Resenha de A guerra dos Tronos na Carta Capital

Já falei aqui no blog de resenhas do livro em revistas como a Istoé e a Época, minha primeira impressão sobre essas foi de que a pessoa que escreveu não tinha lido nenhum livro, sequer o primeiro. Aparentemente leram algum resumo, algo sobre a série e os personagens principais, juntaram com o nome de Tolkien (usado na propaganda do livro e pronto). Eu nunca levei muito em consideração essas críticas de revistas, sempre li com uma tendência a duvidar.
MAS, ontem eu descobri uma resenha excelente publicada por Antonio Luiz M. C. Costa no site da Carta Capital, onde é apresentada uma perspectiva nova sobre a história.

Eu já vi opiniões sobre inspiração desse livro em tantas outras obras que nem me surpreendo mais, porém essa foi a primeira vez que vi o livro ser comparado às obras Shakesperianas. Já li algumas obras de Shakespeare, mas nunca observei a obra por essa perspectiva e achei a resenha excelente, apesar de Eddard perder a moral visão do crítico…

Não concordei apenas com esta parte do texto:


Os outros aristocratas espalham filhos ilegítimos pelo mundo com indiferença ou orgulho, mas o herói Ned 
Stark se tortura (e é condenado pela família) por ter gerado um único bastardo.”

Creio que essa é a primeira impressão que se tem por causa dos acontecimentos do primeiro livro. Realmente quase todo mundo no livro tem um filho bastardo, a quem ignora ou despreza e todo mundo condena Ned por esse pecado. Mas acho que outras pessoas devem concordar comigo que talvez não seja essa a razão para a tortura pessoal de Ned (tem mais coisa aí…tem sim…), porém ninguém além de Martin e os produtores da série sabem mais detalhes sobre isso, então só nos resta especular… :O

Não vou copiar a resenha aqui, pois ela é bem grande e vale a pena visitar, ler e comentar lá no site. 
Espero que vocês gostem tanto quanto eu. ^^

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados