Será Martin o novo Tolkien?

Esta semana me enviaram o link  desta reportagem da ISTOÉ sobre A Guerra dos Tronos e os demais livros de G.R.R.M.
O que me impressionou além do título da notícia foi a quantidade de informações estranhas contidas no texto (que colei abaixo), por isso decidi fazer uma pequena análise dessa apresentação de Martin pela ISTOÉ.

Primeiro o título que vem como “O novo Senhor dos Anéis” para quem ainda não conhece a obra, afirmo novamente que o livro nem de longe se parece com a obra de Tolkien. Apesar deste ser o autor mais conceituado quando se fala de fantasia, na obra de Martin há pouquíssimas semelhanças com O Senhor dos Anéis.
Primeiramente, não temos as raças de elfos, anões e humanos, existem somente os humanos.
Não temos personagens como Sauron e Morgoth.
Não há personagens completamente bons e puros, nem totalmente maus. Nós vemos a história pelo ponto de vista dos próprios personagens e sabemos das coisas pelas opiniões deles. Podemos classificar alguém como bom ou ruim, mas talvez isso não seja necessariamente verdade.
Por fim, o enredo não se baseia em uma tentativa de salvar o mundo do domínio do mal. O enredo é sobre o jogo de tronos e todos os conflitos em torno do Trono de Ferro, na luta pelo poder, o que envolve mentiras, conspirações e traições, onde os leais e justos estão a mercê de uma teia da qual talvez não possam sair tão facilmente.

Outra coisa, Martin segue a trilha de Tolkien e lança saga épica para público adulto. Aí me pergunto, será que Tolkien é realmente o único escritor memorável de fantasia? Acredito que esta comparação se deva ao fato de que no Brasil muitos conhecem apenas O Senhor dos Anéis (que alguns idolatram e outros odeiam) e Harry Potter, um é a obra máxima de fantasia adulta e o outro a obra máxima de fantasia infantil, na opinião de grande parte dos leitores brasileiros. Mas quem acompanha os lançamentos lá fora e tem alguma idéia mais profunda da obra de Martin, sabe que não é bem assim, que Martin tem um estilo diferente e talvez em uma classificação à parte de Tolkien. Já vi diversos críticos que dizem que Tolkien e Martin seriam leituras de ficção fantástica indispensáveis, colocando-os de forma bastante diferente. Para comprovar minha tese você vai precisar ler, pra depois comparar.


Vejam aqui essa lista (em inglês) que contém uma classificação dos 25 melhores livros de fantasia (não me trolem), é possível observar que “A guerra dos tronos” está em primeiro lugar enquanto O Senhor dos Anéis está em quarto. Outra observação é que dos outros livros da lista conheço apenas, O nome do vento, Deuses Americanos, A roda do tempo e A saga do Assassino, além de A Guerra dos Tronos e O Senhor dos Aneís. Destes não sei dizer quais sagas já foram completamente publicadas aqui no Brasil, e os que saíram não fazem o devido sucesso e não são best-sellers, por isso digo que o problema dos brasileiros é a falta de outras obras de qualidade para comparar e também a falta de prática na leitura, então tudo tem que ser melhor ou igual a Senhor dos Anéis ou Harry Potter.
* (Alguns dos livros que citei estão na minha lista de próximas leituras. Peço que levem em consideração que listas são de opinião particular, então cada um faz a sua, apenas usei para mostrar meu ponto de vista).

True Blood não foi baseado na obra de Charlotte Harris, mas sim de Charlaine Harris, ok?

Outro destaque nessa notícia é que o títulos da saga é “As Crônicas de Gelo e Fogo”, porém esse título não é a tradução literal do título original, que deveria ser “Uma canção de gelo e fogo” e por motivos que não posso citar certamente traduzem melhor a essência da história, mas como a própria notícia faz questão de mostrar, esse tipo de título é mais chamativo. Isso certamente deve ter influenciado na tradução. A questão aqui é que na reportagem, parece que “as crônicas” foi um título escolhido por Martin para “chamar a atenção”.

Depois é feito um comentário, sobre a maior parte das aventuras se passar nas “florestas de Winterfell, onde sete nobres famílias disputam o poder do reino”. Esse texto ficou bastante estranho, pois parece que o reino está nas florestas de Winterfell, totalmente errado, basta dar uma olhadinha no mapa pra perceber.


O enredo é mais apimentado, com fortes cenas de violência e sexo. Acho que colocado desta forma, parece que estamos comprando um livrinho de banca de revista daqueles que tem cenas totalmente 18+, esse não é o foco da trama que tem seu foco muito mais na inteligência e personalidade dos heróis da saga. A guerra dos tronos tem cenas violentas e cenas de sexo, mas Martin não coloca essas cenas da forma como você pode estar pensando. Não espere uma obra como os livros da série Fuego!, nem espere carnificina e sangue. Creio que a série não se assemelhará nesse aspecto a True Blood que explora a nudez e o sangue ao máximo. O foco de “A Guerra dos Tronos” é o jogo de Tronos, como já disse, e no meio do caminho, mortes, casamentos e incestos podem acontecer…


Por fim, acho que essa reportagem foi influenciada pela propaganda da própria editora aqui no Brasil, que vem tentando empurrar Martin como o novo Tolkien e “As crônicas de gelo e fogo” como o novo Senhor dos Anéis, mas tenham em mente que essa semelhança é bastante sutil.

Convido você agora a manifestar sua opinião nos comentários! Será Martin o novo Tolkien?
Se tiver interesse em ler, segue a reportagem completa:


O novo Senhor dos Anéis
Com quatro best-sellers publicados, o escritor americano George R.R. Martin segue a trilha do inglês J.R.R. Tolkien e lança saga épica para público adulto
Natália Rangel


Uma nova e fantástica saga literária que já vendeu sete milhões de exemplares em todo o mundo chega ao Brasil este mês com o lançamento de “A Guerra dos Tronos” (Editora Leya). Trata-se do primeiro livro de uma série de quatro volumes intitulada “As Crônicas de Gelo e Fogo”, criada pelo escritor americano George R.R. Martin. Uma adaptação para a tevê já está em fase de filmagem – sendo que a primeira temporada terá dez episódios, orçados em US$ 60 milhões e com previsão de estreia em 2011 no canal a cabo HBO. O best-seller que emplaca inúmeras continuações e cria uma legião de fãs é uma mina de ouro de múltiplas derivações (na tevê, no cinema e nos games) e um filão muito lucrativo para a indústria do entretenimento. Tanto que a emissora que adaptou com êxito “True Blood” para a tevê, baseada na obra de Charlotte Harris, agora investe alto nessa nova produção para sucedê-la. A mesma fórmula criou fenômenos como o infantojuvenil “As Crônicas de Nárnia”, do irlandês C.S. Lewis, e a trilogia “O Senhor dos Anéis”, inspirada na obra do autor inglês J.R.R. Tolkien. 


As semelhanças entre o novo fenômeno e os anteriores também estão no título da obra (que adota a palavra “crônicas”) e no nome 
do autor (como Tolkien, ele assina usando as abreviações R.R.). Martin fez questão do ator Sean Bean no elenco da série – o mesmo de “O Senhor dos Anéis”. Além disso, a saga recria um mundo imaginário de reinos e personagens humanos e mágicos que travam uma luta atemporal pela sobrevivência e pelo poder numa natureza selvagem. O seriado foi filmado no norte da Irlanda e na ilha de Malta, no Mediterrâneo. A maior parte da ação se dá em um rigoroso inverno nas fictícias florestas de Winterfell, onde sete nobres famílias disputam o poder do reino capitaneado pelo aristocrático Ned Stark (Sean Bean). Serão desafiadas e seduzidas pela heroína Daenerys, uma guerreira de cabelos platinados e olhos cor de violeta. Ao contrário do que pode parecer, no entanto, Martin não é apenas uma cópia oportunista do estilo consagrado pelo britânico e concebido no início do século passado. Em “Guerra dos Tronos” o embate entre o bem e o mal assume um caráter menos maniqueísta e o enredo é mais apimentado, com fortes cenas de violência e sexo. Tudo isso mira o público que aprendeu a gostar desse estilo de fábula mágica com “O Senhor dos Anéis”, no início dos anos 2000, e agora, já bem mais crescido, está interessado em tramas menos inocentes.

Compartilhe:

Ao comentar no site você aceita as regras previamente estabelecidas.

Posts Relacionados

  • Pior que o Martin de certa forma é o novo Tolkien, mas não da forma como a autora da matéria indicou. Ele é porque da mesma forma que o Tolkien é um paradigma para o gênero fantástico, ASOIAF também se tornou um. Nesse sentido, mas no pejorativo, ou achar que o Martin seguiu a mesma forma, nem de longe…

  • Na lista lá da Amazon, esqueceu de citar Jonathan Strage & Mr. Norrell da inglesa Susanna Clarke que foi lançado aqui nas terras tupiniquins também. Excelente livro, diga-se de passagem. Tá na minha lista de prediletos, assim como O Nome do Vento e claro ASOIAF.

  • Ana Carolina também considero que Martin criou um novo tipo de fantasia.
    Ele é um gênio como Tolkien. Mas a obra dele não é uma cópia como outras que vejo por aí…

  • Desafinado seja bem vindo!

    Pôxa agora que você me recomendou esse livro vou ter que ir olhar e quem sabe colocar na minha lista!
    Ela já tá enorme, não sei mais o que faço!
    XD

    Eu citei apenas os livros que eu já tinha ouvido falar, por que os outros eram desconhecidos pra mim.
    Mas sei que essa lista está deliciosa…

  • Hahahaha acho q a ISTOÉ tá precisando contratar a gente!!! Hahahahaha
    Concordo q a matéria ficou bem esquisita…

    http://conversandocomdragoes.blogspot.com/

  • Kate e se eu te disser que achei erros em outros artigos dela?
    Porém como não tinha a ver com o blog não citei…

    XD

  • A matéria da Isto É foi muito mal escrita e sem o menor cuidado. O que a Carolina disse no começo dos comentários foi certo, Martin pode até ser tachado como o novo Tolkien, mas Guerra dos Tronos não é um novo Senhor dos Anéis!
    O que acontece é que a midia e todo o mundo (eu incluso) sente falta da saga que foi O Senhor dos Anéis no cinema, acompanhar cada filme no final do ano, mesmo já conhecendo a obra foi um marco e tanto que ninguém superou ainda. As pessoas vão referenciar isso sempre que puderem como forma chamar a atenção.

  • A idéia acho que é essa.
    Como os brasileiros tem poucas referência literárias de sucesso esmagador como LOTR, eles apelam e tudo é o novo Tolkien.
    Até Nárnia era comparado a Tolkien.
    Esses dias estou lendo Fundação e na contracapa do livro Tolkien é citado, é mole?
    Asimov não precisava disso ¬¬
    Mas…

  • Eu elevaria George RR Martin mais ao nível e estilo da ficção historica de Bernard Cornwell e Conn Iggulden a diferença é que Westeros eh um mundo imaginario de elementos fantasiosos como Tolkien.

  • Nando concordo com vc, de todos os autores que já li, encontrei mais semeslhanças de ASOIAF com os livros de Cornwell (principalmente nos livros de Arthur…)

    Tem gente que dis que A Guerra dos Tronos é Os Sopranos na terra média, eu diria que é O poderoso chefão na Terra Média!

    ^^

  • É… só tenho a dizer que a falta de pesquisa de certos jornalistas me assusta. Essa aí não conhece nem Tolkien, nem Martim, nenhuma das obras e nem o gênero fantasia.
    Bom, eu não entendo de motor de avião, logo não escrevo de motor de avião, certo?
    Desconsiderável como crítica mas válida como publicidade grátis.

  • Quiet Wolf o mais engraçado é que essa jornalista opina sobre diversos livros.
    Eu olhei outro texto de um livro que eu conheço (Os homens que não amavam as mulheres) e gosto muito, ela também fez vários comentários errados.
    Parece que pagaram ela pra falar bem, mas ela não tinha idéia nenhuma de nada. Nesse caso aí valia até um google né? 😛

    A Época publicou também uma resenha de GOT que estava muito boa, pena que era somente pra assinantes e não me lembro mais o link…
    XD

  • Nao li tudo, pq to sem tempo, mas pelo que li essa jornalista nao leu nem dois capitulos de Canção O_o

    Como pegam alguém assim pra fazer uma matéria dessa? Sem noção.

    Depois leio mais e rasgo o verbo hauhauahu

  • Pablo
    Acho que ela não leu nem sequer uma crítica em algum blog quem dirá o livro!

  • Depois de ter lido e de todos os comentários, acho que essa “resenha” é bastante suspeita.
    Tá mais com cara de propaganda, isso sim…
    =/

  • Oi!!!
    (nada haver com o post x 2)
    Peguei Os Homens que não Amavam as Mulheres em PDF mas ainda naum tive tempo de ler, li umas três págians somente… Pq vc está interessada ou já leu???
    Obs: decidido, mandaremos nossos curriculos para a ISTOÉ!!! Hahahaha

  • Kate agora nem precisa de diploma de jornalista né?
    Tamos contratada já!
    HAHHAHAHH

    O livro é muito bom, comprei os 3 da saga millenium assim que saíram aqui! ADORO! =)

  • X 4…
    Se naum quiserem nos contratar mostramos o erro da autora da matéria e falamos q para escrever sobre livros aceitamos dividir o salário!!! Hahahaha!!!
    Vou dar um jeito de passar o livro para frente na minha pilha… Caramba tô muito sem tempo!!!
    Valeu pela dica!!!

  • Sim, também vou mandar meu curriculum pra ISTOÉ ¬¬

    escrever duas dúzias de linhas e falar bobeira eu também consigo fazer… hahuahuhau

    Vamos lá!

    “…travam uma luta pela sobrevivencia e pelo poder numa natureza selvagem” ????? Heim??

    Nem se a historia se passasse na Africa huahauhau

    “A maior parte da ação… capitaneado pelo aristocrático Ned Stark”

    o nome dele não é Ned Stark, é Eddard Stark ¬¬ No seu 1º pov acho que já mostra seu nome… mas quem nao leu nao sabe, né! E Ned capitanea pouca coisa de ação… E a sitada “ação” nem há muita, (no 1º livro) e muito menos acontece no Norte.

    “Seduzidas e desafiadas por Daenerys… uma guerreira…”

    Afffff… a parte que mais me doeu. O_O Dany tem tanto de guerreira como seu irmão de cavalheiro hauhauahuah E de seduzir e desafiar Ponente tá muito longe de acontecer ainda. Se quem escreveu a matéria tivesse lido até o último livro lançado saberia.

    Se forem colocar gente pra fazer promoção de alguma saga, que pelo menos tenha lido o primeiro livro, pra saber como é! Isso ajuda muito, “jornalistas”.

  • Olá!
    Credo! Essa matéria foi escrita nas coxas. Nada a ver, Martin escreveu um Épico incrivel e que não lembra em nada LOTR. Exceto pelo gênero…Fantasia. Também acho que ASOIAF está mais proximo de Cornwell.
    Bjs

  • A matéria foi trolada, mas mereceu né?
    😛

  • José Carlos Ericeira

    Na boa nunca tive saco pra Senhor dos aneis..nem em filme…Mas vou ler pra ter certeza…mas pelo q vi nos filmes ..é muita perfeição e bondade(Falso)…