Resenha do episódio 2.07 – A Man Without Honor [COM SPOILERS]

Chegamos ao 7º episódio da 2ª temporada de Game of Thrones. Peraí, já? Se você chegou por aqui agora não se assuste com o tamanho do texto. Minhas resenhas não são bem resenhas. Aos poucos elas foram sendo modificadas e hoje tem essa cara de análise/crítica. E esse texto/análise/crítica a seguir contém citações a passagens do livro Fúria dos Reis que ainda não foram abordadas na série. Leia por sua conta em risco.Primeiramente vamos nos lembrar do que rolou: (cenas de 2.06 e 2.07)
Enquanto elementos de Jon, Ygritte e Jaime estão sendo adiantados (em relação ao 3º livro) para que as motivações das personagens cresçam na tela, muitas cenas continuam sendo inventadas pela HBO para que a adaptação faça mais sentido. Resta saber se está fazendo. Vamos lá?

O episódio começa mais uma vez centrado em Winterfell. Theon acorda, percebe que sua nova namorada fugiu e desce para o pátio pra descobrir que um de seus guardas está morto. Ali ele entende o que aconteceu e começa a indagar Black Lorren sobre o fato de que eles deixaram um garoto aleijado, seu empregado débil e seu irmão quase bebê fugirem bem embaixo de seus respectivos narizes. Quando Lorren  joga na cara do “príncipe” que foi tudo obra da nova namorada dele, ele evidentemente fica puto e espanca o cara. E então começa a caçada pelos meninos através da Mata dos Lobos. Olha aí a ilustração da capa do 3º livro, pra todo mundo que nos pergunta. Luwin pede repetidas vezes para que Theon não machuque os garotos e Theon na defensiva diz que ele também foi feito cativo quando era apenas um garoto, mas que nunca fugiu.

E então, ainda na Mata dos Lobos, vemos essa turminha muito louca (Enquanto Summer e Shaggydog caminham na frente):

E daí Bran dá a ideia de parar em uma fazenda próxima pra pedir por comida (Rickon já é crazy, imagina se alimentando apenas de nozes? Te entendo Bran). Jojen e Meera? Ah, vá! Temos problemas maiores aqui. Gostaria muito é que a HBO não se esquecesse de mostrar o quanto esses dois lobos (e Ghost também) são tão BAMFs quanto Greywind. E que, alô HBO: eles, mais do que Osha, jamais deixariam que algo de ruim acontecesse com os garotos. Sei lá, se é pra economizar no CGI, deixa aquele Pyat Pree pra lá e mostra pra gente uns lobões maneiros, poxa. Os Starks são especiais. Esses garotos são muito fofos. Mas minha crítica acaba aqui porque a cena foi adorável. Olha esse Hodor, gente ~Hodor. E vocês?

Nas terras geladas pra lá da Muralha temos Ygritte e Jon que pra mim foi a melhor núcleo do episódio. No que Ygritte foge da aparência que tem nos livros ela ganha por exaltar ainda mais as características psicológicas da personagem. Está perfeita, e está porque as motivações dos dois personagens ali estão sendo adiantadas. Não que eu seja pervertida, mas a menina é engraçada demais!

 

Ela é uma aula de como identificar uma selvagem? Não, por que é completamente diferente de Osha ou das filhas do Craster por exemplo. Ela é inteligente do seu modo, mas acho que todas as garotas livres deveriam ser (e não são). Enfim, Jon acorda com a mão onde não deveria estar, em uma posição que não deveria estar. O personagem está sendo adaptado como um emo, sem dúvida, mas falta atuação ali, talvez. A menina rouba toda a cena dele. Ela percebe que ele é virgem e que é filho de um nobre. Jon aqui é burro pra caramba, mostrando que não prestou um pingo de atenção nos conselhos que Qhorin deu a ele no episódio anterior. É claro que tudo isso leva ao fato de que, no final do episódio, o garoto acaba sendo capturado pelos selvagens com a ajuda de Ygritte. O fato é que, novamente isso é diferente da história dos livros e eu nem sei o que pensar disso. Acredito que ela irá libertá-lo, papel inverso ao dele no livro, dando brecha pra que ele volte com Qhorin depois e… enfim. Vocês sabem. Vamos acompanhar.

 

Arya Stark e a série: onde está a menina que deveria estar treinando o que aprendeu com Syrio? Essas cenas em Harrenhal são muito legais mas acho que chegamos em um ponto onde elas estão se mostrando repetitivas. Todo episódio acaba acontecendo exatamente a mesma coisa com ela. Se a garota respeita Tywin, pra quê mostrar em cena ela alcançando a faca com um ímpeto assassino? Entenda que de maneira nenhuma quero passar a ideia de que esse núcleo desagrada. Esse é o ano de Maisie na minha opinião, como ano passado foi o ano de Peter. Ela está absolutamente sensacional. Se você ainda duvida, toma esse gif. Mas são coisas que a gente achou que até aqui teriam lugar em cena e não tiveram. E isso é um problema nosso, não dá série. Harrenhal é um lugar assombrado e assustador. Não temos essa sensação ao assistir a série. É tudo absolutamente lindo do ponto de vista de direção de arte, a HBO é impecável nisso, na escalação dos atores, nas roupas, nas câmeras, nas paisagens. A série é linda. Eu amo a série. A gente guarda no coração o rosto e a voz das personagens e agregamos isso a nossa leitura. Arya já é Maisie, assim como Sansa é Sophie, Ned é Sean e por aí vai. Mas o contrário não acontece. Os livros possuem um campo imaginativo, especulativo e sensorial que é muito mais subjetivo. A maneira como os livros são escritos é feita pra gerar especulação. Para o próprio Martin ter como explorar as personagens futuramente. Com Pontos de Vista que mais escondem do que mostram. Na TV é o que é. E é isso o que gera a frustração. Comecei a perceber isso melhor depois da última resenha, onde pude ver isso lendo nos comentários a relação de amor e ódio que sentimos pela família Greyjoy, por exemplo. É tudo extremamente subjetivo. E a TV meio que limita nossas escolhas, a partir do momento que ela corta personagens e/ou prefere mostrar uma cena assim ou assada. É uma escolha, é a licença poética da linguagem televisiva. É claro que frustra, às vezes. Mas não podemos deixar que nos frustre sempre. Os livros são melhores, mas a série é maravilhosa. Ela merece todos os prêmios do mundo. Por que é muito difícil ver uma série assim, tão impecável no roteiro e na estética e na direção e na escalação sendo fantasia. A série não é ruim, o problema é que os livros são maravilhosos demais. A temporada não está ruim, o problema é que o segundo livro é uma preparação para o terceiro. E a primeira temporada foi uma preparação para a saga. Como superar isso? Vamos parar de brigar, porque o que nos motiva a fazer isso é a paixão que sentimos pelos livros. Eles são muito bons mesmo, fazer o quê. Eita gente, saí da resenha. Vamos voltar?

Falando sobre Harrenhal ainda temos o fato de termos sido apresentados ao novo ator que faz o Montanha, e o fato de Tywin ter sacado de que o assassino de Lorch não é um amador. O que a série começou a poupar nas cenas de sexo está esbanjando nas de violência. Aqueles caras ali sendo enforcados foi cruel. Muito bacana ver os “trabalhos do Clegane” ainda em andamento e a citação da irmandade de Beric Dondarrion.
A aulas de história no meio das cenas são sempre fascinantes. Tywin e Arya falando sobre Aegon, Rhaenys, Meraxes, Visenya e Vhagar. Arya fala que Visenya foi uma guerreira incrível, com sua espada de aço valiriano chamada Dark Sister. Tywin vê que Visenya é uma heroína para ela, mas que a maioria das garotas preferem as belas, como Jonquil. Ela responde que “Most girls are idiots” e Tywin ri e lembra da própria filha.

Em Porto Real temos Sansa sendo uma atriz dentro de uma atriz, estupidamente doce com o Cão e levando um choque de realidade bem no meio da cara. A arma de Sansa é esse véu de cortesia que ela carrega mais com orgulho do que com inteligência né, fazer o quê. Gostaria de ter visto o romance-que-nunca-existiu entre eles se desenvolver mais. Muito foi adiantado para Sansa aqui né? Sua menarca chega depois que o Cão a beija durante a Batalha do Água Negra nos livros. Na série foi mostrado desse jeito, que de certa maneira fez sentido. Ah, e foi muito bacana mostrar a personagem tendo pesadelos, como nos livros. Shae agora é sua amiga e além disso é uma bandida louca que ameaça as outras aias com punhais. Mais tarde quando a loba se encontra com a rainha fica evidente ali que Cersei está pronta a todo momento pra dar aquela de “meu marido era um gordo bêbado e eu sofria, mulher nasce pra isso, aprenda”.

A Cersei da Lena é sempre super centrada, séria e compenetrada em sua persona e sombrancelhas arqueadas. A Cersei da Lena não é “viva” mas eu gosto dessa Cersei da TV. Esse é o tipo de Cersei que fala que “the more people you love, the weaker you are”. Nos livros ela diz: “Love is poison. A sweet poison, yes, but it will kill you all the same.” Mais tarde vemos o encontro de Cersei com Tyrion, e é quando a leoa desaba na frente do irmão admitindo pela primeira vez seu relacionamento com Jaime e a imprudência com que Joffrey vem levando a vida.

E daí a gente corta pro outro gêmeo do mal que resolveu matar primo e tudo mais. A maneira que o roteiro preparou a arco Catelyn+Brienne+Jaime foi interessante do ponto de vista de que a gente realmente sentiu que Catelyn se viu obrigada a tomar uma decisão ali, não como mãe de Bran e Rickon, mas como mãe de Robb, Sansa e Arya. Nos livros isso é diferente, claro, porque a sensação de que as coisas estão acontecendo de maneira muito fácil para Robb faz com que ela tenha pressentimentos ruins ao mesmo tempo em que ela fica sabendo da morte dos filhos jovens. O papel político de Cat na TV é bem mais sensacional. Ela se vê constantemente sozinha rodeada por homens com muita sede de vingança. Tem que rolar uma coragem fora do normal.

You will strike me down ? Have you forgotten me, ser ? I am the widow of your liege Lord Eddard Stark. I am the mother of your king !

Sinceramente eu assim como muitos de vocês achei bem merda essa lance do Jaime matar o primo. Não só pela violência gratuita extreme como pelo fato de que Jaime com certeza faria isso por Cersei (como já jogou meninos pela janela e etc),  mas é que a essa altura do livro Jaime está fraco, sem comer direito em uma cela horrorosa e cheia de merda. Na série não nos foi mostrado esse “definhar” do personagem. E isso é muito importante pro crescimento do Jaime do ponto de vista de nós leitores.

Pelos menos sabemos que no que diz respeito ao texto o personagem continua sendo absolutamente fenomenal. E seu amor por Cersei ainda arde. Cara, não existe nada mais creepy do que isso. Mas… we love Jaiminho ♥. Lembrando aqui que Jaime cita Barristan Selmy (yay!) ao invés de falar sobre o seu verdadeiro ídolo que é Sor Arthur Dayne, Espada da Manhã.

Eu tenho uma relação muito esquisita com esse novo núcleo da Dany. Nesse episódio vimos Sor Jorah e Quaithe, que está fazendo um ritual macabro pra que um homem possa navegar com proteção perto dos perdição de Valyria e dá aquele enquandrão sutil em Jorah, mostrando que ela sabe que ele ama Dany e que… ele já a traiu. Esse lance de Jorah trair Dany foi mostrado na primeira temporada e citado agora. Mas a gente só sabe da história lendo o livro três, né? De qualquer forma, essa cena foi uma porta de entrada pra que Dany descolasse uma audiência com Os Treze. Lá, Pyat Pree diz que está com os dragões na Casa dos Imortais, e Xaro fala que estava envolvido no esquema. O Rei das Especiarias tenta dar uma zoada, mas acaba morto, assim como os outros Onze Homens. A cena é bizarra e Dany foge correndinho com a sua trupe. Sei lá HBO… apenas nos mostre logo a Casa dos Imortais. Queremos as “dorgas” e flashbacks! Queremos Drogon incendiando TUDO! Give it to us already!

Agora vamos falar um pouco sobre Robb. Robb não tem um pingo de vergonha na cara e convidou Talisa pra passear com ele e comprar suprimentos. É muito bonito o jeito como ele olha pra ela, é com muito desejo e admiração. Robb agora só pensa com o pinto, pessoal. O que eu acho sensacional desse núcleo é as várias feições suspeitas de Roose Bolton e suas frases soltas que fazem muito sentido pra quem sabe quem ele realmente é. E o jeito que ele olhou pra Talisa e Robb quando saiu de cena foi engraçadíssimo! Tipo: “This girl? Really?”

A única coisa que vou comentar sobre essa cena dos garotinhos mortos é que eu chorei muito quando li nos livros, principalmente quando a notícia chega pra Cat. Nos livros eu senti medo de Theon. Na série não. O bacana foi a música que tocou nessa cena, cortando para os créditos finais. Não vejo a hora da Yara chegar a Winterfell.

É isso. Está autorizado fazer um estrago nos comentários! Mas no bom sentido. Por favor, leia e pesquise bastante antes de exprimir seus sentimentos na internet. Amamos discutir com vocês! Mas sempre com civilidade.  Não seja como Jon Snow, saiba exatamente onde colocar sua espada.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados