul Casciato )

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Eu acho que quem reclama sobre sexo é porque não faz sente raiva por quem faz. A mulher que ficou pra titia sem ninguém fica escandalizada por algo que no fundo ela  queria fazer e muito, só que ninguém quer fazer com ela.