Produtores de “Game of Thrones” falam sobre o final da primeira temporada

por James Hibberd
 Atenção: esta entrevista contém SPOILERS para quem ainda não viu a primeira temporada completa de Game of Thrones. 

Achei particularmente interessante os comentários deles sobre os acontecimentos que causaram grande choque nos fãs e também sobre a revolta pela falta das batalhas e dos lobos gigantes, são argumentos bastante plausíveis.

David Benioff e D. B. Weiss.
Imagem: spoiler.tv
Não é de admirar que a HBO renovou Game of Thrones tão rápido – a rede teria um motim de assinantes em suas mãos se tivesse cancelado o show depois do último episódio. Com Jon marchando para além da Muralha, Tyrion nomeado para governar Porto Real (King’s Landing), Arya viajando para Castelo Negro, Robb declarado Rei do Norte, Sansa prometendo se casar com o assassino de seu pai e Dany “chocando” um trio de dragões, o palco está montado para todos os tipos de dramas na segunda temporada. Abaixo segue a tradução de uma entrevista de James Hibberd da EW com os produtores executivos David Benioff e D. B. Weiss respondem algumas das questões sobre esta temporada:
EW: Em primeiro lugar, a pergunta na cabeça de todos: Por que Hodor aleatoriamente aparece em uma cena nu?
David Benioff: oferecemos igualdade de oportunidades para a nudez. Há uma história no livro sobre ele ter sangue de gigantes, e você precisaria vê-lo para essa apresentar essa história. E nós não queríamos fazer a piada do modesto Austin Powers onde ele está coberto por uma baguette francesa ou algo assim.
DB Weiss: Eu apenas imagino, o que é tão assustador sobre pênis? Metade das pessoas no mundo os tem, por que não colocá-los na televisão? Agora, se nós mostrarmos [o eunuco] Varys nu …
DB: Boa idéia, você devia escrever isso.

Obviamente a morte Ned Stark recebeu uma enorme reação dos telespectadores. Como foi isso para vocês na semana passada?
DB: Estamos em Belfast, nós estávamos a milhares de quilômetros de todos os gritos na América. Nós não tivemos uma reação sádica, não estamos tendo prazer na dor das pessoas, porque nós temos – nós tivemos uma reação semelhante quando lemos o livro. Mas nós queríamos uma reação forte e tivemos uma. Eu acho que a apatia é a pior coisa ao se fazer um show como este. Se as pessoas estão furiosas, é ótimo que esse mundo fictício tenha um impacto tão grande. Nunca houve um momento de dúvida sobre fazê-lo desta forma.
DW: Para mim, ler o livro, foi o momento em que eu pensei, ‘Temos que fazer isso.’ Ele resume todo este mundo.
DB: Para mim, aquele momento foi o pênis do Hodor.
[Risos]
DW: Nós dois temos o nosso caminho!
O que você diria para alguns espectadores que estão a escrever nos comentários, “Ned e Drogo foram meus personagens favoritos, eu nunca mais vou ver esta série de novo.”
DW: É como quando você joga o livro na parede e depois você corre de volta para pegá-lo novamente.
DB: Se você está apenas assistindo a série por causa de Ned Stark, eu não tenho certeza de que série você está assistindo. Claramente há um grande número de personagens e Ned e Drogo foram partes vitais da história. Mas é crucial para nós criamos um mundo onde você está constantemente com medo pelos seus personagens- esta foi a nossa experiência ao ler os livros. Isso cria uma enorme quantidade de suspense. Você meio que se agarra aos personagens, quando você sabe que pode perdê-los a qualquer momento.
DW: Não é algo [autor George RR Martin] faça indiscriminadamente. A morte de Ned conta uma dura verdade sobre o preço da honra e o preço da moralidade em um mundo onde nem todos têm os mesmos valores que você. Não é uma mensagem redentora simplista, onde você sacrifica a si mesmo e salva o dia. Muitas vezes o sacrifício acaba sendo inútil.
A execução de Ned foi gravada perfeitamente. Uma coisa que pareceu muito inteligente foi a adição de Arya e Ned se verem na cena.
DB: Há uma razão para o [diretor] Alan Taylor estar sentado a 20 pés de nós: nós o arrastamos de volta para Belfast para filmar mais quatro episódios para a segunda temporada. No livro, Yoren acaba vendo a Arya, o que é uma leve coincidência. Para nós, era mais importante que Ned fosse o único a vê-la e dissesse uma palavra para ele “, Baelor.” Tínhamos a estátua de Baelor e tinha o nome de “Baelor” esculpido nela, então pensei que érammos todos inteligentes . Mas não conseguimos perceber que a multidão também poderia ouvir a palavra, quando filmamos. Felizmente as pessoas pareceram descobrir isso de qualquer maneira. Foi a última coisa Ned pôde fazer para proteger a garota que ele ama tanto. E quando ele olha ao redor e vê que ela se foi, espera que agora ela esteja segura, mas também é quando ele vê apenas um mar de rostos com raiva e isso é tudo o que lhe restou. Eu simplesmente amei Sean Bean – ele transmitiu tanto sem diálogo algum.
Na abertura do season finale, vocês acabaram mostrando a cabeça decepada de Ned, o sangue, o cadáver. Vocês podem falar sobre essa decisão?
DB: Não houve maneira de fazer isso no episódio nove sem obscurecer o que o momento era para ser. Mas por outro lado, há algo duro e incontestável sobre o que aconteceu e nós não queríamos fugir disso. Há também um paralelo com o primeiro episódio onde Ned decapita um desertor, e estávamos vendo a partir da perspectiva de Bran. Bran nos ensina muito especificamente sobre “não desviar o olhar” e vemos a coisa toda. No episódio nove, mudamos de Ned para Arya e ela diz “não olhe, não olhe” e Yoren a impede de ver – ela vai ser marcada de qualquer maneira, mas não quero que ela tenha esta imagem em sua mente. Então, não vemos o que Arya não vê.
DW: Houve um monte de espectadores que tiveram uma reação negativa – que Ned não poderia realmente estar morto. Mas no episódio dez deixamos claro que ele está morto. Houve muita discussão sobre o número de quadros de espada no pescoço que iríamos incluir. Tivemos muitos argumentos sobre a possibilidade de adicionar outro duodécimo de segundo de uma decapitação.
Nos livros, os personagens ocasionalmente tem flashbacks de momentos com Ned Stark. Vocês gravaram qualquer material adicional com Bean, que poderia ser usado mais tarde?
DB: Eu gostaria de poder dizer que nós fizemos isso.
DW: Muitos desses flashbacks ocorreram anos atrás, e o dublê de Sean se parece assustadoramente com um jovem Sean Bean, de modo que ainda podemos trabalhar.
Não sei se você viu isto online, mas Game Of Thrones inspirou uma nova palavra, “sexposition” – a combinação de diálogo expositivo e uma cena de sexo.
DB: Nós realmente estamos admirados da esperteza dessa palavra.
DW: Infelizmente, não chegamos a inventar usando sexposition.
DB: Podemos ter que voltar com uma nova ferramenta expositiva para a segunda temporada – como o uso de dragões.
Alguns fãs ficaram desapontados quando não viu nada das batalhas, mesmo que elas não sejam muito detalhadas no livro também. Eu não acho que é um spoiler dizer que há uma grande batalha no segundo livro. Você será capaz de mostrar isso?
DB: Nunca houve muita discussão na gravação da Batalha do Bosque dos Murmúrios (Whispering Wood) [exércitos de Robb vs Jaime]. Nós tínhamos planos para mostrar Tyrion marchando para a batalha atrás da Montanha(Sor Gregor Clegane). Queríamos filmar a visão de Tyrion enquanto a Montanha apenas cortava os soldados. Mas em última análise, nós tivemos que tomar algumas decisões muito difíceis. Corremos contra o tempo para gravá-la corretamente e nós pensamos que seria muito melhor ter uma grande cena com nossos personagens do que uma versão de baixa qualidade da batalha. Queremos ter algumas grandes batalhas, nós estamos trabalhando muito duro para ter grandes batalhas na segunda temporada. Gostaríamos de ter mais lobos gigantes também.
DW: Há tantas coisas que podemos fazer muito melhor do que filmes. Mas há algumas coisas como batalhas e criaturas, onde há necessidade de força financeira para fazer bem, e isso envolve ser muito criativo e seletivo sobre como você deve fazer essas coisas para torná-las viáveis. Nós não queremos que a série se pareça com um jogo de Playstation 2, queremos olhar ter o mesmo nível [de qualidade] em toda a série.
Aqueles dragões pareceram muito realistas, como em grandes blockbusters de verão. Como é que vocês vão se dar ao luxo de continuar fazendo isso na segunda temporada?
DB: Eu não tenho idéia. Vai ser uma época de escolhas difíceis. Temos dragões, temos lobos gigantes crescendo, temos grandes batalhas. Apesar das mortes de personagens diversos, temos um elenco crescente de personagens – tudo isso com a mesma quantidade de tempo para gravar.
DW: Não vai ser um monte de fumaça.
Será que o lobos gigantes podem ser criados com CGI na segunda temporada?
DW: Será uma combinação de cães reais e efeitos visuais e qualquer outra forma que possamos fazer funcionar.
Imagem: EW
Quais são algumas das lições que vocês aprenderam durante a gravação da primeira temporada que podem influenciar na segunda temporada?
DB: Toda vez que você tem um cavalo em uma cena, gastará o dobro do tempo na filmagem. Conhecemos muito bem o elenco e agora escrever para esses atores é uma vantagem enorme. Sabemos, por exemplo, que John Bradley (Sam) vai dar uma leitura incrível da história. Se torna muito divertido escrever para essas pessoas que nós viemos a conhecer tão bem.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • discordo, acredito que Martin não está do lado de nenhum personagem, portanto todos estão sujeitos à morte. Martin não tem um personagem principal, um ''héroi''.